Lançamento

Foto: Reprodução/Instagram

Bicentenário da Independência: Ivan Alves Filho fala sobre lançamento do livro “O caminho do alferes Tiradentes”

Por Aquarius Produções Culturais

O livro “O caminho do alferes Tiradentes - uma viagem pela Trilha dos Inconfidentes”, de autoria do historiador Ivan Alves Filho. Trata-se de uma edição comemorativa ao Bicentenário da Independência do Brasil, que teve na figura de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, seu maior entusiasta e mentor.

Ivan Alves Filho percorreu milhares de quilômetros em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, perfazendo uma espécie de geografia da história da Conjuração Mineira. Para isso, o autor se baseou nos Autos de Devassa, o processo movido contra os revolucionários pelas autoridades coloniais. Nesta obra, Ivan Alves Filho se tornou um historiador de campo, mesclando pesquisa histórica, relato de viagem, método antropológico, mergulhando fundo na cultura mineira e brasileira. Artes plásticas, cultura barroca, música colonial, construções arquitetônicas, ideias revolucionárias, nada parece ter escapado ao olhar atento do pesquisador.

O caminho do alferes Tiradentes - uma viagem pela Trilha dos Inconfidentes é prefaciado por Angelo Oswaldo, ex-ministro interino da Cultura e por duas vezes secretário de Cultura de Minas Gerais. A obra tem "orelha" do documentarista, músico e escritor Luiz Carlos Prestes Filho, que nela se inspirou para compor sua série musical Molhem minha goela com cachaça da terra.

A referida publicação - devidamente atualizada e revisada - é o vigésimo livro de Ivan Alves Filho.

O lançamento dessa obra acontecerá na FLITI - Feira Literária de Tiradentes/MG, nos dias 3, 4, 5 e 6 de novembro de 2022.

Confira, abaixo, entrevista de Ivan Alves Filho sobre o livro:




Bienal do livro de Brasília recebe público de diferentes idades | Foto: reprodução/Bienal

Escritores da periferia estão entre selecionados para lançamento na Bienal de Brasília

Bienal do livro*

Dezoito escritores da periferia do Distrito Federal e do Plano Piloto tiveram suas obras inéditas selecionadas para lançamento na 5ª Bienal Internacional do Livro de Brasília (Bilb). O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (3/10). O evento, que tem entrada gratuita, será realizado de 21 a 30 de outubro, no Pavilhão do Parque da Cidade.

No total, o público da bienal terá acesso a uma programação com mais de 60 escritores nacionais e internacionais. Entre os selecionados no edital específico para o DF, estão escritores de Ceilândia Sul, Planaltina, Gama, Arniqueira, Jardim Botânico, Granja do Torto, Cruzeiro, Sudoeste, Asa Sul e Asa Norte.

Os livros deles disputaram as vagas entre 71 obras inscritas no edital que visa incentivar ainda mais a criação literária, depois de serem produzidas e registradas durante a pandemia A diretora-geral da Bilb, Suzzy Souza, diz que a ideia é garantir visibilidade a autores do DF que não conseguiram lançar seus livros por causa do distanciamento imposto como medida de combate ao coronavírus.

“A bienal é plural. É por isso que também abre as portas para que autores de diversas regiões dentro do próprio DF possam lançar suas obras durante a programação, que também tem presença confirmada de vários escritores nacionais e de outros países. Vai ser uma experiência inesquecível”, afirma a diretora-geral da Bilb, Suzzy Souzza.

A seguir, veja a lista das obras selecionadas e seus respectivos autores

  1. Além do olhar: poesias vividas | Adelaide Ribeiro Jordão (Asa Norte)
  2. Sob a magia da taifa | Almeria Machado Godoi (Jardim Botânico)
  3. A Macoxi e o segredo das sementes | Caroline Barroso da Silva (Asa Sul)
  4. Eterna Primavera | Eustáquio J. Ferreira Santos (Asa Norte)
  5. O balãozinho azul | Fáuston da Silva (Arniqueira)
  6. Minha pele cor de pele | Francisco de Assis Olinda da Silva (Ceilândia Sul)
  7. Desencantares para o esquecimento | Geraldo Ramiere Oliveira Silva (Planaltina)
  8. Ruídos: confissões prematuras | Giovane Munhoes Perina (Águas Claras)
  9. O Menino que tinha medo de criança | Gisele Garcia (Sudoeste)
  10. Como as sementes viram árvores | Letícia de Queiroz Magalhães Sousa (Planaltina)
  11. Aziza: a preciosa contadora de sonhos | Luciana Palmeira da Silva Cardoso (Granja do Torto)
  12. Mayra e a floresta viva | Marcos Aurélio Branco Linhares (Cruzeiro)
  13. Era só brincadeirinha! | Maria Aparecida Chagas Ferreira (Asa Sul)
  14. Um Pouco | Maria Cecilia de Queiroz Aprigliano (Asa Norte)
  15. Sua Primeira Casa | Rafaela Kalaffa Sergio e Silva (Arniqueira)
  16. O dia em que nasci | Rebeca Danielle Prado de Andrade (Asa Sul)
  17. SobreVoar ou A Imanência da Leveza | Valdério Soares da Costa (Asa Norte)
  18. Preta de greve e as sete reivindicações | Zenilda Vilarins Cardozo (Gama)

A Bilb também será realizada como comemoração à Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, que é celebrada tradicionalmente de 23 a 29 de outubro. O evento oferecerá encontros com autores, homenagens, lançamentos e espaços especiais, apresentações teatrais, exibições de filmes, contação de histórias, shows musicais em pequeno e grande formato, seminários e oferta de vale-livro.

A 5ª Bilb é uma realização da InterCult Produções e do Instituto Levanta Brasil, com direção-geral de Suzzy Souza e Henrique Senna. O evento também tem trabalho articulado com os curadores nacional, Paulliny Tort; internacional, José Rezende Jr.; e de HQ, Pedro Brandt.

A entrada na bienal é gratuita. No entanto, todas as pessoas devem acessar o site da Bilb, clicar na parte de ingressos eletrônicos para retirar seu voucher. Para ter acesso à área do palco BILBeats, onde artistas realizarão suas apresentações, os interessados devem obter ingresso pago, na parte de shows musicais. A cantora e compositora Céu é uma das que já confirmaram presença na atração.


Livro Histórias que ninguém iria contar | Arte: Matheus Lacerda/FAP

Livro registra curiosidades da luta clandestina contra a ditadura

Cleomar Almeida, coordenador de Publicações da FAP

“Aspecto pitoresco” dos bastidores da luta clandestina contra a ditadura e em favor da democracia, com protagonismo de militantes do Partido Comunista Brasileiro (PCB), marca o livro Histórias que ninguém iria contar: história banal do PCB em Mato Grosso do Sul (132 páginas). A mais nova obra de Fausto Matto Grosso, editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), será lançada em evento presencial, no dia 29 de abril, em Campo Grande (MS), a partir das 18h30.

O lançamento do livro de Fausto Matto Grosso segue a orientação da diretoria da FAP para a retomada de eventos presenciais da entidade, desde que foram suspensos por causa da pandemia da covid-19, em 2020, mas observa todas as medidas recomendadas pelas autoridades sanitárias para conter a doença. Organizada pelo próprio autor, a cerimônia tem o apoio da instituição.

