roberto freire

Estande da Fundação Astrojildo Pereira na Feira do Livro, em Brasília

Incentivo à leitura: FAP doa 4,2 mil livros à população durante feira em Brasília

Luciara Ferreira e João Vítor*, com edição do coordenador de Publicações da FAP, Cleomar Almeida

Autoridades políticas destacaram as ações de incentivo à leitura e valorização da cultura desenvolvidas pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), que doou 4.232 livros à população, durante os 10 dias da 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib), realizada no Complexo Cultural da República. A pré-candidata a presidente Simone Tebet (MDB); o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire; e a deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF) passaram pelo estande da entidade e ressaltaram a relevância do conhecimento.

Confira eventos da FAP

Freire defendeu a valorização dos livros e a educação cultural, realizada por meio de publicações da FAP. “Firma a identidade da nação amarela. Não podíamos passar aqui sem ver a fundação, que tem um trabalho exatamente nessa direção aqui em Brasília”, disse o presidente do partido.

A seguir, veja galeria de fotos do estande da FAP:

Entrada diagonal 2 na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: João Vítor/FAP
Estande Fundação Astrojildo Pereira, coordenado pela Biblioteca Salomão Malina, na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Simone Tebet e Roberto Freire aparecem juntos no estande da Fundação Astrojildo Pereira | Foto: João Rodrigues/FAP
Equipe de comunicação da FAP comparece a Felib para entrevista | Foto: João Vítor/FAP
Estande ipê amarelo número 21na 36ª Feira do livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Estante de livros Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Estante Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Estante Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Decoração do estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Equipe de comunicação comparece a Felib para recolha de depoimentos | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Estante de livros da FAP ganha mais títulos | Foto: Biblioteca Salomão Malina
Feria do livro na noite de 23-6 | Foto: Washington/FAP
Estande da FAP recebe alunos de escolas variadas do DF | Foto: Washington/FAP
Feira do livro vai até o domingo 26-6 | Foto: Washington/FAP
A reivenção das cidades, Um lugar no mundo e Pé vermelho e Democracia Radical estavam entre os livros para doação | Foto: Marx/FAP
Estante de livros do estande Ipê Amarelo (número 21) | Foto: Marx/FAP
Incentivo a leitura e letramento político | Foto: Marx/FAP
Entrada diagonal 1 na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib) | Foto: João Vítor/FAP
Entrada diagonal 2 na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira, coordenado pela Biblioteca Salomão Malina, na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Simone Tebet e Roberto Freire aparecem juntos no estande da Fundação Astrojildo Pereira
Equipe de comunicação da FAP comparece a Felib para entrevista
Estande ipê amarelo número 21na 36ª Feira do livro de Brasília (Felib)
Estante de livros Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estante Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estante Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Decoração do estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Equipe de comunicação comparece a Felib para recolha de depoimentos
Estante de livros da FAP ganha mais títulos
Feria do livro na noite de 23-6
Estande da FAP recebe alunos de escolas variadas do DF
Feira do livro vai até o domingo 26-6
A reivenção das cidades, Um lugar no mundo e Pé vermelho e Democracia Radical estavam entre os livros para doação
Estante de livros do estande Ipê Amarelo (número 21)
Incentivo a leitura e letramento político
Entrada diagonal 1 na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
previous arrow
next arrow
 
Entrada diagonal 2 na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira, coordenado pela Biblioteca Salomão Malina, na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Simone Tebet e Roberto Freire aparecem juntos no estande da Fundação Astrojildo Pereira
Equipe de comunicação da FAP comparece a Felib para entrevista
Estande ipê amarelo número 21na 36ª Feira do livro de Brasília (Felib)
Estante de livros Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estante Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estante Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Decoração do estande Fundação Astrojildo Pereira na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
Equipe de comunicação comparece a Felib para recolha de depoimentos
Estante de livros da FAP ganha mais títulos
Feria do livro na noite de 23-6
Estande da FAP recebe alunos de escolas variadas do DF
Feira do livro vai até o domingo 26-6
A reivenção das cidades, Um lugar no mundo e Pé vermelho e Democracia Radical estavam entre os livros para doação
Estante de livros do estande Ipê Amarelo (número 21)
Incentivo a leitura e letramento político
Entrada diagonal 1 na 36ª Feira do Livro de Brasília (Felib)
previous arrow
next arrow

"Livro salva das fake news"

Simone Tebet, que é apoiada pelo Cidadania e PSDB, disse que o livro é um ferramenta de propagação da verdade e beneficia a sociedade. “O livro salva [a população] dessas fake news, salva do radicalismo, salva dos extremismos. Quem tem cultura, quem tem a oportunidade de, através do livro, conhecer a verdade, é capaz não só de transformar, mas de transformar o país”.

“Dá para acreditar, dá para fazer um Brasil diferente. É preciso reconstruir [o país] em outras bases do fortalecimento das instituições democráticas, mas com base na verdade e igualdade para todos. E há só um caminho, o caminho da educação.  Esse é o nosso compromisso principal como professora, política e brasileira”, disse a pré-candidata a presidente.

A presidenciável foi a primeira mulher a disputar o comando do Senado, em 2021. Também foi a primeira parlamentar mulher a comandar a disputada Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a primeira vice-governadora de Mato Grosso do Sul e primeira prefeita de Três Lagoas (MS).

