Fundação Astrojildo Pereira

Arnaldo Jordy explica conquista do voto e como se engajar na campanha eleitoral

Comunicação FAP

O ex-deputado federal Arnaldo Jordy (Cidadania) vai discutir a conquista do voto e explicar como promover engajamento e fazer mobilização na campanha. Ele realizará a oitava aula online do segundo módulo do Curso Online para Candidatos e Assessores, realizado pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), em parceria com o Cidadania23. A aula será realizada na terça-feira (11/6), a partir das 19 horas.

Inicialmente, a aula de Jordy estava marcada para o dia 21 de maio, mas foi suspensa em respeito à memória de Eliseu Neto.

O ex-prefeito de Vitória (ES) Luciano Rezende, que governou o município por dois mandatos consecutivos, será o mediador da aula.

Para mais informações sobre o Curso Online para Candidatos e Assessores, entre em contato com a FAP, das 9h às 18h, por ligação ou WhatsApp no seguinte número: 61983305338. As inscrições continuam abertas (Clique no link ao final do texto).

Veja, abaixo, o vídeo da aula:

https://www.youtube.com/live/FGj9DrqDn4o?si=S7hiQrbXa7spYef5

> Rubens Bueno ensina organização e planejamento para vencer eleições 2024

> Eleições 2024: Luiz Carlos Azedo explica “triângulo do sucesso” em campanhas

> Juliet Matos indica pilares de propostas de políticas com as mulheres e para as mulheres

> Eleições 2024: Sergio Denicoli explica três pontos que movem as redes

> O que pode e o que não pode na pré-campanha: Advogado explica regras das eleições 2024

> Amom Mandel revela estratégias para candidato vencer as eleições 2024

> Eleições 2024: Curso Online para Candidatos e Assessores registra 1.500 inscrições

> Campanha eleitoral com pouco dinheiro: FAP e Cidadania iniciam novo módulo de curso

O Curso

O curso é ministrado na modalidade de formação continuada, por meio da sala virtual do Zoom. O link é enviado diretamente para a turma antes de cada aula. Os interessados ainda podem se inscrever no site da entidade, gratuitamente.

As aulas são ministradas às terças-feiras, a partir das 19 horas, e todas ficam disponíveis para acesso ilimitado no canal da fundação no Youtube. Será enviado certificado para todos as pessoas concluintes do curso de formação política.

O primeiro módulo do Curso Online para Candidatos e Assessores foi realizado de setembro a dezembro de 2023.

Em caso de dúvida, entre em contato com a FAP, das 9h às 18h, por ligação ou WhatsApp no seguinte número: 61983305338

É o quarto curso de capacitação focado em formação política realizado pela FAP.


Rubens Bueno ensina organização e planejamento para vencer eleições 2024

Comunicação FAP

O ex-deputado federal Rubens Bueno (Cidadania-PR) vai discutir, na terça-feira (4/6), as principais estratégias para organização e planejamento de campanhas políticas vencedoras. Ela ministrará a sétima aula do segundo módulo do Curso Online para Candidatos e Assessores, realizado pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), em parceria com o Cidadania 23.

O economista e diretor-executivo da FAP Henrique Mendes Dau será o mediador da aula de Rubens Bueno, que é também é o primeiro vice-presidente nacional do Cidadania 23.

Para mais informações sobre o Curso Online para Candidatos e Assessores, entre em contato com a FAP, das 9h às 18h, por ligação ou WhatsApp no seguinte número: 61983305338. As inscrições continuam abertas (Clique no link ao final do texto).

Veja, abaixo, o vídeo da aula:

https://www.youtube.com/watch?v=heO87-SlEv4&list=PLnkWG6tP0-Iv2H0btpbFt45GR84Vri3oc&index=21

> Eleições 2024: Luiz Carlos Azedo explica “triângulo do sucesso” em campanhas

> Juliet Matos indica pilares de propostas de políticas com as mulheres e para as mulheres

> Eleições 2024: Sergio Denicoli explica três pontos que movem as redes

> O que pode e o que não pode na pré-campanha: Advogado explica regras das eleições 2024

> Amom Mandel revela estratégias para candidato vencer as eleições 2024

> Campanha eleitoral com pouco dinheiro: FAP e Cidadania iniciam novo módulo de curso

> Eleições 2024: Curso Online para Candidatos e Assessores registra 1.500 inscrições

O Curso

O curso é ministrado na modalidade de formação continuada, por meio da sala virtual do Zoom. O link é enviado diretamente para a turma antes de cada aula. Os interessados ainda podem se inscrever no site da entidade, gratuitamente.

As aulas são ministradas às terças-feiras, a partir das 19 horas, e todas ficam disponíveis para acesso ilimitado no canal da fundação no Youtube. Será enviado certificado para todos as pessoas concluintes do curso de formação política.

O primeiro módulo do Curso Online para Candidatos e Assessores foi realizado de setembro a dezembro de 2023.

Em caso de dúvida, entre em contato com a FAP, das 9h às 18h, por ligação ou WhatsApp no seguinte número: 61983305338

É o quarto curso de capacitação focado em formação política realizado pela FAP.


Eleições 2024: Luiz Carlos Azedo explica “triângulo do sucesso” em campanhas

Comunicação FAP

O jornalista e analista político Luiz Carlos Azedo explica que uma campanha política vitoriosa deve seguir o “triângulo do sucesso”. “Consiste em conceito correto, método adequado e ambiente favorável”, diz. Ele discutirá na terça-feira (28/5), a partir das 19 horas, construção e gerenciamento de imagem, durante a sexta aula do Curso Online para Candidatos e Assessores, realizado pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), em parceria com o Cidadania 23.

O ex-prefeito de Vitória (ES) Luciano Rezende, que governou o município por dois mandatos consecutivos, será o mediador da aula de Azedo, que é diretor executivo da FAP e colunista dos jornais Correio Braziliense e Estado de Minas.

