eventos

O Estado de S. Paulo: Poeta e letrista Capinan faz 80 anos e será tema de série documental

'O Silêncio que Canta por Liberdade' tem Úrsula Corona e vai estrear no canal Music Box Brazil no segundo semestre

Eliana Silva de Souza, O Estado de S.Paulo

O poeta e letrista José Carlos Capinan, ou simplesmente Capian, que completa 80 anos nesta sexta-feira, 19, serátema central da série documental O Silêncio que Canta por Liberdade. Com estreia programada para o segundo semestre, no canal Music Box Brazil, produção resgatará sua trajetória artística do letrista durante a ditadura militar. 

Dirigida pela atriz Úrsula Corona e idealizado por Omar Marzagão, série terá oito episódios e contará com documentos originais, imagens de arquivos e depoimentos sobre censura e repressão imposta na música nordestina no período da ditadura no Brasil. 

Silêncio que Canta por Liberdade traz depoimentos de produtores, instrumentistas e intérpretes, como Gal Costa Gilberto Gil. Mas é o próprio Capinan que aparece para falar, por exemplo, sobre o surgimento do samba e suas raízes nos porões dos navios negreiros. 

Um dos nomes de destaque do Tropicalismo, Capinan assinou a letra de canções que se tornaram populares pelo Brasil afora, mas que, muitas vezes, não tem seu nome citado. Ponteio marca sua parceria com Edu Lobo, que ganhou o Festival da Canção de 1967.  Entre outras composições, só para citar algumas, que ele colocou sua poesia, tem Água de Meninos, parceria com Gilberto Gil; O Acaso não Tem Pressa, com Paulinho da Viola; Cidadão, com Moraes Moreira; Moça Bonita, com Geraldo Azevedo; Movimento dos Barcos, com Jards Macalé; Papel Marchê, com João Bosco; Pitanga, com Marlui Miranda. 

O Tempo e o Rio

(Edu Lobo e Capian)

O tempo é como o rio

Onde banhei o cabelo

Da minha amada

Água limpa

Que não volta

Como não volta aquela antiga madrugada

Meu amor, passaram as flores

E o brilho das estrelas passou

No fundo de teus olhos

Cheios de sombra, meu amor

Mas o tempo é como um rio

Que caminha para o mar

Passa, como passa o passarinho

Passa o vento e o desespero

Passa como passa a agonia

Passa a noite, passa o dia

Mesmo o dia derradeiro

Ah, todo o tempo há de passar

Como passa a mão e o rio

Que lavaram teu cabelo

Meu amor não tenhas medo

Me dê a mão e o coração, me dê

Quem vive, luta partindo

Para um tempo de alegria

Que a dor de nosso tempo

É o caminho

Para a manhã que em seus olhos se anuncia

Apesar de tanta sombra, apesar de tanto medo

Apesar de tanta sombra, apesar de tanto medo


Muncab: Live-show celebra os 80 anos do poeta e compositor baiano José Carlos Capinan

Encontro reúne de conversa, arte poesia e música com Jards Macalé, Roberto Mendes e Gereba, na próxima sexta-feira, 19/2, às 19h, no perfil do youtube da Muncab. Na ocasião, será lançado a nova edição do Caderno de Música. A FAP (Fundação Astrojildo Pereira) apoia a divulgação do evento

O baiano José Carlos Capinan, poeta, músico e intelectual com trajetória extensa nas diversas linguagens artísticas e culturas, completa 80 anos na próxima sexta-feira, 19 de fevereiro, e será homenageado pelo Espaço Boca de Brasa Muncab (Museu Nacional da Cultura Afro-Brasileira) com uma programação recheada com o que ele mais gosta: arte, conversa e música. Para este momento que celebra a vida e obra dessa figura icônica da música popular brasileira, estão confirmadas as presenças dos artistas Jards Macalé, Roberto Mendes e Gereba.

