Evento online

Evento sobre Manuel Bandeira

Manuel Bandeira via poesia “nas coisas mais insignificantes”, diz professora

Margarida Patriota vai participar de webinar da série de eventos online em pré-comemoração ao centenário da Semana de Arte Moderna

João Vitor*, da equipe FAP

O escritor Manuel Bandeira via a poesia “nas coisas mais insignificantes”, segundo a professora de literatura Margarida Patriota. “Tudo é matéria para poesia. Sua poesia é feita com linguagem coloquial e verso livre, sem complicações”, analisa. Ela vai abordar o assunto em webinar, na quinta-feira (18/11), a partir das 17 horas, na série de eventos online da Biblioteca Salomão Malina e Fundação Astrojildo Pereira (FAP), em pré-comemoração ao centenário da Semana de Arte Moderna.

A professora destaca a liberdade dos motivos inspiratórios e o abandono da cadência oratória na poesia de Manuel Bandeira. O evento será transmitido na página da biblioteca no Facebook. O público também poderá conferir o debate no portal da FAP e na rede social da entidade, assim como no canal da fundação no Youtube.

Margarida, que lecionou por 28 anos Teoria da Literatura, Literatura Brasileira e Literatura Francesa no Departamento de Letras da Universidade de Brasília (UnB), explica a importância do escritor para o modernismo brasileiro: “Bandeira não só renovou a expressão poética, na linha do despojamento modernista, como a impregnou de lirismo e ternura. A liberdade, para ele, gera simplicidade, não rebeldia ou provocação”, afirma.

Apesar de Manuel Bandeira não ter participado da Semana de Arte Moderna em 1922, contribuiu para a Revista Klaxon, uma das revistas baseadas em ideias revolucionárias perante a situação política que dominava o país naquela época, como também propagadora dos ideais modernistas à época.

Para a crítica, Bandeira era atrevido e seus textos eram reveladores de certo ímpeto historiográfico. Ainda são objetos de reflexão a ser mais bem considerados, não só pelos nexos que estabelecem com seus poemas, mas principalmente por esclarecerem sua posição no modernismo.

Um dos maiores representantes da primeira fase do modernismo, Manuel Bandeira foi também professor de literatura, crítico literário e crítico de arte. Em 1940 foi eleito para a Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira de número 24. "Vou-me Embora pra Pasárgada" é um dos seus mais famosos poemas.

O autor, tema do debate em live da FAP, faleceu no Rio de Janeiro, no dia 13 de outubro de 1968. Suas poesias haviam sido reunidas, pouco antes, em Estrela da Vida Inteira (1966).

*Estagiário integrante do programa de estágios da FAP, sob supervisão do jornalista Cleomar Almeida

Ciclo de Debates: O modernismo na literatura brasileira

Webinário sobre Manuel Bandeira e poesia libertária

Dia: 18/11/2021

Transmissão: a partir das 17h

Onde: Perfil da Biblioteca Salomão Malina no Facebook e no portal da FAP e redes sociais (Facebook e Youtube) da entidade

Realização: Biblioteca Salomão Malina e Fundação Astrojildo Pereira

Veja vídeos de eventos anteriores




Evento sobre religiões no Brasil contemporâneo

Evento online discute religiões no Brasil contemporâneo

Realizado por núcleo do Cidadania com apoio da FAP, webinar será na sexta-feira (12/11)

Cleomar Almeida, da equipe da FAP

A diversidade e a liberdade religiosa no Brasil, conforme previsto na Constituição, serão discutidas em evento online realizado pelo Núcleo Inter-religioso do Cidadania 23, com apoio da Fundação Astrojildo Pereira (FAP), sediada em Brasília e vinculada ao partido. O webinar será sexta-feira (12/11), a partir das 16 horas.



Com participação confirmada do presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, o evento Religiões no Brasil Contemporâneo será transmitido, em tempo real, pelo portal da FAP. A transmissão ao vivo também será realizada por meio do canal da fundação no Youtube e da página da entidade no Facebook, possibilitando maior alcance do público.

O webinar também tem participação confirmada da pesquisadora e professora da Universidade Federal Fluminene (UFF), Christina Vital, editora do periódico científico Religião e Sociedade. Ela também é colaboradora do Instituto de Estudos da Religião.

Outro nome confirmado para o evento online é o da pesquisadora e pedagoga Patrícia Tolmasquim, integrante do Fé Menina – Casa das Religiões Unidas.

