internet

Política Democrática: Ativismo das redes sociais se concretizou com eleição de Bolsonaro, diz Guilherme Mendes

Cientista político avalia, em artigo publicado na revista Política Democrática online de dezembro, que sociedade vive falsa impressão de controle social

Cleomar Almeida

Redes sociais estão sendo usadas nos processos decisórios de maior importância em todo o mundo, como referendos e eleições nacionais. No Brasil, esse ativismo se concretizou em influência política real com a eleição de Jair Bolsonaro. A avaliação é do cientista político, gestor corporativo e líder do Política Simples para Indignados, Guilherme Mendes.

» Acesse aqui a revista Política Democrática online de dezembro

Em artigo publicado pela revista Política Democrática online de dezembro, produzida e editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), o cientista político avalia que a sociedade vive uma falsa impressão de controle social a partir da popularização das redes sociais. “Quando a interação entre política, gestão pública e tecnologia está em pauta, a discussão tende a se restringir ao impacto das redes sociais na criação de fatos políticos, verdadeiros ou não, que podem influenciar decisões políticas e processos eleitorais”, escreveu ele.

No entanto, de acordo com o gestor corporativo, as redes sociais, sozinhas, não são capazes de transformar um país. “Será necessário ampliar o tímido debate sobre a capacidade da tecnologia de transformar a forma como fazemos política, desenvolvemos política pública e exercemos o verdadeiro controle social”, disse, para prosseguir: “É cediço que as redes sociais cumprem, durante a última década, preponderante papel no jogo da democracia representativa. Isso é válido tanto para países de idade média jovem, como naqueles de pirâmide etária mais madura”.

No artigo, Mendes observa que, de um lado, as manifestações da Primavera Árabe em mais de dez países (2010), Occupy Wall Street (2011), os protestos do Gezi Park na Turquia (2013) e as Jornadas de Junho no Brasil (2013) possivelmente não tivessem ocorrido senão através de canais alternativos de comunicação. “De outro lado, o ativismo de rede social se concretizou em influência política real através de grupos de esquerda e direita, como é o caso do Movimento Brasil Livre (MBL) e da Mídia Ninja, que possuem audiência consolidada e influenciam milhões de pessoas”, acrescentou.

 

Leia mais:

» Quilombo dos Palmares representava alternativa de vida, afirma Ivan Alves Filho

» ‘Avanço da extrema-direita torna obrigatório reexame político do AI-5”, diz José Antônio Segatto

» Governo Bolsonaro pode enfrentar dificuldades entre aliados, afirma Elena Landau

» Tudo pode ser o oposto do que aparenta, diz Martin Cezar Feijó 

» Política Democrática: ‘Bolsonaro foi deputado de inexpressiva atuação em quase 30 anos de mandato’, diz Marina Silva

» Política Democrática: Bolsonaro necessita de ‘núcleo duro’ para governar, diz Marco Aurélio Nogueira

» Ameaça da Belo Monte a índios é destaque da Política Democrática online de dezembro

» “Governo Bolsonaro têm tendência de cometer desastres na área internacional”, diz Rubens Ricupero

» Revista Política Democrática online de dezembro destaca viagem à Volta Grande do Xingu

» Revista Política Democrática online alcança quase 225 mil acessos em duas edições

» Política Democrática online de novembro repercute eleição de Bolsonaro

» FAP lança revista Política Democrática digital


Política Democrática: Globalização promoveu aumento da riqueza, afirma Vinícius Müller

Doutor em História Econômica e professor do Insper observa que fenômeno também provocou separações sociais

Por Cleomar Almeida

O doutor em História Econômica e professor de Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) Vinícius Müller diz que a globalização é um “fenômeno mais complexo que promoveu aumento da riqueza na mesma medida em que desarticulou antigas estruturas produtivas e sociais”. “A globalização não era, como pensávamos há mais de vinte anos, um novo imperialismo encabeçado pelos norte-americanos”, afirma ele, em artigo publicado na edição de novembro da revista Política Democrática online, produzida e editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), vinculada ao Partido Popular Socialista (PPS).

