alimentos

PF tá caro | Foto: Shutterstock/Leo Fernandes

O retrato da disparada da inflação no 'prato feito' brasileiro

Da BBC News*

Imagine que uma pessoa vai a um supermercado para comprar todos os ingredientes necessários para fazer um típico prato feito brasileiro.

Os ingredientes para o prato variam de acordo com a região, mas para esse exercício estamos considerando sete alimentos: arroz, feijão carioca, tomate, alface, alcatra, batata e ovos.

Se hoje uma pessoa gastaria cerca de R$ 100 para comprar todos os ingredientes para esse prato feito, há um ano — em abril de 2022 — a mesma pessoa teria gasto apenas cerca de R$ 85 nos mesmos ingredientes, segundo os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, a principal referência de inflação do IBGE no Brasil.

(Nesta compra não estamos levando em consideração o tamanho das porções, o que vai sobrar de cada alimento e nem o custo de outras variáveis, como temperos, óleo de cozinha e preço do gás para cozinhar.)

Os alimentos se tornaram o principal vilão da inflação brasileira — os preços gerais da economia subiram 12,13% nos últimos 12 meses, mas a alimentação no domicílio (que exclui comida comprada em restaurantes) subiu 16,12%. No último mês, a alimentação e transportes responderam por 80% da alta geral dos preços no país.

Alguns itens do prato típico brasileiro ficaram mais baratos em um ano, como é o caso do arroz e do feijão-preto. Mas eles são minoria — mais de 90% dos produtos encareceram, a maioria com altas superiores a 10%.

E para piorar, analistas acreditam que os preços devem subir ainda mais neste ano.

Substitutos?

Mesmo diante da escalada de preços, há formas de se atenuar o efeito da inflação no prato dos brasileiros buscando substitutos.

Alguns alimentos importantes da cesta básica tiveram queda. O arroz ficou 11% mais barato em um ano. O feijão-carioca encareceu 9,4%, mas ele pode ser substituído pelo feijão-preto, cujo preço caiu quase 7%.

A alcatra (que teve alta de 13%) é outro item que pode ser substituído — por carne de porco (cujo preço caiu quase 6% ao ano) ou carne-seca e de sol (cujo preço subiu 3%, um reajuste inferior à inflação média). Já o frango — que costuma ser alternativa mais barata de proteína — também teve inflação alta, de 21%.

A batata inglesa subiu 63%, mas a batata-doce teve reajuste bem menor, de 3,58%.

Na salada, a substituição é mais difícil. Tubérculos, raízes e legumes encareceram 69% em um ano; hortaliças e verduras subiram 36%.

Fora do almoço, a alimentação pode ser complementada com frutas cujos preços caíram em um ano ou registraram pouca inflação. É o caso do abacaxi e da banana-maçã (que estão 3% e 5% mais baratos, respectivamente) e a laranja-pêra (cujo preço subiu 4%). Mas outras variedades de banana e laranja tiveram reajustes grandes de preço.

É importante ressaltar também que essa inflação é nacional — ou seja, que os preços variaram de forma diferente de acordo com a região do Brasil.

Preços que mais caíram: limão, arroz, manga, feijão preto e carne de porco. Preços que mais subiram: cenoura, tomate, abobrinha, melão e morango

Salário defasado e aceleração de preços

O mais recente boletim do IBGE revela três tendências: os salários não estão acompanhando a alta dos alimentos, os preços estão subindo de forma mais acelerada neste ano e a maioria dos alimentos nos supermercados teve reajustes grandes.

A alimentação no domicílio ficou 16,12% mais cara no Brasil, em média — entre abril de 2021 e abril deste ano. O aumento é bastante superior, por exemplo, ao reajuste de 10,18% no salário mínimo que aconteceu no começo de 2022.

Outro estudo confirma que a maioria dos brasileiros não está conseguindo "vencer a inflação". Em março, apenas 13,9% das negociações salariais no Brasil medidas pelo Dieese produziram ganhos reais para os trabalhadores, acima da inflação. Em 34% das negociações, as categorias conseguiram "empatar com a inflação" — e em 52% desses acordos os trabalhadores tiveram aumentos que não cobrem a subida de preços da economia.

Outra tendência preocupante é que os preços parecem estar subindo de forma mais acelerada neste ano.

O IPCA (que mede não só o preço dos alimentos, como de diversos bens e serviços) teve alta de 1,06% em abril — a maior variação para um mês de abril em 27 anos. A inflação acumulada dos últimos 12 meses é de 12,13% — acima dos 11,30% nos 12 meses anteriores.

E a alta dos alimentos é a que mais preocupa — alimentos e bebidas ficaram 2,06% mais caros em apenas um mês.