Para mais informações sobre o Curso Online para Candidatos e Assessores, entre em contato com a FAP, das 9h às 18h, por ligação ou WhatsApp no seguinte número: 61983305338. As inscrições continuam abertas (Clique no link ao final do texto).

Veja, abaixo, o vídeo da aula:

https://youtube.com/live/TcDqwaQea-8

De acordo com Azedo, na política, a imagem é uma percepção externa ao seu protagonista. “É a forma como o político é percebido pelos diversos segmentos da sociedade”, afirma.

Assim como caráter, ética ou honestidade, segundo o jornalista, reputação pode ter positividade ou negatividade. “O simples ‘sentimento’ não basta. É preciso um ‘conceito’ para consolidar a reputação”, diz ele.

O jornalista ressalta que é preciso fazer distinção entre espaço público e espaço político. Segundo ele, o primeiro é aquele de uso comum e posse de todos. É onde se desenvolvem atividades coletivas, entre os grupos diversos que compõem a heterogênea sociedade urbana, explica.

“Por espaço político, se entende a área de conflito entre partidos, candidatos e eleitores”, acentua.

Ao longo da aula, o jornalista vai aprofundar as principais estratégias para candidatos terem uma campanha vitoriosa, dialogando diretamente com seus públicos, com base em propostas sérias e executáveis.

> Juliet Matos indica pilares de propostas de políticas com as mulheres e para as mulheres

> Eleições 2024: Sergio Denicoli explica três pontos que movem as redes

> O que pode e o que não pode na pré-campanha: Advogado explica regras das eleições 2024

> Amom Mandel revela estratégias para candidato vencer as eleições 2024

> Campanha eleitoral com pouco dinheiro: FAP e Cidadania iniciam novo módulo de curso

> Eleições 2024: Curso Online para Candidatos e Assessores registra 1.500 inscrições

O Curso

O curso é ministrado na modalidade de formação continuada, por meio da sala virtual do Zoom. O link é enviado diretamente para a turma antes de cada aula. Os interessados ainda podem se inscrever no site da entidade, gratuitamente.

As aulas são ministradas às terças-feiras, a partir das 19 horas, e todas ficam disponíveis para acesso ilimitado no canal da fundação no Youtube. Será enviado certificado para todos as pessoas concluintes do curso de formação política.

O primeiro módulo do Curso Online para Candidatos e Assessores foi realizado de setembro a dezembro de 2023.

Em caso de dúvida, entre em contato com a FAP, das 9h às 18h, por ligação ou WhatsApp no seguinte número: 61983305338

É o quarto curso de capacitação focado em formação política realizado pela FAP.


Tragédia no Rio Grande do Sul: Webinar da FAP debate enchentes e crise climática

Comunicação FAP

As enchentes no Rio Grande do Sul e a crise climática serão discutidas por especialistas, na quinta-feira (23/5), durante webinar realizado, pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), a partir das 18h30. A transmissão será realizada por meio da página da entidade no Facebook e do canal da instituição no Youtube. Não há necessidade de inscrição prévia.

Veja vídeo abaixo:

https://youtube.com/live/6ihuZKllpgg

Confirmaram presença no debate online a ex-presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) Suely Araújo e o ex-deputado federal Arnaldo Jordy, que integra a Executiva Nacional do Cidadania23.

Também estarão presentes o economista Sérgio Besserman, ex-presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e membro do Conselho Curador da FAP, e o fundador da Alternativa Terrazul, Pedro Ivo, que também é cocriador da Teia Carta da Terra Brasil e coordenador de fórum ambientalista.

Para mais informações sobre o webinar, entre em contato com o suporte de tecnologia da informação da FAP, por meio do seguinte número no WhatsApp: 61 984196983

Até o dia 23 de maio, O Rio Grande do Sul contabiliza 163 mortes, segundo o boletim das enchentes divulgado pela Defesa Civil do estado gaúcho. Ao menos 468 municípios seguem afetados pelas enchentes, e 581 mil pessoas estão desalojadas. Mais de 82 mil foram resgatadas, e 65 mil encontram-se em abrigos.

Segundo o levantamento, 72 pessoas seguem desaparecidas e 806 feridas. Atualmente, são 71 trechos com bloqueios totais e parciais em 40 rodovias do estado, além de 473 escolas estaduais que ainda não retornaram.


Juliet Matos indica pilares de propostas de políticas com as mulheres e para as mulheres

Comunicação FAP

A ativista política Juliet Matos diz que as propostas políticas com as mulheres e para as mulheres devem focar em política pública de excelência, processo de escuta ativa e participativa em todas as etapas e universalidade das ações. Ela vai ministrar, nesta terça-feira (14/5), a quinta aula do Curso Online para Candidatos e Assessores, realizado pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), em parceria com o Cidadania 23.

Juliet tem 15 anos de experiência no terceiro setor, gestão de projetos, relações governamentais e trabalhos direcionados a causas sociais e humanitárias. Atua em captação de recursos com indivíduos e pessoa jurídica, relações institucionais e parcerias, articulação política com diversos atores públicos.

Veja, abaixo, o vídeo da aula:

https://www.youtube.com/live/qCfVmuXJBD8?si=GaUM5t8og9xiSd0d

Para mais informações sobre o Curso Online para Candidatos e Assessores, entre em contato com a FAP, das 9h às 18h, por ligação ou WhatsApp no seguinte número: 61983305338. As inscrições continuam abertas (Clique no link ao final do texto).

O que fazer e o que não fazer

Três pontos a serem considerados nas propostas com as mulheres e para as mulheres, de acordo com Juliet.

