ebc

Bernardo Mello Franco: Aquele abraço

A bola rolava pelas Eliminatórias da Copa quando o locutor parou de narrar o jogo para mandar um “abraço especial” ao presidente Jair Bolsonaro. Aconteceu duas vezes na terça-feira, durante a transmissão de Brasil x Peru. Foi mais um lance do aparelhamento da TV Brasil pelo governo que ameaçava fechá-la.

Na campanha de 2018, o capitão disse que não investiria mais dinheiro num canal com “traço de audiência”. Acrescentou que pretendia privatizar ou extinguir a Empresa Brasil de Comunicação, que controla a emissora. Em pouco tempo no poder, ele abandonou a ideia. Percebeu que poderia usar a rede de comunicação pública para empregar amigos e fazer promoção pessoal.

No mês passado, servidores da EBC produziram um dossiê sobre o uso político da estatal. Contabilizaram 138 episódios de censura e governismo desde a posse de Bolsonaro. O retorno da fome, o desmatamento na Amazônia e os cortes na educação deixaram de aparecer na telinha. As palavras “golpe” e “ditadura” foram proibidas em reportagens que citavam o regime militar.

A EBC mantinha dois canais de tevê: a NBR, que divulgava os atos do governo, e a TV Brasil, que sucedeu a antiga TV Educativa. A pretexto de economizar, o Planalto fundiu as duas programações. A medida produziu situações bizarras. Programas de entrevistas e até desenhos animados passaram a ser interrompidos para transmitir solenidades oficiais e discursos do presidente.

O Repórter Brasil, exibido em horário nobre, ganhou cara de telejornal da Coreia do Norte. Só dá notícia a favor do governo. Recentemente, reproduziu entrevistas de autoridades à “Voz do Brasil”, símbolo do jornalismo chapa-branca.

Quando a TV Brasil foi ao ar, aliados de Bolsonaro fizeram discursos indignados. Onyx Lorenzoni, atual ministro da Cidadania, protestou quatro vezes na tribuna da Câmara. “Para a TV do Lula tem dinheiro, mas para a saúde, não”, disse, em outubro de 2007. “Que necessidade há de o Brasil criar uma TV para dar proteção, fazer ode e jogar confete e incenso no presidente da República?”, emendou, em fevereiro de 2008. A emissora foi muito criticada na era petista, mas não há registros de nada parecido com o que se vê agora.

O jornalista Eugênio Bucci, professor da USP e ex-presidente da extinta Radiobrás, diz que nunca acreditou nas ameaças do capitão de fechar a TV. “Bolsonaro é um efeito da propaganda. Não fazia sentido que, ao chegar ao poder, ele jogasse fora a EBC”, observa. “Agora acabou qualquer veleidade de se fazer uma emissora pública e plural. A TV Brasil virou um aparelhão para uso partidário e culto à personalidade”.

A lei que criou a EBC afirma que “é vedada qualquer forma de proselitismo na programação das emissoras públicas”. Antes do abraço no jogo da seleção, a TV Brasil já havia transmitido ao menos quatro eventos evangélicos com a presença de Bolsonaro. O último, um culto da Assembleia de Deus, ficou duas horas no ar. Nele, o presidente prometeu indicar um pastor para a próxima vaga no Supremo Tribunal Federal. “Isso não é mérito meu, é a mão de Deus”, discursou.


O Estado de S. Paulo: Governo Bolsonaro ainda não tem plano de comunicação

Perto de completar 2 meses, gestão segue sem uma estratégia definida de divulgação; chefe da Secom dedicou maior parte da agenda para discutir EBC

Felipe Frazão, de O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Quase dois meses depois de tomar posse, o presidente Jair Bolsonaro ainda não tem uma estratégia desenhada para a comunicação do governo. O problema ficou evidente há 11 dias, quando uma reunião da Secretaria de Comunicação Social da Presidência (Secom) com todas as repartições federais – incluindo equipes de ministérios, empresas estatais e entidades vinculadas – foi encerrada sem a apresentação das diretrizes para a divulgação das realizações de cada área. O motivo alegado foi o de que o plano não estava pronto.

Bolsonaro tem sido criticado por aliados e até por integrantes de seu partido, o PSL, por adotar tom de campanha nos pronunciamentos. No Congresso, é comum ouvir que o presidente ainda não desceu do palanque. É geral a avaliação de que a falta de um plano de comunicação ajuda a esconder eventuais realizações do governo, enquanto a agenda da crise se sobressai – como a que culminou, na semana passada, com a demissão do ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno.

O receio de auxiliares de Bolsonaro é de que as turbulências na política respinguem nas negociações com o Congresso em torno da proposta de reforma da Previdência.

A reunião da Secom, no dia 14, vinha sendo tratada como o “1.º encontro sobre comunicação global” do Sistema de Comunicação de Governo do Poder Executivo Federal. O sistema reúne o conjunto de equipes de comunicação dos órgãos que compõem a administração pública federal. O evento lotou o auditório do prédio anexo no Palácio do Planalto.