PCB no Palanque da R. Agraria 1986
Primeira passeata trabalhadores construcao civil 1981
Sindicalistas no Gabinete do Prefeito aompanhaos pelo vereador Fausto Matto Grosso
VEREADORES DO PCB MARCELO BARBOSA MARTINS E FAUSTO MATTO GROSSO
Rumo ao Festao da Voz
PAINEL ILTON SILVA FREIRE PRESIDENTE
Sede PCB MS Rua 14 ano 1989
Reunião no centro de estudos econômicos e sociais (Cepes)
Núcleo Mario Schemberg PCB UFMS
Reuniao na Sede do PCB MS 1989
PlayPause
previous arrow
next arrow
 
PCB no Palanque da R. Agraria 1986
Primeira passeata trabalhadores construcao civil 1981
Sindicalistas no Gabinete do Prefeito aompanhaos pelo vereador Fausto Matto Grosso
VEREADORES DO PCB MARCELO BARBOSA MARTINS E FAUSTO MATTO GROSSO
Rumo ao Festao da Voz
PAINEL ILTON SILVA FREIRE PRESIDENTE
Sede PCB MS Rua 14 ano 1989
Reunião no centro de estudos econômicos e sociais (Cepes)
Núcleo Mario Schemberg PCB UFMS
Reuniao na Sede do PCB MS 1989
previous arrow
next arrow

Com 40 crônicas, a maioria de autoria do autor, mas também com contribuições de Marisa Bittar, Carmelino Rezende, Mário Cesar Fonseca (Cecéu) e João José de Souza Leite, o livro terá lançamento no Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul. Exemplares da obra serão distribuídos no local como cortesia para os participantes.

"Poeira da vida"

“Este livro trata da nossa luta política em Mato Grosso do Sul, não como história do PCB, o que deve ficar para os historiadores, também não como memórias do autor, mas como coletânea de lembranças da militância vivida no seu cotidiano. São histórias que ninguém iria contar e se perderiam na poeira da vida”, afirma o autor. Ele é engenheiro civil e foi professor e também pró-reitor de Extensão e Assuntos Estudantis da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

De acordo com ele, as histórias relatadas no livro destacam pontos curiosos. “Descrevem o aspecto pitoresco da luta clandestina, olhado por dentro, envolvendo os militantes do PCB, a quem se homenageia. É uma história da militância feita por muitos, principalmente jovens que se formaram politicamente nesse período”, explica ele.

Convite para lançamento do livro Histórias que ninguém iria contar

Fausto Matto Grosso lembra que as décadas de 1970 e 1980 foram especialmente ricas na história da luta contra a ditadura. “Foi também um período de fortalecimento do PCB. Logo após o golpe de 1964 formulamos a consagrada política de frente ampla contra a ditadura, enquanto outros partidos e agrupamentos políticos da esquerda apostaram no enfrentamento armado. Nossa política foi acertada, propusemos a luta pela constituinte, pela anistia, por eleições diretas”, ressalta.

"Grande influência"

Com esse acerto na política, de acordo com o autor, o partido ganhou importância na sociedade e experimentou um período de grande influência. “Durante esse período, ocorreram grandes transformações na sociedade, impulsionadas pela revolução científica e tecnológica. O PCB tentou acompanhar essas mudanças”, observa o autor.

Por isso, o partido decidiu mudar aspectos em sua política e passar por diferentes denominações, como Partido Popular Socialista (PPS) e atualmente Cidadania, que, segundo o autor, “se alimentam dessa rica história mantendo o eixo de seus valores de solidariedade social, equidade e democracia”.

Neste ano de 2022, Fausto Matto Grosso completa meio século de militância política. Ele começou no PCB, passou depois para o PPS e agora se encontra no Cidadania, a nova identidade política que marcou a evolução do partido original. “Ele não mudou de agremiação, o partido é que foi se ajustando às novas realidades da ordem internacional e brasileira”, explica o sociólogo Paulo Cabral.

A memória, contudo, resiste a essas mudanças, e a importância da sua preservação é indiscutível. Ela não se reveste de objetividade. “Ao contrário, é construída de lembranças e de esquecimento, mobilizados a partir de inúmeros gatilhos, quase sempre ativados por afetos e dores, cujas raízes, não raro, situam-se no inconsciente de quem a elabora”, assevera o sociólogo.

Protagonismo

Quando essa memória versa sobre fatos ocorridos na clandestinidade, como aqueles ligados ao PCB, até 1985, ela se constrói com pouca ou nenhuma documentação. Apoia-se no testemunho de homens e mulheres, protagonistas ou espectadores que vivenciaram o episódio abordado, para resgatar a história que, de outra forma, estaria irremediavelmente perdida.

Nessa medida, os registros presentes em A história que ninguém iria contar ganham maior relevância. São relatos sobre diversos assuntos e situações presentes na ação política de Fausto e outros militantes que figuram como colaboradores neste livro.

A temática é difusa, até anárquica, mesmo porque nele não há a intenção de uma abordagem acadêmica, com o rigor da historiografia, mas apenas o recolhimento de fragmentos, lembranças trazidas em escrita leve, sob a forma de saborosas crônicas, convertidas em importante documento sobre a História do Partido Comunista Brasileiro em Mato Grosso do Sul.

Saiba mais sobre o autor

Francisco Fausto Matto Grosso Pereira é formado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e mestre em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Foi professor titular da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e lecionou disciplinas nos cursos de Engenheiro Civil, Engenharia Elétrica e Engenharia Sanitária e Ambiental. Foi também pró-reitor de Extensão e Assuntos Estudantis, tendo sido afastado da universidade em 1974, à qual retornou em 2008, mediante anistia política.

Engenheiro projetista estrutural, com larga experiência técnica, desde 2004 é consultor em Gestão Estratégica Pública. Foi secretário de Planejamento de Mato Grosso do Sul, presidente do Conselho de Ciência e Tecnologia e diretor de Desenvolvimento Regional na Secretaria de Desenvolvimento do Centro-Oeste no Ministério da Integração Regional.

Ingressou no PCB em 1972, quando ainda na ilegalidade, tendo participado do núcleo reorganizador do Partido em MS e desde então participou de diversas direções municipais, estaduais e nacionais do PCB/PPS/Cidadania. Foi, também, vereador do PCB. Neste ano de 2022, quando o Partido marcou 100 anos de história, Fausto completou 50 anos de militância.


Lançamento do livro Conspiração, de Jorge Oliveira | Arte: Matheus Lacerda

Livro Conspiração resgata história do atentado contra Prudente de Morais

Cleomar Almeida, da equipe da FAP

Em seu sétimo livro, o jornalista e cineasta Jorge Oliveira brinda os leitores agora com uma história esquecida nas gavetas empoeiradas dos museus brasileiros. Conspiração resgata uma história que esteve sepultada há quase dois séculos: o atentado contra Prudente de Morais, o primeiro presidente civil da República. Editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), em Brasília, a obra está à venda na internet e será lançada em webinar na sexta-feira (17/12), a partir das 18 horas.

https://youtu.be/KwB1Z_TmoCw

O evento de lançamento do livro será transmitido no portal da FAP, na página da entidade no Facebook e no canal da fundação no Youtube. Além do autor, confirmaram participação no evento online a jornalista e cineasta Ana Maria Rocha; o jornalista e escritor Mauro Lobo; e o historiador Douglas Apratto, apresentador do livro, professor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e autor de várias obras de história sobre o Brasil.