Quem vai ao supermercado consegue ver exatamente como o alimento se tornou o "vilão" da inflação brasileira.

Dos 159 alimentos cujos preços são monitorados pelo IBGE, apenas 9% (14 deles) tiveram queda nos preços nos últimos 12 meses (confira na tabela abaixo os preços que mais caíram e os que mais subiram). Os demais 91% ficaram mais caros — sendo que 54% (ou 84 itens) tiveram um aumento expressivo, de mais de 10%.

Três produtos — cenoura, tomate e abobrinha — mais que dobraram de preço em apenas um ano.

Cenoura e abobrinha
Preços de cenoura, tomate e abobrinha mais que dobraram de preço em apenas um ano

Por que mais caro?

O movimento da alta dos preços não é isolado no Brasil.

Até países ricos e com histórico de baixa inflação — como Reino Unido e EUA — estão enfrentando a maior escalada de preços desde 1982. O Reino Unido vive atualmente uma "crise do custo de vida", com disparada no preço de alimentos e energia.

Alguns motivos dessa disparada são comuns em todo o mundo: problemas nas cadeias globais de suprimento (que nunca se recuperaram totalmente da pandemia) e a guerra na Ucrânia (que fez o preço da energia disparar, com as sanções impostas à Rússia, além de problemas no fornecimento de cereais produzidos na Ucrânia).

No Brasil, essas variáveis todas impactaram diretamente no preço dos alimentos, também devido ao aumento no custo do transporte de cargas.

Os preços vão parar de subir?

Os preços devem ficar mais caros ainda neste ano, segundo alguns analistas.

A corretora XP aumentou sua projeção de inflação de alimentos para este ano — de 9,5% para 11,1% — em estudo divulgado em maio. Com isso, prevê que a inflação geral no Brasil vai fechar o ano em 9,2%.

"Nossa projeção para os preços de alimentos considerava os efeitos inflacionários da guerra na Ucrânia. Elevamos [agora] nossa projeção para englobar os efeitos secundários da alta de combustíveis e outros custos no grupo", diz o boletim.

Para o ano que vem, a corretora prevê que os alimentos continuarão subindo, mas em um ritmo menos acelerado: de 3,5%.

A XP elenca três motivos pelos quais a inflação seguirá alta: os severos lockdowns na China por conta da pandemia de covid (que provocam rupturas nas cadeias globais de suprimento), a grande probabilidade de novos reajustes de combustíveis no Brasil (segundo o estudo, o preço no Brasil ainda está defasado em 20% em relação ao exterior) e uma disparada na inflação de serviços (que encarecem os demais preços da economia, inclusive dos alimentos).

*Texto publicado originalmente no BBC News


Vaclav Smil: “Em cinco anos haverá escassez de água e alimentos”

Cientista pesquisa sobre energia há mais de 40 anos

Anatxu Zabalbeascoa / El País

Inquieto, atento e meticuloso, Vaclav Smil (Pilsen, Tchéquia, 1943) é a imagem viva de um sábio. Há 40 anos vem investigando o retorno energético. Seu saber poliédrico baseia-se em fatos e está reunido em livros como Energy in world history (“História da Energia no Mundo”) e Numbers don’t lie (“Os Números Não Mentem”, com o subtítulo “71 coisas que você precisa saber sobre o mundo”). Está tão acostumado à precisão dos dados que qualquer pergunta lhe parece generalista. Fala da sua casa, em Winnipeg (Canadá), onde chegou há quase meio século e vive com sua esposa, sem celular. Aposentado como professor de meio ambiente na Universidade de Manitoba, afirma que há no mundo mais progresso que retrocesso, “embora o retrocesso sempre esteja à espreita”.

Pergunta. Os economistas defendem o crescimento. Estão errados?

Resposta. Não. E sim. Muitos países precisam crescer. A questão é quais. Nos Estados Unidos, não precisam de mais advogados. Na Europa, sobram burocratas em Bruxelas. Mas o planeta tem um problema de suprimentos. Em cinco anos haverá escassez de água e alimentos. Devemos crescer na direção correta.

P. E não estamos fazendo isso.

R. Não precisamos que cresça o mercado de veranistas nas Seicheles. Precisamos que a Malásia e a Indonésia cresçam, mas não os Estados Unidos. E é fundamental aproveitar o crescimento para melhorar a equidade. Que o produto interno bruto aumente de maneira desigual não é bom, embora devamos assumir que uma sociedade perfeitamente igualitária jamais existirá.

