Livro registra curiosidades da luta clandestina contra a ditadura

Obra Histórias que ninguém iria contar, de Fausto Matto Grosso, será lançada em 29 de abril durante evento presencial
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Livro Histórias que ninguém iria contar | Arte: Matheus Lacerda/FAP
Livro Histórias que ninguém iria contar | Arte: Matheus Lacerda/FAP

Cleomar Almeida, coordenador de Publicações da FAP

“Aspecto pitoresco” dos bastidores da luta clandestina contra a ditadura e em favor da democracia, com protagonismo de militantes do Partido Comunista Brasileiro (PCB), marca o livro Histórias que ninguém iria contar: história banal do PCB em Mato Grosso do Sul (132 páginas). A mais nova obra de Fausto Matto Grosso, editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), será lançada em evento presencial, no dia 29 de abril, em Campo Grande (MS), a partir das 18h30.

O lançamento do livro de Fausto Matto Grosso segue a orientação da diretoria da FAP para a retomada de eventos presenciais da entidade, desde que foram suspensos por causa da pandemia da covid-19, em 2020, mas observa todas as medidas recomendadas pelas autoridades sanitárias para conter a doença. Organizada pelo próprio autor, a cerimônia tem o apoio da instituição.

PCB no Palanque da R. Agraria 1986
Primeira passeata trabalhadores construcao civil 1981
Sindicalistas no Gabinete do Prefeito aompanhaos pelo vereador Fausto Matto Grosso
VEREADORES DO PCB MARCELO BARBOSA MARTINS E FAUSTO MATTO GROSSO
Rumo ao Festao da Voz
PAINEL ILTON SILVA FREIRE PRESIDENTE
Sede PCB MS Rua 14 ano 1989
Reunião no centro de estudos econômicos e sociais (Cepes)
Núcleo Mario Schemberg PCB UFMS
Reuniao na Sede do PCB MS 1989
PlayPause
previous arrow
next arrow
 
PCB no Palanque da R. Agraria 1986
Primeira passeata trabalhadores construcao civil 1981
Sindicalistas no Gabinete do Prefeito aompanhaos pelo vereador Fausto Matto Grosso
VEREADORES DO PCB MARCELO BARBOSA MARTINS E FAUSTO MATTO GROSSO
Rumo ao Festao da Voz
PAINEL ILTON SILVA FREIRE PRESIDENTE
Sede PCB MS Rua 14 ano 1989
Reunião no centro de estudos econômicos e sociais (Cepes)
Núcleo Mario Schemberg PCB UFMS
Reuniao na Sede do PCB MS 1989
previous arrow
next arrow

Com 40 crônicas, a maioria de autoria do autor, mas também com contribuições de Marisa Bittar, Carmelino Rezende, Mário Cesar Fonseca (Cecéu) e João José de Souza Leite, o livro terá lançamento no Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul. Exemplares da obra serão distribuídos no local como cortesia para os participantes.

“Poeira da vida”

“Este livro trata da nossa luta política em Mato Grosso do Sul, não como história do PCB, o que deve ficar para os historiadores, também não como memórias do autor, mas como coletânea de lembranças da militância vivida no seu cotidiano. São histórias que ninguém iria contar e se perderiam na poeira da vida”, afirma o autor. Ele é engenheiro civil e foi professor e também pró-reitor de Extensão e Assuntos Estudantis da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

De acordo com ele, as histórias relatadas no livro destacam pontos curiosos. “Descrevem o aspecto pitoresco da luta clandestina, olhado por dentro, envolvendo os militantes do PCB, a quem se homenageia. É uma história da militância feita por muitos, principalmente jovens que se formaram politicamente nesse período”, explica ele.