Santuário-de-Aparecida.-Lima-26
8609464492_eb00e04942_b
Tom Clássico
8_pl528_fe1-630x420
Esiritualidade
1149826_312193
image-05
noticias_religiosidade-1024x682
b3e77931f8c0ebdba0861f4f8e631710_XL
dfdsh
27820
1-candomble
istock_90864243_xlarge-e1487622988125-scaled
Igreja
santuario-nossa-senhora-hotel-guaratingueta-0011
previous arrow
next arrow

Acolhimento

Durante a pandemia da Covid-19, as religiões também serviram como forma de acolher as pessoas, apesar de os templos terem sido fechados, temporariamente, por causa da necessidade de distanciamento social.

No Brasil, a Constituição Federal consagra, como direito fundamental, a liberdade de religião, apesar de o país ser considerado laico. Por isso, o Estado brasileiro deve se preocupar em proporcionar a seus cidadãos um clima de perfeita compreensão religiosa, sem intolerância e fanatismo.

Pesquisa do Datafolha publicada no ano passado pelo jornal Folha de S.Paulo mostra que metade da população do Brasil é composta por pessoas que se declaram católicas. Evangélicos representam 31%; espíritas, 3%; Umbanda, Candomblé e outras religiões afro-brasileiras somam 2% da população, e judeus são 0,3%.

Além disso, 10% dizem não ter religião, 2% se identificam com outra religião e 1% se define como ateu.


Mulheres debatem desafios e perspectivas na política brasileira em webinar

Evento online da Biblioteca Salomão Malina tem participação de Tereza Vitale, Eliziane Gama, Loreny Mayara e Soninha Francine

Cleomar Almeida, Coordenador de Publicações da FAP

Atuação, desafios e perspectivas da mulher na política serão debatidos, na terça-feira (16/3), das 18h30 às 20h, em webinar da Biblioteca Salomão Malina, mantida pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira) em Brasília. O evento terá transmissão ao vivo na página da biblioteca no Facebook e no site da entidade.

Assista ao vídeo!

O assunto será mediado militante feminista e secretária nacional de mulheres do Cidadania, ao qual é vinculada a FAP, Tereza Vitale. Participam a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), da ex-vereadora de São Paulo Soninha Francine (Cidadania-SP) e da ex-vereadora de Taubaté Loreny Mayara Caetano, que chegou ao segundo turno na última disputa pela prefeitura da cidade.

“Chamo a atenção para este evento pela importância de termos mais mulheres na política, mais mulheres dedicadas à luta por direitos das mulheres, como direitos humanos”, diz Tereza, uma das referências nas causas feministas no país, em entrevista ao portal de notícias da FAP.

A secretária nacional lembra que mulheres são mais de 50% de população brasileira, mas menos de 15% nos parlamentos. “Isso é de se chamar a atenção. Pode ser que esteja com as mulheres o segredo de uma boa política e de avanço e desenvolvimento reais. O necessário é estarmos voltadas a colocar mais mulheres nos parlamentos”, destaca.

Novos marcos
A senadora Eliziane Gama acredita que o momento é muito importante para se discutir novos marcos regulatórios para política feminina no Brasil. “É a preocupação histórica do partido de lutar pela igualdade de gênero, pela participação equitativa no mercado de trabalho e na política brasileira”, enfatiza.

No entanto, a parlamentar reconhece que ainda é necessário avançar muito e discutir o assunto. “O que precisamos ainda fazer, os avanços que tivemos, mas, sobretudo, demarcar novos momentos para essa política no Brasil. Acho que a gente avançou bastante, mas ainda temos muito a perseguir e a buscar”, assevera a Eliziane.

Assim como as demais participantes, Loreny ressalta ser muito importante todo espaço para discutir sobre mulheres na política, já que, segundo ele, “esse assunto está longe de ser superado”.

“Desafios no partido”
“Os desafios começam, inclusive, dentro dos partidos, e a gente precisa sair do discurso de querer mulheres na política e começar a fazer ações práticas que motivem e incentivem a nossa presença”, acentua a ex-vereadora de Taubaté.

De acordo com Loreny, a cultura do machismo estrutural dificulta até a saída das mulheres em campanha política, pois, ressalta, há preocupação até com a roupa que elas usam. “Também há barreira institucional e partidária contra as quais devemos lutar juntas”, salienta.