vitória

Bernardo Mello Franco: O baixo clero sobe a rampa

Festa da vitória de Bolsonaro teve discurso anticomunista, oração com pastor e aceno às bancadas conservadoras do Congresso

Na primeira aparição como presidente eleito, Jair Bolsonaro fechou os olhos, baixou a cabeça e fez silêncio para ouvir apalavra de Magno Malta. De camiseta amarela e relógio de ouro no pulso, o dublê de senador e cantor gospel festejou a vitória de “um cristão verdadeiro, um patriota”. “Os tentáculos da esquerda jamais seriam arrancados sema mão de Deus”, celebrou.

O tom de pregação também marcou o discurso de Bolsonaro. Ele começou citando uma passagem bíblica: “Conhecerei a verdade, e a verdade vos libertará”. Depois agradeceu as orações de eleitores e definiu sua chegada à Presidência como “uma missão de Deus”.

Foram sinalizações claras ao eleitorado evangélico, que impulsionou sua vitória. No Ibope de sábado, ele ostentava 27 pontos de vantagem neste segmento religioso. Entre os católicos, Fernando Haddad aparecia dois pontos à frente.

Sete dias depois de ameaçar os opositores coma cadeia ou o exílio, o presidente eleito tentou se reapresentar como conciliador. No discurso lido, prometeu um governo “defensor da Constituição, da democracia e da liberdade”. “Não é a palavra vã de um homem. É um juramento a Deus”, disse.

Em outro momento, ele afagou as Forças Armadas com uma homenagem ao comandante da tropa na Guerra do Paraguai. “Não sou Caxias, mas sigo o exemplo deste grande herói brasileiro. Vamos pacificar o Brasil”, afirmou.

Antes de surgir diante das câmeras, Bolsonaro saudou os seguidores em seu ambiente favorito: as redes sociais. Mais à vontade, definiu seus eleitores como “integrantes de um grande exército que sabia para onde o Brasil estava marchando e clamava por mudanças”.

Na fala de improviso, o presidente eleito voltou a soar como o candidato em campanha. Atacou a “grande mídia”, prometeu combater o “comunismo” e acenou aos velhos companheiros do Congresso. “Todos os nossos compromissos serão cumpridos com as variadas bancadas”, disse.

A frase é uma senha de que Bolsonaro encampará as agendas dos ruralistas, da frente evangélica ed abancada da bala. O capitão construiu sua carreira no chamado baixo clero, esnobado por seguidos governos. Agora a turma vai subir a rampa do Planalto a seu lado.


Vitória registra queda de 30% nos homicídios em 2016

A cidade de Vitória (ES) registrou a maior redução de homicídios na região da Grande Vitória, com uma queda de 30% em 2016, de acordo com dados da Secretaria da Segurança Pública do Espírito Santo. Cariacica foi a segunda cidade a ter a maior queda, com 24%. As duas cidades são governadas pelo PPS.

No cenário nacional, a redução também teria colocado Vitória como antepenúltima no ranking das capitais mais violentas do País, segundo o secretário estadual de Segurança Pública, André Garcia. Nos últimos anos, a cidade já teria ocupado a segunda posição no ranking de homicídios.

Considerando toda a Grande Vitória, a redução foi de 18%, com Vitória liderando. Cariacica foi a segunda cidade a ter a maior queda, com 24%, seguida de Viana (19%), Serra (17%), Vila Velha (11%) e Guarapari (5%). Os dados apresentados pela Sesp também mostram que houve redução expressiva no índice estadual, com a maior redução de assassinatos nos últimos 28 anos em 2016.

O prefeito de Vitória, Luciano Rezende, do PPS, destacou que o resultado é fruto da parceria e integração da Guarda Municipal com as forças de segurança do estado, como a Polícia Militar.

Coletiva de Imprensa com o Prefeito Luciano Rezende
Coletiva de Imprensa com o Prefeito Luciano Rezende

“Só temos que comemorar e agradecer à nossa Guarda Municipal, que vai continuar trabalhando em parceria com a Polícia Militar. Novas câmeras de videomonitoramento serão instaladas na cidade. No início da gestão, em janeiro de 2013, a cidade tinha apenas 34 câmeras. Atualmente, esse número passa de 200 câmeras. Vitória era considerada a capital mais violenta do Brasil e, hoje, é considerada uma das mais seguras. Então, eu tenho uma satisfação enorme de poder contribuir com essa ação, presidindo pessoalmente o Gabinete de Gestão Integrada Municipal [GGI-M], e ocupando a cidade com as famílias”, disse o prefeito.

Para o secretário municipal de Segurança Urbana, Fronzio Calheira, os números reforçam o desafio de conseguir manter os índices positivos.

“Vai ser desafiador para todas as instituições manter a tendência de queda. Para isso, além de manter as estratégias atuais, será preciso criar novos mecanismos de controle da criminalidade. No caso de Vitória, as medidas que estão em planejamento preveem a implantação do cerco eletrônico, dispositivo que identifica carros roubados, renovação da frota da Guarda de Vitória e qualificação continuada de todo o efetivo da Guarda”, disse o secretário.

