Nelson de Sá: Economist e NYT começam a dar as costas para Moro

Juiz não foi imparcial, diz revista; 'nas últimas semanas, o lado sombrio foi exposto', diz artigo no jornal.
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Juiz não foi imparcial, diz revista; ‘nas últimas semanas, o lado sombrio foi exposto’, diz artigo no jornal

No New York Times, Gaspard Estrada, da Sciences Po, de Paris, escreveu há três semanas sobre aquela que “foi vendida como a maior operação anticorrupção do mundo, mas se tornou o maior escândalo judicial da história”.

Neste final de semana, voltou à carga com uma nova versão, contra “a corrupção do sistema judicial” no Brasil, publicando que “Sergio Moro e procuradores perverteram” instituições para agir acima da lei. “Moro usou métodos em flagrante violação do estado de direito. Como recompensa, recebeu o cargo de ministro da Justiça.”

Em suma, “nas últimas semanas, o lado sombrio da Lava Jato foi exposto, desnudado, e se espalhou um profundo desencanto com a chamada justiça de Curitiba”.

Na Economist desta semana, “o impulso anticorrupção se desfez pela politização da Justiça, de duas maneiras”.

Primeiro, “Moro acabou não sendo imparcial. Ele condenou Lula por receber um apartamento na praia. Só que Lula não era o dono nem o usava”. Segundo, “com Lula fora da corrida presidencial em 2018, Moro se tornou ministro da Justiça no governo de Jair Bolsonaro, o vencedor de extrema direita”.

Aí “vazaram mensagens mostrando que Moro treinou Deltan Dallagnol, o promotor principal em Curitiba”.[ x ]

BOLSONARO SEM TRUMP

South China Morning Post publicou artigo de Karin Costa Vazquez, especialista em Brics das universidades de Jindal, na Índia, e Fudan, na China, destacando que “a derrota de Trump deixa Bolsonaro reequilibrando as relações com EUA e China”.

Ele não deve “mudar substancialmente com Pequim enquanto negocia” com o novo governo em Washington, mas “a longo prazo pode adotar abordagem mais matizada” com a China.

TRUMP COM FOX NEWS

CNN e MSNBC não transmitiram o primeiro discurso de Donald Trump na oposição, mas a Fox News o fez (acima), assim como seus concorrentes na direita, Newsmax e OAN.

Por outro lado, a Fox News destacou que só 55% dos entrevistados na conferência conservadora disseram que Trump é seu preferido para 2024. “Ele está perdendo força“, sublinhou Karl Rove, comentarista da emissora e estrategista da ala republicana contrária ao ex-presidente.Nelson de Sá

*Jornalista, publica a coluna Toda Mídia e cobre imprensa e tecnologia

Privacy Preference Center