1 - Política Pública de Excelência: Devem ser realizadas utilizando as evidências e os dados para conhecer a realidade do seu município e as principais defasagens de cada área da gestão pública de maneira integrada (saúde, educação, segurança pública, economia, emprego, moradia, etc)

2 - Processo de Escuta Ativa e Participativa em Todas as Etapas: A sociedade civil organizada, a academia, os movimentos de mulheres e as associações representativas devem ser parte ativa do processo de fazer política voltada às mulheres em todas as etapas, desde escutar suas demandas e formular a proposta ou a política pública a mecanismos participativos de controle social e avaliação de resultados

3 - Universalidade dentro das políticas públicas em geral: Políticas para as mulheres não devem estar confinadas dentro de um segmento único, como proposta de nicho. Elas devem ser levadas em consideração em todas as áreas da esfera pública. Não existe política pública neutra.

Três pontos a serem evitados ao abordar política para as mulheres, segundo Juliet.

1 - Lugar de mulher é na política e onde ela quiser! Abandonar discursos fáceis que dizem que mulheres não se interessam pela política ou que não tem as competências necessárias para falar sobre os temas mais importantes da cidade.

2 - Fazer política para as mulheres não é se vestir de rosa ou dar flores! Flores são lindas e a gente ama! Mas fazer política para e com as mulheres é muito mais do que fazer um evento cor de rosa em datas comemorativas e estereotipadas. Nós, homens e mulheres na política, temos que ir além!

3 - Não pratique violência política de gênero! Sabia que estatisticamente mulheres são muito mais interrompidas em suas falas do que homens? Tente ouvir e respeitar o momento de fala de todos, principalmente as mulheres!

> Eleições 2024: Sergio Denicoli explica três pontos que movem as redes

> O que pode e o que não pode na pré-campanha: Advogado explica regras das eleições 2024

> Amom Mandel revela estratégias para candidato vencer as eleições 2024

> Eleições 2024: Curso Online para Candidatos e Assessores registra 1.500 inscrições

> Campanha eleitoral com pouco dinheiro: FAP e Cidadania iniciam novo módulo de curso

O Curso

O curso é ministrado na modalidade de formação continuada, por meio da sala virtual do Zoom. O link é enviado diretamente para a turma antes de cada aula. Os interessados ainda podem se inscrever no site da entidade, gratuitamente.

As aulas são ministradas às terças-feiras, a partir das 19 horas, e todas ficam disponíveis para acesso ilimitado no canal da fundação no Youtube. Será enviado certificado para todos as pessoas concluintes do curso de formação política.

O primeiro módulo do Curso Online para Candidatos e Assessores foi realizado de setembro a dezembro de 2023.

Em caso de dúvida, entre em contato com a FAP, das 9h às 18h, por ligação ou WhatsApp no seguinte número: 61983305338

É o quarto curso de capacitação focado em formação política realizado pela FAP.


Poesia de Hilda Rist será discutida em grupo organizado pela Biblioteca Salomão Malina

Comunicação FAP

A Biblioteca Salomão Malina, mantida pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), realizará, no dia 13 de maio, a partir das 19h30, mais uma sessão do grupo Roda de Poesias para discutir Que este amor não me cegue nem me siga, de Hilda Hist. Ela é considerada uma das maiores escritores da língua portuguesa do século 20.  A sessão terá Luis Turiba como debatedor. O jornalista Luiz Carlos Azedo será o mediador.

Para participar da sala de discussão online na sala do zoom, entre em contato com a Biblioteca Salomão Malina, por telefone ou WhatsApp, pelo seguinte número: 61984015561

Autora de 28 livros, Hilda Hist viveu isolada por cerca de 30 anos em uma fazenda em Campinas, onde morreu em 2004, aos 73 anos. Ela contava que a poesia tem relação com o que ela não entendia, com a solenidade diante do mundo e com algo sagrado que ela não queria perder.

Apesar da profundidade do seu trabalho e da diversidade dos temas que aborda em seus poemas, a sua obra não foi devidamente avaliada pela crítica. Exatamente para sanar essa falha e mostrar ao mundo o potencial do seu trabalho, a Companhia das Letras publicou a edição Da Poesia, que reúne em um único volume todas as obras da autora.

Os poemas estão em ordem cronológica e a edição também conta com alguns versos inéditos que foram recolhidos na Casa do Sol e na Unicamp.


A segunda parte da longa jornada do Partidão em busca da democracia

Daniel Costa*

Após o lançamento do primeiro volume escrito pelo jornalista Carlos Marchi em 2022, a Fundação Astrojildo Pereira (FAP) traz, para o público especializado ou não, o segundo volume do livro Longa jornada até a democracia - Os 100 anos do partidão (1922-2022), escrito pelo jornalista e escritor Eumano Silva, também coautor do vencedor do Prêmio Jabuti, “Operação Araguaia”. O volume aborda a trajetória do PCB (Partido Comunista Brasileiro) do IV Congresso, realizado em 1967 até 1992, momento em que os líderes da sigla estiveram sintonizados com os ventos de mudança ocorrido no leste europeu e foram inspirados pelo processo que culminaria na transformação do PCI (Partido Comunista Italiano) em PDS (Partido Democrático da Esquerda).

É nesse conturbado cenário que o grupo majoritário do partido opta pela mudança da sua linha política, deixando de lado os símbolos da foice e do martelo, o léxico revolucionário, passando a adotar a sigla PPS (Partido Popular Socialista).

Fruto de uma longa e densa pesquisa, Eumano Silva mostra, ao longo de 844 páginas, os tortuosos caminhos do Partidão no processo de enfrentamento à ditadura civil-militar implantada em 1964. O livro ainda aborda o processo de luta pela anistia e redemocratização, a relação do PCB com o novo sindicalismo surgido no ABC paulista no final da década de 1970, o surgimento do Partido dos Trabalhadores, agremiação que, apesar das afinidades ideológicas, seria um dos causadores (não o único) do eclipse do Partidão e, claro, as próprias crises e embates internos entre as diferentes concepções partidárias e estratégias e táticas políticas.

Nós, historiadores, geralmente, encaramos livros como o escrito por Eumano Silva com certo ceticismo acerca de possíveis qualidades, seja pela construção da narrativa do fato histórico, pelo enquadramento dos personagens seja por outras questões que são caras ao métier historiográfico. Porém, dado o rigor analítico, a diversidade dos personagens entrevistados, o denso embasamento bibliográfico e a farta pesquisa documental, arrisco dizer que, desde seu lançamento, ao lado do primeiro volume, a obra se torna referência para aqueles que desejam compreender não somente os tortuosos caminhos daquela que fora a grande referência para a esquerda brasileira até o surgimento do Partido dos Trabalhadores, mas também os caminhos e descaminhos da nossa democracia.

Como ressalta o jornalista Luiz Carlos azedo, responsável pela orelha do livro, “o PCB sobreviveu por sua política. Eumano Silva, por meio de documentos, depoimentos e pesquisas bibliográficas, reconstitui a trajetória desses heróis quase anônimos da luta contra a ditadura, muitos dos quais foram sequestrados, presos e barbaramente torturados. Poucos membros do Comitê Central permaneceram no país, mesmo caçados vivos ou mortos”.

Em um partido com oitenta anos de trajetória, considerando o período entre 1922 e 1992, as disputas internas seriam algo constante, em momentos extremos, causando inclusive rupturas - cabe destacar que, para pesquisadores dedicados à trajetória da agremiação comunista, a riqueza dos debates internos seria o motor para a formulação de políticas que daria relevância ao Partidão ao longo de sua existência. Tratar principalmente de rupturas em organismos coletivos nem sempre é uma tarefa fácil, geralmente opta-se em contar apenas a versão do lado vencedor, e aqui temos mais um mérito para destacar na obra, assim como ressaltar a postura do autor e da própria Fundação Astrojildo Pereira.

A pluralidade fica latente ao verificar a diversidade de personagens entrevistados para a construção da narrativa. Assim, o leitor terá a oportunidade de travar contato com a visão de figuras ligadas ao atual Cidadania, como o sindicalista paulista Davi Zaia; o historiador e jornalista Ivan Alves filho; o já citado Luiz Carlos Azedo e o ex-presidente do Cidadania Roberto Freire, um dos principais nomes do partido após o processo de mudança de nome e concepção, que ficaria a frente da sigla até 2023, quando foi substituído pelo professor Comte Bittencourt.

São ouvidos ainda personagens como José Genoíno, ex-integrante do PCdoB, que chegou a participar da guerrilha do Araguaia e hoje segue militando no PT, e Frei Chico, destacado militante do PCB paulista nos anos 1970 e irmão do atual presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A diversidade de entrevistados abarca ainda personagens como o sindicalista carioca Ivan Pinheiro, uma das lideranças ao lado de Horácio Macedo, do grupo que se opunha ao processo ocorrido em 1992, que passaria a ocupar o cargo de secretário-geral do PCB “reconstruído” e em 2023 seria um dos articuladores de uma nova ruptura à esquerda dentro da pequena agremiação.

Por fim, em relação à diversidade de personagens ouvidos por Eumano, ainda podemos destacar nomes como a historiadora Marly Vianna, próxima do grupo prestista; o cientista político Marco Aurélio Nogueira, próximo do grupo de Armênio Guedes; José Salles; Florestan Fernandes Júnior; Mauro Malin, Marcelo Cerqueira e o ex-governador do Rio de Janeiro Wellington Moreira Franco.

Desse modo, percorrendo os 181 capítulos do volume, Eumano apresenta ao leitor fatos de fundamental importância não só para compreender a trajetória do PCB, mas também como funcionava os meandros da repressão ao longo da ditadura civil- militar. Repressão que compreendia desde a tortura realizada nos tenebrosos porões até infiltração de agentes e delatores, como o notório caso do “agente” Carlos e a suposta delação de Severino Theodoro de Mello, tido como figura fundamental na perseguição ao Comitê Central do Partido, resultando na morte de dez integrantes da instância partidária.

Ao longo do segundo volume dessa longa jornada, o autor mostra ainda situações como a descoberta e desmantelamento da gráfica do PCB, responsável pela impressão do jornal “Voz operária”, a operação que resultou na transferência para a Itália do acervo de Astrojildo Pereira, um dos fundadores do partido em 1922. Figuram ainda casos como o tão falado “ouro de Moscou” e a disputa dentro do Comitê Central que culminaria na ruptura de Luiz Carlos Preses no começo da década de 1980.

Apesar do forte ataque sofrido pelos órgãos de repressão ao longo da década de 1970, a linha de atuação política tirada no Congresso realizado em 1967 começa a apresentar resultados. Mesmo sem deter a hegemonia política nas esquerdas e na oposição consentida - algo claramente inviável ‐, as palavras de ordem e bandeiras de luta propostas pelo partido começam a ganhar ressonância na sociedade civil, que passa a incorporar como pauta temas como a anistia, eleições livres e diretas em todos os níveis, liberdade de expressão e organização, constituinte, etc.

Outro fato narrado que mostra a seriedade do autor na condução da narrativa é visto na abordagem da crise ocorrida no Comitê Central em meados da década de 1970 acerca da questão que envolveu o dirigente partidário e possível sucessor de Prestes na condução do CC, José Sales. Não cabe apresentar aqui de forma detalhada o caso, porém, o que fica para o leitor é a capacidade demonstrada por Eumano em ouvir os diferentes personagens envolvidos e as diferentes perspectivas interpretativas. No segundo caso, as biografias do dirigente comunista Luiz Carlos Prestes escrita pelo historiador Daniel Aarão Reis Filho, lançada pela Companhia das Letras e o volume escrito pela também historiadora e filha do cavaleiro da esperança, Anita Prestes, e colocada nas livrarias pela Boitempo são cotejadas pelo jornalista que busca aparar a divergência entre os autores para tecer uma narrativa sóbria do episódio.