P. A equação crescimento/felicidade nem sempre funciona.

R. Há duas formas de medir as coisas, inclusive as emoções. Objetivamente, indicadores como a taxa de suicídios, divórcios ou crimes violentos revelam infelicidade, porque, se você estiver bem, não se suicida, nem se divorcia, nem é violento. Mas também há indicadores subjetivos. Aí entram os indivíduos: as pessoas podem ser pobres e felizes. A maioria tem problemas e não se define como infeliz. Veja, ninguém é muito feliz no Afeganistão. Mas o índice de felicidade que resulta de comparar ambos os indicadores aponta que o crescimento não torna mais feliz. As pessoas na Bolívia são mais felizes que os japoneses ou os espanhóis. A felicidade e a renda per capitanão estão relacionadas.

P. As maiores economias do mundo exportam armas.

R. Sim. Estados Unidos, China, Espanha… inclusive o Canadá. É um mercado global. De onde você acha que o Talibã tirou as armas durante os últimos 20 anos? Não as produziram numa caverna, né?

P. Desarmar o mundo é uma utopia?

R. Por mais que fossem proibidas, o que não acontecerá, você acha que os proprietários as devolveriam?

P. O mundo vai depender das relações a serem estabelecidas com os países islâmicos?

R. Durante séculos houve fundamentalismo no catolicismo. Agora se dá no islamismo. Mas há muito islamismo moderado. E muito desconhecimento sobre o islamismo. Vejamos: qual é país do mundo com maior população muçulmana?

P. Não sei. O Irã?

R. Na Índia, os hindus são a população mais ampla. Mas os muçulmanos são a segunda. Por isso é um país islâmico maior que o Paquistão ou a Arábia Saudita.

P. O crescimento econômico está por trás da obesidade? Do câncer…?

R. Não há crescimento sem risco. E essas doenças são multifatoriais. Cada avanço acarreta um risco que precisa ser pesado. É absurdo tratar de medir o mundo em termos opostos. O bem e o mal são relativos.

P. Tudo é relativo, mas o senhor resume sua informação em números.

R. Sem dados não é possível tomar decisões. Mas, inclusive se você tiver os melhores números, deve considerar o imprevisível, o aspecto não numérico de cada decisão. É fácil reduzir emissões do CO2 na Dinamarca. Mas a Nigéria hoje vive como os dinamarqueses em 1850. O que se pode pedir a eles que reduzam?

P. Os países que precisam crescer podem ser advertidos sobre o perigo de crescer muito?

R. É como falar de câncer de pele a quem tem falta de iodo. Estamos numa economia global, mas não existe uma solução global igual para todos. O mundo ocidental esquece isso. O custo de reduzir as emissões não deve ser proporcional, e sim sob medida. Não é o mesmo crescer para sobreviver que para expandir a economia. Vejamos a Índia. Está prestes a ultrapassar a China como o país mais populoso do mundo [a ONU prevê que ocorrerá em 2027], entretanto consome um terço menos de energia.

Vaclav Smil vive no Canadá e foi professor de meio ambiente.
Vaclav Smil vive no Canadá e foi professor de meio ambiente. Foto: Tim Smith (Contacto)

P. A expansão da humanidade está chegando a seu fim?

R. Há quem não entenda que o crescimento perpétuo não existe. Vivemos em um planeta finito. Quase todos os países europeus já deixaram de crescer. Se não fosse pela imigração, legal e ilegal, a Europa não teria população suficiente para pagar as pensões.

P. Se a imigração for uma solução, por que é uma medida pouco popular?

R. Se a vida fosse parecida em ambos os lados do muro entre o México e os Estados Unidos, as pessoas não se deslocariam. A migração é o resultado da desigualdade: os pobres se mudam para países ricos para sobreviver. Faz parte da nossa natureza procurar comida para nossos filhos e fugir dos conflitos ou da opressão. Não quer imigração? Defenda a equidade. Pouquíssimos países se fecham como a Hungria. Entretanto, a época de portas abertas passou. Obama percebeu. Deve regular-se que o mundo seja um lugar mais equitativo.

P. O senhor chegou há 50 anos da Tchecoslováquia ao Canadá. Por quê?

R. Quem quer viver numa jaula comunista?

P. Explicando como mudou a sua maneira de se aquecer, o senhor percorre a história da energia.

R. Sim. Meu pai cortava troncos de abeto, e esse sistema tinha escassos 15% de eficácia. Nos Estados Unidos vivemos em um apartamento onde a calefação funcionava a óleo diesel – com 67% de eficácia. Passei meia vida no Canadá com gás natural. Nossa casa tem 97% de eficiência energética.