FAP doa quase 700 obras no 1º fim de semana da Feira do Livro de Brasília

População receberá obras doadas pela FAP na 36ª Feira do Livro de Brasília

Na ocasião, Tebet recebeu, autografada, a obra Política em Movimento: Roberto Freire na imprensa, de autoria do presidente nacional do Cidadania, e disse que leria a “bonita” história de vida dele. O livro era um dos que estavam disponíveis para doação no Estande Ipê Amarelo (número 21), organizado pela Biblioteca Salomão Malina, mantida pela FAP.

"Conhecimento"

Paula Belmonte afirmou que "o livro é uma arma, da sociedade, do conhecimento". Ela elogiou a iniciativa da Fundação Astrojildo Pereira de incentivo à leitura e disse ter honra de participar tanto do partido quanto da entidade.

“A democracia só vai, realmente, se tornar uma realidade para todos nós quando as pessoas começarem a ter mais conhecimento. E a fundação vem fazendo isso. Trazendo bons temas para uma discussão da sociedade e, mais ainda, oferecendo isso gratuitamente para as pessoas”, disse a deputada federal.

A Feira do Livro de Brasília foi realizada no Complexo Cultural da República, pela Câmara do Livro do Distrito Federal (CLDF) e pelo Instituto de Produção Socioeducativo e Cultural Brasileiro (IPCB), com apoio da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato dos Escritores do Distrito Federal. 

*Integrantes do programa de estágio da FAP, sob supervisão do jornalista, editor de conteúdo e coordenador de Publicações da FAP, Cleomar Almeida


Arte: Luz Verde Comunicação Estratégica

Confira o vídeo oficial do curso para candidatos, candidatas e suas equipes

João Rodrigues, da equipe da FAP

Foi lançado nesta quinta-feira (12) o vídeo oficial do curso de formação política para candidatos, candidatas e suas equipes. As aulas serão ministradas de 23 a 30 de maio e as inscrições seguem abertas.

Clique aqui e saiba mais sobre a a programação.

Confira o vídeo.




Roberto Freire: "Esquerda é prisioneira de dogmas dominantes no século 20"

Cleomar Almeida e João Vítor*

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, criticou nesta sexta-feira (25/3) a esquerda por entender que ainda não acompanhou os anseios da sociedade. “Especialmente no Brasil, temos uma esquerda que ainda é prisioneira de dogmas que foram dominantes no século 20”, disse. Ele participou de seminário em celebração aos 100 anos do Partido Comunista Brasileiro (PCB), em Niterói (RJ), e destacou a importância de usar o marco histórico para pensar no futuro.

Veja vídeo abaixo:

https://youtu.be/YeQI8jYvMCI

100 anos do PCB: evento resgata memória e aponta desafios em Niterói (RJ)

A Fundação Astrojildo Pereira (FAP), sediada em Brasília, realizou o seminário do centenário do partido no auditório da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF). O PCB se reformulou com o passar dos anos e, em 1992, tornou-se o Partido Popular Socialista (PPS) antes de avançar para a nova identidade política com o Cidadania, em 2019.

Freire destacou o que chamou de "esquerda democrática", a qual, segundo ele, "não fica presa a dogmas, não é ortodoxa e pretende entender interpretar a história conseguindo ser atual, como é na Europa hoje e totalmente hegemônica". Na avaliação dele, não é o caso da América Latina.

Seminário 100 anos do PCB na Faculdade de Direito da UFF, em Niterói (RJ) | Foto: Washington Reis

Dezenas de militantes e dirigentes do partido participaram do evento, que também contou com a presença do diretor-geral da FAP, o sociólogo Caetano Araújo, e do secretário-geral da direção estadual do Cidadania no Rio de Janeiro, Roberto Percinoto. Uma placa foi descerrada em homenagem a todos dirigentes mortos pela ditadura militar e pessoas que fizeram parte da luta histórica do PCB.

"Perspectiva com jovens"

De acordo com Freire, a celebração do centenário deve ser usada para reflexão sobre a importância da luta do PCB no Brasil e, sobretudo, para estimular a juventude a compreender o contexto histórico com vistas para o futuro. “Não é só conversando sobre o passado, lembrando exílios e missões, mas esse partido, com o Cidadania, está montando uma perspectiva com jovens para pensar no futuro”, ressaltou.

https://open.spotify.com/episode/0GZjTu7gFPbt5klrK4tihV?si=e7fc12860456403f

“Eu quero dizer que está havendo um grande enfrentamento com o tempo histórico em relação ao pensamento de esquerda”, disse Freire, para ressaltar depois a necessidade de essa linha política avançar. “Pensar nessa perspectiva é o que nós temos que fazer e é por isso que continuo na luta e que pode nos levar adiante”, afirmou.

"Lições"

O diretor-geral da FAP citou algumas “lições” que marcaram a história do partido e que, segundo ele, podem auxiliar no avanço das lutas por uma sociedade menos injusta, menos desigual e menos excludente. É o caso da mobilização pela equidade, igualdade e em defesa da democracia, que passou a ser ameaçada, sobretudo, durante o atual governo.

