protesto

Dezenas de milhares protestam contra o fascismo na Itália

Italianos saem às ruas de Roma a favor da democracia e pedem proibição de grupos neofascistas

DW Brasil

Dezenas de milhares de italianos saíram às ruas de Roma em protesto contra o fascismo neste sábado (16/10), uma semana depois de extremistas de direita invadirem a sede da maior associação sindical da Itália, durante atos contrários às medidas anticoronavírus no país.

A manifestação antifascista foi liderada pelo chefe da federação sindical CGIL, Maurizio Landini, ao lado de outros líderes sindicais, sob o slogan "Fascismo nunca mais". Organizadores estimaram que até 100 mil manifestantes estiveram reunidos na praça de San Giovanni in Laterano – historicamente associada à esquerda.

"Esta não é apenas uma réplica ao 'esquadrismo' fascista", disse Landini à multidão, citando uma palavra usada para se referir às milícias fascistas que começaram a operar após a Primeira Guerra Mundial. "Esta praça também representa todos aqueles na Itália que querem mudar o país, que querem fechar as portas à violência política."

Alguns dos presentes agitavam cartazes onde se lia "Si vax" (vacina sim), uma resposta direta aos manifestantes armados com pedaços de pau e barras de metal que destruíram a sede da CGIL na capital italiana em 9 de outubro, sob o símbolo "No vax".

Na ocasião, a polícia deteve 12 pessoas, incluindo líderes do partido de extrema direita Forza Nuova (Força Nova), após milhares saírem às ruas contra os chamados "passes verdes", recém-impostos aos trabalhadores italianos.

Desde esta sexta-feira, só podem comparecer ao local de trabalho na Itália os funcionários que estiverem vacinados, tiverem se recuperado de covid-19 ou apresentarem um teste negativo.

Em Roma, os protestos do fim de semana passado descambaram para a violência. Várias centenas de pessoas se separaram da manifestação na capital italiana e tentaram marchar até o Parlamento e, aparentemente, também invadir o escritório do primeiro-ministro, Mario Draghi, que fica nas proximidades. Houve confrontos com a polícia. Outros invadiram a sede da CGIL, atacaram guardas e destruíram escritórios. Alguns policiais ficaram feridos.

"Um país sem memória não pode ter um futuro"

Landini, secretário-geral da CGIL, comparou a invasão de sábado passado com os ataques às uniões sindicais por parte do recém-fundado Partido Nacional Fascista em 1921. O líder fascista Benito Mussolini assumiu o poder no ano seguinte e depois levou a Itália à Segunda Guerra como aliada da Alemanha nazista.

A CGIL e outros dos principais sindicatos italianos, também presentes na manifestação deste sábado, pediram ao governo que dissolva e proíba grupos neofascistas e neonazistas, bem como o partido de extrema direita Forza Nuova.

"Pedimos atos concretos, não apenas conversa fiada. É hora de o Estado demonstrar sua força democrática na aplicação da lei e da Constituição", afirmou Landini. "Um país que perde sua memória não pode ter um futuro."

O chefe da Confederação Geral do Trabalho Italiana (CISL), Luigi Sbarra, por sua vez, afirmou que o ataque contra sindicatos liderado pelo Forza Nuova fez com que "estar ali fosse a única escolha, unidos contra todos os tipos de fascismo". Ele também clamou pela rápida dissolução da legenda por parte das autoridades italianas.

Fonte: DW Brasil
https://www.dw.com/pt-br/dezenas-de-milhares-protestam-contra-o-fascismo-na-it%C3%A1lia/a-59529232


Fux pede respeito institucional no 7 de setembro

Ministro disse que liberdade dos cidadãos é conquista da sociedade

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, pediu nesta quinta-feira (2) responsabilidade cívica e respeito institucional nas manifestações de rua que estão programadas para o dia 7 de setembro. Em discurso na abertura da sessão da Corte, Fux afirmou que a liberdade de expressão não comporta violências e ameaças. 