De acordo com Vinícius Müller, as novas separações sociais produzidas pela globalização na sociedade norte-americana não são exclusivamente econômicas. “Elas estão relacionadas ao questionamento que parte da sociedade faz em relação aos valores que construíram aquela nação. De um lado políticas identitárias, de outro, xenofobia. Entre eles um hiato. É neste espaço que mora o diabo”, ironiza ele.

» Acesse aqui a edição de novembro da revista Política Democrática online

No fim do século passado, de acordo com o doutor em História Econômica, quando a combinação entre o fenômeno da globalização e a retomada dos valores liberais se arvorava como o modelo único, duas posições antagônicas se estabeleceram, conforme ele escreve. “Uma delas dizia que a abertura dos mercados nacionais, a maior velocidade nas trocas de mercadorias e moedas, assim como a formação de cadeias produtivas globais, garantiriam a ampliação da riqueza e melhoria significativa no padrão de vida de pessoas espalhadas pelo globo”, afirma, para continuar: “Outra, contrária, apostava na hipótese de que a globalização em sua vertente neoliberal nada mais era do que retomada do imperialismo do século XIX, agora liderado pelo EUA. Os resultados, depois de 30 anos, não cabem em slogans tão simples assim”.

No plano geral, conforme destaca o professor do Insper, a produção e a circulação de riquezas aumentaram. “Grupos populacionais imensos foram beneficiados pela ampliação do mercado, descentralização produtiva e aumento da produtividade e da riqueza”, acentua ele, e um trecho do artigo. “A urbanização de contingentes populacionais maiúsculos na China e na Índia, a transferência de partes significativas da produção industrial para países como o Vietnã e o aumento da qualidade de vida em países do leste europeu são visíveis. Em uma constatação anti-intuitiva, os países que mais ganharam com a globalização não foram aqueles que, no início do século, pareciam ser os impositores desta ordem”.

Na avaliação do autor, portanto, o que parecia ser uma imposição voltada à abertura de mercado mundial aos EUA, como um “neoimperialismo”, segundo ele, não se confirmou na medida em que tal processo produziu mais efeitos benéficos, ou que foram proporcionalmente maiores, em países como Chile, Coreia do Sul, Austrália e Lituânia do que nos EUA.

“A constatação de que a globalização, de fato, produziu mais riqueza e ampliou a qualidade de vida de enormes contingentes populacionais, e que hoje a tese de um imperialismo norte-americano parece fruto da ingenuidade da juventude, não significam a confirmação de que tal processo ocorreu sem efeitos colaterais que hoje batem à nossa porta. O mais importante entre eles é a ampliação da desigualdade. Não aquela que os críticos da globalização imaginavam que ocorreria entre os países”, diz outro trecho.

Vinícius Müller também diz que um argumento que atenuava o avanço da desigualdade afirmava que “é melhor viver em um país desigual e rico do que em um igualitário e pobre”. “Tem sentido, até porque a riqueza quando cresce beneficia a todos, mesmo que em níveis diferentes. O exercício retórico era simples: em uma sociedade na qual vive Bill Gates, a renda per capita cresce, mas a desigualdade também”, acrescenta o autor. “E, certamente, é melhor viver numa sociedade que tem a oportunidade de ampliar sua produção de riqueza a partir do uso das ferramentas criadas pelo fundador da Microsoft. O problema é que tamanha desigualdade começa a impactar em outras questões que fogem do escopo deste argumento”, assevera ele.

 

Leia também:

» “Entramos na era da mentira”, diz Sérgio Denicoli

» “Bolsonaro significa o novo”, diz Paulo Baía

»Eleição de Bolsonaro põe fim a um ciclo, diz presidente nacional do PPS

» “Faz sentido um superministério da Economia?”, questiona ex-deputado federal do PSDB

» Congresso eleito é “mais liberal, atrasado e temerário”, afirma Antônio Augusto de Queiroz

» “Privatizações não resolvem o problema fiscal”, diz José Luís Oreiro

» Em 2018, GDF tem segundo pior investimento aplicado na assistência social em 10 anos

» Eleição de Bolsonaro deve gerar “novo governo de transição”, diz Sérgio Abranches

» Política Democrática online de novembro repercute eleição de Bolsonaro


Política Democrática: “Entramos na era da mentira”, afirma Sérgio Denicoli

Pós-doutor em comunicação analisa avanço da internet, em artigo publicado na edição de novembro da revista Política Democrática online

Por Cleomar Almeida

O pós-doutor em Comunicação e diretor da AP Exata – Inteligência Artificial, Sérgio Denicoli, diz que a expansão da internet, possibilitada pelo surgimento da web, em 1989, sustentou a crença de que “o novo meio online seria um grande campo de liberdade”. No entanto, hoje, segundo ele, “entramos na era da mentira, das teorias da conspiração, que influenciam nossos amigos e familiares”, como escreve em artigo publicado na edição de novembro da revista Política Democrática online, produzida e editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), vinculada ao Partido Popular Socialista (PPS).