“A desigualdade é difícil de superá-la. O Brasil não consegue fazer isso, mas temos que continuar lutando”, destacou. Ele também defendeu a luta incessante pela democracia. “A revolução tem que ser feita de baixo para cima. Tem que acontecer nas mentes e depende de debates, ou seja, democracia. Equivocado o pensamento de que a revolução tem que ser violenta. Isso não produz mudança”, acentuou.

https://open.spotify.com/episode/46LJXpn7xMGYTT0Wm0goUT?si=f8bf709374374421

É por isso que Caetano acredita que a democracia é a saída mais possível para solução dos imbróglios na sociedade, inclusive para a crise sanitária mundial da covid-19. “Todos os nossos problemas, para serem resolvidos, precisam de acordos mundiais, e isso também vale para a pandemia. O risco persiste. Exige enfrentamento global com nossa história. Temos muito a contribuir com as lutas do Brasil e com o mundo”, salientou.

"Aprender muito mais"

Com discurso marcado pela emoção, Percinoto chorou ao lembrar sua trajetória no PCB. “Antes de ingressar no velho partidão, eu era simpatizante, não só das reuniões, mas das discussões políticas”, disse ele, que também participou da clandestinidade durante o período em que militantes do partido foram perseguidos pela ditadura militar.

Ao final, o secretário demonstrou que ainda está bastante disposto a seguir na luta partidária.  “Não estou desanimado e quero aprender muito mais. Olhar para frente sem o farol de ré ligado”, afirmou Percinoto.

O evento teve debates sobre a fundação do PCB e seu histórico, a relação do partido com o mundo da cultura e intelectuais, além de seu vínculo com lutas sindicais e sua preocupação com a formação política da juventude.

https://open.spotify.com/episode/3GvGUuW2OVt6Uo6U6h3EVa?si=3d11f0ce59254dd8
https://open.spotify.com/episode/2EZQ9DNBeJApnmZDwVcJ3t?si=db9dca69466d4e23
https://open.spotify.com/episode/459pxqE6tkhDwC37OlNAaz?si=6ff129524d3c48c5

Transmissão ao vivo

O seminário em Niterói teve transmissão ao vivo no portal da FAP, na página da instituição no Facebook e no canal dela no Youtube. O objetivo foi tornar o evento acessível ao maior público possível para registrar a importância do legado do partido principalmente na luta pela democracia.

Desde 2021, a FAP tem realizado diversas atividades e eventos online em celebração ao centenário do partido. Antes do evento em Niterói, a fundação organizou o Seminário Internacional 100 Anos do PCB, realizado de 8 a 10 de março.

*João Vítor é integrante do programa de estágio da FAP, sob supervisão do jornalista, editor de conteúdo e coordenador de Publicações da fundação, Cleomar Almeida.

Veja vídeos de eventos do centenário




FAP abre inscrições para curso de formação política Jornada Cidadã 2022

Em parceria com o Cidadania, fundação realiza nova formação política em plataforma a distância com aulas telepresenciais

Cleomar Almeida, da equipe FAP

Na busca por capacitar líderes interessados em se candidatar nas próximas eleições, alinhando técnicas de gestão e talento político, a Fundação Astrojildo Pereira (FAP) abre, na sexta-feira (1º/10), as inscrições online para o curso Jornada Cidadã 2022, com aulas telepresenciais ao vivo e exclusivas para filiados ao Cidadania, ao qual é vinculada. Vagas são limitadas. O início das aulas está marcado para o dia 13 de outubro.

Clique aqui e inscreva-se já

A aula inaugural será realizada pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), um dos nomes de destaque da CPI da Pandemia, que investiga ações e omissões do governo federal no enfrentamento à pandemia no Brasil. O presidente nacional do partido, Roberto Freire, fará o encerramento do curso.

Aula inaugural do curso será realizada pelo Senador Alessandro Vieira. Foto: Agência Senado

As inscrições poderão ser feitas, diretamente, na plataforma de educação a distância Somos Cidadania, que é totalmente interativa, moderna, com design responsivo e tem acesso gratuito para matriculados. Nela, além das aulas, os alunos têm à disposição uma série de informações relevantes e atuais sobre o contexto político brasileiro e eventos contínuos realizados pela FAP.

O curso, segundo a coordenação, reúne uma série de professores altamente qualificados para abordar temas que afetam diretamente o dia a dia das pessoas e devem ser encarados por meio de políticas públicas eficazes, em meio a um cenário tomado pela pandemia da covid-19.



Também serão abordados desafios nas áreas de educação, saúde, segurança, meio ambiente e sustentabilidade, além de caminhos práticos para a redução da desigualdade e erradicação da pobreza.

Os interessados terão, ainda, informações relevantes sobre direito e regras eleitorais na campanha de 2022, com abordagem sobre legislação e regulamentação por parte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre o que é permito e proibido na disputa. Também haverá aulas sobre direitos políticos e sistema partidário na Constituição de 1988, também conhecida como Constituição Cidadã.

Curso

Luciano Rezende: Curso é continuidade à missão da FAP de formar líderes comprometidos com a “boa política". Foto: Fernando Madeira

O curso foi pensando e planejado conforme a crescente necessidade de interação das pessoas no mundo digital. É por isso que os alunos terão aulas exclusivas sobre liderança, engajamento e mobilização, estratégias de uso das redes sociais, marketing e comunicação política, além de discutirem, de forma prática, objetiva e assertiva, a conjuntura das eleições 2022.