P. Como a conseguiu?

P. Isolando as paredes e com vidros triplos. Na Espanha, quase todas as janelas têm um único vidro. Nos países frios, costumam ter o dobro. Eu os deixo triplos.

P. Falando de energia, o senhor parece um psicólogo: “Se não controlar o declínio, sucumbe a ele”.

R. Claro. Saber lutar com a decadência é desejável. Mas nem todo mundo acha assim. Vejamos: a retirada do Afeganistão foi julgada na Europa como o declínio dos Estados Unidos. Mas é assim? Foi uma decisão livre: os Estados Unidos escolheram se retirar.

P. Frente à liberdade de se retirar está o egoísmo de ignorar.

R. Todo mundo sabe que os Estados Unidos cometeram erros, e entretanto continuam sendo a economia mais dinâmica do mundo. A China pode ser maior, mas há 1,412 bilhão de chineses, e apenas 331 milhões de norte-americanos. A renda per capita nos Estados Unidos é muito superior. Fala-se do declínio norte-americano e do apogeu chinês sem conhecimento. Sempre pergunto que posição a China ocupa no índice do PIB [per capita]. Você sabe?

R. Sei pelo seu livro: 82ª posição.

R. Não se pode medir a economia à margem da população. O dinamismo é fundamental para mantê-la viva. Sendo a típica europeia, você deve ter três celulares, certo?

P. Um.

R. Diga-me, onde foi inventado? Nos Estados Unidos. E os aviões modernos? A pesquisa e a criatividade antecedem à produção. Que os Estados Unidos se retirem do Afeganistão não quer dizer que estejam acabados. As pessoas gostam de simplificar.

P. O senhor demonstra com números que os Estados Unidos não são um país excepcional.

R. Claro. Ali é mais provável que os bebês morram. Se você busca evidência da excepcionalidade norte-americana, não a encontrará nos números, que é onde importa. A razão é que se é excepcional em algo, não em tudo.

P. Os Estados Unidos adotaram sua visionária Constituição: “Todos os homens são criados iguais”, enquanto o primeiro, o terceiro e o quarto presidentes eram proprietários de escravos.

P. Nos países islâmicos, a escravidão existia até ontem. Na Arábia Saudita, pode ser que inclusive agora. E há uma escravidão de fato: as pessoas trabalham trancadas em casas.

P. A democracia é uma utopia?

R. É imperfeita, mas me dê uma alternativa melhor. Vejamos: na Finlândia quase não há estrangeiros [7% da população]. O consenso social é mais fácil que nos Estados Unidos, com diversidade de raças e religiões. Vejamos na Espanha: todo mundo quer ser independente! País Basco, Catalunha, até Madri! É mais fácil governar a Finlândia. Os nórdicos deveriam ser excluídos das comparações internacionais. O mundo é um lugar que desmorona num dia e se arruma no dia seguinte.

P. Como lidar com a incerteza?

R. Nos anos oitenta escrevi um livro sobre o meio ambiente na China. Durante anos me perguntaram quando seria irrespirável. Sempre respondi o mesmo: não veremos isso. Está na condição humana dar um grande passo adiante e outro para trás. A poluição na China é uma das piores do mundo, mas o tratamento de águas melhorou. Quantas coisas melhoraram na Espanha desde a morte de Franco? Você me dirá que muitas, mas quantas pioraram?

P. Seu discurso de que o mundo se autorregula poderia ser utilizado pelos negacionistas da mudança climática.

R. Essa pergunta pertence ao passado. Nos últimos 50 anos deixamos para trás o descuido com o meio ambiente. Há leis, ministérios, sanções e educação.

P. Também há mais poluição.

R. Claro, mas a consciência existe. Inclusive nos países mais pobres. E gera resultados.

P. Quando pesquisa, como decide o que será importante e o que é irrelevante?

R. Pense no corpo humano: é mais importante um rim ou o fígado? É absurdo pensar que os problemas ambientais são mais importantes que os econômicos, porque tudo está relacionado, e só vamos solucioná-lo se entendermos isso. Aí as redes sociais são tóxicas: não entendem as conexões.

P. Usa o Google?

R. Quem não usa o Google? 90% do mercado é dele. Faz tempo que é uma ferramenta de mercado, e não tenho dúvidas: o Google tem o melhor algoritmo. Especialmente se você busca informação séria, e não idiotizantes vídeos do YouTube.

P. Quase todo mundo usa celular, e o senhor não. Por quê?

R. Não me interessam as estúpidas redes sociais. Por que teria que contar minha vida a gente que não conheço? Por que deveria fazer comentários sobre coisas que não sei? Olhe, quando a gente tem um problema no coração, precisa da opinião de um cardiologista. Não a de alguém sentado num quarto escuro.