Com o título “As doces, atraentes e estimulantes fake news”, o artigo ressalta que, no início, a ideia que havia era de que finalmente o mundo se livraria das amarras da mediação da imprensa, que, segundo ele, é “contaminada pelos seus mais diversos interesses e pela sua proximidade com o poder político”.

» Acesse aqui a edição de novembro da revista Política Democrática online

No final dos anos 1980, como observa o pós-doutor em Comunicação, acadêmicos e críticos entendiam que a imprensa desenhava toda a narrativa da vida pública e que a internet trazia ao mundo a possibilidade de democratização da informação. “As pessoas comemoraram, então, o surgimento do chamado ‘jornalista cidadão’, aquele que não precisava de intermediários para difundir uma notícia. Foi uma onda avassaladora a transformação dos internautas em produtores e não apenas consumidores de conteúdo”, escreve ele, em um trecho.

No entanto, de acordo com Sérgio Denicoli, houve mudança não apenas no ato de se reportar algo. “A internet viria a colocar em causa muitas profissões que tinham a mediação como norte. Foi assim que aconteceu a revolução do Uber, do Airbnb – que permite às pessoas comuns alugarem suas próprias casas como se fossem hotéis –, dos classificados, do comércio de imóveis, entre tantos outros exemplos. Enquanto essas mudanças eram comemoradas, o mundo não percebeu que, aos poucos, a internet foi sendo capturada”, acrescenta ele.

Segundo o diretor da AP Exata – Inteligência Artificial, empresas ultraglobais, como Google, Facebook, Twitter etc, construíram resorts de comunicação e cooptaram bilhões de usuários, os quais, conforme ressalta ele, foram transformados “em produtos narcisistas municiados de espelhos hipnotizadores”. “Ocorreu, portanto, a digitalização da vida, com ideias, opiniões e momentos privados devidamente classificados e armazenados em data centers espalhados pelo planeta. As pessoas foram agrupadas em bolhas e viraram presas”, afirma Sérgio Denicoli.

Assim, conforme aponta o artigo, “um ambiente que chegou anunciando liberdade se tornou uma prisão sem muros, com requintes apurados de cooptação ideológica”. “Tudo devidamente disseminado por robôs e alimentado pelo que denominamos de ‘perfis de interferência’, criados especificamente para interferir nos mais diversos processos que envolvem a opinião pública”.

Na avaliação do pós-doutor em Comunicação, a sociedade entrou não somente “na era da mentira”, mas também na das “teorias da conspiração, que influenciam nossos amigos e familiares”. “Estabeleceu-se um surto coletivo, onde, se achando mais que especial, o internauta acredita que sua vida é o centro das atenções e que sua opinião deve prevalecer, sendo ela apoiada em pós-verdades, se assim for necessário. Uma doce ilusão. Tão doce e atraente, como uma bem construída fake news”, escreve ele, no artigo.

 

Leia também:

» “Bolsonaro significa o novo”, diz Paulo Baía

»Eleição de Bolsonaro põe fim a um ciclo, diz presidente nacional do PPS

» “Faz sentido um superministério da Economia?”, questiona ex-deputado federal do PSDB

» Congresso eleito é “mais liberal, atrasado e temerário”, afirma Antônio Augusto de Queiroz

» “Privatizações não resolvem o problema fiscal”, diz José Luís Oreiro

» Em 2018, GDF tem segundo pior investimento aplicado na assistência social em 10 anos

» Eleição de Bolsonaro deve gerar “novo governo de transição”, diz Sérgio Abranches

» Política Democrática online de novembro repercute eleição de Bolsonaro


Cora Rónai: A voz do povo é a da internet

Resultados do 1º turno mostram que políticos e partidos tradicionais terão que se reinventar

Pouco antes do começo do horário eleitoral, escrevi que, para além da óbvia disputa partidária, estávamos diante de um outro embate da maior importância: o da mídia tradicional contra a internet. Hoje não sei se "embate" é a palavra certa, porque não houve propriamente uma disputa - estamos falando, na verdade, de uma mudança de paradigma irreversível, de uma nova etapa na história da comunicação.