O atentado foi perpetrado pelo soldado Marcellino Bispo de Mello, de 22 anos, e planejado pelos militares jacobinos do Exército, aliados do marechal Floriano Peixoto, alagoano, segundo presidente da República. Ao investir contra Prudente de Morais, que se defendia dos golpes com a cartola, a arma do recruta falhou e, com um punhal, ele matou o ministro da Guerra da Guerra, Carlos Machado de Bittencourt, e feriu Luiz Mendes de Moraes, chefe da Casa Militar, e Cunha Moraes, ajudante de ordens do presidente, numa das cenas mais sangrentas jamais vistas no Centro da cidade do Rio de Janeiro.

Para contar essa história, Jorge Oliveira vasculhou os alfarrábios da República, investigou e resgatou documentos durante cinco anos e concluiu que o complô para matar Prudente de Morais começou em Alagoas, quando Marcellino foi recrutado pelo Exército e transferido para o Rio de Janeiro com a missão de eliminar o presidente. Três meses depois, os próprios militares encarregaram-se da queima de arquivo: Marcellino apareceu enforcado com um lençol dentro do Arsenal de Guerra, morte semelhante a do jornalista Vladimir Herzog durante a ditadura militar em 1975.

Nas investigações que fez, o autor desmascara a versão de suicídio e prova, com documentos, que Marcellino foi eliminado dentro da cela quando estava imobilizado com algemas nas pernas. Para tornar a história mais palatável, o autor se transporta para o final do século XIX, época do atentado, para trabalhar como repórter da Gazeta de Notícia. No jornal, ao lado de Machado de Assis e Olavo Bilac, Jorge Oliveira narra a história como a vivesse no dia-a-dia do movimento tenso da redação de um dos jornais mais antigos do país.

Mais de um século depois, o autor volta a colocar o episódio em discussão, no livro. “À luz existem documentos que põem em dúvida o suicídio de Marcellino, um jovem de 22 anos, manipulado por seus superiores para prestar um serviço sujo à nação sob o comando dos jacobinos, que transformaram o culto a Floriano numa seita perversa à democracia que acabara de ser implantada no país”, afirma.

De acordo com o autor, “esta conspiração não é contada nos livros de história da forma que é narrada” em sua obra. “Os militares brasileiros preferem o silêncio a revelar episódios de seus movimentos autoritários e golpistas que desbotam a farda dos generais e atormentam a mente dos seus conspiradores, de geração em geração”, diz.

O autor

Jorge Oliveira está no jornalismo desde 1964 e faz cinema há mais de 30 anos. Iniciou, em Maceió, a carreira de repórter que continuaria nos principais jornais do país, quando se mudou para o Rio de Janeiro, em 1969.

Em 1980, conquistou o Prêmio Esso de Jornalismo com uma série de reportagens sobre energia nuclear. Em outros jornais nos quais atuou, ganhou outros prêmios que consolidariam sua carreira de jornalista, escritor e cineasta, com grande sucesso.

No cinema, dirigiu diversos filmes que renderam às suas obras mais de 20 prêmios, no Brasil e no exterior. Três deles, os longas-metragens Perdão, Mister Fiel, Olhar de Nise e O Voo da Borboleta Amarela, foram consagrados pela crítica nacional e internacional como obras marcantes na categoria de documentários.

Em 2013, foi homenageado no Brazilian Endowment for the Arts (BEA), em Nova Iorque, com a exibição dos seus filmes. É autor da trilogia Curral da morte, Muito prazer, eu sou a morte e Máfia das caatingas.

Escreveu, também, Eu não matei Delmiro Gouveia (maior erro judiciário do Brasil) e Campanha política: como ganhar uma eleição – regras e dicas, e acaba de publicar, pela Amazon.com, o romance O voo da alma.

Conspiração é mais uma de suas histórias, o seu sétimo livro. Conta como um soldado do Exército foi recrutado em Alagoas, no final do século XIX, para matar Prudente de Morais, o primeiro presidente civil da República.

Lançamento livro Conspiração

Data: 17/12/2021

Horário: 18 horas

Transmissão: portal da FAP, página da entidade no Facebook e canal da fundação no Youtube


Evento de lançamento da revista temática sobre Impactos da pandemia no SUS

Impactos da pandemia no SUS são discutidos em revista com 14 análises

Nova edição da Política Democrática impressa reúne nomes de profissionais dedicados à defesa e valorização do Sistema Único de Saúde

Cleomar Almeida, da equipe da FAP

Pesquisador associado do Centro de Estudos Estratégicos da Fundação Oswaldo Cruz (CEE-Fiocruz) e ex-diretor do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o médico Luiz Santini diz que o Sistema Único de Saúde (SUS) resistiu ao negacionismo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e evitou que mais pessoas morressem por complicações da covid-19 no país. Ele participará de evento online de lançamento da revista Impactos da pandemia no SUS, na terça-feira (23/11), a partir das 18h30.



Santini, que também é professor de Cirurgia e de Saúde Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF), organizou a 58ª edição temática da revista Política Democrática, editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), em Brasília. A publicação reúne 14 análises exclusivas e já está à venda na internet. O webinar será transmitido no site da fundação e nas redes sociais da entidade (Facebook e Youtube).

“A pandemia mostrou a capacidade de resiliência do SUS em acionar seu mecanismo de gestão tripartite e fez com que, mesmo com ausência de liderança nacional, o sistema fosse capaz de funcionar e responder adequadamente”, diz Santini.

Segundo o pesquisador, apesar do negacionismo de Bolsonaro, o SUS se sobrepôs a tentativas de ingerência do governo de tentar desqualificar o sistema para favorecer, por exemplo, compra e distribuição de insumos pelo setor privado, em meio a um esquema de corrupção, como revelou a comissão parlamentar de inquérito (CPI) no Senado. Ele acredita que, se não fosse o sistema público, o Brasil já teria um número muito maior que o de 611 mil vítimas da covid-19.

https://www.youtube.com/watch?v=sZSxDDPzGUI

No grupo de autores selecionados pela revista, estão profissionais, professores e pesquisadores com um longo histórico de luta e trabalho em defesa da saúde pública no país. Eles analisaram a crise sanitária mundial que potencializa, em razão da rapidez de circulação do coronavírus e suas variantes, características já presentes, em escala menor, em pandemias anteriores.

Em seu artigo, o ex-ministro da Saúde José Gomes Temporão destacou que "o discurso da falsa contradição entre preservar a vida e salvar a economia teve enorme peso". Além disso, ele criticou o presidente por sua postura negacionista.

“Bolsonaro transforma falsas verdades em mitologias. E as pessoas passam a acreditar em um raciocínio que torna a realidade superficial, a esvazia de suas contradições e a simplifica oferecendo um diagnóstico e um método de enfrentamento prático, algo em que as pessoas passam a acreditar”, lamenta Temporão.

Para fortalecer o SUS, segundo Temporão, é preciso discutir sua sustentabilidade econômica, revogando a Emenda 95, e sua sustentabilidade política. “É preciso construir e fortalecer a consciência política de que um sistema universal é o melhor caminho para o fortalecimento da democracia, a redução das desigualdades, a justiça social e a proteção da saúde de todos sem distinção”, destaca o ex-ministro da saúde.

previous arrow
next arrow
 
previous arrow
next arrow

Em seu artigo, a médica Lígia Bahia, professora associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e doutora em saúde pública pela Fiocruz, afirma que, na prática, as melhores condições de vida se encontram associadas com sistemas de saúde abrangentes e acessíveis.