P. Que os homens mais ricos do mundo subam em foguetes para explorar a biosfera é uma oportunidade para os humanos ou uma oportunidade de negócio?

R. Se as pessoas forem audazes, tudo é uma oportunidade de negócio. A pergunta é: a que preço e para quê.

P. O que é o progresso?

R. Ter a população infantil vacinada, nutrida, com uma expectativa de vida que passe dos 40 para os 80 anos e com educação e saúde garantidas pelo Estado. Aliás, a Espanha está no topo da expectativa de vida, com o Japão, apesar de hoje comer carne demais.

P. Quanto é carne demais?

R. Durante o franquismo comiam oito quilos por ano por pessoa. Agora, quase 200.

P. O senhor come carne?

R. Claro. Por que não comeria? Somos onívoros. Não temos o sistema digestivo dos herbívoros, como uma vaca ou um coala. A chave está no oni, que significa tudo. Implica variedade e não exceder-se em nada.

P. Surpreendeu-me saber que bebemos menos vinho que há um século.

R. O consumo baixou sobretudo no Mediterrâneo. Em seu país [a Espanha] se bebe mais cerveja que vinho. O mesmo quanto à dieta mediterrânea: eu cozinho com azeite de oliva, mas na Espanha o que mais se vende é o de girassol.

Vaclav Smil, o grande historiador da energia.
Vaclav Smil, o grande historiador da energia. Foto: Tim Smith

P. O senhor cozinha?

R. Todo dia. Para mim e para minha esposa.

P. Eu o imaginava submerso em suas leituras e com tempo para pouco mais.

R. Não aguentaria pesquisar se não tivesse uma vida organizada. Preparar o que se come mantém você saudável e desperto. Hoje comprei um bacalhau e vou fazer com batatas.

P. “O homem industrial não come batatas produzidas com energia solar, e sim batatas parcialmente produzidas com petróleo.” O senhor escreveu que sem a síntese de fertilizantes Haber-Bosch haveria fome generalizada.

R. Sem nitrogênio as plantas cresceriam menos e não haveria para todos. Os fertilizantes não servem só para aumentar fortunas; eles alimentam a população mundial.

P. Comer de forma saudável universalmente é uma tarefa impossível?

R. A saúde pública universal é tarefa impossível? É um desafio. É possível planejar melhor as safras e melhorar os fertilizantes. As vacas podem comer alfafa. Nós, não. Mas se só comemos vacas, temos que alimentá-las. Quase tudo no planeta é uma questão de equilíbrio.

P. O México continua sendo o país com mais sobrepeso?

R. Atualmente é a Arábia Saudita, com mais de 70% da população obesa.

P. Cerca de 12% da população está subnutrida. E 75% superalimentada. Por que o que é barato engorda tanto?

R. Porque tem gordura saturada e muito açúcar, que produz um efeito de saciedade com pouco gasto.

P. A epidemia de obesidade tem mais relação com a pobreza ou com os carros?

R. A resposta é multifatorial: a genética manda, a dieta ajuda, e o exercício ou a atividade compensam. A maioria das mulheres japonesas não faz exercícios. Mas elas são ativas.

P. Como o senhor se desloca por Winnipeg?

R. Aqui é muito difícil viver sem carro. O supermercado mais próximo está a cinco quilômetros.

P. A frugalidade é uma educação?

R. Voltamos ao mesmo: o que é pouco? Tem gente que acredita que três carros seja pouco, e há quem considere que um é muito. Além disso, a educação não é tudo. Tem gente educada e muito infeliz. Gente educada que comete crimes e desfalques financeiros. Gente educada se divorcia na mesma proporção que gente sem instrução. A alta educação só tem um resultado comprovável: maiores possibilidades de ganhar dinheiro. Mas nem esse dado é infalível, basta ver na quantidade de graduados que há na Espanha que se veem forçados a emigrar.

P. Diga-me se há pelo menos uma energia mais razoável.

R. Sim: o gás natural. Disponível em todo mundo, é a mais limpa das energias fósseis, que quando queimadas geram dióxido de carbono. Passará muito tempo até que possamos obter a eletricidade que necessitamos apenas de recursos sustentáveis como o vento e o sol. Enquanto isso, a mais eficaz é o gás. Não há discussão possível.

P. É um perigo que algumas energias – como o gás natural – estejam em poucas mãos?

R. Não. Durante muito tempo o mercado do gás permaneceu limitado porque não havia maneira fácil de transportá-lo. Mas uma vez construídos os gasodutos fica fácil. A Europa depende do gás do mar do Norte. E do russo. A Espanha importa do Qatar. Até o Canadá exporta para a Europa.