Menos feminicídios

Além da queda no número total de homicídios, Vitória também registrou grande diminuição no número de mortes de mulheres, com uma redução de 70%. De acordo com o secretário Fronzio Calheira, políticas públicas municipais de apoio às mulheres com medidas protetivas e o projeto Botão do Pânico, que garante proteção às vitimas de violência doméstica, contribuíram para esse resultado.

Ações da Prefeitura

Entre as diversas ações que impactam na segurança urbana, a Prefeitura atua de forma mais intensa naquelas capazes de ocupar os lugares públicos e fomentar o convívio das famílias, o esporte e o lazer. A troca da iluminação em diversas avenidas, praças, parques e na orla é uma das ações.

Guarda Municipal a serviço da população no Centro de Vitória
Guarda Municipal a serviço da população no Centro de Vitória

Hotéis, bares e festas passaram a ter fiscalização sistemática, que posteriormente foram ampliadas para todo tipo de festa e evento, formal ou informal. Assim, até mesmo a aglomeração de pessoas passou a ser fiscalizada, evitando a proliferação de ambulantes e carros de som. A Guarda de Vitória também passou a trabalhar nos últimos anos 24 horas por dia, o que ampliou o patrulhamento da cidade e a parceria com a Polícia Militar.

Videomonitoramento

As novas câmeras de videomonitoramento da Secretaria Municipal de Segurança Urbana de Vitória já estão operando em bairros que antes não contavam com esse serviço de vigilância. As regiões mais atendidas são as de São Pedro e Santo Antônio.

Ao todo, são 13 novas câmeras, instaladas nos bairros Grande Vitória, Santa Martha, São Pedro, Santo Antônio, Ilha das Caieiras, Inhanguetá, Nova Palestina e Tabuazeiro, além do Morro do Moscoso. As câmeras são operadas durante 24 horas por dia por guardas civis municipais.

Elas ajudam a fazer flagrantes de crimes e já foram responsáveis pela prisão de suspeitos de roubo, furto e arrombamentos e pela recuperação de diversos carros roubados.

Redução da criminalidade

Câmera de Videomonitoramento
Câmera de Videomonitoramento

As imagens registradas podem servir ainda de prova para processos criminais e ajudam a Polícia Civil a desvendar casos pendentes. De acordo com o secretário municipal de Segurança Urbana, Fronzio Calheira, as câmeras também foram um dos instrumentos que ajudaram na redução dos índices de criminalidade na capital.

“Com as novas câmeras, o município continua a contribuir com a redução dos homicídios em Vitória. A população precisa saber que o custo não é só com equipamento, tem toda uma gama de profissionais que se revezam em turnos para que a vigilância funcione 24 horas por dia e que selecionam devidamente as imagens para que elas possam servir como prova, fazendo com que os crimes não fiquem impunes”, explicou o secretário.

Os locais e os bairros que receberam as novas câmeras de videomonitoramento foram escolhidos de acordo com os dados do “Mapa do Crime”, do Governo do Estado, após debate em conjunto com outros órgãos de segurança, como a Polícia Civil (PC) e a Polícia Militar (PM). A definição dos pontos também levou em consideração as análises das associações de moradores. Agora, todas as macrorregiões de Vitória já estão sendo atendidas pelas câmeras.

Utilidade pública

Um dos serviços prestados pelos operadores da central de videomonitoramento é identificar pontos viciados de lixo e acionar os setores responsáveis pela limpeza da Prefeitura para a retirada. Semáforos apagados e postes sem luz também são verificados, além de troncos de arvores caídas e pedidos de podas.

Os operadores também verificam acidentes de trânsito e retenções, acionando imediatamente os agentes de trânsito para desobstrução do local, liberando rapidamente o fluxo de veículos.(Assessoria da Prefeitura de Vitória)


Fonte: www.pps.org.br


Eleições 2016: Roberto Freire afirma que o PPS foi um grande vitorioso no segundo turno das eleições municipais

O presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP), disse neste domingo, ao avaliar o resultado do segundo turno da eleição municipal, que o partido foi um grande vitorioso nas urnas ao conquistar cinco prefeituras, inclusive uma capital, Vitória (ES), das sete que disputou nesta segunda fase do pleito.

O partido reelegeu os prefeitos Luciano Rezende (Vitória), Juninho (Cariacica-ES) e Marcelo Rangel (Ponta Grossa-PR). Conquistou também as prefeituras de São Gonçalo (RJ), com o deputado estadual José Luiz Nanci, e de Montes Claros, com a eleição do ex-deputado federal Humberto Souto. Em Niterói (RJ), o PPS elegeu o vice-prefeito, deputado estadual Comte Bittencourt, com e eleição de Rodrigo Neves, do PV.

“O PPS foi um grande vitorioso no segundo turno das eleições municipais, porque das sete cidades que disputou, venceu em cinco delas, reelegendo um prefeito de capital”, afirmou, ao citar o desempenho do prefeito Luciano Rezende no pleito.