Presidente do Conselho Curador da FAP, coordenador do curso e ex-prefeito de Vitória (ES) por dois mandatos, o médico Luciano Rezende destacou que o curso de formação dá continuidade à missão da entidade de formar líderes comprometidos com a “boa política”.

“A aliança da boa técnica de gestão com o talento político é igual à boa política, de que o Brasil precisa. O país precisa de bons líderes, boas ideias, pessoal envolvido com política e preparado para gestão”, destacou ele, ressaltando o histórico da fundação na realização de cursos de formação.

Luciano lembrou que o curso Gestão Cidadão, realizado pela FAP no primeiro semestre de 2021, “foi um sucesso”. “Agora estamos lançando mais um curso para pré-candidatos e filiados ao Cidadania, para que possam se preparar tecnicamente para as eleições de 2022’, ressaltou ele.

Marrafon fala sobre o novo curso de formação política da FAP



A seguir, veja a lista de temas de cada aula e seus respectivos professores:

Aula Inaugural: Ética na política13/10
(quarta-feira)
Alessandro Vieira
1. História, princípios e identidade do Cidadania 2318/10
(segunda-feira)
Caetano Araújo
2. Direitos políticos e sistema partidário na Constituição de 8820/10
(quarta-feira)
Arlindo Fernandes
3. Pré-campanha: organização, planejamento e estratégias. Orçamento de campanha e arrecadação de recursos.25/10
(segunda-feira)
Rubens Bueno  
4. Direito e Regras Eleitorais na Campanha de 2022 – Legislação e Regulamentação do TSE: o que pode e o que não pode.27/10
(quarta-feira)
Marcelo Nunes
5. Liderança, Engajamento e mobilização3/11
(quarta-feira)
Arnaldo Jordy  
6. Marketing e Comunicação política8/11
(segunda-feira)
Édson Barbosa
  7. Estratégias de uso das redes sociais10/11
(quarta-feira)
Jordana Saldanha
8. Análise de Conjuntura das Eleições 202217/11
(quarta-feira)
Luiz Carlos Azedo
9. Educação22/11
(segunda-feira)
Cristovam Buarque
10. Redução da desigualdade e erradicação da pobreza24/11
(quarta-feira)
Eliziane Gama
11. Saúde29/11
(segunda-feira)
Luiz Santini
12. Segurança1º/12
(quarta-feira)
Raul Jungmann
13. Meio-ambiente e sustentabilidade  6/12
(segunda-feira)
Sérgio Besserman
14. Estratégias pós-covid  8/12
(quarta-feira)
Luciano Rezende
Aula de encerramento15/12
(quarta-feira)
Roberto Freire

Leia também


Cidadania age para firmar federação e candidatura à presidência

Em entrevista ao CB. Poder, Roberto Freire deu detalhes sobre os planos para solidificar a candidatura

Denise Rothenburg / Gabriela Chabalgoity / CB Poder / Correio Braziliense

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, trabalha com dois projetos no horizonte. O primeiro, é consolidar a pré-candidatura do senador Alessandro Vieira (SE) à Presidência da República — embora admita que, faltando aproximadamente um ano para a corrida eleitoral, há tempo suficiente para se trabalhar várias alternativas no campo da chamada “terceira via”. O segundo é construir uma federação de partidos em torno da legenda, que busca partidos com os quais tenha afinidades — como Rede e PV — para viabilizar aquilo que pode ser o embrião de uma nova agremiação. A seguir, confirma os principais pontos da entrevista que Freire concedeu ao CB.Poder, uma parceria entre o Correio Braziliense e TV Brasília, que foi ao ar ontem.

O que fará o Cidadania diante de regras mais rígidas de sobrevivência para 2023?
A federação precisa ser entendida não como uma alternativa à coligação. Tem uma outra característica: ela é muito mais embrião de futuro partido do que mera coligação. Na coligação, acabou a eleição, cada um vai para o seu lado. Na federação, não — é um partido durante, pelo menos, a legislatura. Isso é processo de fortalecer partidos, até porque a pulverização nas casas legislativas é excessiva — isso dificulta governos, dificulta a própria atividade legislativa. Embora o Cidadania tenha superado a cláusula de desempenho de 2018, ela vai aumentar. Então, precisamos ter um certo cuidado.

Ou seja, a federação de partidos é feita durante a eleição e continua valendo durante toda aquela legislatura?
Sim. Não pode haver separação, então vai ter que ter muito mais convergência do que divergência. Você não aguenta quatro anos se não houver um movimento, uma sinergia, de integração. Não pode ser algo que vai aos trancos e barrancos porque você pode perder, inclusive, respeito diante da sociedade. Não é a cláusula de desempenho que tem que indicar qual é o meu caminho. Meu caminho tem que ser de construção de uma alternativa política. Por isso, o Cidadania só admite discutir federação com quem tem identidade com o Cidadania.