P. Com tanta informação, seus medos são globais ou pessoais?

R. O medo é pessoal. Por isso é quase impossível sentir o mesmo por uma criança que morre na África do que por um filho doente. Mas a informação nos recorda que o mundo é uma máquina complexa. Um risco termina onde outro começa. Pense na pandemia. O mundo é um lugar de risco.


Vinicius Torres Freire: Óleo de soja e arroz aumentaram muito mais que diesel. Bolsonaro vai intervir?

Óleo de soja e arroz aumentaram muito mais que diesel. Bolsonaro vai intervir?

Em um ano, o óleo de soja ficou 96% mais caro. O óleo diesel, 2% mais barato, segundo o IPCA de janeiro. Nas contas da Agência Nacional do Petróleo, o diesel encareceu 2% de fevereiro de 2020 para cá.

Talvez um ano apenas não conte bem a história da carestia do combustível. Considere-se então o que aconteceu desde outubro de 2016, quando a Petrobras passou a reajustar seus preços com mais frequência, com base na cotação internacional. O óleo de soja ficou 123% mais caro. O óleo diesel, 23%. O arroz, 67%. O quilo de alcatra, 41%.

O problema não seria apenas o preço alto do combustível, se diz por aí, mas sua variação excessiva. No entanto, os preços do diesel ou da gasolina são menos voláteis do que os de arroz, feijão, alcatra ou óleo de soja, pelo menos desde 2016.

Jair Bolsonaro vai intervir nos preços da comida, como ameaça fazer com a Petrobras? Mais difícil. Não existe uma Vacabrás ou uma Arroz Pátria Amada S.A. Por falar nisso, assim como ferro e petróleo, grãos e carnes têm preços definidos no mercado mundial.

Não há Vacabrás nem tampouco grande grupo organizado de protesto daqueles que não podem comprar arroz. O povo definha quieto, ainda mais em tempo de esquerda semimorta. Mas existem movimentos caminhoneiros e empresariais fortes o bastante para quase levar o Brasil ao colapso rodoviário. Alguns são falanges de Bolsonaro, animador do caminhonaço de 2018.

Obrigar a Petrobras a cobrar abaixo do preço de mercado não apenas diminuiria seu faturamento, os dividendos que paga ao governo, elevaria seu custo de financiamento e limitaria seu crescimento. Se a crise ficar barata, a Petrobras vai perder dezenas de bilhões de reais (centena?).

Por ora mais relevante, a mera percepção de que o governo possa vir a meter a pata em empresas tende a elevar custos de financiamento (juros mais altos, inclusive para o governo) e limitar investimentos na economia em geral.

Bolsonaro partiu para a demagogia econômica explícita. Abriu mais um buraco no Orçamento ao isentar gás e diesel de impostos, embora ainda gaste menos do que Michel Temer no pagamento desse suborno-resgate. Cometerá crime fiscal caso não corte outro gasto ou não aumente algum imposto para compensar.

A história de que o governo “responsável” procurava compensações para a nova despesa com o auxílio emergencial se torna assim mais ridícula. O auxílio está à beira de passar no Congresso com compensações apenas para inglês ver, mais uma promessa como o trilhão das privatizações de Nostradamus de Paulo Guedes (acontecerão em algum momento dos séculos por vir). Por falar nisso, quem vai comprar refinaria da Petrobras quando o governo mete a mão nos preços?

Sim, esta análise tem a perspectiva limitada da gerência elementar de uma economia de mercado e seus requisitos mínimos de funcionamento. É o máximo que se pode esperar sob o governo militar bolsonariano.

Como um projeto de tirano aloprando em um bunker ou porão, Bolsonaro não dá a mínima para o risco de arruinar o país: ele é capaz de tudo, e incapaz também. Corre agora risco maior de implodir seu próprio governo e prestígio, popularidade que poderia manter à tona vacinando em massa e obedecendo ao menos à mediocridade habitual de sua equipe econômica. Mas, se um quarto de milhão de cadáveres e outras ruínas não o derrubaram, por que não dobrar a aposta na monstruosidade ignorante e tocar o golpe por outras vias?

Donos do dinheiro grosso vão reagir ou continuam achando que Bolsonaro ainda está no preço?


Vendas do comércio voltam a crescer em novembro

Após quatro quedas seguidas, as vendas do comércio varejista voltaram a crescer, segundo divulgou nesta terça-feira (10) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No mês de novembro, em relação a outubro, a alta foi de 2%. Nesta base de comparação, a alta é a maior desde 2007, quando chegou a 2,3%.