Freire considerou ainda que o partido já havia obtido um bom resultado no primeiro turno da eleição, ao conquistar prefeituras em cidades médias, avançando em estados como Minas Gerais e Bahia.

“O resultado do segundo turno coroou o nosso desempenho nestas eleições. Parabenizo os vencedores e todos os candidatos que disputaram pelo PPS com dignidade e respeito às regras eleitorais e a democracia”, disse o presidente do partido.


Fonte: pps.org.br


Marco Aurélio Nogueira: A governança democrática das cidades

Em tempos de política em crise, de debate público empobrecido e partidos desorientados, é de saudar a iniciativa do Partido Popular Socialista (PPS) de publicar as resoluções principais de uma Conferência Nacional por ele organizada sobre as cidades brasileiras.

A Conferência – realizada em Vitória (ES) nos dias 19-20 de março de 2016 – representou a culminância de um amplo processo de debates e discussões entre militantes políticos e especialistas que se estendeu por vários meses em diferentes cidades do país. A publicação (acesse aqui) oferece aos cidadãos um rico painel da vida urbana e dos problemas das cidades brasileiras, assim como sugere um roteiro para a organização de uma agenda que os enfrente.

Nele, são apresentadas análises e sugestões sobre Saúde, Educação, Finanças, Mobilidade Urbana, Segurança e Cultura. O texto não é acadêmico. Seu objetivo é fornecer elementos para a gestão técnico-política das cidades brasileiras, sendo direcionado para administradores municipais, vereadores e ativistas, mas também para o cidadão de modo geral, maior interessado na questão. O material, porém, recusa a ideia de ser visto como um “modelo” ou um “manual” a ser aplicado indistintamente. Não se vê como um “pacote” de propostas, mas como material de reflexão. É o que de fato se destaca, ainda que, por ser documento partidário, seja inevitável que se façam recomendações operacionais, que poderão ser traduzidas em termos políticos e eleitorais. Não há porque fazer ressalvas a este aspecto, assumido desde logo pelos organizadores.

Na parte propriamente analítica, o texto procura jogar luz sobre o estado atual das cidades brasileiras, especialmente das maiores, que conhecem um cenário de grandes transformações e mudanças mas permanecem amarradas a um quadro de exclusões e desigualdades expressivas, bolsões de segregação social, crise financeira e graves problemas ambientais.

Tal esforço de compreensão apoia-se no conceito de governança democrática: é preciso governar as cidades com os olhos na realidade (local, nacional, global) e nas possibilidades concretas de atuação, mas é preciso fazer isso compartilhando decisões com a cidadania. Como diz o texto de apresentação, “é preciso que haja organização política de interesses e capacidade de elaboração, mesmo que parcial, mas substantiva, de projetos de reforma e de transformação da realidade”.

Trata-se de um ponto importante, nesta nossa época em que detonar os governos e refutar a política se tornaram mania compulsiva, presente até mesmo na conduta de vários candidatos às prefeituras, que se apresentam como “gestores” e não como “políticos”, propondo-se a governar a partir de uma racionalidade administrativa superior que excluiria os cidadãos e se afirmaria sobre eles.

O documento do PPS critica com firmeza a “concepção verticalizada da ação política e de governo”, que vem de cima para baixo e implica uma orientação de caráter “gerencial”, autoritária, que pouco ajuda a que se fortaleça a vida democrática. Tal crítica é o ponto central do documento, dando sentido às sugestões que são apresentadas para as diferentes áreas da gestão municipal.

Não se trata, portanto, para o PPS, de simplesmente governar, apresentar planos e “propostas de governo”. É preciso fazer vibrar a atuação política (cívica) dos cidadãos, organizados em maior ou menos medida. Um governo democrático deve se propor sempre a organizar a cidadania, “empoderá-la”. Dadas as circunstâncias atuais, precisa se dispor a ser um governo-em-rede, aberto ao diálogo, à interação entre os atores, à participação da sociedade. Governo mais horizontal que vertical, apoiado mais na colaboração que na decisão unilateral. Um governo-dínamo, seria possível dizer: organizador da capacidade de ação da sociedade tendo em vista a cidade como construção coletiva.

É uma perspectiva nada fácil de ser assimilada ou traduzida em termos práticos, mas boa para ser incorporada como plataforma de reflexão e de atuação. O PPS, como seria de esperar, vê nela a materialização de seu esforço para qualificar o reformismo que o tipifica e para consolidar seu lugar no campo da esquerda democrática, dando vazão a uma política de caráter progressista e democrático.

Faz isso de maneira laica, sem apelos ideológicos rebarbativos ou promessas finalísticas de uma nova sociedade que nasceria de uma ruptura radical. A preocupação explícita é enfrentar em termos políticos realistas algumas questões concretas da vida urbana, de forma a publicizá-las e a convertê-las em parâmetro para a atuação cívica e as lutas que tiverem lugar nas cidades. (O Estado de S. Paulo – 28/09/2016)


Fonte: pps.org.br


Vitória lidera ranking de bem-estar urbano entre as capitais brasileiras, mostra estudo da UFRJ

Levantamento inédito do Observatório das Metrópoles, coordenado pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e divulgado pelo jornal “O Estado de S. Paulo” mostra que a cidade de Vitória, governada pelo prefeito Luciano Rezende, do PPS, é a primeira colocada entre as capitais brasileiras do ranking de bem-estar urbano. A pesquisa mediu o bem-estar nos 5.565 municípios do País.