O evento online “Palco Aberto Boca de Brasa” será transmitido a partir das 19h, no perfil do Muncab no Youtube e contará com a apresentação do jornalista Leonardo Lichote, especialista na área músical. Também será realizado o lançamento da edição do Caderno de Músicas com participação do artista - revista mensal focada em MPB e uma minissérie onde Capinam narra o surgimento de suas principais canções. “É uma honra poder mediar esse evento que homenageia um dos nomes eternamente expoentes da arte baiana e brasileira, que tanto influenciou e influencia a sociedade através da música, da arte e da linguagem, desde os tempos da ditadura até agora, com outros grandes nomes brasileiros”, enfatiza Leonardo.

Confira o evento ao vivo, dia 19/2, às 19h!


Para Capinan, seus oitenta anos são só o começo de tantas ideias que lhe permeiam para pôr em pratica. “Nunca me imaginei capaz dessa trajetória, fui fazendo, atravessando o tempo com parceiros, e acabou acontecendo. Criar é uma espécie de potência, um tesão pelo belo, divertida forma de se entender a vida, de compreender o humano. E a natureza do mundo, às vezes tão difícil que só pela arte se pode chegar perto do seu sentido”, destaca o poeta.

“A vida entendida na sua verdadeira dimensão nos obriga a um gesto humilde de celebrá-la. nada consegue reduzi-la, devemos nos render à sua grandeza e mistério, celebrando, agradecendo e abraçando-a”, finaliza.

O evento é realizado pelo Muncab (Museu Nacional da Cultura Afro-brasileira), a Amafro, o Espaço Cultural Boca de Brasa, da Prefeitura de Salvador, e conta com co-realização da Nubas e da Estandarte Produções e apoio do Caderno de Música.

Minissérie – Com cinco capítulos, a produção mostra Capinan narrando como foram produzidas suas canções mais icônicas, entre elas ‘Viramundo’, ‘Miserere nóbis’, ‘Soy loco por ti América’, ‘Papel Machê’, ‘Tempos quase modernos’ e ‘Yaya Massembá’. A direção é deJamile Coelho e produção da Estandarte Produções.

Cadernos de Música - A cada mês, uma das edições é dedicada a um nome consagrado da música brasileira e a outra/o artista reconhecida/o pela crítica e por seus pares. O conteúdo é formado por uma longa entrevista inédita (ou raríssima) com o músico e um ensaio sobre sua obra. O assinante recebe duas edições mensais, impressas em papel pólen, tamanho 17cm x 17cm, capa dura e formato quadrado (como a capa de um vinil).

Já foram publicados números de artistas como Elza Soares, Tom Jobim, Adriana Calcanhotto, Tom Zé, Jorge Mautner, Nara Leão, Hermeto Pascoal, Ana Frango Elétrico e Thiago Amud. A Cadernos de Música é vendida exclusivamente por assinatura e custa R$49 mensais. A obra pode ser adquirida através do site da plataforma Revistas de Cultura.

Sobre Capinan - Com passagem na comunicação, na gestão pública, na música, no cinema e nas artes, José Carlos Capinan é um daqueles nomes referência em diversos temas. Atualmente, dirige o Muncab e tem se concentrado em abrir as portas e a interatividade do Museu diante da pandemia e das dificuldades no setor cultural a nível federal.

Formado em Teatro, Medicina, Pedagogia e Direito tem na trajetória roteiros, letras e textos para a Sinfonia da Cidade de Salvador, produções de shows de Gal Costa, Macalé, Luiz Gonzaga, além de parcerias e composições com Tom Zé, João Bosco, Caetano Veloso, Edu Lobo, Fagner, Francis Hime, Geraldo Azevedo, Gereba, Gilberto Gil, João Bosco, Macalé, Moraes Moreira, Paulinho da Viola, Robertinho do Recife, dentre outros. Entre os seus muitos hits, destaque para alguns como Soy Loco Por Ti América, Papel Machê, Ladainha e Viramundo.