Sobre a discussão do Cidadania em relação à federação com a Rede e o Partido Verde, já tem alguma decisão nesse sentido?
Nós conversamos, um tempo atrás, sobre a possibilidade de uma fusão com a Rede, até mesmo antes da eleição, e com o PV. O PV não quis e nem conversou. Com a Rede, quase tivemos uma fusão, lá em 2018. Não me parece que a Rede tenha mudado de posição, acho que quer continuar tentando sobreviver como partido, independentemente de superar ou não a cláusula de barreira. Mas, o PV, que não quis a fusão, já olha com outro olhar. Como federação, imagina que pode ser uma alternativa.

O Cidadania já lançou uma pré-candidatura à Presidência da República, para 2022, o senador Alessandro Vieira (SE). Ele vai ser candidato mesmo ou é um nome que está ali para discutir mais à frente?
Desde o lançamento o compromisso do Cidadania é de trabalhar pela unidade. É chamada a alternativa do campo democrático e que a imprensa usa muito com o nome de “terceira via”. Ótimo se essa unidade estiver em torno do Alessandro. Mas se tiver outro nome que agregue mais, o Cidadania não será nenhum obstáculo em relação a isso. Não é apenas para derrotar Bolsonaro ou Lula.

É possível vencer a polarização?
Claro, estamos muito distantes da eleição. Há de se diminuir as surpresas porque parece que o recuo que (o presidente Jair) Bolsonaro teve que fazer acalmou aquela ânsia de agredir os Poderes da República. O cenário não está definido.

O PSDB dificilmente deixará de ter candidato à Presidência. Gilberto Kassab que afirmou que o PSD também terá. Ciro Gomes (PDT) falou que a candidatura está certa. Como fica a união do centro?
Mais de um ano antes das eleições há um movimento de partidos políticos discutindo uma candidatura única. Em nenhuma outra sucessão presidencial teve isso. O bloco democrático está tentando discutir um salto para o futuro. Essas duas forças políticas que se polarizam (Bolsonaro e Lula) são duas forças que não compreendem a nova realidade.

O país passa por uma crise grave na economia e o senhor vê alguma saída a curto prazo?
O Congresso atuou bem na pandemia, juntamente com governadores e prefeitos. Se não fosse por eles, teríamos vivido uma tragédia ainda maior do que essa que está aí. É importante salientar que, há algum tempo, nós do Cidadania defendemos o impeachment. Mesmo que (o vice-presidentre Hamilton) Mourão não seja nenhuma grande alternativa, para fazer a transição seria muito melhor do que a continuidade que está se anunciando com Bolsonaro.

* Estagiária sob a supervisão de Fabio Grecchi

Fonte: Correio Braziliense
https://www.correiobraziliense.com.br/politica/2021/10/4953735-cidadania-age-para-firmar-federacao-e-candidatura-a-presidencia.html


Ciclo de debates destaca defesa da democracia. Confira todos os vídeos

On-line e gratuito, ciclo de debates organizado por quatro fundações e institutos buscou promover reencontro do país consigo mesmo

João Rodrigues, da equipe da FAP

Foi por acreditar no diálogo, no entendimento e na necessidade de uma ampla união de forças democráticas, capazes de sustentar um programa de mudanças, que as Fundações e Institutos do MDB, PSDB, DEM e CIDADANIA organizaram um ciclo de debates para pensar como promover o rumo do reencontro do país consigo mesmo.

27/09 - GLOBALIZAÇÃO E BRASIL




 24/09 - IDENTIDADE DE GÊNERO, DIVERSIDADE




23/09 - CRISE SANITÁRIA E SUS




22/09 - EQUIDADE E MERCADO DE TRABALHO



21/09 - MEIO-AMBIENTE




20/09 - SEGURANÇA PÚBLICA



17/09 - EDUCAÇÃO




16/09 - ECONOMIA




15/09 - ABERTURA






Ao longo de oito dias, especialistas debateram temas relevantes para colocar o Brasil em movimento e retomar o crescimento.

➡️ Evento teve transmissão aberta ao vivo nas redes sociais, por plataforma digital (Facebook e Youtube).

Confira a programação do evento

  • (Clique nas setas do visualizador abaixo ou clique aqui para abrir o pdf em uma nova janela do navegador):
    • (Para aumentar ou diminuir a visualização do pdf, clique na ferramenta zoom: símbolos + e -)

ORGANIZAÇÃO


Faltam dois dias para o seminário “Um Novo Rumo para o Brasil”

Precisamos falar sobre Democracia. Essa é uma conversa que interessa a todos os brasileiros. E você é nosso convidado especial.

João Rodrigues, da equipe da FAP

Foi por acreditar no diálogo, no entendimento e na necessidade de uma ampla união de forças democráticas, capazes de sustentar um programa de mudanças, que as Fundações e Institutos do MDB, PSDB, DEM e CIDADANIA organizam um ciclo de debates para pensar como promover o rumo do reencontro do país consigo mesmo.

🗓️ 15 a 17 e 20 a 27 de setembro.

⏰Horário: 18h30 às 20h.

Evento terá transmissão aberta ao vivo nas redes sociais, por plataforma digital (Facebook e Youtube).