A capital capixaba aparece na liderança do Ibeu (Índice de Bem-Estar Urbano) entre as 27 capitais do País com pontuação de 0,9. De acordo com o estudo, quanto mais próximo de 1,0, melhor é a condição de bem-estar urbano.

Nos últimos quatro anos, o prefeito Luciano Rezende enfrentou uma redução de cerca de 30% do orçamento municipal, mas mesmo assim conseguiu equilibrar as finanças e ainda colocar a cidade em destaque no cenário nacional, melhorando a qualidade de vida dos moradores da capital. Vitória também é a primeira capital brasileira entre as mais eficientes do País, segundo ranking do Datafolha, e a primeira em saúde e educação (veja abaixo).

O estudo Ibeu Municipal avaliou cinco indicadores de qualidade: mobilidade urbana, como o tempo de deslocamento de casa para o trabalho; condições ambientais (arborização, esgoto a céu aberto, lixo acumulado); condições habitacionais (número de pessoas por domicílio e de dormitórios); serviços coletivos urbanos (atendimento adequado de água, esgoto, energia e coleta de lixo); e infraestrutura.

A dimensão que apresenta a pior situação de bem-estar, nacionalmente, é a infraestrutura das cidades: 91,5% dos municípios estão em níveis ruins e muito ruins. Para avaliar a infraestrutura, o Observatório considerou sete indicadores: iluminação pública, pavimentação, calçada, meio-fio/guia, bueiro ou boca de lobo, rampa para cadeirantes e logradouros.

Para Marcelo Ribeiro, professor da UFRJ e pesquisador do Observatório, o Ibeu revela uma desigualdade regional. “Os municípios que apresentaram as melhores condições estão nas regiões Sudeste e Sul, um pouco no Centro-Oeste. Os piores índices, em geral, estão no Norte e Nordeste, e também no Centro-Oeste, uma zona de transição”, disse. (Com informações de O Estado de S. Paulo)


Fonte: pps.org.br


Vitória é a primeira capital entre as cidades mais eficientes do País, mostra ranking do Datafolha

A Folha de S. Paulo publicou neste domingo (28) o Ranking de Eficiência dos Municípios. O levantamento mostra quais prefeituras foram mais eficientes na utilização dos recursos públicos. Vitória, cidade administrada pelo prefeito do PPS, Luciano Rezende, é a capital mais bem avaliada na pesquisa.

O ranking leva em conta indicadores de saúde, educação e saneamento para a calcular a eficiência da gestão e apresenta dados de 95% dos municípios brasileiros.

Numa escala de 0 a 1, apenas 24% das cidades ultrapassam 0,50 e, pela metodologia utilizada, podem ser consideradas eficientes. Pesquisa da Datafolha indica que só 26% dos brasileiros aprovam a gestão de suas prefeituras.


Fonte: pps.org.br


Depois das bicicletas, Prefeitura de Vitória anuncia compartilhamento de carros elétricos

A capital capixaba também terá o serviço de carros elétricos compartilhados, como já ocorre em cidades como Curitiba e Recife. A novidade foi anunciada em primeira mão pelo prefeito de Vitória, Luciano Rezende, durante a solenidade de lançamento do projeto Bike Vitória, neste domingo (15), na praia de Camburi.

“Estamos estudando uma forma de trazer o compartilhamento de carros elétricos para Vitória. Para isso, iniciamos conversa com a Samba, operadora do sistema Bike Vitória, para que possamos rapidamente avançar com os carros elétricos compartilhados aqui na capital, como já acontece em Curitiba e no Recife”, adiantou o prefeito.

Rua de Lazer

O Bike Vitória começou a operar ontem. Inicialmente, moradores e turistas poderão retirar as bikes em cinco estações: Escola da Vida, na rodovia Serafim Derenzi, em São Pedro; Tancredão; e três na praia de Camburi (ponte de Camburi, em frente ao Clube dos Oficiais e no SOE de Jardim Camburi), Em cada local, estão disponíveis 10 bikes.

A Rua de Lazer da praia de Camburi ganhou uma nova cor. Logo após o lançamento do projeto, o verde das bicicletas do Bike Vitória já chamava a atenção das pessoas que foram se divertir na orla. Muitas se aglomeravam na estação para conhecer o projeto e outras para retirar e utilizar as magrelas.

A farmacêutica Clarisse de Oliveira Cosa foi uma dessas pessoas. “Não tenho bike em casa e quis aproveitar essa oportunidade. Foi muito fácil fazer todo o processo, desde baixar o aplicativo, fazer o cadastro e retirar a bicicleta. Agora é só curtir essa maravilha”, disse.

