desemprego

Herança Maldita: Mais de 50% da população na faixa dos 30 anos estão inadimplentes

Brasileiros na faixa dos 30 anos são os que mais atrasam contas, diz SPC.

50,19% da população nesta faixa etária terminou o semestre no vermelho.
Total de pessoas com contas em atraso aumentou 3,21% em junho.

Mais da metade dos brasileiros com idade entre 30 e 39 anos tem contas em atraso, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (11) pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

De acordo com a pesquisa, 50,19% da população nesta faixa etária terminou o último semestre com o nome inscrito em alguma lista de devedores, totalizando aproximadamente 17,0 milhões de inadimplentes em número absoluto.

“Geralmente, nessa idade as pessoas já são chefes de família e têm um número maior de compromissos a pagar, como aluguel, água, luz, entre outras despesas domésticas. Todos esses fatores aliados à falta de planejamento orçamentário e os efeitos da crise econômica, impactam negativamente na capacidade de pagamento”, explicou em nota a economista-chefe do SPC Brasil Marcela Kawauti.

A proporção de inadimplência entre as pessoas com idade de 25 a 29 anos também chama atenção. Segundo a pesquisa, 48,58% das pessoas dessa faixa etária está negativada, o que representa 8,3 milhões de consumidores.

Entre os mais jovens, com idade de 18 a 24 anos, a proporção cai para 22,14% – em número absoluto, são 5,29 milhões de inadimplentes. Na população idosa, considerando-se a faixa etária entre 65 a 84 anos, a proporção é de 28,89%, o que representa, em termos absolutos, 4,39 milhões de pessoas que não conseguem honrar seus compromissos financeiros.

Aumento da inadimplência

O número de pessoas com contas em atraso aumentou 3,21% em junho na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo o SPC Brasil e a CNDL. Já na comparação com maio, o número de inadimplentes caiu 0,77%.

Em números absolutos, o SPC Brasil estima que aproximadamente 59,1 milhões de pessoas físicas terminaram o primeiro semestre de 2016 inscritas em cadastros de devedores – o que representa 39,76% da população com idade entre 18 e 95 anos. Em maio, esse número era um pouco maior, estimado em 59,25 milhões.

Alta menor

O aumento no número de devedores na comparação anual foi o menor em seis anos, desde o início da pesquisa. Mas, para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a desaceleração do indicador não pode ser interpretado como um sinal de que os consumidores com contas em atraso estão quitando suas dívidas, mas como um reflexo do crédito mais restrito.

“Os juros elevados, a inflação corroendo o poder de compra e a perda de dinamismo do mercado de trabalho tornam os bancos e os estabelecimentos comerciais mais rigorosos e criteriosos na política de concessão de financiamentos e empréstimos, o que implica em uma menor oferta de crédito na praça. Por sua vez, essa menor oferta de crédito funciona como um limitador do crescimento da inadimplência”, explicou o presidente em nota.


Do G1, em São Paulo.


9,4 milhões de jovens brasileiros estão com contas atrasadas, revela estudo inédito

Estudo inédito da empresa Serasa Experian mostra que a população jovem brasileira, na faixa etária de 18 a 25 anos, representava em março deste ano 15,7% do total de pessoas em situação de inadimplência no País. De acordo com o levantamento, são cerca de 9,4 milhões de pessoas com dívidas atrasadas dentro desta faixa etária, que ocupa o segundo lugar no ranking de brasileiros negativados.

O motivo da inadimplência é a crise econômica, provocada pela irresponsabilidade do governo do PT, que fechou as portas do mercado de trabalho para os jovens. A taxa de desemprego da população de 18 a 24 anos no primeiro trimestre do ano, de acordo com o IBGE, ficou em 24,1%, um crescimento de 6,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

A faixa etária entre 41 e 50 anos, segundo o levantamento, é a que concentra atualmente a maior parte da inadimplência (19,1%). No entanto, diz o estudo, é o grupo de jovens o que mais apresentou crescimento nos últimos trimestres.

Segundo os economistas da Serasa Experian, o crescimento do desemprego e a alta da inflação e dos juros impactaram diretamente na quantidade de jovens com dívidas atrasadas no país. Além disso, a falta de experiência deles no crédito e a maneira mais impulsiva na hora de fazer compras também contribuem para esse resultado.

Os jovens representam uma fatia significativa dos 60 milhões de brasileiros inadimplentes, segundo dados da Serasa Experian. É a maior marca já registrada pela empresa desde que iniciou a medição, em 2012, quando pela primeira vez a quantidade de inadimplentes atingiu 50,2 milhões de pessoas.


PNAD: Taxa de desemprego no Brasil sobe em todas as regiões no 1º trimestre

A PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral) divulga nesta quinta-feira pelo IBGE mostra que a taxa de desemprego no Brasil, de 10,9% no 1º trimestre, aumentou em todas as grandes regiões na comparação com o mesmo período de 2015. De acordo com o índice, 11 milhões de brasileiros estão sem trabalho no País.

De acordo com a previsão feita pelo ministro da Fazenda Henrique Meirelles na última segunda-feira, a taxa de desemprego no Brasil este ano deve atingir 14%.

O resultado da PNAD Trimestral mostra que região Nordeste lidera a alta da taxa de desocupação, de 9,6% para 12,8%, seguida do Sudeste (de 8,0% para 11,4%), Norte (de 8,7% para 10,5%), Centro-Oeste (de 7,3% para 9,7%) e Sul (de 5,1% para 7,3%). No 4º trimestre de 2015, as taxas haviam sido de 10,5% no Nordeste, 9,6% no Sudeste, 8,6% no Norte, 7,4% no Centro-Oeste e 5,7% no Sul.