Diante dos resultados de domingo, resta pouca dúvida de que, hoje, a internet é a maior ferramenta eleitoral. Geraldo Alckmin, que tinha um latifúndio de espaço em rádio e TV, e uma das maiores máquinas eleitorais do país, não conseguiu 5% dos votos, ao passo que Jair Bolsonaro, com espaço minúsculo nas mídias tradicionais, quase leva a presidência de primeira, surfando nas redes sociais.

João Amoêdo, desconhecido do público, ausente dos debates, dono de míseros segundos de propaganda eleitoral, conseguiu ultrapassar nomes populares como Marina e Álvaro Dias na reta final, além de Henrique Meirelles, que só perdia em tempo de mídias tradicionais para Alckmin e Haddad.O fenômeno se repetiu, em maior ou menor grau, nas corridas para governador, senador, deputados. A maior surpresa aconteceu no Rio, onde um Wilson Witzel, ignorado pelas pesquisas, mas fortíssimo nos grupos de WhatsApp, foi vitorioso para o segundo turno.

Vai ser interessante observar os desdobramentos desses resultados. O grande motor das coligações espúrias, o tempo de televisão para a campanha, deixa de existir. Os partidos e políticos tradicionais vão ter que se reinventar, e começar a frequentar a internet, se quiserem se comunicar com o eleitor e se manter relevantes.

Com o fim da era da política em televisão e rádio chega ao fim também a era dos marqueteiros bilionários. Eles dão lugar ao pessoal que entende de redes sociais, que almoça e janta dados e se comunica por memes, e ao próprio eleitor, que nunca teve ferramentas tão poderosas ao seu alcance.Facebook e WhatsApp foram os canais preponderantes nessas eleições.

Há muito barulho sendo feito na mídia por conta de fake news mas, pessoalmente, continuo não acreditando que tenham a imensa importância que lhes é atribuída. Elas apenas reforçam o que as pessoas querem ouvir e, no fundo, não têm tanta diferença dos discursos e das promessas dos candidatos, fakes em sua essência desde que o atual sistema político foi implantado.

O que foi a apresentação de Dilma Rousseff ao eleitorado como uma gerente de inquestionável competência se não uma fake news descomunal? A diferença é que, para vender essa ideia, foram gastos R$ 1,4 bilhão, e a embalagem do produto foi feita de acordo com os cânones do marketing convencional, com seu viés de propaganda de margarina.

Dinheiro e poder pré-estabelecido deixam de ser determinantes na campanha, como prova a fragmentação inédita da Câmara. O eleitor tem uma força individual que nunca teve: ele pode influenciar parentes e amigos muito além da mesa de jantar ou dos encontros no botequim da esquina. Estamos diante de um fenômeno desconhecido, mas profundamente democrático.O risco é descobrir que a voz do povo não é a voz de Deus - ou que as intenções de Deus não são exatamente aquelas que esperávamos.


El País: Facebook dirá aos usuários quais sites e aplicativos usam seus dados e lhes permitirá apagar essas informações

A empresa anuncia também que está preparando um serviço de encontros, o Facebook Dating, e uma ferramenta de trabalho em grupo, o Workplace

Por Rosa Jiménez Cano, do El País

"Este ano foi intenso. Não parece que só foram quatro meses. Vamos garantir que ninguém use mal nossa plataforma. Sou otimista. Vamos fazer com que seja usada para fazer o bem.” Assim começou Mark Zuckerbeg sua participação nesta terça-feira na conferência F8, dedicada a abordar o futuro da rede social por ele fundada e dirigida, o Facebook, que está imerso em uma enorme polêmica mundial pelo uso incorreto que fez dos dados de seus usuários.