“As teses sobre o ‘alívio, desoneração’ do SUS baseiam e retificam a intuição sobre acesso. Se mais pessoas deixam de ‘usar o SUS’, sobram recursos para atender melhor os que precisam e ‘não podem pagar’. Independente da falácia do pagamento (como se os impostos não existissem) ou só fossem considerados para solicitar isenção e redução de alíquotas, as empresas de planos deixam de lado a importância dos preços", afirma Lígia.

A publicação também aponta “legados positivos” da covid-19, como as lições que poderão ser usadas para melhorar o atendimento à população. É o caso do uso da inteligência artificial (IA) na incorporação de procedimentos cotidianos do setor, como aborda a professora do Programa de Tecnologias Inteligentes e Design Digital da Pontifícia Universidade de São Paulo (PUC SP) Dora Kaufman.



“Independentemente da covid-19, o ecossistema de saúde defronta-se com a disrupção de práticas tradicionais, dentre outros fatores, pelas tecnologias digitais – apps, dispositivos móveis, IA, telemedicina, blockchain – que estão transformando o acesso aos serviços de saúde, a relação médico-paciente, a relação do paciente com a própria saúde, impactando, igualmente, setores periféricos como o de seguros”, escreve ela, em seu artigo.

De acordo com Dora, que também é colunista da Época Negócios com foco nos impactos éticos e sociais da inteligência artificial, “como tecnologia de propósito geral, a inteligência artificial tem impulsionado esta transformação”. “O reconhecimento de imagem, uma das implementações de IA mais bem sucedidas, tem gerado resultados mais assertivos em diagnósticos dependentes de imagem, como radiologia, patologia e dermatologia”, acrescenta.

Análises exclusivas

A seguir, veja a relação de artigos publicados na revista Impactos da pandemia no SUS:

  • O lado oculto de uma pandemia: a terceira onda ou o paciente invisível (Eugenio Vilaça Mendes)
  • Covid-19 no Brasil: entre mitologias e tragédias (José Gomes Temporão)
  • Público e privado no sistema de saúde no Brasil: o fio da navalha das relações entre Estado e mercado (Lígia Bahia)
  • Governança no SUS (Ana Maria Malik)
  • Pandemia, meio ambiente e autoritarismos: interseções para pensar o mundo pós-covid-19 (Hilton P. Silva)
  • O vírus é um animal político (e nós estamos preparados para negociar?) (Nelson Vaz, Luiz Antonio Botelho Andrade e Beto Vianna)
  • Na pandemia: da imunologia subteorizada à epidemiologia desprezada (Nelson Vaz e Naomar Almeida Filho)
  • Quo vadis, multilateralismo? O enfrentamento global da pandemia em questão (Paulo M. Buss, Santiago Alcázar e Luiz Augusto Galvão)
  • Covid-19 e soberania sanitária na América do Sul: a oportunidade perdida (Mariana Faria)
  • Inovação, tecnologias e a força de trabalho em saúde no contexto da pandemia por covid-19 (Mário Dal Poz e Adriana Cavalcanti de Aguiar)
  • A Inteligência Artificial no setor de saúde: da epidemia do coronavírus aos procedimentos cotidianos (Dora Kaufman)
  • Telemedicina de logística na organização da cadeia da saúde: Medicina Conectada 5.0 (Chao Lung Wen)
  • Reativando o futuro: considerações sobre o horizonte da Reforma Psiquiátrica no Brasil (Benilton Bezerra Jr.)
  • Os crimes de responsabilidade do presidente Jair Bolsonaro na pandemia da covid-19 (Daniel de Araujo Dourado, Eloísa Machado de Almeida, Juliana Vieira dos Santos e Rafael Mafei Rabelo Queiroz)


FAP realiza lançamento nacional da obra Grando, Presente!

Obra reúne 15 textos de personalidades, intelectuais, amigos e familiares de Sérgio Grando

A Fundação Astrojildo Pereira (FAP) realizou, ontem (23/9), o lançamento nacional do livro Grando, Presente (224 páginas). A obra conta a história política e o legado do ex-prefeito de Florianópolis Sérgio Grando, uma lição de uma grande liderança do campo democrático e progressista. Grando morreu de câncer em 2016, aos 69 anos,

Clique aqui e adquira já o seu exemplar! 

Além dos organizadores, o advogado Francisco de Assis Medeiros e a cientista social Elaine Regina Pompermayer Otto, também participaram oito autores do livro, entre eles a irmã de Grando, socióloga Silvia Eloisa Grando Águila, que mediou o webinar.

Confira o webinar!



Veja o vídeo de Padre Vilson




Livro Grando, Presente mostra história do primeiro prefeito comunista de Floripa

Nova obra reúne 15 textos de personalidades, intelectuais, amigos e familiares de Sérgio Grando

Cleomar Almeida, da equipe FAP

A história política e o legado do ex-prefeito de Florianópolis Sérgio Grando, que morreu de câncer em 2016, aos 69 anos, são registrados, em novo livro editado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), como lição de uma grande liderança do campo democrático e progressista. A obra Grando, Presente (224 páginas) terá lançamento nacional, em evento online da entidade, no próximo dia 22, a partir das 20H.

Clique aqui e adquira já o seu exemplar! 

O evento de lançamento online do livro será transmitido em tempo real, no portal da FAP, na página da entidade no Facebook e no canal dela no Youtube. Além dos organizadores, o advogado Francisco de Assis Medeiros e a cientista social Elaine Regina Pompermayer Otto, também confirmaram participação oito autores do livro, entre eles a irmã de Grando, socióloga Silvia Eloisa Grando Águila, que será a mediadora do webinar.

Assista!




https://youtu.be/h1tw6kBZkd0

Outros participantes confirmados são o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire; o padre Vilson Groh, presidente do IVG, organização da sociedade civil voltada a ações educativas e socioassistenciais nas periferias da Grande Florianópolis; e os sociólogos Homero Gomes e Remy José Fontana. O webinar ainda terá presença do vereador Afranio Bopprée (PSOL), do biólogo João de Deus Medeiros e do médico e professor universitário Flávio Magajewski.

As pessoas interessadas em participar diretamente do lançamento, por meio da sala virtual do aplicativo Zoom, devem enviar a solicitação ao departamento de tecnologia da informação da FAP e se identificarem. O contato deve ser realizado por meio do WhatsApp (61) 98419-6983 (Clique no número para abrir o WhatsApp Web), até 20 minutos antes do início do webinar.

O livro Grando, Presente reúne 15 textos de personalidades, intelectuais, amigos e familiares, além de acervos fotográficos e de registro da vitória do primeiro prefeito comunista eleito para administrar a capital catarinense, no período de 1993 a 1996.

“Firmeza”

Militante social e político dos mais ativos, Grando carregava em si mesmo a pluralidade de referências: o combatente da resistência democrática, o profissional da educação, o líder sindical, o organizador do PCB (Partido Comunista Brasileiro) no retorno à legalidade, o legislador – eleito vereador por duas vezes e deputado estadual – e o prefeito de Florianópolis. Ele também foi professor da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e de cursos pré-vestibulares e colégios. Além disso, trabalhou para a ONU (Organização das Nações Unidas).