Segundo Fux, as liberdades dos cidadãos não são benesses do Estado, mas conquistas da democracia brasileira. 

“Por isso mesmo, esta Suprema Corte, guardiã maior da Constituição e árbitra da Federação, confia que os cidadãos agirão em suas manifestações com senso de responsabilidade cívica e respeito institucional, independentemente da posição político-ideológica que ostentam”, afirmou. 

O presidente também disse que a Corte é defensora da liberdade de expressão e que a “postura ativa e ordeira da população” a favor de pautas sociais e ideológicas fazem parte da democracia. 

“Num ambiente democrático, manifestações públicas são pacíficas, por sua vez, a liberdade de expressão não comporta violências e ameaças. O exercício de nossa cidadania pressupõe respeito à integridade das instituições democráticas e de seus membros”, completou.

Fonte: Agência Brasil
https://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2021-09/fux-pede-responsabilidade-e-respeito-institucional-no-7-de-setembro


WWF-Brasil: Indígenas protestam em Brasília

“Acampamento Luta pela Vida” mobiliza povos originários de diversas partes do país, que voltam à capital federal para fazer valer a Constituição

Cristina Ávila, especial para o WWF Brasil

Povos originários de diversas partes do país ocupam novamente Brasília. Desta vez, no “Acampamento Luta pela Vida”, que ocorre entre 22 e 28 de agosto. “A expectativa está grande. Até agora, a confirmação para essa mobilização está próxima de 4.700 indígenas”, afirma Kretã Kaingang, um dos coordenadores regionais da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). 

Isso porque o Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para quarta-feira (25) o julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 1.017.365, que trata de demarcações de terras e teve repercussão geral reconhecida pela Corte. Sendo assim, o que ficar decidido agora influenciará as próximas decisões judiciais sobre o tema. 

Nesse recurso está embutido o marco temporal, argumento defendido por ruralistas, segundo o qual somente teriam direito a terras os povos que as ocupavam ou disputavam antes de 5 de outubro de 1.988, data da promulgação da Constituição Federal. 

Mas, no capítulo VIII, a Constituição garante aos indígenas sua organização social, costumes, línguas, crenças, tradições e o usufruto das terras que tradicionalmente ocupam. Por esse motivo, as organizações indígenas ressaltam que o marco temporal, como querem os ruralistas, é inconstitucional. 



previous arrow
next arrow
 
previous arrow
next arrow


“O Supremo tem empurrado a decisão sobre o marco temporal e nos deixado inseguros sobre a demarcação de nossas terras”, reclama Kretã Kaingang. O julgamento do RE 1.017.365 chegou a ser iniciado no dia 11 de junho, mas foi suspenso. “Todos os processos fundiários de terras indígenas no Brasil estão paralisados desde 2019”, acrescenta o coordenador regional da Apib, pontuando que as exceções nesse período foram resultado de ordens judiciais. 

Se forem confirmadas as expectativas de Kretã Kaingang, o movimento de agosto será maior do que o “Levante pela Terra”, realizado de 8 a 28 de junho, quando cerca de 3.500 indígenas passaram por Brasília, conforme estimativas da Apib. Naquela ocasião, os indígenas foram rechaçados por bombas de efeito moral e gás de pimenta, na sede da Funai, e na Câmara dos Deputados. Pelo menos cinco indígenas e policiais ficaram feridos. 

“Estamos em um momento bastante difícil. Enfrentamos o Projeto de Lei 490/07, que passou na Comissão de Constituição e Justiça em junho e agora está no Senado, além do PL 191/2020, que permite mineração em terras indígenas, e do PL da Grilagem”, destaca Kretã Kaingang. 