Minutos antes, a empresa havia anunciado por um comunicado que está construindo um novo controle de privacidade chamado Clear history (“limpar o histórico”) para permitir aos usuários eliminarem a possibilidade de que sites e aplicativos lhes enviem informação com base em seus dados. “Se algo aprendi ao testemunhar no Congresso é que não temos sido suficientemente claros nas respostas a perguntas sobre gestão de dados. Estamos trabalhando para que o controle volte para vocês. E logo haverá mais novidades”, disse o fundador da empresa no palco do centro de convenções de San José (Califórnia). Em seu ano mais difícil, falou cercado de desenvolvedores de aplicativos associados com sua plataforma.

Zuckerberg voltou a apresentar sua versão mais técnica, falando rápido com algumas pausas para risos, buscando a cumplicidade e vestido de modo diferente do habitual: mudou a camiseta cinza por uma azul-marinho de manga comprida.

No comunicado que comenta a nova estratégia, o vice-presidente de Privacidade do Facebook, Erin Egan, explica: “Escutamos comentários constantemente de pessoas que usam o Facebook, que defendem a privacidade e uma maior regulação; todos deveriam ter mais informações e controle sobre os dados que o Facebook recebe de outros sites e aplicativos que usam nossos serviços”. O comunicado chega depois dos abalos que a empresa sofreu nas últimas semanas após o vazamento maciço de dados de pelo menos 87 milhões de usuários do Facebook no escândalo da Cambridge Analytica. O caso obrigou Zuckerberg a comparecer diante do Congresso dos Estados Unidos para dar explicações.

"Hoje anunciamos planos para criar o Clear history. Esta característica permitirá que vocês vejam os sites e aplicativos que lhes enviam informações quando são usados, eliminar esta informação de sua conta e desativar nossa capacidade para armazená-la associada à sua conta no futuro. Os aplicativos e os sites que usam funções como o botão Curtir ou o Facebook Analytic nos enviam informações para melhorar o conteúdo e os anúncios. Também usamos estas informações para melhorar sua experiência no Facebook”, explicou o fundador em um post de sua página (declarações que repetiu na conferência).

O usuário, segundo explicou o Facebook, poderá com o Clear history remover a informação que o identifique para que sites e apps não a associem a sua conta. “Levará alguns meses para criar o Clear history. Trabalharemos com defensores da privacidade, acadêmicos, legisladores e reguladores para obter opiniões sobre nosso enfoque, incluindo a forma como planejamos eliminar a informação de identificação e os casos em que necessitamos de informação por motivos de segurança. Já começamos uma série de mesas redondas em cidades de todo o mundo e escutamos demandas específicas para controles como estes em uma sessão que tivemos em nossa sede há duas semanas. Estamos ansiosos para fazer mais”, acrescentou a empresa.

Um serviço de encontros
No plano mais frívolo, o Facebook mostrou duas novidades. Uma é o Watch Party, para ver vídeos com amigos, momento em que Zuckerberg fez uma brincadeira com seu comparecimento no Congresso em Washington: “Sei que muitos de vocês combinaram de ver e comentar”.

A outra questão é que o Facebook está obcecado com a fuga de usuários, por isso a abertura do Marketplace, para frear os anúncios verticais de segunda mão. Seu novo espaço a conquistar serão os encontros. O Facebook Dating quer competir com o Tinder de uma maneira mais suave e com o toque naif dos ícones. “Queremos que o Facebook seja um espaço para relações com sentido. Em breve chegará a todos”, revelou, embora não tenha esclarecido como serão utilizados os dados dos usuários para que esses encontros sejam relevantes;

Dentro do aplicativo de encontros serão propostos eventos, grupos e temas para começar a conversa de maneira suave. A troca de mensagens privada será separada do restante das conversas com amigos de cada perfil.

Também foi dada atenção a duas de suas aquisições mais importantes: Instagram e WhatsApp. O primeiro terá videochat. O segundo, uma dor de cabeça em muitos aspectos, acaba de ver seu fundador, Jan Koum, dizer adeus. Zuckerberg enfatizou o estado em que chegaram: “Não tinham uma criptografia e possibilidades como agora”. O WhatsApp também terá chamadas de vídeo em grupo.

Zuckerberg quis comprar o Snapchat quando era um serviço emergente. Não houve acordo. Então começou a derrubada adotando seu mecanismo de uso. As Stories, como batizaram a essa duvidosa inspiração, se tornaram a melhor fidelização no Instagram. Zuckerberg afirmou que vão estimular sua adoção em todo seu ecossistema.