A perita criminal Emanuela Silva também fez a mesma coisa. “Esse é um projeto bacana que precisava ser implantado em Vitória. Já baixei o aplicativo, fiz meu cadastro e agora quero aproveitar que é domingo e tem a ciclofaixa para pedalar bastante”, contou.

Bicicleta

A bicicleta tem estrutura de alumínio, não enferruja e pode ficar exposta ao sol e à chuva. Ela pesa 16 quilos, possui três marchas e itens de segurança como espelho, buzina e material reflexivo para identificação durante a noite, além de chip para rastreamento.

Para a Prefeitura, o Bike Vitória não teve custo algum. Os parceiros Unimed Vitória, Siccob e Samba, junto com a administração municipal, montaram o sistema com a maior empresa que opera essa modalidade na América Latina. Até as 10 horas deste domingo, mais de 1.100 pessoas já haviam feito o cadastro pelo site ou aplicativo do Bike Vitória.

Para usar, basta baixar o aplicativo Bike Vitória ou fazer o cadastro no site www.bikevitoria.com. Veja aqui como utilizar. Basta contratar com cartão de crédito a diária de R$ 5,40, a mensalidade de R$ 10,80 ou o plano anual de R$ 67,50.

Solenidade

A solenidade de lançamento do projeto ocorreu perto do SOE de Jardim da Penha, na praia de Camburi, e contou com a presença de muitos moradores, além de secretários municipais, parlamentares e representantes das empresas parceiras da iniciativa.

Na sequência, no palco montado para o evento, aconteceram as apresentações das bandas 522 e Amaro e os Mandrakes. Um outro evento de inauguração também ocorreu em São Pedro, na estação do Bike Vitória instalada ao lado da Escola da Vida.

Projeto metropolitano

Na ocasião, o prefeito Luciano Rezende destacou que espera ver o projeto em nível metropolitano. “Ele precisa ser expandido para as demais cidades da Grande Vitória pela sua importância”, ressaltou, lembrando que o uso das bikes contribui para a mobilidade urbana.

“Nós queremos que a cidade faça a solução da mobilidade urbana usando também meios sustentáveis, como a bicicleta, o uso de calçadas cidadãs com espaços mais seguros para caminhadas, a diminuição de uso de automóvel, a melhoria do sistema de transporte público”, disse.

E o prefeito finalizou: “Vamos andar de bike porque Vitória é a capital saudável e também do esporte do País”.

Sucesso

A secretária municipal de Transportes, Trânsito e Infraestrutura Urbana, Joseane de Fátima Geraldo Zoghbi, disse que o Bike Vitória já é um sucesso na cidade. “A capital tem uma população bastante inovadora, que gosta da qualidade de vida e do meio ambiente. Tem tudo para dar certo, como ocorreu em São Paulo, Porto Alegre e Rio de janeiro, além de Londres, Paris e Nova Iorque”, afirmou.

Ela disse que graças ao apoio dos parceiros e da iniciativa do prefeito Luciano, foi possível implantar o serviço em Vitória, que tem como características a praia, uma boa infraestrutura cicloviária e pessoas jovens e com caráter esportivo.

“A gente acha que o projeto será um sucesso, e já temos percebido isso em conversas com as pessoas, com ligações para o call center e no número de cadastros logo após o aplicativo ser lançado. Estamos muito animados e otimistas”, disse Israel Leite, representante da Samba, empresa operadora do sistema Bike Vitória.

Parcerias

Já o diretor executivo do Sicoob Espírito Santo, Nailson Dalla Bernardina, trata-se de um modelo de mobilidade urbana e conscientização para preservação do meio ambiente.

“Nós queremos estar sempre associados a isso. O banco tem isso como seu lema central e o desenvolvimento das regiões onde ele atua. Esse projeto vai movimentar toda a nossa capital, dando oportunidades para a pessoas se encontrarem por meio do lazer e por meio da bicicleta”.

“As parcerias público-privadas têm tudo para dar certo. Parabéns pelo empreendedorismo, pioneirismo de todos os envolvidos. Por meio do esporte e lazer há possibilidade de diminuição do índice de criminalidade nesse país “, ressaltou o representante da Unimed Vitória, Renegildo Gava Milanez. (Secom/Prefeitura de Vitória)


Veja a cobertura da Conferência sobre as Cidades no #ProgramaDiferente

O #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, acompanhou a Conferência Nacional sobre as Cidades, realizada pelo PPS e pela Fundação Astrojildo Pereira em Vitória (ES), nos dias 19 e 20 de março. Assista.

O tema da Governança Democrática foi predominante, mas também o momento político brasileiro esteve em pauta, com um posicionamento unânime favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e o total apoio à Operação Lava Jato e às ações do juiz Sergio Moro, da Polícia Federal e do Ministério Público.

Tiveram destaque especial dois prefeitos que são modelos de gestão nas suas cidades e referências nacionais para o PPS: Luciano Rezende, prefeito de Vitória, a bem administrada capital capixaba; e Duarte Júnior, o prefeito da cidade mineira de Mariana, que desde o final de 2015 sofre com a tragédia causada pelo rompimento na barragem do Rio Doce.

