Uma rápida reflexão sobre os protestos #ContraTarifa #3e80Não

Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter

Primeiro: Violência e excessos devem ser combatidos dos dois lados. Imparcialidade não existe quando se defende (ou se ataca) um lado só.

Segundo: A violência não é “infiltrada”, mas tática deliberada de parte dos manifestantes. Vamos encarar os fatos?

Terceiro: Ao final de cada manifestação, e dos confrontos previsíveis, apela-se para uma guerra de imagens. Manifestante ferido x PM ferido. Quando violência prevalece, ninguém tem razão!

tweetprotesto

Você percebe o partidarismo quando o manifestante #ContraTarifa só critica um dos partícipes: ou só o governador ou só o prefeito.

Ou, por outro lado, quando o “cidadão de bem” só critica e desqualifica os manifestantes, como se fossem todos bandidos. Pode isso?

Quando criticam a suposta truculência da Polícia Militar do Geraldo Alckmin não vale poupar Fernando Haddad e a Prefeitura de São Paulo, né? Ou algum lado atende melhor o Movimento Passe Livre? Ah, vá!

Mas também não tem como fechar os olhos para os excessos da PM. Assista. Não dá para sair agredindo qualquer um que se manifeste. Ponto. (Se fosse o seu filho ou filha apanhando na rua de um militar sustentado pelo seu imposto, qual seria a sua reação?) 

Manifestação #ContraTarifa #3e80Não, portanto, é justa e legítima, tanto quanto #ForaDilma #ForaPT‪#‎ImpeachmentJá‬. Ou liberdade só vale para um lado?

Talvez, por um senso de justiça, os protestos não devessem se limitar a ser só #ContraTarifa. Por coerência, entendemos que a juventude deve sair às ruas também para se manifestar pró ‪#‎LavaJato‬, pelo ‪#‎ForaDilma‬, ‪#‎ForaPT‬ e pela prisão dos corruPTos, né? Mas cada um segue a própria consciência, como bem entender.

Resumo da ópera: neste segundo grande ato de protesto, na terça-feira, 12 de janeiro, os manifestantes queriam ir da Paulista ao Largo da Batata, pela Rebouças, na zona oeste. A PM só liberou o caminho oposto, pela Consolação, em direção ao centro. Confronto óbvio. Bombas. Haddad e Alckmin xingados. Quebra-quebra.

Enfim, alguém ganhou com isso? Quem?

Privacy Preference Center