Serviço
O quê? Palco Aberto Boca de Brasa – 80 anos do poeta e compositor José Carlos Capinan (roda de conversa, música, arte, poesia e história) e lançamento do Caderno de Música.
Participação: Jards Macalé, Roberto Mendes e Gereba
Mediação: Leonardo Lichote (jornalista musical)
Quando: Dia 19 de fevereiro às 19h
Onde: Perfil do Muncab no Youtube
Informações: Estandarte Produções


‘Partidos políticos estão muito oligarquizados’, afirma historiador Alberto Aggio

Professor da Unesp, que também é diretor da FAP, destacou importância da ‘cultura política’

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

“Os partidos políticos estão muito oligarquizados. É preciso democratizar os partidos. As estruturas e instituições públicas precisam de uma renovação, já que estão dominadas pelo corporativismo e privilégios”, avalia o historiador e professor da Unesp (Universidade Estadual Paulista) Alberto Aggio. Ele abordou o assunto ao explicar progressismo e liberalismo, conforme mostra série de divulgação de vídeos da retrospectiva do IV Encontro de Jovens Lideranças, realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em janeiro.

No oitavo vídeo da série da retrospectiva, Aggio, que também é diretor da FAP, aparece no debate ao lado do cientista político e cofundador do Movimento Agora, Leandro Machado, e do sociólogo e também diretor da FAP, Caetano Araújo, que mediou a discussão. Ao abordar o assunto, o historiador citou diversos pensadores liberais e liberais progressistas.

» Confira o vídeo abaixo ou clique aqui!

https://www.youtube.com/watch?v=AmtxhP0SZx4&t=449s

De acordo com Aggio, defensor da esquerda democrática, redemocratizar a democracia vai abrir espaço para os movimentos mais recentes que ocorreram em vários lugares do mundo, como Madri (Espanha), Nova Iorque (Estados Unidos), Paris (França) e São Paulo (Brasil).

Aggio explicou que uma das linhas do liberalismo busca visão mais progressista da política e uma visão mais democrática da democracia. “Autores liberais são expressões do mal-estar e do descontentamento contra o engessamento da democracia e o neoliberalismo. Nos EUA, por exemplo, a corrente chama-se libertarismo.

O palestrante também destacou a importância de os participantes do evento terem cultura política. “Cultura política dá sustentação a quem faz política. Se não tiver cultura política, pode até ter voto, mas nós aqui estamos olhando o horizonte, não estamos olhando a esquina. Esse curso da FAP serve para olhar o horizonte”, afirmou.

Veja mais vídeos:

» ‘Bases da democracia estão sendo corroídas’, alerta Leandro Machado

» ‘Arte é sempre resistência’, diz atriz e cantora Linna Karo, em encontro da FAP

» Nova exclusão social é explicada em vídeo por professor da UnB Elimar Nascimento

» A democracia está em risco? Assista a debate em encontro que reuniu 75 jovens do Brasil

» Batalha de poesias ecoa protesto contra preconceitos, violência e criminalidade

» ‘Participação dos jovens melhora o debate’, afirma Benjamin Sicsu

» ‘Nosso objetivo não é fazer doutrinarismo’, diz Luiz Carlos Azedo


‘Bases da democracia estão sendo corroídas’, alerta Leandro Machado

No IV Encontro de Jovens Lideranças, cientista político destacou diferença entre extremismo e polarização

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

O cientista político e cofundador do Movimento Agora, Leandro Machado, afirmou que o mundo vive uma nova Era. “Acredito que não é só uma mudança de Era, mas uma Era de profundas mudanças”, disse. De acordo com ele, “as bases das democracias liberais estão sendo corroídas, senão absolutamente solapadas”.

A palestra do cientista político pode ser conferida no sétimo vídeo da retrospectiva do IV Encontro de Jovens Lideranças, realizado, pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em Corumbá de Goiás, de 15 a 18 de janeiro de 2020. “Quando está no olho do furacão, a gente tem dificuldade de entender o que está acontecendo, o que as revoluções estão fazendo com nossas vidas, da forma como a gente se relaciona e o jeito que a gente entende a democracia montada no século XIX, quando não tinha nem telefone ainda”, disse.