Veja também outros depoimentos exclusivos durante a abertura da Conferência: Cristóvam Buarque, senador do PPS/DF; Roberto Freire, presidente nacional e deputado federal do PPS/SP; Davi Zaia, secretário-geral nacional e deputado estadual do PPS/SP; Renata Bueno, deputada ítalo-brasileira e ex-vereadora de Curitiba; Carlos Fernandes, presidente do PPS paulistano e ex-subprefeito da Lapa; e Renato Casagrande (PSB), presidente da Fundação João Mangabeira e ex-governador do Espírito Santo.

Conferência: Caminho do PPS é o da democracia e da defesa das cidades, diz Roberto Freire

O presidente nacional do PPS, deputado federal Roberto Freire (SP), afirmou na abertura da Conferência Nacional de Governança Democrática neste sábado, em Vitória (ES), que o momento político brasileiro é importante e que a agitação que toma conta do país é favorável ao impeachment de Dilma Rousseff. Ele criticou a tentativa do PT em tentar convencer a população de que o processo de cassação seria uma tentativa de golpe.

Freire disse que a ação exige coragem de todos os brasileiros, citou a decisão da AOB (Ordem dos Advogados do Brasil) favorável ao impeachment da presidente e ressaltou que o seu afastamento é o único caminho para tirar o país da mais grave crise política, econômica e ética da história republicana.

Ele destacou que é necessário atacar a tentativa do PT e do governo federal de desmoralizar a justiça, em especial o juiz Sérgio Moro.

Ao finlizar o discurso de abertura da Conferência, Freire propôs que a Conferência debata as decisões e os encaminhamentos tendo em vista a realidade pela qual o país vive, afirmando que o caminho que o PPS quer seguir é o da defesa da democracia.

Muro de Berlim

1_Luciano-RezendeO prefeito de Vitória, Luciano Rezende, afirmou que o país vive uma “queda de muro de Berlim” da política tradicional e atrasada. Ele lembrou que a Operação Lava Jato irá “varrer” muitas pessoas da política e destacou que a sociedade exige mudanças significativas. Para ele, o novo político precisa ser transparente, eficiente e rápido.

Rezende disse ter ficado impressionado com a qualidade das propostas que embasaram os documentos da conferência e que os candidatos terão um material rico para a disputa eleitoral e para a gestão das cidades brasileiras.

Reaglutinar forças

O presidente da Fundação João Mangabeira, do PSB, ex-senador Renato Casa Grande (PSB-ES), falou sobre os desafios que o país enfrenta e defendeu que o PPS e o PSB caminhem juntos para reaglutinar as forças da esquerda para que isso sirva como uma alternativa real para a sociedade brasileira.

Segundo Casagrande, PPS e PSB possuem tradição, história e trabalham há décadas com coerência política. Ele lembrou que o PT já foi uma referência de esquerda, mas perdeu as condições de representação ao se envolver em crimes de corrupção.

Ele elogiou os objetivos da Conferência e afirmou o encontro possui potêncial de criar propostas possam serem apresentadas e seguidas por toda a sociedade organizada. Disse ainda a necessidade de se ter bons gestores para gerar resultados positivos para a população brasileira.

Desafios

O presidente da Fundação Astrojildo Pereira, Alberto Aggio, enfatizou que a política é cheia de desafios, e o da FAP é organizar intelectuais para pensar uma nova política para o Brasil. Para ele, a Conferência é o momento de organizar as novas ideias. Aggio ressaltou que o PPS está convencido que o país necessita de uma nova política de esquerda democrática.

Impeachment

2_Rubens-BuenoO líder do PPS na Câmara dos Deputados, Rubens Bueno (PR), defendeu que o partido aposte em candidaturas próprias e prepare os candidatos para a disputa eleitoral. Para ele, a legenda deve buscar o poder para por em prática as bandeiras que o partido defende em pró da sociedade brasileira e do país.

Ele lembrou que quando prefeito conseguiu implantar políticas importantes e inovadoras. Destacou a educação integral, adotada na sua gestão, e que até hoje não avançou em grande parte do Brasil.

Bueno disse que os candidatos, ao se preaprarem para as eleições, não podem esquecer da crise, ressaltando a “batalha” do PPS no Congresso Nacional, assinalando que o esforço serve para mostrar que o partido faz enfrentamentos sempre focando no vontade popular.

Ele também falou sobre o papel da bancada do partido na Câmara para a instalação da comissão especial que irá analisar o processo de impeachment de Dilma. Também lembrou que desde o mensalão o PPS entendeu qual eram os verdadeiros interesses do PT.

Ele destacou que é preciso pensar agora em como sair da crise e salientou que as manifestações a favor de Lula e do PT foram bancadas com dinheiro público. Por fim, destacou a necessidade da busca de uma unidade nacional para agregar projetos comuns e emergenciais para tirar o Brasil da crise, e defendeu que o senador Cristovam Buarque dispute as eleições de 2018 para presidente da República.