O PL 490/07 transfere a demarcação de territórios do Executivo para o Legislativo. Já o PL 191/2020 regulamenta a mineração em terras indígenas. O PL da Grilagem é o PL 2633/2020, criticado por enfraquecer controles sobre a ocupação de terras públicas, abrindo caminho para anistiar grileiros e criminosos ambientais, que invadem territórios tradicionais. Enquanto isso, avançam as contaminações por mercúrio, assassinatos de indígenas e queimadas e o desmatamento bate recordes sucessivos. 

Se os projetos forem aprovados na Câmara e Senado, os indígenas deverão ingressar com ações de inconstitucionalidade no STF, pois serão violadas cláusulas pétreas da Constituição. Mudanças nesse sentido só seriam possíveis caso fosse promulgada uma nova Constituição.

Fonte: WWF-Brasil
https://www.wwf.org.br/informacoes/noticias_meio_ambiente_e_natureza/?79588/Indigenas-protestam-em-Brasilia


Folha de S. Paulo: Contra racismo, futebol inglês decide boicotar redes sociais por 4 dias

Contas dos times de todas as divisões profissionais no Facebook, Instagram e Twitter não serão atualizadas

O futebol inglês vai boicotar Facebook, Instagram e Twitter por quatro dias a partir da próxima sexta-feira (30). A iniciativa, divulgada neste sábado (24), é um protesto porque clubes, federações, associações de jogadores e torcedores acreditam que as plataformas fazem pouco para combater o racismo.

A ação vai englobar a Federação Inglesa (FA), a Premier League (liga dos clubes que organiza a primeira divisão), a EFL (English Football League, responsável pelos torneios da 2ª a 4ª divisão), as duas principais competições femininas e outras seis entidades ligadas a atletas, torcedores e ONGs que lutam contra discriminação no esporte.

Isso significa que as contas dos clubes e federações não serão atualizadas no próximo final de semana. Nas partidas da Premier League, serão 20 times envolvidos. Apenas Manchester United, Manchester City, Chelsea e Liverpool têm 478 milhões de seguidores espalhados pelas três redes sociais.

Em fevereiro deste ano, as organizações enviaram uma carta conjunta às plataformas pedindo maior agilidade na retirada de postagens e comentários racistas, melhores filtros para evitar este tipo de conteúdo e maior capacidade para expulsar usuários. Também pediram que Twitter, Facebook e Instagram trabalhassem melhor com a polícia para identificar e processar responsáveis por mensagens racistas.1 4

Usuários utilizaram emojis (figurinhas) de macacos para atacar o volante brasileiro Fred, do Manchester United, nas redes sociais

"Embora algum progresso tenha sido feito, reiteramos esses pedidos hoje em uma tentativa de reduzir o incansável fluxo de mensagens discriminatórias e assegurar que existam consequências reais para os responsáveis", diz o comunicado divulgado.PUBLICIDADE

Clubes, federações e entidades que assinam o manifesto também solicitam ao governo do Reino Unido que apresse a apresentação de projeto de lei que torna as redes sociais responsáveis pelo conteúdo postado e, com isso, também possam responder judicialmente por ele.

"A Premier League e nossos clubes se unem ao futebol ao realizar este boicote para ressaltar a necessidade urgente para que as redes sociais fazerem mais para excluir ódio racial. Queremos ver melhorias significativas nas suas políticas de conduta e nos processos para combater ofensas discriminatórias em suas plataformas", disse o CEO da Premier League, Richard Masters.


13 de março: o Movimento Brasil Livre #MBL no #ProgramaDiferente

O #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, acompanhou os protestos de 13 de março na Avenida Paulista. Ouviu os líderes do MBL (Movimento Brasil Livre) Kim Kataguiri e Fernando Holiday, e também acompanhou o pronunciamento de políticos da oposição como o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) e os deputados Roberto Freire (PPS-SP), Bruno Araújo (PSDB-PE), Carlos Sampaio (PSDB-SP), Nilson Leitão (PSDB-MT), Pauderney Avelino (DEM-AM) e Darcísio Perondi (PMDB-RS) no carro do MBL. Assista.