Entre as unidades da federação, as maiores taxas de desocupação no 1º trimestre de 2016 foram observadas na Bahia (15,5%), Rio Grande do Norte (14,3%) e Amapá (14,3%), enquanto as menores taxas estavam em Santa Catarina (6,0%), Rio Grande do Sul (7,5%) e Rondônia (7,5%).

O nível de ocupação (indicador que mede a parcela da população ocupada em relação à população em idade de trabalhar) ficou em 54,7% para o Brasil no 1º trimestre de 2016. Apenas a região Nordeste (49,0%) ficou abaixo da média do país. Nas demais regiões, o nível de ocupação foi de 59,8% no Sul, 58,6% no Centro-Oeste, 55,9% no Sudeste e 55,0% no Norte.

Santa Catarina (60,4%), Rio Grande do Sul (59,8%) e Mato Grosso do Sul (59,7%) apresentaram os maiores percentuais, enquanto Alagoas (42,8%), Rio Grande do Norte (46,7%) e Ceará (47,2%) apresentaram os níveis de ocupação mais baixos.

No 1º trimestre de 2016, os percentuais de empregados no setor privado com carteira de trabalho nas grandes regiões foram de 85,1% no Sul, 83,7% no Sudeste, 78,1% no Centro-Oeste, 63,5% no Norte e 63,1% no Nordeste. A média no Brasil foi de 78,1%.

Santa Catarina (89,1%), Rio de Janeiro (86,3%), São Paulo (85,5%) apresentaram os maiores percentuais de empregados no setor privado com carteira de trabalho, enquanto Maranhão (52,5%), Piauí (53,3%) e Paraíba (57,3%) apresentaram os menores.

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores ficou acima da média do Brasil (R$1.966) nas regiões Sudeste (R$ 2.299), Centro-Oeste (R$ 2.200) e Sul (R$ 2.098), enquanto Norte (R$ 1.481) e Nordeste (R$ 1.323) ficaram abaixo da média.

O Distrito Federal apresentou o maior rendimento (R$ 3.598), seguido por São Paulo (R$ 2.588) e Rio de Janeiro (R$ 2.263). Os menores rendimentos foram registrados no Maranhão (R$ 1.032), Piauí (R$ 1.263) e Ceará (R$ 1.285).

A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados (R$ R$ 173,5 bilhões de reais para o país com um todo) ficou em R$ 90,6 bilhões da região Sudeste, R$ 29,5 bilhões no Sul, R$ 27,6 bilhões no Nordeste, R$ 15,7 bilhões no Centro-Oeste e R$ 9,8 bilhões no Norte.

53,6% dos desocupados têm ensino médio completo

Na população desocupada, o percentual de mulheres foi superior ao de homens. No 1º trimestre de 2016, elas representavam 50,8% dos desocupados no Brasil. Apenas na região Nordeste o percentual de mulheres na população desocupada (48,9%) foi inferior ao de homens. Já a maior participação das mulheres dentre os desocupados foi observada na região Sul (54,4%).

O grupo de 14 a 17 anos de idade representava 10,0% das pessoas desocupadas e os jovens de 18 a 24 anos eram 33,2% no Brasil. Os adultos de 25 a 39 anos de idade (34,7%) representam a maior parcela entre os desocupados. Esta distribuição não se alterou ao longo da série histórica da pesquisa, porém, em relação ao 1º trimestre de 2015, a participação dos menores de idade na população desocupada apresentou aumento de 0,2 ponto percentual.

No 1º trimestre de 2016, 53,6% das pessoas desocupadas no país tinham concluído pelo menos o ensino médio. Cerca de 23,8% não tinham concluído o ensino fundamental e aquelas com nível superior completo representavam 9,2%.


Fonte: PPS


De volta ao passado: 4 milhões de brasileiros retornam às classes D e E

A cada dia que passa a crise econômica dá sinais de que não vai dar trégua em 2016: aumento das tarifas de transporte urbano, inflação de dois dígitos corroendo o poder de compra e derrubando a renda do trabalhador já no início do ano. É o resultado da política econômica de Dilma Rousseff causando um enorme retrocesso na vida dos brasileiros. Os erros e equívocos do governo do PT que trouxeram de volta recessão, inflação e desemprego mandaram para as classes D e E aproximadamente 4 milhões de pessoas, conforme estudo publicado pelo jornal Valor Econômico.

E a inflação sob descontrole só vai piorar a situação das pessoas que ficaram mais pobres no governo do PT. A carestia é mais cruel com as classes D e C porque a maior parte do rendimento das famílias é gasto com energia, transporte e alimentação, itens que fizeram a inflação calculada pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) aumentar 10,67% em 2015, a maior taxa desde 2002, bem acima do teto de 6,5%.

Além de destruir a chamada classe C, o governo do PT acena com o aumento da taxa de juro, hoje em 14,25% ao ano, na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) para controlar a inflação, mas os especialistas alertam que esse remédio vai ser amargo porque trará mais desemprego aos trabalhadores.

“Para minimamente preservar os empregos, cuja taxa de desemprego acho que deve continuar aumentando em 2016, a convergência [da inflação] para o centro da meta [4,5%] deve ser deixada para 2017”, disse o economista José Luis Oreiro, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) ao Portal do PPS.

Fonte: PPS