A Oculus foi sua última comporá, sua entrada na realidade virtual. Depois de vários testes com celulares da Samsung, por fim lançaram uma versão para todos os públicos, o Oculus Go. Sai por 199 dólares (690 reais) nos Estados Unidos e 219 euros (919 reais) na Europa. Não é necessário usar um smartphone ou computador para entrar em universos paralelos.

Os polêmicos votos a favor e contra estão mais perto de chegar ao Facebook. Chris Cox, um dos diretores mais próximos do fundador, disse que não vão ficar só na Nova Zelândia, onde estão sendo testados.

Trabalhar com o Facebook
A irrupção do Slack, um chat de acompanhamento de tarefas, no mundo do trabalho criou um campo interessante para mais competidores. Desde a Microsoft com uma renovação em seu pacote de aplicativos a propostas minimalistas como o Asana. O Facebook quer somar-se com o Workplace, que começou a ser promovido há dois anos, com pouca aceitação por causa do preço.

Nesta nova tentativa foi criada uma versão grátis e outra paga, com mais opções. Durante a F8 se anunciou a integração com serviços de notícias como Reuters, Bloomberg e Business Insider para compartilhar informações de interesse para os profissionais dentro de seus grupos. O Workplace, cujo preço não foi detalhado, se concentra em três ideias: compartilhar melhor as informações, ficar por dentro das novidades e de mudanças, daí a integração com agências de notícias.

Outro dos pontos em favor é que contam com ferramentas para modular o nível de acesso e quem tem acesso a que tipo de conteúdo. A ambição de Zuckerberg é fazer desta ferramenta um substituto da intranet em lugar de um mero chat.


El País: O fim da neutralidade da internet nos EUA pode afetar o Brasil?

Temor dos críticos à medida é que mudança reabra debate sobre o tema. No Brasil, a lei garante a neutralidade da rede, mas com exceções.

Por Heloísa Mendonça, do El País

A agência que regula a Internet nos Estados Unidos aprovou, nesta quinta-feira, o fim do princípio de neutralidade da rede do país. Dessa maneira, a Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês) reverteu o entendimento da Internet como um serviço público, no qual os provedores são obrigados a tratar todos os dados da rede de maneira igual, sem importar sua origem, tipo e destino. Se a decisão for realmente referendada pelo Congresso americano,  será permitido às operadoras separar conteúdo, priorizar alguns e cobrar por pacotes diferenciados de acesso.

A resolução, que gerou forte controvérsia em Washington, derruba a regras impostas em 2015, no Governo de Barack Obama, para que o fluxo de dados da rede não fosse influenciado pelas operadoras de telecomunicações. Críticos temem que para utilizar serviços como transmissão de vídeos por streaming - como os da Netflix - ou jogos online, as operadoras passem a cobrar taxas maiores.  Ou seja, os planos de acesso à Internet seriam parecidos aos de TV a cabo.

No Brasil, o temor dos que se opõem à medida é que a mudança adotada nos Estados Unidos possa reabrir o debate sobre o tema no país. Aqui, a neutralidade de rede passou a ser garantida a partir de 2014, quando o Marco Civil da Internetentrou em vigor. De acordo com a legislação brasileira, empresas não podem discriminar os dados que trafegam na rede e tem o dever de "tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino".

O decreto que regulamenta a lei, assinado por Dilma Rousseff em 2016, prevê exceções específicas à neutralidade dos dados, por exemplo, em serviços de emergência - como a necessidade do Governo de alertar a população sobre uma catástrofe natural.

“Essa decisão dos EUA deve realimentar os discursos das operadoras para quebrar a neutralidade, eles farão lobby e tentarão mostrar que isso é uma tendência mundial. Mas não é verdade. Assim como o Brasil, existem diversos países na Europa que se mantêm fiéis ao princípio de neutralidade”, afirma Sérgio Amadeu, membro do Comitê Gestor da Internet (CGI).

Na opinião de Amadeu, o maior problema da decisão americana é possibilitar um possível bloqueio à inovação na rede. Hoje, a legislação garante igual acesso a todas as empresas que queiram lançar serviços e produtos na internet. “Temos uma rede aberta, democrática. Com a quebra da neutralidade, você burocratiza, e pode obrigar aos criadores de novos aplicativos e ferramentas a terem que negociar com as operadoras o acesso aos seus serviços”, explica.