Participação do cidadão

A deputada ítalo-brasileira, Renata Bueno, afirmou que sua experência como vereadore de Curitiba a tornou defensora do empoderamento político dos municpios brasileiros. Para ela, o problema do país está na base, principalmente na educação e na participação do cidadão no processo político.

Renata Bueno destacou que apesar da crise, o momento serve para um processo de amadurecimento e citou a Itália que passou por processo semelhante na década de 90. Ela disse que é fundamental que o PPS pense agora como fazer a diferença.

Municípios

O prefeito da cidade mineira de Mariana, Duarte Junior, falou sobre os problemas enfrentados pela cidade que adminsitra. Para ele, é fundamental que os municipios tenham mais protagonismo na política brasileira e citou que os problemas ocorrem de fato nas cidades. Duarte destacou se sentir orgulhoso por fazer parte do PPS, partido o qual não estaria envolvido com crimes contra a sociedade. Ele também defendeu a candidatura de Cristovan Buarque em 2018 para presidente da República.

Corrupção

3_celina-leãoA presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, deputada Celina Leão, falou sobre os motivos que escolheu o PPS e lembrou que o partido não se vendeu à velha política e em prática de corrupção, e manteve a verdadeira esquerda “de pé”. Ela ressaltou que o país não enfrenta um golpe como o PT tenta convencer para a sociedade, já que o processo de impeachment contra Dilma Rousseff é realizada de forma legítima seguindo os preceitos constitucionais. Ela afirmou que o golpe seria a corrupção desenfreada realizada pelo PT nas adminsitrações públicas federal, estaduais e municipais. Para ela, o PT possui uma única meta: dobrar a meta da corrupção.

Escolha correta

O presidente do PPS-ES e vereador, Fabrício Gandine, lembrou que o seu primeiro grande encontro no PPS foi realizado em 2005 quando o partido debatia a sua permanência na base de apoio do então governo Lula.

Ele destacou que naquele momento o partido fez a coisa certa ao optar por se afastar do governo do PT. Para ele, na política é necessário sempre fazer a escolha correta e não tentar receber algo em troca.

O vereador afirmou ainda que agora o PPS colhe os frutos pelos erros cometidos por agentes políticos que não conseguiram observar o caminho correto que dever ser seguido. Ele falou sobre a necessidade de incentivar os candidatos a prefeito e vereador, e da necessidade de apontar caminhos para resolver os problemas da sociedade.

Apontar caminhos

4_Cristovam-BuarqueO senador Cristovam Buarque afirmou que o PPS é um partido que possui coragem de apontar os caminhos corretos que o Brasil precisa seguir. Ele falou sobre a necessidade de transformar o Brasil e que a forma não deve seguir a política tradicional brasileira. Para ele, a transformação deve ocorrer por meio da democracia, na economia, na sociedade, no avanço cultural a na verdadeira participação popular na política.

O senador destacou que pensou em encerrar a carreira política, mas o partido deu novo ânimo para ele seguir lutando pelo Brasil. Buarque defendeu que o PPS seja construtor de esperanças para o Brasil com a coragem necessária para as transformações.


Conferência Nacional sobre as cidades - dias 19 e 20 de março, em Vitória-ES

O PPS e a FAP (Fundação Astrojildo Pereira) irão debater com dirigentes, militantes, candidatos, filiados e com os que se interessam em participar da formulação de políticas públicas, as questões fundamentais das cidades brasileiras na Conferência Nacional de Governança Democrática, nos dias 19 e 20 de março de 2016, em Vitória (ES), no Sheraton Vitória Hotel.

O presidente da FAP, Alberto Aggio, e a deputada ítalo-brasileira, Renata Bueno, anunciaram este mês que o prefeito de Florença (Itália), Dario Nardella, confirmou presença na conferência. De acordo com Aggio, a participação de Nardella se dará na plenária de abertura da conferência.

Além de Nardella, estão previstas palestras com o presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP); o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS); e o chefe do Departamento de Ciências Sociais da PUC-RJ, Ricardo Ismael.

O roteiro da conferência é o texto “Cidades e Governança Democrática“, preparado pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), documento que chama atenção para a necessidade de as cidades serem pensadas dentro do contexto atual, com “tratamento político-ideológico progressista e democrático”.

Temas

O evento concebido pelo PPS em parceria com a FAP tem como foco a discussão de temas de interesses das cidades, como as questões que envolvem finança municipal, segurança pública, educação, saúde, mobilidade urbana, cultura e desenvolvimento local e Parceria Publico-Privadas (PPP’s)

Antecedendo a conferência, serão realizados encontros regionais para elaboração de propostas e apresentação de cases (experiências bem-sucedidas) que serão debatidos em Vitória. Essa fase está sob responsabilidade das direções estaduais do partido, com a participação da FAP.

A conferência pretende mobilizar não apenas candidatos, mas a militância, dirigentes e o público em geral interessado na solução dos problemas das cidades.