Clique aqui e confira a programação.

https://www.youtube.com/embed/DG7E2C4T55Y

FAP e Cidadania formam 289 líderes em gestão pública no país

Curso on-line Gestão Cidadã continua disponível para os interessados, com aulas na plataforma Somos Cidadania

Cleomar Almeida, da equipe da FAP

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, disse neste sábado (31/7), durante a formatura do curso Gestão Cidadã, que a formação política dos primeiros 289 líderes de todos os estados e o Distrito Federal atesta a “responsabilidade na utilização dos recursos públicos” e o compromisso “fundamental para o processo democrático brasileiro”. O coordenador do curso, ex-prefeito de Vitória (ES) Luciano Rezende, destacou que essa é mais uma etapa para que o país avance, já que, segundo ele, “o Brasil precisa de líderes políticos capacitados”.





Realizado pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), em parceria com o Cidadania, o curso teve aulas telepresenciais e 1.236 inscritos até o momento. Desse total, 70% são filiados ao partido e 30%, simpatizantes. Além disso, a capacitação de líderes também teve 61% de mulheres, o que, segundo a organização, mostra o compromisso com a paridade de gênero, com o potencial aumento delas na política. Os certificados serão enviados a todos os demais inscritos, assim que concluírem a capacitação.

O curso, que recebeu nota 9,4 dos alunos, continua disponível, para os interessados, na plataforma Somos Cidadania, com acesso totalmente on-line e gratuito. Os estados que tiveram o maior número de inscritos foram Roraima (145), Minas Gerais (104), Rio de Janeiro (99) e Paraná (74).





Coletividade
De acordo com o presidente nacional do Cidadania, o curso comprova que o partido e a FAP estão cumprindo com o seu dever no uso de recursos públicos. “A legislação definiu que os partidos deveriam ter organização, fundação ou instituto que fosse dedicado à formação profissional, política, de liderança e gestão pública, como este que estamos fazendo para justificar, concretamente, essa atuação recebendo recursos da coletividade”, observou.

O curso, na prática, segundo Freire, além de formar líderes, mostra a preocupação da FAP e do Cidadania não apenas com filiados ao partido, mas também com todos os interessados que queiram ter formação e qualificação e se prepararem para suas atividades. “É o cumprimento da nossa função. Nossos objetivos estão sendo atendidos. Quero parabenizar a todos que participaram”, ressaltou o presidente nacional da sigla.

O coordenador do curso, que também é presidente do Conselho Curador da FAP, destacou que a primeira fase do curso, com os alunos já formados, “foi um sucesso total”. Segundo ele, a participação de pessoas que também não são filiadas ao Cidadania comprova “o caráter amplo e cívico” da formação de líderes.

Nova política X Boa política
Rezende aproveitou para explicar a diferença de nova política, que, para ele, carrega dois preconceitos, e boa política, na qual se baseia o curso de formação da FAP em parceria com o Cidadania. “O termo nova política não define, com precisão, o que o Brasil precisa, porque traz dois preconceitos embutidos. O primeiro é o de que tudo que é novo é bom.  O segundo é o de que tudo que é velho é ruim”, comparou.

“Mas estamos cansados de ver lideranças novas que decepcionam, e, por outro lado, há governantes com longas carreiras que nos orgulham. A boa política se faz com comprometimento. Sem ele, não tem como fazer algum projeto que envolva decisões importantes”, destacou o ex-prefeito de Vitória por dois mandatos e que terminou o governo com alta popularidade. Ele acrescentou que “a capacitação é um processo permanente e contínuo”.



Diretor-geral da FAP, sociólogo e consultor do Senado, Caetano Araújo parabenizou todos os concluintes do curso, assim como o fez os demais integrantes da mesa, oficialmente. “Concluir um curso desta qualidade e extensão é um feito que deve ser bastante apreciado e valorizado”, reconheceu ele, ressaltando que um dos maiores compromissos da fundação é fortalecer a trajetória de educação a distância.

“Grande parte do sucesso deste curso se deve à experiência acumulada em gestões anteriores. O alto nível alcançado se deve, além disso, à coordenação competente do Luciano, à qualidade dos professores e ao intenso trabalho de toda a equipe da FAP envolvida neste projeto. Nossos cursos não vão parar por aqui. Neste próximo semestre, vamos fazer novos cursos e, no próximo ano, mais ainda”, adiantou.

Resultados
Idealizador do projeto pedagógico do curso, advogado, doutor em Direito do Estado e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) Marco Marrafon, que também é diretor executivo da FAP, disse que, com a formação de líderes, o curso cumpre seu objetivo de atender à crescente demanda por resultados na gestão pública.

“Especialmente em tempos tão obscuros e difíceis, a principal demanda da sociedade hoje é por resultados. Os arroubos autoritários estão destruindo nossa democracia. Também é preciso que as instituições cumpram o seu dever de funcionar melhor para o bom aprimoramento da democracia”, disse Marrafon. “Com esta formatura, o Cidadania mostra que, para além da polarização, está preocupado em melhorar a vida das pessoas, concretamente. A democracia e as instituições precisam funcionar”, asseverou.





Em vídeo enviado aos concluintes, a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), uma das maiores críticas ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), parabenizou todos os envolvidos no curso e, principalmente, as novas lideranças. “Reconheço muito a importância desse curso que está sendo destinado à capacitação de futuras lideranças, com a finalidade de aprimorar o padrão da administração pública”, acentuou.