“Neste momento difícil para a democracia que o Brasil atravessa, precisamos recuperar o exemplo de militância de Sérgio Grando, resgatar sua memória e divulgá-la entre os mais jovens. Exemplo de firmeza e consequência na luta, mas também de abertura, de convencimento, de diálogo em torno do fundamental”, afirma o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, na apresentação do livro. O partido é uma evolução da identidade política do PCB que, posteriormente, também foi chamado de PPS (Partido Popular Socialista).

O livro foi organizado pela viúva do ex-prefeito, a socióloga e educadora Cleide Maria Marques Grando, que morreu em março de 2020 e deixou um texto pronto para a publicação. A obra também teve organização da cientista social e educadora Elaine Regina Pompermayer Otto, pós-graduada em administração de projetos culturais, e do bacharel em administração e advogado Francisco de Assis Medeiros.

CONFIRA COMO FOI O PRÉ-LANÇAMENTO DO LIVRO "GRANDO, PRESENTE"



Frente Popular

A obra detalha a experiência de gestão pública democrática, progressista e popular de um governo municipal eleito num momento de florescência democrática, no contexto a recém-nascida Constituição democrática de 1988. A eleição de Grando, em 1992, concretizou o sucesso da união de várias forças progressistas e da esquerda democrática, numa composição vitoriosa da Frente Popular, integrada por oito partidos (PPS, PT, PDT, PSB, PC, PV, PCdoB e PSDB), na disputa das eleições municipais naquele ano.

“Sua administração precisava marcar novos rumos para a vida de Florianópolis. A transformação foi o eixo principal de uma administração de 4 anos”, afirmam Elaine e Francisco. Eles contam que orçamento participativo, urbanização de áreas carentes, humanização da cidade, transporte coletivo e cestão do povo foram pilares da inversão de prioridades como marcas de um “governo transparente, popular, democrático e revolucionário”.

Veja aqui outros livros da Fundação Astrojildo Pereira à venda na internet

Em seu texto, o economista, professor e vereador de Florianópolis Afrânio Boppré (PSOL), que foi vice-prefeito de Grando e secretário municipal de Finanças no primeiro ano de governo, observa que “de lá para cá desfilaram governos vinculados a uma perspectiva de sociedade elitista e relacionados a práticas corruptas, fisiológicas, clientelistas e tecnocráticas”. Mesmo assim, diz ele, “a vitória da Frente Popular com o seu consequente efetivo exercício de governo mostrou-se estar à frente de seu tempo”.

No texto que produziu para o livro antes de sua morte, Cleide Maria Marques Grando, importante mulher na administração da Frente Popular, lembra que o ex-prefeito iniciou suas atividades políticas no grêmio estudantil. “Dedicou-se à área da Educação, muito embora o Meio Ambiente, em especial a disponibilidade de água para as futuras gerações, estivesse sempre presente no exercício de sua profissão”, conta.

“[Grando] sempre indagava: ‘Escola para quem e para quê?’. E completava: ‘Escola para que todas as crianças recebam a herança cultural da humanidade e se tornem capazes de ampliar esta herança, agindo de forma crítica e criadora, possibilitando o seu desenvolvimento global’”, lembra o texto de Cleide Maria. Todas as áreas tiveram marcos importantes na gestão de Grando, como saúde, desenvolvimento social e habitação.


A seguir, veja a lista de todos os conteúdos do livro Grando, Presente:

  • Apresentação (Roberto Freire)
  • Introdução (Elaine Regina Pompermayer Otto e Francisco de Assis Medeiros)
  • Textos de personalidades, intelectuais, amigos e familiares
  • Um governo à frente de seu tempo (Afrânio Boppré)
  • Este bateu forte no coração do povo! (Aldori Pinheiro)
  • O Militante… O Companheiro (Cleide Maria Marques Grando)
  • O Governo Sérgio Grando (1993-1996), a Frente Popular e a Saúde e o Desenvolvimento Social em Florianópolis – reflexões tardias sobre as realizações da gestão (Flávio Magajewski)
  • Grando, o aprendiz da esperança (Homero Gomes)
  • Sérgio Grando, um Grande Ser (João de Deus Medeiros)
  • Grande Grando, presente! (Luis Miguel Vaz Viegas)
  • Grando: habilidade e coerência em favor da justiça social, da liberdade e da preservação ambiental (Nelson Wedekin)
  • Grando, prefeito. Contexto, desafios, realizações e legado (Remy José Fontana)
  • Meu irmão mais velho (Silvia Eloisa Grando Águila)
  • Grando e a Consciência Solidária (Padre Vilson Groh)
  • Outros textos sobre Grando
  • Uma trajetória de generosidade e conciliação (Carlos Damião)
  • Lei bem-vinda (Flávio José Cardozo)
  • Vitória do povo e da coerência (Moacir Pereira)
  • O Operário da Física e da Poesia (Sérgio da Costa Ramos)
  • Material do Acervo da Assembleia Legislativa de Santa Catarina
  • Sérgio Grando
  • A vitória de Grando e a mídia
  • Registros na mídia sobre a morte de Grando
  • Aos 69 anos, morre o ex-prefeito de Florianópolis, Sérgio Grando
  • Morre, aos 66 anos, o ex-prefeito de Florianópolis Sérgio Grando
  • Nota de falecimento da Assembleia Legislativa
  • Registro no Portal da FGV
  • Corpo do ex-prefeito Sérgio Grando é sepultado em Florianópolis
  • Ex-prefeito de Florianópolis, Sérgio Grando, morreu de câncer, neste sábado
  • Homenagens
  • Museu de Florianópolis Prefeito Sérgio José Grando
  • Decreto no 20.074, de 22 de março de 2019
  • Publicações
  • Acervo Fotográfico

Leia também:

➡️ Livro Grando, Presente registra legado democrático de ex-prefeito de Florianópolis

Sensibilidade

Coordenador-geral da Rede de ONGs da Mata Atlântica, o professor do Centro de Ciências Biológicas da Ufsc João de Deus Medeiros, registra em seu relato a preocupação de Grando com o meio ambiente. “Grando não era exatamente um ambientalista, porém, sempre mostrou sensibilidade ao tema, de maneira que as bandeiras do Partido Verde foram incorporadas, sem grandes dificuldades, na Frente Popular”, diz.

Produzido com ampla liberdade editorial em respeito à memória de Grando, o livro também tem críticas ao próprio partido que registrou a candidatura dele. “Grando foi o primeiro prefeito de capital eleito pela sigla PPS. Apesar dessa conquista para o partido, não há nenhuma anotação desse fato, e mesmo não há referência ao seu nome, como liderança expressiva, no site oficial do PPS nacional, nem estadual”, afirma o sociólogo Remy José Fontana e professor aposentado do Departamento de Sociologia e Ciência Política da Ufsc.

Grando e a Frente Popular, de acordo com Fontana, não eram antagonistas radicais dos mercados ou dos empresários. “Tinham correta apreensão da realidade local, de suas estruturas, da lógica dos interesses predominantes, mas também das possibilidades de promover alguma inflexão contemplando interesses mais abrangentes”, afirma.