Ao considerar todos os meses, esse resultado é o maior desde julho de 2013, quando o avanço foi de 2,9%, de acordo com a PMC (Pesquisa Mensal de Comércio) do IBGE.

Apesar do aumento de um mês para o outro, as vendas do comércio caíram 3,5% em relação a novembro de 2015 e acumularam no ano, de janeiro a novembro de 2016, queda de 6,4%, a maior da série histórica do indicador, iniciada em 2001.

Isabella Nunes, gerente de Serviços e Comércio do IBGE, ressalta que, considerando o acumulado dos 12 meses a partir dos resultados de novembro, já é possível considerar que 2016 terá o pior resultado do comércio desde 2001.

De outubro para novembro, a maioria dos segmentos do varejo brasileiro mostrou aumento nas vendas, com destaque para a alta de 0,9% em hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, de 7,2% no setor de artigos de uso pessoal e doméstico e de 2,1% no ramo de móveis e eletrodomésticos.

“Os desempenhos destes segmentos em novembro indicam um movimento de antecipações de compras para o Natal, fato que se acentua a cada ano”, comentou o IBGE, em nota.

De acordo com a gerente do IBGE, o bom desempenho nos segmentos de hipermercados, supermercados, móveis e eletrodomésticos e o de outros artigos de uso pessoal e doméstico foi favorecido pelas promoções do comércio, incluindo a Black Friday.

“Apesar do resultado positivo, ele não reverte a trajetória negativa do comércio. Um crescimento de 0,3% na média móvel trimestral, ele fica muito próximo da estabilidade”, destacou Isabella Nunes.

Regiões

De outubro para novembro, as vendas no varejo cresceram em 23 das 27 unidades da federação, puxadas por Tocantins (6%) e Paraíba (3,8%). Em Alagoas e Roraima, por outro lado, o comércio teve desempenho mais fraco ao recuar 0,9%.

Frente a novembro de 2015, o destaque negativo ficou com o Pará (-13,7%). Paraíba (11%) apresentou o maior aumento do volume das vendas em novembro. (Com informações do Porta G1 e IBGE)


Fonte: www.pps.org.br


Brasil: Vanguarda Ambiental e Agrícola

Foi-se o tempo em que o Brasil era grassado como o país do futebol. Talvez menos pelos deméritos recentes de nossa seleção canarinho e muito mais pelo amadurecimento de outras vocações nacionais, hoje podemos nos orgulhar de ostentarmos uma condição ímpar: somos uma grande potência agrícola e somos, ao mesmo tempo, a grande potência ambiental do planeta. Apesar do aparente paradoxo, o Brasil está conseguindo avançar simultaneamente nestas duas direções: produzir cada vez mais alimentos para o mundo e preservar recursos naturais para as futuras gerações. Ao contrário do que muitos apregoam, não são caminhos opostos, pelo contrário, são simbioticamente complementares.

O Brasil guarda 12% da água doce do mundo, tem 500 milhões de hectares de florestas, 350 milhões de hectares de áreas marinhas e 2 milhões de espécies vivas distribuídas em 6 diferentes biomas. Ao mesmo tempo, produz 200 milhões de toneladas de grãos por ano, é o maior produtor de soja, café, açúcar, laranja e o segundo maior exportador mundial de produtos agropecuários.

O Brasil optou por reservar mais de 60% de seu território para preservação ambiental. Não estamos falando de áreas inóspitas ou inabitáveis. São terras que poderiam ser convertidas e destinadas ao aproveitamento econômico. No entanto, de forma muito sábia e corajosa, o povo brasileiro decidiu destinar à exclusiva proteção de nossa riquíssima biodiversidade quase dois terços das terras brasileiras. Enquanto isso, a agricultura, que ocupa apenas 8% do território nacional, graças à sua extraordinária pujança e desenvolvimento tecnológico, é a grande responsável por garantir a segurança alimentar e energética do mundo, agora e principalmente no futuro.

Esta nossa realidade, sem paralelo no cenário planetário, descortina para nós um tempo vindouro especialmente promissor. Temos em nosso país uma incomparável vantagem comparativa e estratégica: conseguimos preservar nossa biodiversidade ao mesmo tempo que nos tornamos os grandes fornecedores mundiais de comida, de energia renovável e, sobretudo, de imprevisíveis e reveladoras descobertas científicas sobre nosso preciosíssimo patrimônio genético, já que 90% dele ainda é desconhecido.