Convite para lançamento do livro Histórias que ninguém iria contar

Fausto Matto Grosso lembra que as décadas de 1970 e 1980 foram especialmente ricas na história da luta contra a ditadura. “Foi também um período de fortalecimento do PCB. Logo após o golpe de 1964 formulamos a consagrada política de frente ampla contra a ditadura, enquanto outros partidos e agrupamentos políticos da esquerda apostaram no enfrentamento armado. Nossa política foi acertada, propusemos a luta pela constituinte, pela anistia, por eleições diretas”, ressalta.

“Grande influência”

Com esse acerto na política, de acordo com o autor, o partido ganhou importância na sociedade e experimentou um período de grande influência. “Durante esse período, ocorreram grandes transformações na sociedade, impulsionadas pela revolução científica e tecnológica. O PCB tentou acompanhar essas mudanças”, observa o autor.

Por isso, o partido decidiu mudar aspectos em sua política e passar por diferentes denominações, como Partido Popular Socialista (PPS) e atualmente Cidadania, que, segundo o autor, “se alimentam dessa rica história mantendo o eixo de seus valores de solidariedade social, equidade e democracia”.

Neste ano de 2022, Fausto Matto Grosso completa meio século de militância política. Ele começou no PCB, passou depois para o PPS e agora se encontra no Cidadania, a nova identidade política que marcou a evolução do partido original. “Ele não mudou de agremiação, o partido é que foi se ajustando às novas realidades da ordem internacional e brasileira”, explica o sociólogo Paulo Cabral.

A memória, contudo, resiste a essas mudanças, e a importância da sua preservação é indiscutível. Ela não se reveste de objetividade. “Ao contrário, é construída de lembranças e de esquecimento, mobilizados a partir de inúmeros gatilhos, quase sempre ativados por afetos e dores, cujas raízes, não raro, situam-se no inconsciente de quem a elabora”, assevera o sociólogo.

Protagonismo

Quando essa memória versa sobre fatos ocorridos na clandestinidade, como aqueles ligados ao PCB, até 1985, ela se constrói com pouca ou nenhuma documentação. Apoia-se no testemunho de homens e mulheres, protagonistas ou espectadores que vivenciaram o episódio abordado, para resgatar a história que, de outra forma, estaria irremediavelmente perdida.

Nessa medida, os registros presentes em A história que ninguém iria contar ganham maior relevância. São relatos sobre diversos assuntos e situações presentes na ação política de Fausto e outros militantes que figuram como colaboradores neste livro.

A temática é difusa, até anárquica, mesmo porque nele não há a intenção de uma abordagem acadêmica, com o rigor da historiografia, mas apenas o recolhimento de fragmentos, lembranças trazidas em escrita leve, sob a forma de saborosas crônicas, convertidas em importante documento sobre a História do Partido Comunista Brasileiro em Mato Grosso do Sul.

Saiba mais sobre o autor

Francisco Fausto Matto Grosso Pereira é formado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e mestre em Desenvolvimento Local pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Foi professor titular da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e lecionou disciplinas nos cursos de Engenheiro Civil, Engenharia Elétrica e Engenharia Sanitária e Ambiental. Foi também pró-reitor de Extensão e Assuntos Estudantis, tendo sido afastado da universidade em 1974, à qual retornou em 2008, mediante anistia política.

Engenheiro projetista estrutural, com larga experiência técnica, desde 2004 é consultor em Gestão Estratégica Pública. Foi secretário de Planejamento de Mato Grosso do Sul, presidente do Conselho de Ciência e Tecnologia e diretor de Desenvolvimento Regional na Secretaria de Desenvolvimento do Centro-Oeste no Ministério da Integração Regional.

Ingressou no PCB em 1972, quando ainda na ilegalidade, tendo participado do núcleo reorganizador do Partido em MS e desde então participou de diversas direções municipais, estaduais e nacionais do PCB/PPS/Cidadania. Foi, também, vereador do PCB. Neste ano de 2022, quando o Partido marcou 100 anos de história, Fausto completou 50 anos de militância.

Privacy Preference Center