Revista online | Uma construção de direitos

Advogada Márcia Rocha fala sobre o projeto TransEmpregos, que é o maior e mais antigo programa de empregabilidade de pessoas trans do Brasil
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Bandeira transgênero | Foto: Tereza Ferreira/Shutterstock
Bandeira transgênero | Foto: Tereza Ferreira/Shutterstock

Márcia Rocha*, especial para a revista Política Democrática online (45ª edição: julho/2022)

Convidada em 2011 a participar do 1º encontro da recém-criada Comissão da Diversidade Sexual e de Gênero da OAB/SP, assumi o compromisso de lutar contra o preconceito dentro e fora da instituição (Clique aqui e veja íntegra da fala).

Em 2013, participando de reuniões do movimento social de pessoas LGBTQIA+, percebemos a dificuldade dessa população em se inserir e se desenvolver plenamente no mercado de trabalho, em especial a população transgênera.

Foi assim que criamos o Projeto Trans Empregos, que em 2014 se associou ao Fórum de Empresas e Direitos LGBT+, associação de empresas multinacionais que assumem o compromisso de contratar diversidade.

Veja todos os artigos desta edição da revista Política Democrática online

Hoje, a plataforma conta com 1.977 empresas parceiras, sendo mais de duzentas multinacionais, todas capacitadas e anunciando vagas para pessoas trans diariamente, com milhares de pessoas trans já contratadas em todo o país.

No início, o trabalho do TransEmpregos consistia em juntar currículos e apresentá-los nas empresas para possíveis contratações, com o tempo, fomos expandindo também no auxílio às empresas na criação de um ambiente acolhedor. Havíamos notado que muitas contratações se encerravam rapidamente por falta de aceitação de seus pares. 

Atualmente, também trabalhamos com empresas que querem fazer mudanças sociais. Já são inúmeras parcerias que se propõe a algo além de discutir e executar a empregabilidade. Não buscamos vagas exclusivas para pessoas Trans, mas sim um mundo inclusivo. A TransEmpregos trabalha para que pessoas possam ser analisadas pelo RH sem sofrerem preconceitos e discriminações neste processo.

Confira, abaixo, galeria de fotos:

Transgender working | Foto: Marcos Castillo/Shutterstock
Transgender heart | Imagem: Yuriy Golub/Shutterstock
Protesto por igualade | Foto: Andrii Zastrozhnov/shutterstock
Amor não tem gênero | Foto: Jacob Lund/Shutterstock
Maquiando-se | Foto: michaelheim/Shutterstock
Pessoa usando azul, fundo rosa, segurando tablet | Foto: Krakenimages.com/Shutterstock
Amor próprio | Foto: Krakenimages.com/Shutterstock
Transgender flag | Foto: cunaplus/SHutterstock
Bandeira transgênero | Tereza Ferreira/Shutterstock
Transgender working
Transgender heart
Protesto por igualade
Amor não tem gênero
Maquiando-se
Pessoa usando azul, fundo rosa, segurando tablet
Amor próprio
Transgender flag
Bandeira transgênero
previous arrow
next arrow
 
Transgender working
Transgender heart
Protesto por igualade
Amor não tem gênero
Maquiando-se
Pessoa usando azul, fundo rosa, segurando tablet
Amor próprio
Transgender flag
Bandeira transgênero
previous arrow
next arrow

Teoria colocada em prática

Mulheres, negros, índios e outras minorias étnicas, assim como imigrantes, obesos, anões, pobres, LGBTIQIA+, pessoas com deficiência, minorias religiosas, e tantos outros grupos de indivíduos com características em comum, são grupos minorizados politicamente. Contudo, cada vez mais se unem para lutar por seus direitos.

Entretanto, quem não é “minoria” no Brasil?

O homem, branco, heterossexual, adulto de idade mediana, trabalhador, de classe média ou alta, católico, fisicamente perfeito, sem quaisquer desejos sexuais considerados “desviantes”, que estudou em escolas particulares, de classe média ou alta, bom pai, bom marido fiel, e por aí vai.

É esse pequeno grupo privilegiado que vemos em todas as instâncias de poder do país, seja no Legislativo, no Executivo, no Judiciário, em cargos de gerência e diretorias nas empresas, em detrimento da grande maioria do restante da população.

Ninguém escolhe ser gay, lésbica ou transgênero. Como não se escolhe o gênero, a cor da própria pele, dos olhos, dos cabelos. Se há alguma escolha para nós, é assumir-se ou não, seja para si mesmo ou para o mundo.

Faz-se essencial compreender essas estruturas para combatê-las em sua origem, principalmente através da educação de toda a sociedade brasileira, construindo um país mais justo e inclusivo para o futuro.

Essa é a minha luta diária. Sinto-me preparada e com energia para levá-la adiante.

Sobre a autora

*Márcia Rocha é empresária, advogada eleita a primeira Conselheira Seccional trans da OAB/SP, com assento no Comitê de Direitos Sexuais da World Association for Sexual Health, pós-graduada em Educação Sexual e fundadora do Projeto Transempregos. Primeira pessoa trans a ter o nome social em um documento federal no Brasil, bem como a primeira advogada autodenominada “travesti” a fazer sustentação oral no Tribunal de Justiça de São Paulo.

* Artigo produzido para publicação na Revista Política Democrática Online de julho/2022 (45ª edição), produzida e editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), sediada em Brasília e vinculada ao Cidadania.

*** As ideias e opiniões expressas nos artigos publicados na Revista Política Democrática Online são de exclusiva responsabilidade dos autores, não refletindo, necessariamente, as opiniões da Revista.

Leia também

Revista online | 10 anos do Código Florestal: retrocessos e pouco a comemorar 

Revista online | O racismo estrutural e a eleição de candidatos negros

Revista online | A gaiola invisível do abuso

Revista online | O falso moralismo do neosertanejo

Revista online | Bolsonaro nos Estados Unidos: a normalização diplomática como narrativa de campanha

Acesse todas as edições (Flip) da Revista Política Democrática online

Acesse todas as edições (PDF) da Revista Política Democrática online

Privacy Preference Center