Nesta semana do meio ambiente, vale a pena fazer um resumo de como conseguimos chegar nesta privilegiada situação. Especialmente em São Paulo, seguindo diretriz do Governador Alckmin, existe um esforço permanente para fazer com que nossa agricultura fique na vanguarda da sustentabilidade. Este esforço é de nossas universidades, entidades da sociedade civil, institutos de pesquisa e de milhares de profissionais e agricultores que se dedicam a experimentar técnicas de sustentabilidade.

Comemoramos recentemente inúmeras novidades na área do controle biológico de pragas e doenças por meio da utilização de ácaros predadores, fungos, parasitas, nematoides e insetos, conforme pesquisas desenvolvidas por nosso Instituto Biológico. Estas novas tecnologias são capazes de substituir a utilização de agroquímicos, não deixam resíduos, não afetam a saúde de ninguém e não causam impacto ambiental relevante. Quanto à preservação dos solos e das águas, editamos novas normas para melhor a aplicação de técnicas de manejo e plantio, especialmente para a cana-de-açúcar. Por meio dos exitosos programas “Integra” e “Nascentes”, financiamos a recuperação de áreas degradadas e incentivamos fortemente a recuperação de matas ciliares. O programa “Melhor Caminho” recupera estradas vicinais e, sobretudo, ensina técnicas de conservação que evitam erosões e assoreamentos. O programa “Aplique Bem” qualifica profissionais para o uso racional de agroquímicos e nossas equipes de extensão rural da CATI difundem as técnicas de plantio direto, tratamento de dejetos animais, biodigestão ou compostagem de materiais orgânicos e carcaças, nitrogenação biológica de solos, integração lavoura-pecuária-floresta, recuperação de pastagens degradadas, Sistemas Agro-Florestais e outras voltadas à agricultura ecológica e orgânica. Nosso Instituto de Zootecnia tem desenvolvido técnicas extraordinárias para dar mais precocidade aos rebanhos (como é o caso do Boi 777, cujo ciclo completo até o abate é de apenas 21 meses), fortificação de leite, melhoria da nutrição animal, etc. O Instituto Agronômico, que completa 129 anos neste mês, não cansa de lançar novos cultivares, mais resistentes à estresse hídrico, às pragas e que melhoram a produtividade de nossa agricultura. O Instituto de Tecnologia de Alimentos desenvolve técnicas para o melhor aproveitamento dos alimentos e o Instituto de Pesca tem conseguido resultados importantes no repovoamento de nossa fauna aquática. Estamos na reta final da elaboração do Plano ABC (Agricultura de Baixo Carbono) paulista e fizemos recentemente um aprofundamento da compreensão e planejamento para o desafio de Segurança Alimentar X Mudanças Climáticas. Tudo isso representa uma agricultura harmônica com o meio ambiente e de baixa emissão de Gazes de Efeito Estufa. É a agricultura de baixo carbono que garante produtividade no campo ao mesmo tempo que cumpre nossa missão de combater o agravamento das mudanças climáticas.

Além de todas estas tarefas que exigem compromisso com a preservação ambiental, sabemos que a melhoria da renda de quem mora no campo é um grande aliado da conservação. Por isso, ainda para comemorar a semana do meio ambiente, no último dia 31 assinamos 134 projetos para o desenvolvimento rural de associações ou cooperativas de pequenos produtores agrícolas, com aporte financeiro de R$ 58 milhões a fundo perdido por meio do programa “Microbacias II”. Fomentar o progresso sustentável dos pequenos agricultores é diretriz do Governo de São Paulo que seguimos à risca com efeitos extremamente benéficos do ponto de vista ambiental.

Finalmente, com orgulho, podemos afirmar que São Paulo foi o primeiro aluno da classe no cumprimento da hercúlea tarefa de inscrever posses e propriedades rurais no Cadastro Ambiental Rural – CAR. Se pegarmos como base os dados do IBGE, que servem de parâmetro para medir performance do cadastramento nos estados brasileiros, São Paulo atingiu 100% da área cadastrável. Isto é um feito notável, só atingido graças ao empenho de milhares de profissionais, do setor público e privado, que demostraram ser apuradíssima a consciência ambiental dos agricultores paulistas. Nosso próximo passo será dar início ao Programa de Regularização Ambiental – PRA das propriedades rurais, confirmando que São Paulo sabe produzir ao mesmo tempo em que conserva.

Muito mais do que petróleo, o mundo precisará nos próximos 30 anos de comida, água potável e energia limpa. Precisará de medicamentos, fibras, compostos e descobertas científicas. São Paulo e o Brasil estão prontos para se inserir neste futuro promissor como grandes protagonistas. Vamos ao futuro!


Arnaldo Jardim – Deputado federal licenciado (PPS-SP) e Secretário de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo

Rubens Rizek – Foi Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo e atual Secretário Adjunto de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo