homenagem

'Esta direita é atrasada demais', diz José Carlos Capinan

Pelos seus 80 anos, escritor recebeu homenagem on-line da FAP e lembrou trajetória iniciada em Centro de Cultura Popular da UNE

Cleomar Almeida, Coordenador de Publicações da FAP

Sem sair de casa, na Bahia, há mais de um ano, em razão da pandemia da Covid-19, o poeta, escritor e compositor baiano José Carlos Capinan, de 80 anos, classificou o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como “um desastre”, que, segundo ele, provoca “atraso muito grande” para o país e risco de “levar todos ao abismo”.

Confira o vídeo!



Na quarta-feira (7/4), Capinan lembrou sua história de uso das palavras para mover a cultura, a poesia, a música e a literatura brasileiras, durante homenagem on-line da FAP (Fundação Astrojildo Pereira), vinculada ao Cidadania, pelos 80 anos do compositor, completados em fevereiro. O poeta lamentou a falta de um política nacional de enfrentamento à pandemia, sem citar nominalmente Jair Bolsonaro.

A homenagem ao escritor ocorreu poucas horas depois de o presidente descartar lockdown nacional contra a Covid, na mesma data em que o país registrou 3.829 mortes por complicações da doença e um dia após bater o recorde de 4.195 óbitos em apenas 24 horas.

Músicas contra obscurantismo

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, ressaltou a importância de seu contemporâneo como poeta e compositor. “Você escreveu, na nossa juventude, muito daquilo que a gente pensou e protestou, com músicas importantes que nos ajudaram a lutar contra a ditadura e regimes como este, obscurantista, sempre apontando muito bem para o futuro”, acentuou.

Foto: Agência Câmara

Na homenagem com transmissão ao vivo pelo site e redes sociais da FAP, o diretor-geral da entidade, sociólogo Caetano Araújo, cumprimentou Capinan, chamando-o de “extraordinário militante da cultura e da política”.

Defensor da democracia e justiça social, Capinan já escreveu músicas para cantores nacionalmente conhecidos, como Tom Zé, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Edu Lobo, Jards Macalé, Paulinho da Viola, Geraldo Azevedo, João Bosco e Roberto Mendes.

Sem citar Bolsonaro, o compositor não escondeu sua decepção com o governo brasileiro. “Não acredito que a gente possa viver, de forma definitiva, qualquer desastre como este que a gente está vivendo. Na verdade, nunca pensei, nunca acreditei em um retrocesso tão grande. O Brasil já viveu coisas muito mais à frente disso que está aí. É um atraso muito grande”, disse.

Confira o podcast!


Abismo

O poeta disse que, normalmente, a esquerda é acusada de ter visões e comportamentos muito ultrapassados, mas, segundo ele, “esta direita é atrasada demais”. “É uma direita que não tem como sobreviver, realmente levará todos ao abismo. A dificuldade que enfrentamentos é o inesperado: esta doença, coisa terrível”, afirmou.

Por outro lado, o poeta agradeceu aos cientistas por lutarem na árdua guerra contra a Covid, que já matou mais de 341 mil pessoas no país. “Ao mesmo tempo, temos a ciência respondendo a tudo isso”, disse. “Felizmente, temos uma ciência fantástica respondendo a essa loucura”, reforçou.

Apesar da hecatombe da pandemia, Capinan mantém vivo o seu otimismo. “Creio que essas coisas que a gente atravessa na história, esse túnel, têm uma saída, vão ter uma saída”, salientou ele.

Em sua avaliação, o modelo econômico que sustenta desigualdade e exclusão tem se mostrado cada vez mais insustentável. “Não sei se interessa ao capitalismo essa forma horrorosa que hoje atravessamos. Temos um capitalismo já desenvolvido, melhor pensado e executado, e essas trevas, provavelmente, não serão definitivas em momento algum”, ponderou.

Gilberto Gil, Capinan, Zezé Motta. Casa do Rio Vermelho, Salvador da Bahia, 1986. Foto: Arlete Soares

Militante do PCB

A homenagem também serviu para compositor reencontrar, mesmo que virtualmente, amigos dos anos 1960, quando frequentou o Centro Popular de Cultura (CPC) da União Nacional dos Estudantes (UNE). Ele também foi militante do PCB (Partido Comunista Brasileiro), que evoluiu para o Partido Popular Socialista (PPS) e ganhou nova identidade com o Cidadania.

“Foi exatamente o Centro Popular de Cultura que me deu instrumentos para meu trabalho”, contou o poeta. “Foi no CPC o primeiro encontro com o pessoal do Partidão. Apesar de Salvador ser politizada pelos estudantes, havia uma histórica família comunista, dos Santanas, do qual Tom Zé era originário. Aristeu Nogueira me catequizou para o partido”, disse.

Em 1964, no primeiro ano da ditadura militar, fugiu de Salvador para a casa do pai, no interior de São Paulo. Tinha 12 irmãos. “Era uma coisa muito interessante porque meu pai sentava na cabeceira da mesa e, uma vez, ele, sempre sensível, disse: ‘os comunistas querem mudar o mundo, mas, na hora em que o bicho pega, correm para casa’”, lembrou.

O compositor nasceu, em 1941, em arraial de Três Rios (BA), mas foi registrado na vizinha cidade litorânea da Esplanada. Ainda muito cedo, mudou-se para o litoral Sul da Bahia.

José Carlos Capinan nos anos 1960 /Foto: Arquivo Nacional

Inspiração nas feiras

 “Na minha casa não havia biblioteca. Meu tio era telegrafista e me criou. Em Salvador, moramos defronte à Feira de Água de Meninos, que, posteriormente, em 1964, foi incendiada”, afirmou. “Acredito que não foi acidente porque era desejo, na época, de se retirar a feira do local”, disse.

Foi justamente a movimentação da cultura popular nas feiras que fez Capinan desenvolver o gosto pelas letras. “Minha relação com a poesia nasce da observação de poetas populares nas feiras e vendedores de mesinhas no Pelourinho, em Salvador”, contou ele.

As palavras cantadas pelos Camelôs na correria para vender seus produtos, lembrados por Capinan como “animadores incríveis do cotidiano”, revelaram a riqueza e a inspiração da sabedoria popular nas feiras.

“Lá aprendi as primeiras lições de poesia. Eu também era muito leitor de livro de cordel. Tinha coleção fantástica desses livros e me alimentava muito das histórias e fantasias. Era muito estimulado pela criatividade dos cordéis”, relatou.

Ao concluir a retrospectiva de seus 80 anos de vida, o compositor definiu sua trajetória como “perseverança incrível” e compartilhou com todos o desejo por um país menos injusto, menos desigual e menos excludente.

“A gente vê coisas maravilhosas no Brasil”, ressaltou, para apontar os maiores desafios. “Vencermos o racismo, o preconceito, o obscurantismo. Esses retrocessos todos vamos ter que superar, e espero estar vivo para celebrar com vocês ou com a mesa farta baiana o fim de tudo isso. Não sei o que teremos para escolher, mas escolheremos melhor do que está e do que estamos vivendo”.

GALERIA DE FOTOS


Darcy Ribeiro

Darcy Ribeiro 20 anos. Que falta ele nos faz

Darcy Ribeiro 20 anos - programação

Seminário com mesas temáticas para debater o Legado de Darcy Ribeiro

Local: Arquivo Nacional - Praça da República, 173, Centro - Rio de Janeiro-RJ

Programação:

15/02/2017 - Quarta Feira

Mesa 1 - 9h30 às 12h30
DARCY SEMEIA ESCOLAS
Lia Faria
Helena Bomeny
Lucia Velloso Maurício
Mediação: Naná Gama e Silva

Mesa 2 - 14h30 às 17h30
OS FAZIMENTOS DE DARCY
Adelia Maria Miglievich Ribeiro
Haroldo Costa
João Luiz de Souza
Mediação: Maria Elizabeth Brêa

16/02/2017 - Quinta-Feira

Mesa 3 - 9h30 à 12h30
DARCY EM PROSA E VERSO
Eric Nepomuceno
Luzia de Maria
Haydée Ribeiro
Mediação: Yolanda Lobo

Mesa 4 - 14h30 às 17h30
DARCY DOS ÍNDIOS
Álvaro Tukano
Mércio Gomes
Eliane Potiguara
Mediação: Giselle Moreira


Cerimônia de Homenagem a Darcy Ribeiro

Local: Academia Brasileira de Letras
Av. Presidente Wilson, 203 - Castelo - RJ

17/02/2017 - Sexta-Feira

de 15h às 18h

  • Palestra do Reitor da UFRJ, Roberto Leher, com a presença de Paulo Ribeiro, Presidente da Fundação Darcy Ribeiro e convidados
  • Celebração dos 40 anos de lançamentos do livro "Maíra", de Darcy Ribeiro

Geraldão será homenageado nesta segunda-feira no Rio de Janeiro

O Modecom (Movimento em Defesa da Economia Nacional) e a Fundação Astrojildo Pereira realizam, nesta segunda-feira (07), homenagem a Geraldo Rodrigues do Santos, o Geraldão, na ABI (Associação Brasileira de Imprensa), no Rio de Janeiro (Rua Araújo Porto Alegre, 71, 7º andar, Sala Belisário de Souza, Centro) às 18h.

Geraldão, que morreu em 2006, foi um importante líder operário tendo sido eleito deputado federal, em 1962, com uma das mais expressivas votações no estado de São Paulo. Ele teve o mandato cassado por ser comunista. Em 1970 foi designado pela direção nacional do PCB para dirigir o partido no antigo Estado da Guanabara, tendo contribuído decisivamente para o combate à ditadura militar.

Perfil

Geraldão nasceu em São José do Rio Pardo (SP), em 1/7/1923. Ainda criança foi viver em Santos, onde ainda jovem tornou-se portuário, destacando-se nas décadas de 1940, 1950 e 1960 como líder do movimento operário.

No início da década de 40 ingressou nas fileiras do PCB (Partido Comunista Brasileiro), onde rapidamente transformou-se em dirigente local, estadual e nacional.

Em 1962, foi candidato a deputado federal pelo PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), sendo o candidato mais votado em São Paulo com 42 mil votos, porém foi impedido de tomar posse por ser comunista.

Em 1964, para fugir da perseguição da ditadura passou a viver na cidade do Rio de Janeiro e a partir de 1970 dirigiu o Partido Comunista Brasileiro no antigo Estado da Guanabara, permanecendo à frente do mesmo até 1980.

Por sua atitude coerente e combativa na luta contra a ditadura e em defesa do PCB, Geraldão recebeu várias homenagens, entre as quais, destacam-se o título de Cidadão Carioca e a Medalha Pedro Ernesto na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e na Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, o título de Cidadão Fluminense e a Medalha Tiradentes.

Em janeiro de 1992, Geraldão participou do X Congresso do PCB que produziu várias reformulações políticas e a sigla passou a ser denominada PPS (Partido Popular Socialista), de cuja direção nacional fazia parte ao falecer.