“Não pretendiam impugnar a ‘livre iniciativa’, ou atribuir-lhe um caráter exclusivamente predatório e egoísta. Mas questionavam a presunção desta presentar-se como valor supremo estruturante dos destinos da cidade. E certamente se opunham às pretensões hegemônicas extremadas com que estes interesses restritos se projetavam sombriamente sobre a sociedade”, ressalta Fontana.

Além de análises sobre o perfil de Grando e notícias na imprensa sobre o seu governo, o livro publica acervo fotos da Casa da Memória Florianópolis, as quais foram gentilmente cedidas à FAP para publicação na obra. Os registros são da solenidade de posse do Governo da Frente Popular, ocorrida no dia 1º de janeiro de 1993, na antiga sede da Câmara Municipal de Vereadores, hoje Museu Florianópolis Sérgio José Grando.

Evento online de lançamento nacional do livro Grando, Presente
Data: 22/9/2021
Transmissão: das 20h às 21h30
Onde: Portal e redes sociais ( Facebook  e Youtube)
Realização: Fundação Astrojildo Pereira


Ancelmo Gois: Livro conta a história do PCB, que faz 100 anos em março

Obra do historiador Ivan Alves Filho será lançada em webinar da FAP nesta terça-feira (14/9)

Ancelmo Gois / O Globo

Março do ano que vem marca o centenário de fundação do Partido Comunista Brasileiro (PCB) , em Niterói, sob a  influência do movimento anarquista então dominante nos meios sindicais. Mas a celebração já  começa amanhã, terça, em  um debate  virtual, que começa às 10h, coordenado por Roberto Freire, presidente do "Cidadania", herdeiro do PCB e PPS.  Na pauta o lançamento do livro  “Os nove de 22: o PCB na vida brasileira”, do historiador Ivan Alves Filho.

Leia também

Livro “Os Nove de 22: o PCB na vida brasileira” registra legado quase centenário

Os "nove" do título do livro  é uma referência aos fundadores do velho "Partidão", entre eles,  o escritor e  crítico literário Astrojildo Pereira Duarte Silva (1890-1965), foto. Foi ele quem cedeu uma casa no outro lado da Baía."O deslocamento para Niterói se deu em função de uma denúncia de que a polícia estaria prestes a invadir o encontro dos comunistas no Rio de Janeiro”, conta Ivan.

De lá prá cá, a  guinada ideológica do "PCB/Cidadania" pode ser medida pelo intenção recente de lançar a candidatura do apresentador Luciano Huck a presidente.


“Os Nove de 22: o PCB na vida brasileira” registra legado quase centenário

Obra do historiador Ivan Alves Filho será lançada em webinar da FAP na terça-feira (14/9)

Cleomar Almeida, da equipe FAP

Sustentado no tripé do mundo do trabalho, da cultura e da defesa pela democracia, o histórico Partido Comunista Brasileiro, que celebrará o centenário de sua fundação no próximo ano, tem agora a sua trajetória registrada em livro. A obra “Os nove de 22: O PCB na vida brasileira” (283 páginas), do historiador Ivan Alves Filho, será lançada, na terça-feira (14/9), a partir das 10h, em evento virtual da Fundação Astrojildo Pereira (FAP), que editou a publicação.

Assista!



Clique aqui e adquira já o seu exemplar na internet!

O evento de lançamento online do livro terá transmissão, em tempo real, no portal da FAP, na página da entidade no Facebook e no canal dela no Youtube. Além do autor, também confirmaram presença no webinar o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire; o diretor-geral da FAP, Caetano Araújo; a diretora executiva da fundação Jane Monteiro Neves e o historiador José Antônio Segatto.

As pessoas interessadas em participar diretamente do lançamento, por meio da sala virtual do aplicativo Zoom, devem enviar a solicitação ao departamento de tecnologia da informação da FAP e se identificarem. O contato deve ser realizado por meio do WhatsApp (61) 98419-6983 (Clique no número para abrir o WhatsApp Web), até 20 minutos antes do início do webinar.

O livro é resultado de um levantamento do historiador, mas também representa um relato dele como militante político. Não tem nada de acadêmico. É, conforme o próprio autor define, uma tentativa de construir um instrumento político adaptado às demandas do século 21. Dessa forma, reforça o legado de nove homens que sonharam em mudar o mundo no ano de 1922, em uma casa de Niterói, com a fundação do partido.

Os fundadores do PCB aparecem, juntos, em uma foto histórica (abaixo). Em pé, estão Manoel Cendon, Joaquim Barbosa, Astrojildo Pereira, João da Costa Pimenta, Luís Peres e José Elias da Silva (da esquerda para a direita). Sentados, estão Hermogênio Silva, Abílio de Nequete e Cristiano Cordeiro (da esquerda para a direita).

Os fundadores do PCB. Foto. Reprodução

A fundação do partido ocorreu na cidade do Rio de Janeiro, no Sindicato dos Alfaiates e dos Metalúrgicos, nos dias 25 e 26 de março, e em Niterói, no dia 27 de março de 1922. “O deslocamento para Niterói, mais precisamente para uma casa pertencente à família de Astrojildo Pereira, se deu em função de uma denúncia de que a polícia estaria prestes a invadir o encontro dos comunistas no Rio de Janeiro”, conta o livro.

Produzida sob a perspectiva histórica do PCB, a obra também lança luz sobre o presente do país diante da “extensão e velocidade do desmoronamento da esfera pública no Brasil”, segundo o autor. “Há uma verdadeira esquizofrenia social entre nós. Os números e indicativos econômicos são dramáticos e a corda social só faz esticar”, escreveu Ivan Alves Filho.

➡️ Especial PCB 100 Anos
(Clique na imagem para acessar todas as publicações da FAP sobre os 100 anos do PCB)

O livro mostra que o PCB foi um partido criado, na época, sob a influência do movimento anarquista então dominante nos meios sindicais. Atravessou a maior parte de sua história na clandestinidade, mas apresenta um saldo de realizações nos mundos do trabalho, da ciência, da cultura e da formulação de políticas públicas no Brasil muito superior ao que o número reduzido de militantes naquele contexto poderia projetar.

“O mais impressionante é que o partido saiu do movimento anarquista. Todos os partidos comunistas do mundo surgiram do antigo movimento social democrata. O único que surgiu do movimento anarquista foi o PCB, o que o fez ter muita sensibilidade para a sociedade civil”, destaca o autor.

Uma grande quantidade de informação é apresentada ao longo do livro, na forma de pequenas unidades, organizadas em torno de temas. Eles equivalem às áreas em que a atividade dos militantes comunistas foi relevante e suas consequências duradouras, ou das personalidades marcantes, tanto na perspectiva interna da organização quanto na perspectiva maior, da sociedade como um todo.

Veja aqui outros livros da Fundação Astrojildo Pereira à venda na internet

“São, na verdade, cápsulas de informação, reunidas num conjunto que lembra um mosaico. O livro não pretende, portanto, ser uma obra de síntese, tampouco um registro minucioso da influência das organizações e personalidades vinculadas ao PCB na vida cultural, científica e política do país”, explica o diretor-geral da FAP, sociólogo Caetano Araújo, no prefácio.

De acordo com o prefaciador, o livro deve ser visto antes como coletor e organizador de um conjunto de informações e, ao mesmo tempo, sinalizador e guia para pesquisas futuras. “Sua vocação é tornar-se uma obra seminal”, afirma. “Claro que há, ao longo de todo o texto, informação proveniente de fontes bibliográficas. A maior parte, contudo, procede da biografia do autor, de sua convivência com grande parte dos personagens citados”, diz, em outro trecho.