Como bem destacou o historiador José Antônio Segatto, responsável pelo prefácio do livro, “o autor - em vez de utilizar, principalmente, a bibliografia existente - valeu-se, em grande medida, da documentação, tanto do PCB (resoluções manifestos, declarações etc.) como as produzidas por órgãos governamentais (muitas delas inéditas, que levantou em arquivos), sobretudo os encarregados da investigação policial e da repressão; muitos desses aparelhos, diga-se, operantes no porão da ditadura do regime ditatorial ou mesmo clandestinos. Além disso, Eumano serviu-se de uma variedade de depoimentos de dirigentes e militantes, alguns com protagonismo proeminente e outros coadjuvantes ou meramente laterais”.

Análise: PCB, da luta armada à defesa da democracia

Carlos Marchi lança livro Longa Jornada até a Democracia, no Rio

Livro Longa Jornada até a Democracia, de Carlos Marchi, será lançado em São Paulo

O jornalista Marcelo Godoy, autor da contracapa da publicação, destaca que o trabalho feito por Eumano, “vai além de iluminar fatos e de servir de olhos do leitor nos lugares onde não podemos estar”. Ainda segundo Godoi, “Eumano redescobre um passado, que nos envolve com seu manto e se dissimula em meio à enganosa normalidade cotidiana do esquecimento de conflitos e caminhos da longa jornada até o presente. Compreender esse conjunto, sem anacronismos, foi o passo seguinte. Lucien Febvre dizia que onde não há problema não há história. Sem ele, há apenas narrações e compilações. Um problema é o começo e o fim da história. Eumano ajuda-nos a compreender o crepúsculo do PCB e resgata a presença do passado e nosso presente sem a qual nenhuma pretensão do sonho democrático seria possível”.

Ao conversar com o autor no lançamento realizado em São Paulo, ele destacou a riqueza e a quantidade de depoimentos de entrevistas realizadas ao longo da pesquisa e que, dada a quantidade e a qualidade de informações, cada entrevista merecia até um novo livro. Fica a dica para a Fundação Astrojildo Pereira para que no futuro pense em tal possibilidade, para continuar contando a História e as histórias daquele que fora um dos principais partidos políticos do Brasil, inclusive no pequeno período em atuou de forma legal, como no período de clandestinidade, mostrando a perspectiva daqueles atores que fizeram essa história.

Por fim, destacamos, novamente, o prefácio escrito por José Antônio Segatto, que, além de saudar o esforço de Eumano, exalta a iniciativa de tratar e mostra a história do partidão em sua fase terminal, “expondo-a na forma de uma extensa reportagem, fornecendo a um público ampliado, com pouco ou nenhum conhecimento do assunto em questão, uma contribuição inédita e significativa para o entendimento de uma das mais importantes instituições da sociedade civil e política (PCB) e de um período histórico-político extremamente sombrio da República brasileira”.

Com a publicação do segundo volume do livro “Longa jornada até a democracia - Os 100 anos do partidão (1922-2022)”, a Fundação Astrojildo Pereira contribui para a memória daquela que foi uma das principais forças de esquerda no país e mostra aos leitores que uma sociedade justa e igualitária só pode ser constituída sob os signos da democracia.

*Daniel Costa é historiador pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e desenvolve na mesma instituição pesquisa de mestrado acerca da corrupção na América portuguesa no período pombalino, especialmente nas capitanias de Pernambuco e Minas ao longo do século XVIII.


Professor da UFBA analisa conjuntura política em curso online

Comunicação FAP

O professor associado da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e integrante do Conselho Consultivo da Fundação Astrojildo Pereira (FAP), Paulo Fábio Dantas, destacará nesta terça-feira (31/10) os principais pontos da conjuntura política nacional, em aula telepresencial do Curso Online para Candidatos e Assessores, com foco na capacitação para as eleições municipais de 2024. O encontro será, excepcionalmente, a partir das 18 horas.

https://www.youtube.com/live/ia2omctoKPk?si=nz7LS8KYTg1N_Wme

Clique aqui e veja matérias das aulas do curso

O curso online é oferecido pela FAP, em parceria com o Cidadania 23. Normalmente, as aulas são ministradas a partir das 19 horas, mas, em casos excepcionais, a depender da agenda do professor, o encontro tem o horário alterado, o que é avisado previamente para os alunos.

Dantas também é bacharel em Ciências Econômicas, mestre em Administração e doutor em Ciências Humanas – Ciência Política.

A aula será mediada pela secretária-executiva da FAP, Thaíse Castro. Os interessados ainda podem se inscrever, por meio do formulário virtual, que também está disponível no site da entidade, gratuitamente. O curso oferecerá certificado para os alunos concluintes.

Clique aqui e veja vídeo de todas as aulas do curso no Youtube!

A aula será ministrada ao vivo, de forma telepresencial, por meio da sala virtual do aplicativo Zoom, canal que permite a interação direta de alunos com o professor. O acesso é liberado poucos minutos antes do início das aulas. Todas as aulas também ficam disponíveis no canal da fundação no Youtube, para serem vistas posteriormente, a qualquer momento, pelos interessados.

A seguir, confira a programação das primeiras aulas do curso:

O curso integra o programa de formação política da FAP, em parceria com o Cidadania 23. Desde o ano de 2020, a fundação realizou três cursos destinados à capacitação de candidatos a cargos eletivos e suas equipes, fortalecendo o seu comprometimento com a boa política e a cidadania.


Consultor do Senado ministra aula sobre conjuntura brasileira e perspectivas

Comunicação FAP

O sociólogo e consultor legislativo do Senado Caetano Ernesto Araújo, que também é ex-diretor-geral da Fundação Astrojildo Pereira (FAP), ministrará nesta terça-feira (3/10), a partir das 19 horas, a aula telepresencial sobre a conjuntura brasileira e perspectivas para o país, durante o Curso Online para Candidatos e Assessores, com foco na capacitação para as eleições municipais de 2024. A iniciativa é da entidade, em parceria com o Cidadania 23, na modalidade de formação continuada.