Já o SindiTelebrasil apoia a nova regulamentação americana. Para o sindicato que reúne as maiores operadoras do mercado brasileiro, não deveria haver regra alguma que interfira na gestão do tráfego das prestadoras de telecomunicações.

Na avaliação de Flavia Lefèvre, advogada da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), uma quebra de neutralidade no Brasil, apesar de ser apoiada por fortes grupos econômicos, não seria tão fácil já que a alteração demandaria uma mudança na legislação. "Institucionalmente e juridicamente, a situação dos serviços de internet brasileiro e americano são muito diferentes. Lógico que os EUA, com seu protagonismo, influencia o mundo inteiro. Mas, quem fala que haverá uma reação imediata está sendo oportunista", diz.

Para Lefèvre, em um país com uma desigualdade grande ao acesso à Internet como o Brasil, a neutralidade da rede é fundamental. "Quebrar esse princípio em um lugar onde 50% dos domicílios do país não têm acesso à rede, e, mesmo entre os 50% que têm, só 23%  possuem acesso à banda larga fixa, é um desastre. Você vai contrariar outro direito que é o da inclusão digital". explica a advogada. Segundo Lefèvre, a sociedade civil ainda está absorvendo exatamente os direitos do Marco Civil da Internet.

Polêmica sobre franquia ilimitada para alguns aplicativos

A adoção de regras de proteção da neutralidade, em 2014, dificultou certas práticas de gestão discriminatória do tráfego e estimulou a procura de outras estratégias para as operadoras  maximizarem os próprios lucros, segundo Luca Belli, pesquisador do Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV e especialista de neutralidade da rede pelo Conselho da Europa. Uma delas, por exemplo, foi a de operadoras de telefonia móvel . Algumas passar a oferecer acesso ilimitado apenas a alguns aplicativos, como o WhatsApp e Facebook, o que é conhecido como zero rating. "Mas essas práticas consistem em uma discriminação de preços para serviços diferentes, permitindo que uma operadora subsidie o acesso do usuário a aplicativos por ela selecionados. É um absurdo você não pode ter acesso livre para apenas X aplicativos", explica.

No entanto, segundo nota técnica do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), as práticas de zero rating não violam o Marco Civil da Internet, tampouco o princípio da neutralidade de rede.A advogada do Proteste, assim como Belli, defende que essa prática avalada pelo Cade representa sim quebra de neutralidade. "Você não pode discriminar o pacote por origem e destino. Então quando acaba a franquia e você tem apenas acesso a determinado aplicativo é uma discriminação. Falta fiscalização dos direitos e uma ação conjunta de todos os órgãos competentes para seguir as diretrizes definidas ", diz Lefèvre.


Monica de Bolle: Guerreiros de teclado

O resultado é uma arena de cacofonia onde tribos gritam e se esbofeteiam na internet e, de bom mesmo, nada sai

“Há algo terrivelmente errado. Os Estados Unidos, hoje, são país obcecado pela adoração de sua própria ignorância. Não se trata do fato de que as pessoas não saibam muito sobre a ciência, a política, a geografia; elas não sabem, mas isso sempre foi assim. (…) O problema maior é que hoje nos orgulhamos de nossa própria ignorância. A ignorância, especialmente em relação a qualquer coisa associada à política pública, é virtude. (…) Tudo é passível de conhecimento, e toda opinião sobre qualquer assunto é tão válida quanto qualquer outra.” O trecho é de “The Death of Expertise”, livro de Tom Nichols publicado pela Oxford University Press esse ano.

Leiam novamente o início da segunda frase. Substituam “os Estados Unidos” por “Brasil”. Soou familiar? Não importa qual seja sua profissão, é provável que, em algum momento, tenha encontrado opiniões disparatadas sobre sua área de conhecimento em alguma mídia social. Talvez você tenha tentado explicar para o indivíduo que expôs opinião equivocada os motivos de seu equívoco. Talvez você tenha se indignado com a possível resposta malcriada que de volta recebeu. Talvez você tenha resolvido não perder seu precioso tempo com a estultice que predomina nas redes, forma menos suave de denominar aquilo que o sociólogo Manuel Castells chamou de “autismo eletrônico”.