Filho de um dirigente do partido, Ivan Alves Filho conheceu na infância, na sua casa, diversos dos dirigentes históricos do PCB. Lançado ao exílio, no começo de sua vida adulta, radicou-se em Paris, ponto de encontro das andanças dos exilados brasileiros, onde teve a oportunidade de conhecer outros tantos militantes e dirigentes. No seu retorno, historiador formado, dedicou-se a pesquisar a história do partido.

Lançamento online de livro: Os nove de 22
Data: 14/9/2021
Transmissão: das 10h às 11h30
Realização: Fundação Astrojildo Pereira


Laurentino Gomes: 'Escravidão é assunto mais importante da história do país'

Sete vezes ganhador do Prêmio Jabuti de Literatura, jornalista e escritor fala sobre racismo, desigualdade social e Semana de Arte Moderna

João Rodrigues, da equipe da FAP

O Bicentenário da Independência do Brasil ocorre em 2022. Neste contexto histórico de celebrações, a escravidão – marca perversa e cruel da história brasileira – merece ser analisada de forma ampla, principalmente pelos reflexos que ainda hoje causam em nossa sociedade, sobretudo pela normalização do preconceito, da violência e da desigualdade social.

Para analisar esse importante tema da história nacional, o podcast da Fundação Astrojildo Pereira desta semana conversa com Laurentino Gomes, escritor, jornalista, sete vezes ganhador do Prêmio Jabuti de Literatura. Laurentino acaba de lançar Escravidão - volume II, o segundo livro da premiada série em que faz um profundo relato dessa triste página da história brasileira.

Ouça o podcast!



O episódio conta com áudios do canal Toda Matéria, canção Canto das Três Raças, de Clara Nunes, programa Roda Viva, Superinteressante e CNN Brasil.

O Rádio FAP é publicado semanalmente, às sextas-feiras, em diversas plataformas de streaming como Spotify, Youtube, Google Podcasts, Ancora, RadioPublic e Pocket Casts. O programa tem a produção e apresentação do jornalista João Rodrigues. A edição-executiva é de Renato Ferraz.




'Sistema Nacional Único de Educação deve colocar país na vanguarda'

Proposta é feita pelo ex-ministro Cristovam Buarque, em artigo na 57ª  edição da revista Política Democrática impressa, a ser lançada em evento virtual da FAP na quinta (12/8)

Cleomar Almeida, da equipe da FAP

No país com 11 milhões de pessoas que não sabem ler nem escrever, a educação de base deve ser uma questão nacional, financiada e coordenada pelo governo federal, segundo o ex-ministro da Educação, ex-senador e ex-governador do Distrito Federal Cristovam Buarque. “O Sistema Nacional Único de Educação deve nos colocar na vanguarda nos métodos de formação e transmissão de conhecimento”, afirma ele.


Assista!




A análise de Cristovam está publicada na 57ª edição da revista Política Democrática impressa, editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), dedicada exclusivamente à educação e que está à venda na internet.

Já à venda!
Clique aqui e adquira já o seu exemplar da Política Democrática Impressa - Edição 57

O ex-ministro e outros autores participarão do primeiro de cinco eventos on-line de lançamento da publicação, na quinta-feira (12/8), a partir das 19h. A transmissão será realizada no portal e redes sociais (Facebook e Youtube) da entidade.



As importantes reflexões e análises de 19 autores começam com o artigo de Cristovam Buarque, fazendo um chamado para que a educação brasileira crie condições para dar um salto de qualidade em sua existência.

 “O Brasil não terá futuro se não oferecer a cada uma de nossas crianças a escola da qual elas gostem no presente e que lhes ofereça a chance de melhorar seu futuro e construir o país. Só educação não faz, mas sem educação não se faz uma nação”, diz o ex-senador.

“Entraves ao progresso”
Na avaliação de Cristovam Buarque, o Brasil está com seu progresso amarrado não apenas por causa da educação, mas, segundo ele, “o atraso e a desigualdade de nossa educação têm um papel central na rede de entraves ao progresso”.

Para que haja um salto de qualidade, segundo ele, é preciso manter descentralização gerencial em cada escola e liberdade pedagógica em cada sala de aula, de forma que toda criança seja tratada como brasileira, não como municipal ou estadual.

“A estratégia deve consistir, portanto, em um processo de substituição, por adoção, dos frágeis sistemas municipais por um robusto sistema nacional: com carreira federal para todo professor, padrões nacionais de qualidade nas edificações e nos equipamentos das escolas, todas em horário integral, com atividades pedagógicas, culturais e esportivas” afirma o autor, em outro trecho.

Cristovam Buarque explica que, em vez de espalhar escolas individualmente, o governo federal, ao longo do tempo, substituiria, por cidade, cada sistema municipal por um novo sistema federal. “Por grupos de cidades a cada ano, o novo sistema nacional chegaria a todas as escolas, todos os professores e todos os brasileiros, no prazo de duas a três décadas”, acentua o ex-ministro.


Cristovam Buarque: "Atraso e a desigualdade de nossa educação têm um papel central na rede de entraves ao progresso". Foto: Pedro França/Agência Senado

Aula teatral X Aula cinematográfica
De acordo com ele, o futuro vai exigir mais do que um sistema educacional, já que, conforme acrescenta, também será preciso que haja uma revolução no conceito e na prática do processo educacional. Segundo ele, as novas tecnologias já estão disponíveis, mas ainda não estão sendo usadas para a passagem da tradicional aula teatral – professor, quadro negro e aluno presencialmente – para a nova aula cinematográfica.

Esta última, conforme explica o autor, consiste no professor sendo o roteirista da peça pedagógica, cinematográfica com os recursos da teleinformática, da computação e da cinematografia, para levar para dentro da sala de aula as informações disponíveis nos bancos de dados, imagem e som, usando a prática presencial, remota ou híbrida.


Leia também
Política Democrática impressa (Edição 56) analisa papel dos municípios na segurança pública


“Este sistema novo não pode, porém, perder a importância do convívio do aluno com a realidade social ao redor, na convivência com os colegas e com o mundo. Uma aula sobre a vida natural das florestas ganhará muito graças às novas técnicas da teleinformática, mas isto não dispensa a eficiência e a beleza da visita presencial à floresta que é estudada. A escola tem que se modernizar sem perder a comunhão com o mundo”, sugere.

O ex-ministro também diz que a superação de cada problema e a realização de cada propósito – produtividade, distribuição de renda, pacificação nas ruas, eleição de políticos honestos, paz nas ruas, estabilidade institucional, superação do quadro de pobreza, estabilidade, sustentabilidade – exigem diversas ações.

No entanto, segundo ele, cada problema fundamental passa pelo atraso da educação nacional e pela desigualdade, como ela é distribuída, conforme a renda e o endereço da família, impedindo o país de aproveitar o maior de seus recursos: a inteligência potencial dos cérebros de sua população.

“Cada pessoa sem educação de qualidade representará uma perda de capital ao longo do Terceiro Centenário: o Século do Conhecimento. Cada criança sem escola de qualidade no presente seria sintoma de um país sem qualidade no futuro”, alerta.