A aula será mediada pela professora Dulce Galindo, que também é diretora-executiva da FAP, assessora legislativa e ex-subsecretária de Cultura e Governo de Niterói (RJ). Os interessados ainda podem se inscrever, por meio do formulário virtual, que também está disponível no site da entidade, gratuitamente. O curso oferecerá certificado para os alunos concluintes.

A aula será ministrada ao vivo, de forma telepresencial, por meio da sala virtual do aplicativo Zoom, canal que permite a interação direta de alunos com o professor. O acesso é liberado poucos minutos antes do início das aulas. Elas também ficam disponíveis no canal da fundação no Youtube, para serem vistas posteriormente.

“Parceria é indispensável para boa gestão pública”, diz Luiz Filipe Reinecke

Eleições 2024: curso de formação política capacita futuros candidatos e assessores

O curso integra o programa de formação política da FAP, em parceria com o Cidadania 23. Desde o ano de 2020, a fundação realizou três cursos destinados à capacitação de candidatos a cargos eletivos e suas equipes, fortalecendo o seu comprometimento com a boa política e a cidadania.

Abaixo, veja as aulas anteriores:




Workshop de escrita criativa da Biblioteca Salomão Malina | Arte: Washington Reis/FAP

Biblioteca Salomão Malina abre inscrições para o workshop escrita criativa

Estão abertas as inscrições para o workshop on-line de escrita criativa, que será realizado na terça feira (31/01), a partir das 19 horas. A oficina, de 25 vagas, terá como palestrante a escritora, poetisa e cronista Andressa Mikaelly dos Santos, com parceria da Biblioteca Salomão Malina, mantida pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), ambas em Brasília. 

O evento será transmitido no perfil da biblioteca no Facebook, assim como no canal da entidade no YouTube e no site da fundação. Andressa Mikaelly diz que escrever criativamente vai além de elaborar um texto que as pessoas julguem interessante. 

“É sair do óbvio. É mostrar o que você tem de diferente, pois não tem a ver com algo técnico, mas sim com o que parte de dentro de você”, explica. No final do evento, os participantes receberão um certificado. Para mais informações, entre em contato com a biblioteca pelo WhatsApp (61) 98401-5561.

A escritora espera que, ao final, os alunos se sintam confiantes para expressar e mostrar ao mundo, de forma livre, seus escritos. “Escrever é transcender o limite do pensamento''. Ela conta que começou a escrever para se imaginar em lugares aos quais tinha vontade de ir.

O Brasil perdeu, nos últimos quatro anos, mais de 4,6 milhões de leitores, segundo dados da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, que é realizada pelo Instituto Pró-Livro (IPL). O objetivo do levantamento é promover pesquisas e ações de fomento à leitura. 

Para a cronista Andressa Mikaelly, as redes sociais contribuem para que as pessoas leiam menos. “Os reels, tik tok e outras redes nos dão a oportunidade de ver as coisas resumidas, o que tira a beleza de se buscar conhecer e aprofundar”, afirma.

Ela acrescenta que, normalmente, boa parte das pessoas querem tudo para ontem. Perderam, segundo Andressa Mikaelly, a beleza de se aprofundar na leitura. As ações de ler e escrever andam juntas, segundo ela. 

Sobre a palestrante

Andressa Mikaelly tem 31 anos e está finalizando sua licenciatura em Letras na Universidade Paulista (UNIP). Publicou, em janeiro de 2022, seu primeiro livro disponível na Amazon: Textos que eu escrevi sobre você.

O livro é um compilado de frases e poesias baseados na presença, mas, principalmente, na ausência, e no que se pode fazer com a dor que invade alguém depois de uma despedida.

Ela acredita que todo escritor é um bom observador. Em Brasília, cidade onde mora, a escritora gosta de ir aos cafés para sentar e ler um bom livro. “Adoro observar a vida fora da minha 'bolha', isso rende boas histórias”, diz.

Seus livros preferidos são A desumanização, de Valter Hugo Mãe; A hora da estrela, de Clarice Lispector; e Sorria, você está sendo iluminado, de Felipe Guga. 

Conheça mais sobre a escritora aqui: https://keepo.io/andressamikaelly/

Serviço

Workshop de escrita criativa

Link de inscrição: https://forms.gle/mJsnRUmPt9VAwEYGA

Dia: 31/01/2023

Horário da transmissão: 19h

Onde: Perfil da Biblioteca Salomão Malina no Facebook e no portal da FAP e redes sociais (Facebook e Youtube) da entidade

Realização: Biblioteca Salomão Malina e Fundação Astrojildo Pereira (FAP)

Texto editado pela coordenação de publicações da Fap.


Darcy Ribeiro segurando livro nas mãos | Imagem: reprodução PDT org

Revista online | E agora, Darcy?

Cristovam Buarque*, especial para a revista Política Democrática online (48ª edição: outubro/2022)

Quando Darcy nasceu, o Brasil acabara de criar sua primeira universidade, a população ainda era quase toda analfabeta, fazia apenas 34 anos da abolição, raros brasileiros estavam na escola, quase nenhum terminava a educação de base. Darcy dedicou sua vida para mudar isto, como professor e político. No seu centenário, o Brasil tem 50 milhões de crianças matriculadas em 200 mil escolas, 8 milhões de estudantes universitários, 150 mil deles em cursos de pós-graduação. Foi um longo caminho, mas ainda temos 3 milhões que não se matricularam, 10 milhões de analfabetos, apenas metade de nossos jovens terminaram o ensino médio, poucos deles com o conhecimento necessário para o mundo contemporâneo. Avançamos, aumentando as brechas educacionais entre os ricos e os pobres e entre o que ensinamos e o que o mundo atual exige que uma pessoa saiba para estar plenamente integrada nele.