» Confira abaixo o vídeo da palestra ou clique aqui!

https://www.youtube.com/watch?v=i3IyyvMoKBs

As novas dinâmicas da sociedade, segunda Machado, têm “profundo impacto na política” e exigem de todos comportamentos e atitudes para entender a democracia hoje. “Todos os partidos são de outra época e estão sofrendo muito nesse momento”, afirmou. “A gente está vendo extremismo de todos os lados, o que é diferente da polarização. A polarização é saudável, já que é de ideias. Extremismo está ganhando espaço, extremismo dos dois lados”, enfatizou, em outro trecho.

Segundo Machado, os partidos políticos também tem de se readequar para sobreviverem diante das revoluções. “O Fórum Econômico Mundial fala da quarta revolução industrial, revolução tecnológica, revolução da robótica. São vários nomes para as multirevoluções que estão acontecendo ao mesmo tempo”, observou, durante sua palestra no IV Encontro de Jovens Lideranças.

 

Veja mais vídeos:

» ‘Arte é sempre resistência’, diz atriz e cantora Linna Karo, em encontro da FAP

» Nova exclusão social é explicada em vídeo por professor da UnB Elimar Nascimento

» A democracia está em risco? Assista a debate em encontro que reuniu 75 jovens do Brasil

» Batalha de poesias ecoa protesto contra preconceitos, violência e criminalidade

» ‘Participação dos jovens melhora o debate’, afirma Benjamin Sicsu

» ‘Nosso objetivo não é fazer doutrinarismo’, diz Luiz Carlos Azedo


‘Arte é sempre resistência’, diz atriz e cantora Linna Karo, em encontro da FAP

Em show realizado durante IV Encontro de Jovens Lideranças, atriz mostrou performance intimista

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

“Eu me sinto plena aqui contando com vocês. A arte é sempre uma resistência”, disse a ousada cantora, compositora e atriz Linna Karo, durante o seu show a um público bastante seleto do IV Encontro de Jovens Lideranças, realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Brasília. Na série de vídeos sobre a retrospectiva do evento, ganham destaque as lembranças da apresentação artística intimista, marcada por teatralidade e que instiga o público a pensar o tempo todo.

O sexto vídeo da retrospectiva do IV Encontro de Jovens Lideranças mostra a desenvoltura de Linna Karo durante a sua apresentação, marcada por músicas paulistas e realizada em um palco no meio da área verde de uma pousada na cidade. “Para mim, é muito gostoso estar aqui ao ar livre”, disse ela, durante o show.

» Confira abaixo o vídeo da palestra ou clique aqui!

https://www.youtube.com/watch?v=e6NLzIb4o3I

Linna Karo é formada em Artes Cênicas na ECA-USP (Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo). Ela tem se destacado na cena autoral da capital paulista, usando sua imagem e voz potentes. Tudo para oferecer ao público a sua melhor performance como atriz e cantora. Seu canal de YouTube inclui vídeos ao vivo e clipes personalizados.

 

Veja mais vídeos:

» Nova exclusão social é explicada em vídeo por professor da UnB Elimar Nascimento

» A democracia está em risco? Assista a debate em encontro que reuniu 75 jovens do Brasil

» Batalha de poesias ecoa protesto contra preconceitos, violência e criminalidade

» ‘Participação dos jovens melhora o debate’, afirma Benjamin Sicsu

» ‘Nosso objetivo não é fazer doutrinarismo’, diz Luiz Carlos Azedo


A democracia está em risco? Assista a debate em encontro que reuniu 75 jovens do Brasil

Historiador e professor Marcus Vinicius Oliveira coordenou a discussão em evento realizado pela FAP

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

Os riscos à democracia geram bastante preocupação e debate em meio ao acirramento e polarização de ideias na sociedade. Governos de extrema direita, como é o caso do presidente Jair Bolsonaro no Brasil, demonstram cada vez mais posturas contrárias aos ideais democráticos e republicanos e alimentam polêmicas para inflar os ânimos de seus seguidores, conforme analisam cientistas políticos.

