Revista online | Twitter, Musk e a economia da atenção

Bilionário quer combater os bots, robôs que atuam para viralizar interesses de quem os opera
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Twitter, Musk e a economia | Arte: FAP
Twitter, Musk e a economia | Arte: FAP

Sergio Denicoli*, especial para a revista Política Democrática online (43ª edição: maio de 2022)

Parece que foi ontem, mas a revolução digital na área da comunicação já cresceu, se desenvolveu e entrou na fase adulta. Afinal, são mais de 30 anos desde o nascimento da WWW (World Wide Web). 

Após tantas décadas, hoje fica mais claro entender o que, afinal, mudou. Mais do que um avanço tecnológico, a principal transformação foi que a comunicação, antes feita para as massas, passou a ser feita pelas massas, com critérios próprios, definidos pelos cliques de cada um e, obviamente, pelas nebulosas regras dos algoritmos.

Tudo isso nos levou à era dos influencers. No mundo digital, com milhões de publicações a cada segundo, quem chama mais atenção acumula mais capital social e, consequentemente, mais capacidade de aferir lucros. Isso deu origem à chamada “economia da atenção”.

E grande parte das vezes não interessa muito o motivo que levou alguém a angariar esse capital social. Pode ser o político “lacrador”, o participante mais rejeitado do BBB, o “mendigo comedor”, o rapaz apaixonado por futebol que usa “luva de pedreiro”, ou o empresário afeito aos holofotes. O que importa mesmo é chamar a atenção e agregar uma legião de seguidores, permitindo garantir ganhos financeiros e de imagem.

O mercado da atenção se tornou intenso e passou a modular o pensamento de muitas pessoas, por vezes operando dentro de bolhas específicas, mas, frequentemente, abrangendo as mais diversas bolhas, que passam a replicar informações dos influencers. 

A coisa se tornou tão avassaladora que começaram a surgir robôs para replicar conteúdo. Hoje, 60% do tráfego da internet brasileira é robotizado. Mas há um tipo de robô, que chamo de “perfil de interferência”, diferente de um e-mail marketing. São os bots, que se passam por humanos, com o objetivo de interferir na opinião pública.

Eles acabaram se tornando um grande problema para as empresas que operam as redes sociais, pois, ao mesmo tempo que geram tráfego e ampliam os números de “usuários” ativos, são armas que podem ser utilizadas para ataques e difusão de desinformação.

Ouça, abaixo, podcast com Sérgio Denicoli

Por muito tempo, essas redes ou negaram a existência dos bots ou afirmaram categoricamente que atuavam para eliminá-los. Algo pouco provável, pois a inteligência artificial hoje é perfeitamente capaz de identificar perfis com comportamentos não humanos.

Esse debate recentemente foi suplantado pelas discussões acaloradas sobre liberdade de expressão nas redes. Algo que se projetou sobre as disputas ideológicas da política. Pessoas identificadas com a direita passaram a acusar algumas redes de censurar vozes conservadoras. O ápice foi o banimento de Donald Trump do Twitter, Instagram e Facebook, sem um processo legal que respaldasse tal atitude, mas com alegações de que o ex-presidente dos EUA violou as normas das redes.

Diante desse fato, um dos mais bem-sucedidos empresários do mundo, com grande capital social, interessado em holofotes, e um mestre em atuar na economia da atenção, resolveu lançar parte da sua fortuna para estabelecer um novo marco do que entende como liberdade de expressão e faturar mais, claro. Elon Musk fez uma oferta de aquisição do Twitter, que balançou o mercado. 

Os influencers que compartilham a ideia de censura dos conservadores comemoraram. Mas Elon Musk foi além, ao anunciar que o negócio ainda não estava fechado, por conta dos robôs que atuam no Twitter. O bilionário já disse que quer acabar com os bots e vê a presença deles de forma negativa. Os robôs atuam de forma a viralizar interesses de quem os opera. É um efeito colateral da digitalização e uma falha no caminho da liberdade apregoada. 

É preciso concordar com Musk nesse ponto. Por mais polêmico que seja, ele vê os robôs como um problema. Afinal, esse instrumento parece ser algo feito para as massas. Ou seja, por trás dos bots, há um velho conhecido operando as máquinas, com uma velha estratégia, que já não cabe na realidade da fase madura da comunicação. 

O antídoto está nas mãos das empresas de tecnologia, e a queda vertiginosa das ações do Twitter, após as ponderações do seu possível comprador, nos revela que o futuro desejado pelo mercado é aquele moderado pelas pessoas, para o bem e para o mal. 

Bilionare Elon Musk | Foto: Shutterstock/Sergei Elagin
Chat Bot | Foto: Shutterstock/PopTika
Chat bot 2 | Foto: Shutterstock/Wright Studio
Donald Trump | Foto: Shutterstock/kovop58
Elon Twitter Musk | Foto: Shutterstock/Rokas Tenys
Investors pump record | Foto: Shutterstock/Hadrian
Twitter foudation | Foto: Shutterstock/Phil Pasquini
Twitter interface | Foto: Shutterstock/Sattalat Phukkum
Bilionare Elon Musk
Chat Bot
Chat bot 2
Donald Trump
Elon Twitter Musk
Investors pump record
Twitter foudation
Twitter interface
previous arrow
next arrow
 
Bilionare Elon Musk
Chat Bot
Chat bot 2
Donald Trump
Elon Twitter Musk
Investors pump record
Twitter foudation
Twitter interface
previous arrow
next arrow

Ainda há nostalgia de alguns que se lembram, com saudades, da era em que a mídia ditava as regras da sociedade. Mas aos poucos isso vai ficando para trás. Os mais jovens já são fruto da mudança e seguirão vendo o mundo pelas lentes de quem se expande em opiniões públicas e é escolhido ou rejeitado de acordo com o que exibe. 

E isso é transversal a praticamente todas as áreas. A política é mais uma delas. A diplomacia está em desuso, devido à fragmentação de opiniões que se autorrefletem na internet. A luta agora é por formar a maioria e garantir a eleição. Abre-se mão de parte do eleitorado para alcançar o objetivo e cativar seguidores.

E, assim, vamos, cambaleando, tentar entender as regras de um jogo que chegou aos 30 anos, sorrateiramente, como se não tivéssemos percebido que a partida era para valer. Quem tem consciência do campo de batalha e se orienta por dados vence.

Sobre o autor

*Sérgio Denicoli é pós-doutor em Comunicação pela Universidade do Minho (Portugal) e Westminster University (Inglaterra) e pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Autor dos livros TV digital: sistemas, conceitos e tecnologias, e Digital Communication Policies in the Information Society Promotion Stage. Foi professor na Universidade do Minho, Universidade Lusófona do Porto e UFF. É sócio-diretor da AP Exata, empresa que atua na área de big data e inteligência artificial.

** Artigo produzido para publicação na Revista Política Democrática Online de maio de 2022 (43ª edição), editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), sediada em Brasília e vinculada ao Cidadania.

*** As ideias e opiniões expressas nos artigos publicados na revista Política Democrática online são de exclusiva responsabilidade dos autores. Por isso, não refletem, necessariamente, as opiniões da revista.

Leia mais

Revista online | Novidades para o Oscar 2023. Será que agora vai? 

Revista online | Conquistas e desafios na luta contra a LGBTfobia no Brasil

Revista online | Os Índios atravessaram a Ponte!

Revista online | O caminho da América Latina é a democracia 

Acesse todas as edições (Flip) da Revista Política Democrática online

Acesse todas as edições (PDF) da Revista Política Democrática online

Privacy Preference Center