Uma rápida reflexão sobre os protestos #ContraTarifa #3e80Não

Primeiro: Violência e excessos devem ser combatidos dos dois lados. Imparcialidade não existe quando se defende (ou se ataca) um lado só.

Segundo: A violência não é "infiltrada", mas tática deliberada de parte dos manifestantes. Vamos encarar os fatos?

Terceiro: Ao final de cada manifestação, e dos confrontos previsíveis, apela-se para uma guerra de imagens. Manifestante ferido x PM ferido. Quando violência prevalece, ninguém tem razão!

tweetprotesto

Você percebe o partidarismo quando o manifestante #ContraTarifa só critica um dos partícipes: ou só o governador ou só o prefeito.

Ou, por outro lado, quando o "cidadão de bem" só critica e desqualifica os manifestantes, como se fossem todos bandidos. Pode isso?

Quando criticam a suposta truculência da Polícia Militar do Geraldo Alckmin não vale poupar Fernando Haddad e a Prefeitura de São Paulo, né? Ou algum lado atende melhor o Movimento Passe Livre? Ah, vá!

Mas também não tem como fechar os olhos para os excessos da PM. Assista. Não dá para sair agredindo qualquer um que se manifeste. Ponto. (Se fosse o seu filho ou filha apanhando na rua de um militar sustentado pelo seu imposto, qual seria a sua reação?) 

Manifestação #ContraTarifa #3e80Não, portanto, é justa e legítima, tanto quanto #ForaDilma #ForaPT‪#‎ImpeachmentJá‬. Ou liberdade só vale para um lado?

Talvez, por um senso de justiça, os protestos não devessem se limitar a ser só #ContraTarifa. Por coerência, entendemos que a juventude deve sair às ruas também para se manifestar pró ‪#‎LavaJato‬, pelo ‪#‎ForaDilma‬, ‪#‎ForaPT‬ e pela prisão dos corruPTos, né? Mas cada um segue a própria consciência, como bem entender.

Resumo da ópera: neste segundo grande ato de protesto, na terça-feira, 12 de janeiro, os manifestantes queriam ir da Paulista ao Largo da Batata, pela Rebouças, na zona oeste. A PM só liberou o caminho oposto, pela Consolação, em direção ao centro. Confronto óbvio. Bombas. Haddad e Alckmin xingados. Quebra-quebra.

Enfim, alguém ganhou com isso? Quem?


Ato contra R$ 3,80 termina em confronto e vandalismo

O #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, acompanhou toda a manifestação contra o aumento das tarifas do transporte público (ônibus, trem e metrô) de São Paulo, nesta sexta-feira, 8 de janeiro, que terminou em confronto e quebra-quebra. Assista.

Os protestos seguiam pacificamente pelo centro da cidade, mas a Polícia Militar reagiu quando manifestantes invadiram a pista da Avenida 23 de Maio. A resposta dos black blocs foi aquela de sempre: pedras, paus, garrafas, rojões e a depredação do patrimônio público (ônibus atacados, lixeiras queimadas, orelhões destruídos, agências bancárias vandalizadas).

É uma pena, porque a reivindicação contra o reajuste das tarifas para R$ 3,80 é legítima. A violência enfraquece a argumentação dos manifestantes e coloca a maioria da população contra esse modo de ação. Outra manifestação já está convocada para a próxima terça-feira, 12 de janeiro.

O #ProgramaDiferente ouviu um dos representantes do Movimento Passe Livre, Vitor dos Santos, jovem de 19 anos, e no outro extremo um frequentador assíduo de manifestações, José de Freitas, de 88 anos de idade, o "Vovô das Passeatas"; também ouviu o padre Julio Lancelotti, geralmente vinculado ao PT mas que é crítico ferrenho da gestão do prefeito Haddad; a jornalista Laura Capriglione, ícone do chamado jornalismo independente; e o presidente do PPS e ex-superintendente de fiscalização da SPTrans, Carlos Fernandes.