A participação será individual, mediante inscrição, aberta a todos os filiados e não filiados. Serão selecionados os melhores “cases” de gestão na fase preliminar para serem apresentados na plenária da Conferência Nacional sobre as Cidades.

PROGRAMAÇÃO

19 de março de 2016 (sábado)

10h – Abertura solene
11h – Plenária: O que é governança democrática?
13h – Intervalo para almoço
15h – Grupos Temáticos:
1 – Assistência à Saúde
2 – Educação
3 – Segurança Pública
4 – Mobilidade Urbana
5 – Finanças Municipais
6 – Parcerias Público-Privadas – PPP’s
7 – Cultura, Esporte e Lazer
19h – Encerramento dos trabalhos dos grupos
21h – Jantar

20 de março de 2016 (domingo)

10h – Plenária final de encerramento
11h – Lançamento do Livro do Luciano Resende sobre a gestão de Vitória
12h – Encerramento da conferência

Mais informações: conferenciasobreascidades.pps.org.br


Seminário organizado pelo PPS-ES e FAP discutiu propostas para as finanças municipais

Com o intuito de elaborar um documento para ser colocado em discussão na Conferência Nacional de Governança Democrática, que será realizada em Vitória (ES), nos dias 19 e 20 de março, vários especialistas se reuniram neste sábado (20), em um seminário sobre finanças municipais. O encontro aconteceu no Hotel Sheraton, na Praia de Santa Helena, e contou com especialistas de várias partes do Brasil.

Outras cidades brasileiras também estão realizando seminários temáticos. As palestras em Vitória discorreram sobre sistema tributário brasileiro, pacto federativo, repasses de recursos dos entes federados (União, Estados e Municípios) e troca de experiências nessas áreas.

Participaram do seminário Márcio Guedes, subsecretário de orçamento da Prefeitura Municipal de Vitória (PMV), Davi Diniz, secretário de Fazenda da PMV, Luiz Fernandes Braga, diretor de Finanças da Neltur (RJ), Roberto Bezerra, VEPPP, Fortaleza (CE), Luiz Cezar Moretzsohn, auditor fiscal (RJ), François Bremaeker, Observatório de Informações Municipais, Maria Amélia Enriquez, secretária adjunta de desenvolvimento do Pará, Fabrício Gandini, presidente do PPS-ES, Alberto Aggio, presidente da FAP, Felipe Salto, Luciano Rezende, prefeito de Vitória, André Gomyde, presidente da Companhia de Desenvolvimento de Vitória (CDV), Alcione Romero, secretária do PPS de Bom Despacho (MG), Fernando Cabral, prefeito de Bom Despacho (MG), Gustavo Von Krüger, PPS-BH, Ricardo Capillé, Carlos Alberto Lopes, PPS-PR, Arnaldo Souza dos Reis, economista do PPS-AM e Lenise Loureiro, secretária de Desenvolvimento da Cidade de Vitória.

Uma das questões abordadas foi a implantação da nota fiscal eletrônica e a importância dos entes municipais se estruturarem para gerir melhor essa questão.

O prefeito Luciano Rezende, anfitrião do seminário, elogiou o nível do encontro. “Estamos tratando de diagnósticos para os candidatos do PPS que irão disputar as eleições em outubro, em todo o Brasil e não só no Espírito Santo”, disse.

Luciano falou sobre experiências e ações adotadas em seu governo que contribuíram para redução de despesas e a melhoria da qualidade do gasto público.

“A conferência o mês que vem será maravilhosa. Os programas de governo estão prontos, a partir desses seminários, é só adaptar para o cenário local”, salientou Rezende.

O prefeito de Bom Despacho (MG), Fernando Cabral, contou um pouco de sua experiência e disse que herdou uma dívida milionária do seu antecessor. Além disso, começou a gestão com apenas 28% dos moradores contribuindo com o IPTU na sua cidade.

“Após realizarmos uma série de protestos dessas dívidas, esse percentual subiu de 28% para 80% de contribuintes adimplentes. Nós também implantamos a nota fiscal eletrônica e fizemos outras ações que serviram para compensar a perda de receita, principalmente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que teve uma redução de seu percentual de repasses”, pontuou Cabral.

A conferência nacional de março pretende mobilizar não apenas candidatos, mas a militância, dirigentes e o público em geral interessado na solução dos problemas das cidades.

Confiram abaixo a programação:

PROGRAMAÇÃO

19 de março de 2016 (sábado)

10h – Abertura solene

11h – Plenária: O que é governança democrática?

13h – Intervalo para almoço

15h – Grupos Temáticos:

1 – Assistência à Saúde

2 – Educação

3 – Segurança Pública

4 – Mobilidade Urbana

5 – Finanças Municipais

6 – Parcerias Público-Privadas – PPP’s

7 – Cultura, Esporte e Lazer

19h – Encerramento dos trabalhos dos grupos

21h – Jantar

20 de março de 2016 (domingo)

10h – Plenária final de encerramento

11h – Lançamento do Livro do Luciano Rezende sobre a gestão de Vitória

12h – Encerramento da conferência