Como de costume, a discussão é polarizada. Os pontos apresentados por cada um dos lados envolvidos nessa batalha ideológica são intermináveis e usados como argumento para defenderem o que pensam. Muitas vezes, até a dignidade humana é colocada em xeque. Mas até que ponto a democracia existe no Brasil? É possível e preciso democratizar a democracia? Em que medida a democracia resulta na consciência e prática de direitos e deveres por parte dos cidadãos?

Esses e outros assuntos foram abordados em discussão coordenada pelo historiador e professor Marcus Vinicius Oliveira, durante o IV Encontro de Jovens Lideranças, realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Brasília. No total, 75 jovens dos 26 Estados e do Distrito Federal participaram do evento.

» Confira abaixo o vídeo da palestra de abertura ou clique aqui!

https://youtu.be/k7-Wci6OhLc

 

Veja mais vídeos:

» Batalha de poesias ecoa protesto contra preconceitos, violência e criminalidade

» ‘Participação dos jovens melhora o debate’, afirma Benjamin Sicsu

» ‘Nosso objetivo não é fazer doutrinarismo’, diz Luiz Carlos Azedo


Batalha de poesias ecoa protesto contra preconceitos, violência e criminalidade

Apresentação do grupo Slam-DéF foi realizada durante IV Encontro de Jovens Lideranças

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

Gritos contra machismo, feminicídio, lgbtfobia, racismo e outras formas de preconceito e exclusão social reforçaram o tom de protesto na batalha de poesias durante o encerramento do primeiro dia do IV Encontro de Jovens Lideranças, realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Brasília. Os participantes do evento aplaudiram muito os artistas do grupo SlaM-DéF, que ocuparam o salão principal do evento para provocar a reflexão sobre os crescentes casos de violência e criminalidade contra as minorias.

Nesta divulgação do terceiro vídeo da série sobre a memória do IV Encontro de Jovens Lideranças, o público poderá assistir ao espetáculo da batalha de poesias e conferir cada detalhe da competição. No espaço em que as palavras e jargões próprios da periferia ganham ainda mais vida, a boca, o corpo e toda encenação dos artistas servem para ecoar a luta por um mundo menos desigual e menos injusto.

» Confira abaixo o vídeo da palestra de abertura ou clique aqui!

https://www.youtube.com/watch?v=EZK1IPmADvA

O SlaM-DéF tem perfis nas redes sociais e surgiu de uma conversa entre o professor de português Will e Roberta Estrela D'alva, idealizadora do Zap-Slam (Zona Autônoma da Palavra), realizado em SP, em 2015. A primeira edição do SlaM-DéF ocorreu em 2015, no Raízes Bar, em Samambaia Sul. A filosofia do SlaM-DéF é criar um espaço acolhedor, independentemente de classe social, gênero, cor, raça e etnia.

“O que queremos é ouvir poesias, criar novos laços e ouvir aqueles que precisam ser escutados”, diz um trecho de apresentação do grupo em sua página no Facebook.  O grupo trem parceria com Biblioteca Salomão Malina, no Conic, onde toda segunda quinta-feira de cada mês é realizada uma batalha de poesias.

Veja mais vídeos:

» ‘Participação dos jovens melhora o debate’, afirma Benjamin Sicsu

» ‘Nosso objetivo não é fazer doutrinarismo’, diz Luiz Carlos Azedo


'Participação dos jovens melhora o debate', afirma Benjamin Sicsu

Presidente do Conselho da Fundação Amazônia Sustentável sugeriu criação de grupo de discussão sobre meio ambiente

“A participação dos jovens é muito boa. Quanto maior a participação, melhor o debate”, disse o engenheiro civil e presidente do conselho da Fundação Amazônia Sustentável, Benjamin Sicsu, após ministrar palestra sobre inovação e sustentabilidade, no IV Encontro de Jovens Loderanças. O evento de formação política foi realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Brasília, de 15 a 18 de janeiro.

Nesta segunda divulgação de vídeos sobre a memória do IV Encontro de Jovens Lideranças, a FAP volta a mostrar os relatos de Sicsu sobre e Amazônia e a importância da floresta para todo o país e o mundo. Diante de 75 jovens de 26 Estados e do Distrito Federal, ele explicou ações importantes para valorizar a sustentabilidade do planeta. Todas as palestras e debates o evento foram divulgados ao vivo no site da entidade.

» Confira abaixo o vídeo da palestra de abertura ou clique aqui!

https://youtu.be/Gz26MaampmA

Sicsu sugeriu que a FAP crie um grupo de discussão online para aprofundar outras questões relacionadas ao meio ambiente, como saneamento básico. Na avaliação dele, a sociedade precisa se atentar ainda mais para as questões relacionadas aos biomas.

Durante a palestra, muitos jovens fizeram perguntas e comentários sobre experiências de suas cidades relacionadas ao tema. Eles ressaltaram a importância de a juventude olhar para temas imprescindíveis à vida humana e estabelecer uma pauta mais forte em defesa do meio ambiente.

Além de jovens participantes, o IV Encontro de Jovens Lideranças também recebeu um time de profissionais e especialistas que discutiram outros temas relevantes, atuais e de interesse público, fundamentados nos ideais republicanos e democráticos.

A abertura oficial do evento foi realizada pelo diretor-geral da FAP, jornalista Luiz Carlos Azedo, que conclamou os jovens a terem comprometimento com as atividades do encontro, a fim de saírem dele com o maior aprendizado possível para compartilharem em suas cidades. Ele também destacou que o objetivo do evento não é fazer “doutrinarismo”.

Veja mais vídeos:

» ‘Nosso objetivo não é fazer doutrinarismo’, diz Luiz Carlos Azedo


‘Nosso objetivo não é doutrinarismo’, diz Luiz Carlos Azedo

Em palestra de abertura, diretor-geral da FAP indicou virtudes que devem ser valorizadas em ambiente de competitividade

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

A FAP (Fundação Astrojildo Pereira) inicia, nesta sexta-feira (28), uma série de divulgação de vídeos sobre a memória do IV Encontro de Jovens Lideranças, realizado pela instituição, em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Brasília, de 15 a 18 de janeiro. O evento de formação política reuniu 75 jovens dos 26 Estados e do Distrito Federal, além de um time de profissionais e especialistas que discutiram temas relevantes, atuais e de interesse público, fundamentados nos ideais republicanos e democráticos.

» Confira abaixo o vídeo da palestra de abertura ou clique aqui!

https://youtu.be/S4cfKupm1Lc

Na abertura do encontro, o diretor-geral da FAP, jornalista Luiz Carlos Azedo, explicou que a 4ª edição do evento tem metodologia mais moderna e atual. “Nosso objetivo não é fazer doutrinarismo nem fazer a cabeça de ninguém”, afirmou, para continuar: “Nosso objetivo é estimular vocês a pensarem pela própria cabeça e dar a vocês informação e instrumentos para que possam refletir sobre a nossa realidade, política, econômica e social, e a realidade de vocês”, disse ele.

O evento, que é coordenado pela psicóloga Maria Terezinha Carrara Lelis, é organizado com foco em trabalho em equipe, exercício de liderança e construção de relações de cooperação em ambientes competitivos. “Porque a política é muito competitiva e a gente não vai a lugar nenhum na política se não souber construir essa relação, exercer essa liderança e trabalhar em equipe”, reforçou Azedo. O evento teve transmissão ao vivo pelo site da FAP e página da instituição no Facebook.