Foram convocadas para o encontro as equipes de todos os ministérios, de empresas públicas, autarquias e fundações e demais órgãos federais. Houve envolvimento da cúpula da Secom com os responsáveis pelos setores de Imprensa, Pesquisa e Opinião Pública, Gestão e Controle, Publicidade e Promoção, Patrocínios, Eventos, Articulação e também pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Os assessores se apresentaram, trocaram contatos e ouviram discursos do ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que abriu a reunião, depois presidida pelo chefe da Secom, Floriano Barbosa de Amorim Neto, publicitário de confiança do presidente e ex-assessor parlamentar do clã Bolsonaro.

Ao final, os participantes também puderam levantar dúvidas e sugestões. O principal recado do Palácio do Planalto foi o de que é preciso cortar despesas, mas a reunião transcorreu sem que fosse apresentada a linha de comunicação a ser trabalhada pelo governo.

Estado conversou com cinco pessoas que estiveram no encontro. Todas disseram que Amorim chegou a anunciar que apresentaria um plano na reunião. Mesmo assim, passou pelo constrangimento de dizer que ele não ficara pronto a tempo. A reportagem pediu detalhes da reunião à Secom, mas não obteve resposta.

Bolsonaro privilegia comunicação por redes sociais

Desde a campanha eleitoral, Bolsonaro tem privilegiado a comunicação pelas redes sociais, e, para tanto, tem o apoio dos três filhos: o vereador Carlos (PSC-RJ), o deputado federal Eduardo (PSL-SP) e o senador Flávio (PSL-RJ). Ativo nas redes, Carlos é apontado como o responsável por mensagens postadas nas contas do pai.

Na semana passada, o ministro demitido Gustavo Bebianno deixou vazar áudio de uma conversa privada em que Bolsonaro trata a TV Globo como “inimiga” e diz não falar com jornalistas. No Planalto, o próprio chefe da Secom não costuma atender a imprensa.

Ministro da Secretaria de Governo, o general Santos Cruz disse na reunião da Secom que a ordem é otimizar recursos e unificar o discurso governamental, mas não deu detalhes sobre o que será feito.

Amorim também não falou em estratégia. Até agora, ele tem dedicado sua agenda a discussões internas no governo. Recentemente, recebeu apenas representantes do Google e do Twitter, além de autoridades públicas e a deputada Bia Kicis (PSL-DF). Boa parte da agenda do chefe da Secom tem sido dedicada a discutir o futuro da EBC. A interlocução com veículos de imprensa vem sendo feita por ministros, como Santos Cruz, e outros secretários.

Em administrações anteriores, as reuniões da Secom eram usadas para apresentar o planejamento de comunicação do governo, alinhar estratégias, definir temas relevantes e mídias prioritárias, além de estabelecer a coordenação de ações conjuntas entre ministérios, instituições vinculadas, empresas estatais e a Presidência.

Falta de pessoal e equipes reduzidas provocam reclamações

 No encontro do dia 14, foram dados exemplos de como todos os ministérios podem fazer a defesa da reforma da Previdência – que tem uma campanha publicitária específica, para a qual foi contratado o marqueteiro Daniel Braga. Houve, ainda, quem reclamasse da falta de pessoal nas assessorias, uma vez que muitos ministérios estão com equipes reduzidas desde que Bolsonaro tomou posse.

É o caso de Meio Ambiente, Defesa e Cidadania – a pasta que acumulou atribuições de três ministérios (Desenvolvimento Social, Esporte e Cultura) e tem o contrato em processo de licitação.

Contratos da Secretaria de Comunicação estão sob avaliaçãoApesar da ordem de corte de gastos, não houve até agora o detalhamento de quais contratos da área de comunicação do governo serão extintos, mantidos ou alterados. O assunto vem sendo tratado com reserva pelo ministro Santos Cruz e pelo chefe da Secom, Floriano Barbosa de Amorim. Em todo o Executivo, os acordos com agências de publicidade somam R$ 3,1 bilhões.

Santos Cruz disse ao Estado, em janeiro, que pretendia rever contratos de R$ 400 milhões apenas na Secom. Na época, ele admitiu preocupação com o marketing do governo, para que ele não se transformasse em uma forma de “expansão de ideologia”.

Os ministérios, empresas e demais órgãos possuem, hoje, negociações independentes para a área de comunicação. Na Secom, dois contratos de comunicação com a TV1 e a AgênciaClick, que incluem produção de vídeos, administração de sites e redes sociais e produção de conteúdo, com valor de R$ 90 milhões, vencem em 6 de março. A continuidade deles é incerta.

Uma das ideias em estudo na Secretaria de Imprensa é acabar com a divisão no atendimento a jornalistas. As áreas de imprensa nacional, regional e internacional seriam unificadas em uma equipe só, reduzida.

Um contrato de R$ 30 milhões para relações públicas com a imprensa internacional, firmado com a empresa CDN, foi encerrado em janeiro.

NOTÍCIAS RELACIONADAS