Confira, a seguir, galeria de imagens:

Darcy Ribeiro, a UnB e o constitucionalismo achado na rua | Imagem: reprodução
Educação e inclusão | Foto: Drazen Zigic/Shutterstock
Campus Darcy Ribeiro (UnB) | Reprodução: PARALAXIS/Shutterstock
Alterações LDB Lei | Imagem: Reprodução
Escola pública e máscaras | MikeDotta/Shutterstock
Darcy Ribeiro segurando livro nas mãos | Imagem: reprodução PDT org
África educação | Foto: Shutterstock/Boxed Lunch Productions
Analfabetismo no Brasil | Foto: Evtushkova Olga/Shutterstock
Darcy Ribeiro, a UnB e o constituicionalismo achado na rua
Educação e inclusão
Campus Darcy Ribeiro (UnB)
Alterações LDB Lei
Escola pública e máscaras
Darcy Ribeiro segurando livro nas mãos
África educação
Analfabetismo no Brasil
previous arrow
next arrow
 
Darcy Ribeiro, a UnB e o constituicionalismo achado na rua
Educação e inclusão
Campus Darcy Ribeiro (UnB)
Alterações LDB Lei
Escola pública e máscaras
Darcy Ribeiro segurando livro nas mãos
África educação
Analfabetismo no Brasil
previous arrow
next arrow

Se estivesse vivo, Darcy teria como tarefa ajudar o Brasil a garantir a alfabetização de todos os brasileiros para o mundo contemporâneo e eliminar a desigualdade que divide nosso sistema educacional em “escolas casa grande” e “escolas senzala”. Transformar o sistema com qualidade média entre os piores do mundo, e provavelmente o mais desigual, conforme a renda e o endereço da criança. Deveria lutar para colocar nossa educação entre as melhores do mundo, adaptada à realidade destes tempos, e para quebrar esta desigualdade: construir um sistema no qual o filho da mais pobre família tenha acesso a uma escola com a mesma qualidade que o filho da família mais rica. Que se diferenciassem depois pelo talento, persistência e vocação, mas não conforme a renda dos pais ou a sorte de uma rara escola pública, em geral federal.

Todos concluindo o ensino médio sabendo falar, ler e escrever muito bem nosso idioma; sendo fluente em pelo menos um idioma estrangeiro; conhecendo as bases da geografia, história, filosofia, ciências, matemática; informado sobre os problemas da atualidade; capazes de usar as modernas técnicas digitais e lidar com a inteligência artificial; tendo consciência solidária com a humanidade e a natureza; dispondo de um ofício profissional que lhe assegure as ferramentas para ter emprego e renda e mudar nosso país e o mundo, fazendo-os melhores e mais belos.

Confira a versão anterior da revista Política Democrática online

Para tanto, Darcy, que foi o relator da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), deveria ir além desta e de outras leis homeopáticas e ajudar a criar um Sistema Único Nacional Público de Educação de Base. Levaria o Brasil a tratar a educação de suas crianças como uma questão nacional, não mais municipal; criar um ministério próprio para a educação de base, uma carreira federal para os professores, com os maiores salários do setor público, bem formados e avaliados regularmente; construir prédios escolares com a máxima qualidade entre as edificações governamentais; equipar as escolas com os mais modernos instrumentos pedagógicos; adotar horário integral em todas as escolas, assegurando que todo aluno concluirá o curso médio com um ofício profissionalizante.

Ele nos deixou sua inspiração e desafio. Para levarmos adiante esta “Missão Darcy”, o governo federal precisa definir uma estratégia durante a qual federalizaria paulatinamente os sistemas municipais. Ao ritmo de 100 a 200 cidades por ano, em 25 a 30 anos, comemoraríamos os 130 anos de Darcy Ribeiro com todo o Brasil dispondo de um Sistema Único Nacional Público de Educação de Base, com todas as escolas de mesma qualidade, não importando a renda ou o endereço do aluno, cada uma com a mesma qualidade das melhores do mundo.

Sobre o autor

*Cristovam Buarque foi reitor da Universidade de Brasília (UnB) de 1985 a 1989. Foi governador do Distrito Federal de 1995 a 1998 e eleito senador pelo DF em 2002. Atuou como ministro da Educação de 2003 a 2004, no primeiro mandato de Lula. Foi reeleito em 2010 para o Senado pelo DF, com mandato até 2018.

** O artigo foi produzido para publicação na revista Política Democrática online de outubro de 2022 (48ª edição), produzida e editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), sediada em Brasília e vinculada ao Cidadania.

*** As ideias e opiniões expressas nos artigos publicados na revista Política Democrática online são de exclusiva responsabilidade dos autores. Por isso, não reflete, necessariamente, as opiniões da publicação.

Leia mais

Acesse a 47ª edição da Revista Política Democrática online

Acesse a 46ª edição da Revista Política Democrática online

Acesse todas as edições (Flip) da Revista Política Democrática online

Acesse todas as edições (PDF) da Revista Política Democrática online


Nova obra destaca propostas para desenvolvimento com inclusão social

Cleomar Almeida, Coordenador de Publicações da FAP, com atualização no dia 13/9/2022

Propostas econômicas para o governo brasileiro estão reunidas na obra Retomada do Desenvolvimento: reflexões econômicas para um modelo de crescimento com inclusão social (356 páginas), editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), em Brasília. Em formato de coletânea de artigos de 27 economistas, pesquisadores e nomes do mercado, a publicação será lançada, na quinta-feira (15), a partir das 18h, em evento presencial no Espaço Arildo Dória, na Biblioteca Salomão Malina, no Conic, região central de Brasília.

Mais nova edição temática da revista Política Democrática, a obra terá, em Brasília, o seu segundo lançamento presencial, depois de ser realizado em Uberlândia (MG). Os autores também fizeram debate on-line sobre a obra no dia 28 de agosto, com transmissão no portal da FAP, no canal da fundação no Youtube e na página da entidade no Facebook, onde o vídeo do lançamento da obra também está disponível para os interessados.