 


FAP investe R$ 1,8 milhão em eventos político-culturais

Relatório de Gestão de 2016 a 2018 mostra avanços da fundação no diálogo com a sociedade, alcançando mais de 400 mil pessoas, em dois anos, na internet

Por Cleomar Almeida

A Fundação Astrojildo Pereira (FAP), vinculada ao Partido Popular Socialista (PPS), investiu R$ 1.898.438,67 em 41 eventos culturais e políticos para 160.516 pessoas no total, sendo 16.224 delas presencialmente e 144.292 via online, segundo o relatório de atividades da gestão de 2016 a 2018 divulgado nesta sexta-feira (09/11). Reformas Trabalhista e da Previdência, desenvolvimento sustentável, mulheres e negros na política, inclusão social e combate à homofobia estiveram entre os temas levados à discussão na sociedade brasileira, em um dos períodos de maior turbulência política, econômica e social da história do país. Na internet, conforme o documento, os conteúdos da FAP alcançaram mais de 400 mil pessoas no total.

Com foco também na questão cultural, segundo a diretoria, a FAP investiu R$ 542 mil na reforma da Biblioteca Salomão Malina e do Espaço Arildo Dória, mantidos pela fundação no Conic, um importante centro de comércio e de entretenimento próximo à Rodoviária do Plano Piloto de Brasília (DF). Com ambiente confortável e climatizado, a biblioteca ampliou o seu acervo, passando para 6,5 mil livros disponíveis para consulta e empréstimo ao público, e atraiu 4.716 usuários de janeiro a setembro de 2018, de acordo com o relatório. Outros R$ 30,2 mil foram investidos na reforma da sede da fundação, na quadra 509 da Asa Norte, na capital federal.

» Acesse aqui o Relatório de Atividades da Fundação Astrojildo Pereira (2016-2018)

A FAP também tornou-se a primeira fundação privada a firmar acordo de parceria com a Associação de Pais e Amigos de Excepcionais do Distrito Federal (Apae-DF), por ser, de acordo com a diretoria, movida pelo ideal de inclusão social. Dois alunos e uma supervisora da entidade foram contratados, temporariamente, para realizar a higienização do acervo mais antigo da biblioteca, localizado em uma sala da FAP. As obras, em seguida, foram colocadas à disposição do público na Biblioteca Salomão Malina.

Além disso, conforme aponta o balanço de gestão, a FAP distribuiu 57.763 livros para a comunidade, a maioria deles por meio de doações nos eventos, que se realizaram por meio de congressos, seminários, feiras, encontros e lançamentos de obras. Sempre procurando contemplar a maior diversidade possível da população, segundo a diretoria. Jovens envolvidos com a política, pesquisadores, colaboradores, parlamentares, historiadores, escritores, sociólogos e procuradores com atuação no país ou no exterior estiveram entre aqueles que compareceram aos eventos realizados pela fundação, no período.

Avanço na internet
Essa preocupação em atender aos diferentes públicos, de acordo com o documento, levou a FAP a investir em profissionais jornalistas responsáveis pela produção de conteúdo informativo e na divulgação dele na internet, um ambiente que pode ser usado, cada vez mais, de forma democrática e plural. Para ter uma ideia, segundo levantamento do Departamento de Suporte e Tecnologia da fundação, o novo site da FAP e os perfis da fundação nas redes sociais alcançaram, no total, mais de 400 mil pessoas, em dois anos.

Para impulsionar ainda mais o contato com a sociedade em geral, a FAP lançou, em outubro, a versão online da revista Política Democrática, que oferece ao leitor reportagem especial sobre tema atual, relevante e de interesse público, além de análises de renomados especialistas brasileiros. “Com o propósito de dar continuidade a um projeto de publicação impressa, que, desde o começo do século, procura debater política, democracia, esquerda e cultura na conjuntura brasileira”, conforme diz o editoral da primeira edição.

Leia também:

FAP lança revista Política Democrática digital 

Pessoas com deficiência encontram oportunidade de trabalho na FAP 

Biblioteca Salmoão Malina renova acervo e conta com 6,5 mil livros para empréstimo