A parlamentar destacou, especialmente, o índice de participação de mulheres na formação a distância. “As dificuldades que a mulher enfrenta na política acabam sendo um combustível para mim. Para todas nós, aliás. Não desista, persista, o lugar da mulher também é na política. O lugar da mulher é onde ela quiser”, afirmou, antes de parabenizar os homens que também concluíram o curso.

Continuidade
Ex-diretor-geral da FAP, jornalista e colunista político, Luiz Carlos Azedo demonstrou muito orgulho e felicidade ao dizer que o curso é a continuidade de uma política de formação iniciada na gestão anterior à dele, que terminou em 2020. Durante a gestão de Azedo, a fundação realizou os cursos Jornada da Cidadania e Jornada da Vitória, com participação de alunos de todo o país.


Passo a passo para sua inscrição no curso Gestão Cidadã





Curso Gestão Cidadã: Fundação celebra conclusão da primeira turma

Evento online contou com a participação do presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire; o presidente do Conselho Curador da FAP e coordenador do curso Gestão Cidadã, Luciano Rezende e do diretor-geral da FAP, Caetano Araújo

A solenidade de conclusão da primeira turma do curso Gestão Cidadã foi realizada por meio do aplicativo Zoom a partir das 11h deste sábado (31/07), com transmissão na página da FAP no Facebook e no canal da entidade no Youtube.

Além de alunos dos 26 estados e do Distrito Federal, participaram do evento virtual o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire; o presidente do Conselho Curador da FAP e coordenador do curso Gestão Cidadã, Luciano Rezende; o diretor-geral da FAP, Caetano Araújo; e Marco Marrafon, um dos professores mais bem avaliados pelos estudantes.

A formatura On-line também teve a participação especial da Senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), que pabenizou os formandos por meio de uma mensagem em vídeo (veja no link abaixo).

TV FAP | Homenagem da senadora Eliziane Gama aos concluintes do curso Gestão Cidadã

Cerca de 300 alunos já concluíram o curso Gestão Cidadã, destinado à formação política on-line e gratuita de novos líderes, prefeitos, vereadores e demais gestores filiados ao Cidadania, segundo levantamento preliminar. Confira, no link abaixo, alguns depoimentos de alunos do curso.

TV FAP | Depoimentos de concluintes da 1ª turma do curso Gestão Cidadã

A capacitação continua disponível na plataforma de educação a distância Somos Cidadania, lançada em maio.

Confira, abaixo, o vídeo da transmissão da cerimônia virtual de formatura da primeira turma do curso.




Para mais informações sobre o curso, uma equipe está à disposição para sanar dúvidas ou repassar mais informações por meio do WhatsApp (61 9 8279-3005). (Clique no número para abrir o WhatsApp Web).

TV FAP | Homenagem da senadora Eliziane Gama aos concluintes do curso Gestão Cidadã

TV FAP | Depoimentos de concluintes da 1ª turma do curso Gestão Cidadã

Curso Gestão Cidadã terá formatura on-line neste sábado (31/7)

Curso online Gestão Cidadã supera marca de 1 mil inscritos

Inscrições abertas: curso Gestão Cidadã reúne time de professores de alto nível

FAP, em parceria com Cidadania, lança curso de capacitação Gestão Cidadã

Gestão Cidadã é tema de podcast da Fundação Astrojildo Pereira


‘Lutar pelo SUS é a tarefa imediata da esquerda democrática’, diz Luiz Sérgio Henriques

Ensaísta é um dos organizadores do lançamento da série de debates on-line sobre o centenário do PCB, a partir das 19h desta quinta-feira (25/3)

Cleomar Almeida, Coordenador de Publicações da FAP

A esquerda democrática deve focar sua atuação em defesa do fortalecimento e aumento da eficiência do SUS (Sistema Único de Saúde) no momento em que o país ultrapassa a triste marca de 300 mil mortos por conta da Covid-19. De acordo com dados oficiais, é o próprio SUS que socorre a maioria absoluta de vítimas da doença no país. A avaliação é do tradutor e ensaísta Luiz Sérgio Henriques.

Levantamento do Conass (Conselho Nacional dos Secretários Estaduais da Saúde), com dados até 20 de janeiro, mostra que 13.045 leitos foram desabilitados pelo governo federal em plena pandemia. Mesmo com a alta disseminação do coronavírus, o Ministério da Saúde reduziu R$1,5 bilhão no repasse para financiamento de leitos para Covid em São Paulo, por exemplo.

Cidadania - 99 anos de lutas e conquistas



“Lutar pelo SUS é a tarefa imediata da esquerda democrática”, destaca Henriques, que é um dos organizadores da série de webinários mensais sobre os 100 anos de PCB (Partido Comunista Brasileiro). O lançamento dos eventos on-line será realizado a partir das 19h desta quinta-feira (25/3), a exatamente um ano da data de celebração do centenário. Confira mais detalhes ao final desta reportagem.

Oito personalidades, entre dirigentes e intelectuais, confirmaram presença no evento on-line, organizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), para discutir “a lição de 1964” como caminho para defesa da democracia e combate aos riscos protagonizados pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O governo brasileiro tem sido criticado pela falta de ações articuladas para enfrentamento à pandemia.

“Melhorar serviços de saúde”

No Brasil, segundo o organizador, “o SUS é uma coisa extraordinária”. “Uma grande luta da esquerda democrática que defendo é melhorar, aprofundar, tornar mais eficiente, racionalizar o SUS, os serviços de saúde”, ressalta Henriques.