Lançamento da revista Política Democrática impressa 57ª edição | Educação
Data: 12/8/2021
Transmissão: a partir das 19 horas
Onde: Portal e redes sociais (Facebook e Youtube) da Fundação Astrojildo Pereira


Horizontes Democráticos: O presente como história

Já se disse que a História não é o que passou, mas o que, no presente, permanece do que passou, desafiando a consciência que se pode ter sobre o tempo e o mundo dos contemporâneos. É por isso que muitos historiadores são convocados a emitirem suas opiniões sobre os fatos do presente. Não há, portanto, nenhuma contradição nessa convocação. O conhecimento e a reflexão historiográfica parecem ser cada vez mais reconhecidos como parte da inteligência especializada em refletir sobre permanências, muitas vezes ocultas – não só para o homem comum –, que sustentam e dão base aos embates e conflitos que nos envolvem cotidianamente.


CONFIRA O WEBINÁRIO

https://www.youtube.com/embed/pJ2oVEvjcrY

Clique aqui e adquira já o livro escrito por Vinícius Müller


Para além dessa dimensão pontual, está cancelada, da mesma forma, a possibilidade de o pensar historiográfico estar afastado da investigação sobre as formações culturais comumente entendidas como alicerces do mundo, desde aquelas que possibilitaram que se projetasse um futuro melhor – mais progressista ou simplesmente fazendo par com a ideia de progresso – até aquelas, contrario sensu, que, uma vez cristalizadas, condenam pessoas ou gerações inteiras a viverem como se o tempo não se alterasse ou os fatos, mesmo os moleculares, não fossem capazes de mudar a vida.

Reconhecer no passado uma instância permanente do nosso presente é entender que os tempos humanos são estruturas fundantes da nossa cultura, no sentido lato do termo. Assim, pensar em como se lida com a História e fazer com que ela seja útil, científica ou mesmo moralmente, é o que move os historiadores do nosso tempo. Como parte disso, a História que produzimos no Brasil, por historiadores de profissão ou não, deve ser vista como uma das expressões particulares do métier historiográfico que vai da produção desse conhecimento até a função social que desempenha. E uma das dimensões essenciais desse conhecimento especializado, compartilhado por historiografias que se desenvolvem em outras latitudes, é a perspectiva de atualização constante. Assim, cada vez mais o que é entendido como interdependência em outras dimensões da atividade humana invade da mesma maneira o campo da História. Isso é notável no percurso da historiografia que hoje se produz e não poderia deixar de estar presente na reiterada proposta dos capítulos desse livro, a saber, repensar o presente brasileiro a partir de critérios que superem demarcações restritivas, notadamente as ideológicas, e possibilitem novas visões sobre o passado que insiste em demarcar sua presença nas estruturas da nossa sociedade.

No livro que o leitor tem em mãos, o mundo das narrativas, aparentemente inevitável no nosso tempo, é submetido, capítulo a capítulo, a uma operação que visa estabelecer um inventário amplo e diversificado daquilo que coloniza o território das ciências humanas e sociais, com destaque especial para a reflexão historiográfica. Essa operação é muitas vezes ampliada no sentido de incorporar também a essa reflexão o complexo de narrativas intelectuais que a vida cultural assimilou como o mainstream da opinião pública. Ambas dimensões – para mencionarmos apenas duas delas – estão aqui seletivamente recrutadas em agudos diálogos, todos pertinentemente compostos em análises rigorosas e estimulantes.

Caio Prado Jr (1907-1990)

Cada capítulo deste livro é dedicado, conforme o tema e a abordagem, tanto a sondar o que há de mais atual no debate intelectual a respeito de questões decisivas relativas às teorias e metodologias que orientam a produção do conhecimento histórico quanto a problemas análogos referentes à História do Brasil, selecionando para o debate as narrativas que, em seu tempo, ajudaram a construir as visões que temos sobre o país. Muitas delas, enfatiza o autor, contribuíram enormemente para encobrir uma visão mais complexa e plural da realidade brasileira, obstaculizando uma perspectiva política e cultural ampla e renovada que hoje a imensa crise que vivenciamos se encarrega de evidenciar com notável eloquência.

Em meio a tantas narrativas que brotam no terreno da nossa historiografia, duas merecem ser mencionadas. A primeira é de caráter metodológico e convida o leitor a ultrapassar uma visão modelar que por décadas gerou um apego a explicações e hipóteses calcadas no antagonismo como elemento explicativo da história do país. Como reafirma criticamente o autor, “lamentavelmente para muitos, quando a História não se encaixa no modelo, errada está a história, não o modelo. Assim, continuamos a reproduzir tal modelo e nele ‘encaixar’ tudo o que queremos saber. Inclusive aquilo que ele, o modelo, não é capaz de explicar”. Nesse momento do livro se faz uma crítica clara à sobrevivência de muitos equívocos da abordagem de Caio Prado Jr. a respeito da nossa história, mesmo relevando seus inúmeros acertos, mas, tal apreciação tem caráter mais geral e deve ser entendida como uma referência crítica a outras temáticas e/ou autores. A ênfase no caso mencionado se reporta ao fato de que a abordagem sistêmica com base na oposição metrópole/colônia como determinante explicativo não possibilitou uma leitura mais acurada de processos específicos de desenvolvimento que o país vivenciou, chamando atenção para sua diferenciação regional ou mesmo local, o que nos leva à segunda dimensão que queremos destacar.

Brasilia, capital do Brasil

Trata-se da perspectiva de ver na hipertrofia do Estado na história brasileira não um modelo de afirmação ou condenação, mas uma história eivada de ambiguidade ou mesmo um paradoxo que acabou gerando um labirinto para as forças políticas que buscam estabelecer projetos de futuro para o país. Acertadamente, Vinicius Müller aponta para o fato de que a centralização do Estado que marca a história brasileira desde o Império passou a ser entendida até hoje como responsável pela má distribuição dos recursos e consequentemente dos determinantes do desenvolvimento regional”. O paradoxo é que esta narrativa imagina que apenas um Estado altamente centralizado seria capaz de inverter esta tendência. Ela trabalha com a noção de que há “uma dívida histórica creditada ao Estado central, dada sua culpa em ter criado as desigualdades regionais a partir de seu arbitrário comportamento em relaçãà distribuição dos recursos e incentivos públicos. Müller nos alerta para o fato de que alguns trabalhos começam a chamar a atenção para o fato de que os descaminhos e entraves do nosso desenvolvimento residem também no modo como os poderes locais se comportam frente aquilo que a eles cabia ou lhes cabe hoje, ou seja, a oferta, a qualidade e o alcance de bens públicos que são transferidos para seu gerenciamento e aplicação. O que envolve analisar dimensões políticas e administrativas locais e regionais nem sempre relevadas como importantes ou mesmo como elementos explicativos para nossos problemas de desenvolvimento.

Haveria muito mais a explorar a respeito destes e de outros pontos apresentados nesta coletânea. Em cada um dos pequenos ensaios que a compõe há o grande mérito de buscar, por meio do debate intelectual, compreender as incompletudes e os déficits da nossa formação nacional. Não é sem razão que aqui se convoca o passado para pensar o nosso presente como História.

(Publicado originalmente como Prefácio ao livro de Vinícius Müller, A História como Presente – 46 pequenos ensaios sobre a História, seus caminhos e meios. Brasília: FAP, 2020)


Blog Horizontes Democráticos

https://horizontesdemocraticos.com.br/o-presente-como-historia/