Como economista, já observei inúmeras opiniões equivocadas sobre políticas relacionadas à minha área de atuação e conhecimento, opiniões untadas de qualquer matiz ideológico. Há, por exemplo, o batido argumento de que o sistema previdenciário brasileiro é superavitário, e que, portanto, não há necessidade de reforma alguma. Há, também, o argumento de que as desigualdades estonteantes que esgarçam o Brasil seriam resolvidas bastasse que se reduzisse o tamanho do Estado e que se desse maior protagonismo ao indivíduo. Ambas as visões estão erradas, não só em suas premissas, mas em termos da assertividade com que são apregoadas.

Contudo, se a primeira for combatida mostrando que, na ausência de uma reforma da Previdência – e a de Temer deixa muito a desejar – a matemática implacável do envelhecimento populacional brasileiro levará ao caos nos próximos anos, o especialista será desqualificado, acusado de não conhecer a Constituição, não saber fazer conta, ou de ser “de direita”, logo descartável. Caso trate-se da segunda opinião, a tentativa de explicar ao interlocutor que a velha ideia de Estado mínimo jamais funcionaria em um País onde a desigualdade fundamental é de acesso às oportunidades – sobretudo ao ensino de qualidade, mas também à saúde, à segurança, ao saneamento básico, e por aí vai – as chances de que o especialista seja desconstruído com argumentos que variam de um longo discurso sobre as vicissitudes do Estado brasileiro até a denominação de “esquerdopata” são imensas.

O resultado é uma arena de cacofonia onde tribos gritam e se esbofeteiam no Facebook, no Twitter, e, de bom mesmo, nada sai. O que sai é a raiva, a indignação, a necessidade de preservar a visão de mundo errada para não ser expulso do grupo ao qual pertence o sujeito nas anarquias virtuais. Há três semanas, a matéria de capa da revista The Economist cavucou essa ferida. O fato de estarem as pessoas sugadas por suas “linhas de tempo”, seus “news feeds”, absortas em seus teclados, faz com que sejam facilmente sorvidas por sentimentos negativos. O discurso de intolerância é, assim, explorado com enorme facilidade por políticos que se alimentam desse ambiente de conspirações e desilusões. Não é preciso citá-los – sabemos, no Brasil quem eles são. Eles, no plural.

Eventualmente, haverá adaptação. O apelo das redes e das emoções que destilam desgaste há de diminuir. Até lá, entretanto, más políticas endossadas por maus governantes e políticos poderão resultar das brigas incessantes no mundo virtual, e do nefasto pouco caso que se faz dos especialistas. Já ouviram falar da Lei de Pommer? Diz ela que: “A opinião de uma pessoa pode mudar ao ler alguma informação na internet. A natureza dessa mudança será a de não ter opinião alguma para ter a opinião errada”. Opiniões erradas não costumam dar bom resultado nas urnas.

Esse é o risco que corre o Brasil em 2018 com seus guerreiros de teclado.

* Monica de Bolle é economista, pesquisadora do Peterson Institute for International Economics e professora da Sais/Johns Hopkins University

 

 


#ProgramaDiferente debate o ódio e a intolerância na internet

Ao acompanhar o lançamento do livro “O que aprendi sendo xingado na internet”, do jornalista, blogueiro e cientista político Leonardo Sakamoto, o #ProgramaDiferente debate a polarização, o ódio e a intolerância nas redes sociais.

Assista "Meia hora de reflexão sobre o ódio na internet", onde, além do próprio Sakamoto, são ouvidos os jornalistasJuca Kfouri e Eliane Brum; a fundadora da ONG feminista Think Olga, Juliana de Faria; a universitária Nátaly Neri, criadora do canal Afros e Afins; e PC Siqueira, youtuber (dos canais maspoxavida e Rolê Gourmet) e apresentador de TV.

Quais os limites entre a liberdade de expressão e a prática de um crime? Como combater o preconceito e enfrentar com civilidade as divergências, os ânimos exaltados, a intransigência e as polêmicas intermináveis na internet? Que momento é este que vivemos no Brasil, com cenas de estupro compartilhadas nas redes sociais? Assista e reflita.