 “Isso melhoraria a nossa sociedade e nos melhoraria como indivíduos, tornando-nos menos egoístas e mais fraternos”, acredita o ensaísta. Ele também é editor do site Gramsci e o Brasil e da página Esquerda Democrática no Facebook.

Henriques: “Lutar pelo SUS é a tarefa imediata da esquerda democrática”
Foto: Arquivo pessoal

É consenso que a trajetória do PCB está relacionada ao comunismo histórico, fixado nos modelos da Revolução Russa (1917) ou, secundariamente, da Revolução Chinesa (1949), mas paulatinamente o partido evoluiu para a adesão ao reformismo democrático.

“Ligado, inicialmente, à chamada Terceira Internacional, o PCB iria enraizar-se no país, agitando e promovendo a chamada ‘questão nacional’ em chave anti-imperialista, mas a partir de meados dos anos 1950 iria redefinir o elemento nacional em função da ‘questão democrática’ e da necessidade de afirmar a democracia como via mestra da civilização brasileira”, diz.

Henriques ressalta que o partido, logo depois de 1964, assumiu protagonismo na luta pela redemocratização, o que, segundo ele, continua a ser uma das principais referências para superar a atual crise. “O grande legado do velho PCB para as forças progressistas no seu conjunto é a centralidade da questão democrática”, afirma.

“Crise aguda”

“Este é o momento de crise muito aguda da civilização brasileira. Nós temos a obrigação de refletir sobre o passado, sobre a nossa identidade como nação, e vermos as raízes da modernidade brasileira, tanto em sua grandeza como nas suas misérias”, assevera o ensaísta. “O Partido Comunista Brasileiro é uma dessas raízes”, acrescenta.

Henriques lembra que o PCB participou das mais importantes mobilizações populares para definição de diretrizes destinadas ao desenvolvimento do país, corporificadas no nacional-desenvolvimentismo dos governos de Getúlio Vargas (1930-1945) e Juscelino Kubitschek (1956-1961).

“A contribuição dos comunistas para a chamada questão nacional foi muito grande. E está aí até hoje, ainda que muitas vezes boa parte da esquerda atual se limite a repetir slogans e argumentos dos anos 50”, acentua o tradutor.

Segundo Henriques, o PCB teve “duas faces” desde o princípio: uma externa e outra interna. O partido, de acordo com o ensaísta, nasceu em função de um acontecimento externo, a Revolução Russa, que teve impacto global na esquerda.

No Brasil, por exemplo, o movimento anarquista, com implantação considerável em São Paulo, Rio e outros estados, se dividiu, e parte dos anarquistas filiou-se ao Partido Comunista, em razão do mito da revolução dos sovietes. “A presença de intelectuais, como Astrojildo Pereira, é outra marca da sua fundação. E até se pode dizer que é incalculável a presença do PCB e dos comunistas na cultura brasileira”, lembra.

Ditadura de Stalin

Ao longo dos anos, porém, o modelo externo entrou em decadência. “A Rússia era um país muito atrasado do ponto de vista industrial e, em geral, como sociedade. A industrialização foi muito custosa, em termos inclusive de vidas humanas. Um processo concentrado em pouquíssimos anos sob a ditadura de Stalin”, observa.

Em alguns momentos, a União Soviética voltaria a brilhar, por exemplo, na luta contra o nazismo, mas, em seguida, começou a se ofuscar de novo. “Houve tentativas de reforma e renovação, mas, ao fim, essas tentativas não se traduziram em reformas reais, num novo início. Este fracasso selou o fim do comunismo histórico”, explica o ensaísta.

Com a implosão da União Soviética, os partidos que tinham aquela dupla face também sofreram um esvaziamento em todo o mundo. “Quando falha a face externa, quando perde o poder de atração e desaparece, desaparece também certo tipo de ideal que orientava a história do PCB. Ele morreu, mas é importantíssimo dizer que não morreu a ideia de esquerda política”, analisa.

A seguir, confira a relação de participantes do webinário:

Roberto Freire: presidente nacional do Cidadania e advogado;

Dina Lida Kinoshita: professora aposentada do IF-USP (Instituto de Física da Universidade de São Paulo) e autora do livro “Mário Schenberg: o Cientista e o Político”;

Jarbas de Holanda: jornalista, analista político e vereador com mandato cassado pela ditadura militar

Luiz Carlos Azedo (mediador): jornalista, analista político e colunista do Correio Braziliense;

Luiz Werneck Vianna: cientista social e doutor em Sociologia pela USP (Universidade de São Paulo);

Marcelo Cerqueira: advogado e ex-deputado federal;

Moacir Longo: jornalista e vereador com mandato cassado pela ditadura militar;

Sergio Augusto de Moraes: engenheiro eletricista e militante do PCB.

SERVIÇO
Webinar 100 Anos de PCB: A lição de 1964
Dia: 25/3/2020
Horário: a partir das 19h
Transmissão:
Site da FAP: www.fundacaoastrojildo.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/facefap
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCg6pgx07PmKFCNLK5K1HubA

Leia também:

Lição de 1964 marca luta do PCB por ampla frente democrática no país