Veja, a seguir, vídeo de lançamento em Brasília:

https://youtu.be/Zq4H8PB_iQ4

Estadão | Pesquisadores lançam propostas para retomada do desenvolvimento com inclusão social

Correio Braziliense | Livro debate desenvolvimento em várias frentes técnicas e ideológicas

Neste novo lançamento, o debate será realizado pelos organizadores da 60ª edição da revista, os economistas Benito Salomão e José Luis Oreiro, que também publicaram suas análises na obra. Eles vão discutir o assunto com a economista Vilma Pinto e o ex-senador Cristovam Buarque. O jornalista Luiz Carlos Azedo mediará o evento, que contará com a presença de outros autores.

De acordo com a obra, o Brasil passa neste ano por um momento crucial de sua recente vida democrática. As eleições de outubro serão, ainda, permeadas por um componente adicional de incertezas advindas da economia. Após praticamente uma década perdida, em que a economia brasileira apresentou em 2020 um PIB per capita inferior ao que tinha em 2010, o país ainda segue com dois desafios às vésperas de a população ir às urnas.

Confira, abaixo, fotos do lançamento presencial em Brasília:

Luiz Carlos Azedo, José Luis Oreiro, Benito Salomão, Vilma Pinto e Cristovam Buarque | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Benito Salomão debate sobre a obra em lançamento presencial em Brasília | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Ex-senador Cristovam Buarque também presente no lançamento da obra | Foto: Cleomar Almeida/Foto: FAP
Economista José Luis Oreiro acrescenta comentário em evento | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Coletânea lançada é composta por artigo de Benito Salmão e  destaca inclusão social | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Economista Vilma Pinto em seu momento de fala | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Luiz Carlos Azedo, José Luis Oreiro, Benito Salomão, Vilma Pinto e Cristovam Buarque | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Benito Salomão debate sobre a obra em lançamento presencial em Brasília | Foto: Cleomar Almeida/ FAP
Ex-senador Cristovam Buarque também presente no lançamento da obra | Foto: Cleomar Almeida/Foto: FAP
Economista José Luis Oreiro acrescenta comentário em evento | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Coletânea lançada é composta por artigo de Benito Salmão e destaca inclusão social | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Economista Vilma Pinto em seu momento de fala | Foto: Cleomar Almeida/FAP
previous arrow
next arrow
 
Luiz Carlos Azedo, José Luis Oreiro, Benito Salomão, Vilma Pinto e Cristovam Buarque | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Benito Salomão debate sobre a obra em lançamento presencial em Brasília | Foto: Cleomar Almeida/ FAP
Ex-senador Cristovam Buarque também presente no lançamento da obra | Foto: Cleomar Almeida/Foto: FAP
Economista José Luis Oreiro acrescenta comentário em evento | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Coletânea lançada é composta por artigo de Benito Salmão e  destaca inclusão social | Foto: Cleomar Almeida/FAP
Economista Vilma Pinto em seu momento de fala | Foto: Cleomar Almeida/FAP
previous arrow
next arrow

Desafios

O primeiro desafio é, de acordo com os organizadores, a capacidade de o Brasil reafirmar sua democracia restabelecendo uma convivência sadia entre as instituições que o governa. Além disso, o país deverá encontrar um caminho para restabelecer as bases mínimas para o crescimento sustentado nesta década em curso e na próxima.

“Há poucos meses de uma eleição crucial para a sociedade brasileira, o debate público está concentrado em leitura de pesquisas de intenção de votos, em polêmicas inúteis e em questões puramente identitárias. Aos poucos, a opinião pública brasileira vai se distanciando de uma concepção utópica de desenvolvimento”, diz um trecho da obra.

A mais nova edição da revista Política Democrática visa mostrar para a opinião pública que, embora o crescimento com distribuição de renda tenha se tornado distante na última década, este é um caminho que pode ser retomado com ideias e empenho político. Segundo a publicação, “o país precisa parar de desperdiçar energias com embates inúteis, crises institucionais sem sentido e acirramentos a troco de nada”.

Com análises científicas, a obra defende uma mobilização para que o país tenha população devidamente educada, economia diversificada e integrada ao novo padrão tecnológico, serviços públicos universais e de boa qualidade, além de infraestrutura capaz de integrar as muitas regiões do país. A revista sinaliza, ainda, como conquistar crescimento perene do PIB per capita a longo prazo somado à melhoria do padrão distributivo desta riqueza. 

Pluralidade 

Baseadas em análises sustentadas em concepção plural, de acordo com os autores, a publicação ficou “ainda mais rica e diferente dos demais esforços acadêmicos no sentido de propor uma agenda para o país”. Isto porque, normalmente, os livros de ensaios organizados para propor alguma agenda econômica são de iniciativa de grupos de estudo, ou clubes acadêmicos, muitos já conhecidos da opinião pública e que têm muito pouca abertura para incorporar ideias divergentes.

Assista ao vídeo do lançamento virtual da revista sobre a retomada do desenvolvimento:

https://youtu.be/RqhyW6oalnM

“Aqui, até pela pluralidade do grupo de desenvolvimento que organizou esta publicação, onde convivem economistas, engenheiros, cientistas políticos, juristas, não seria viável que esta edição tivesse a feição específica de alguma bolha teórica, ou acadêmica”, afirmam os organizadores, na apresentação.

Veja mais lançamentos de revistas impressas da FAP:



Veja, abaixo, lançamento virtual da revista:

Serviço

Lançamento da revista Retomada do Desenvolvimento: reflexões econômicas para um modelo de crescimento com inclusão social

Data: Quinta-feira (15/9)

Horário: 18 horas

Realização: Fundação Astrojildo Pereira

Onde: Espaço Arildo Dória, na Biblioteca Salomão Malina, no Conic, em Brasília

*Título editado