Exclusivo na TVFAP.net: Fernando Henrique Cardoso e “A Miséria da Política”

Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter

“Usar crise como mecanismo para chegar ao poder é versão moderna de golpe”, afirmou a quase ex-presidente Dilma Roussef, em mais uma demonstração explícita de autismo político.

“Eu não conheço quem esteja usando a crise (para dar golpe). Todo mundo está sofrendo com a crise. E quem está sofrendo não quer dar golpe, quer se livrar da crise. Na medida em que o governo faz parte da crise, começaram a perguntar se ele vai durar, mas isso não é golpe”, respondeu o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

No lançamento de “A Miséria da Política – Crônicas do Lulopetismo e outros Escritos”, livro no qual reúne artigos publicados desde 2010, além da  transcrição de dois discursos, FHC se apresenta como o mais lúcido, equilibrado e coerente líder tucano.

Num bate-papo com os jornalistas Eliane Cantanhêde e Ricardo Gandour – exibido na íntegra, com exclusividade, pela TVFAP.net – ele mostra a leveza que só o “peso” da idade permite.

Bem humorado, acessível, com a popularidade em alta, FHC se dedica a analisar o Brasil, a crise do governo e a derrocada do que chama de “lulpetismo”, ou a transformação de um governo de coalizão em governo de cooptação.

“Esses governos que estão aí levaram o Brasil à quebra. Quebrou o tesouro, quebraram os recursos. E a sociedade não quer mais pagar imposto. Então, tem um impasse muito grande. Ao mesmo tempo que há necessidade, que a população pede ao governo, a população diz ‘eu não dou porque vocês não estão usando adequadamente’”, afirmou o ex-presidente.

Para FHC, são necessárias pelo menos duas condições para que a hipótese de impeachment se concretize. “O impeachment precisa de duas condições: uma é a perda de capacidade de governar. Essa, parece que está existindo. A outra é você ter uma condição de responsabilidade objetiva”, declarou FHC“Portanto, não se trata de uma torcida, mas há fatos apontados por canais institucionais”.

O “pós-PT” também foi tratado por FHC. Para ele, se concretizado o afastamento de Dilma (por impeachment, renúncia ou cassação), o Brasil exigirá um pacto para sair da crise e garantir a governabilidade, do qual todos os partidos e as principais lideranças políticas devem participar.

Fez uma comparação do momento atual com o governo de transição do presidente Itamar Franco, após o impeachment de Collor (“hoje, porém, a crise é mais grave”), do qual foi ministro da Fazenda (segundo ele, por insistência de Roberto Freire, então líder do governo no Senado), e reiterou que é preciso ter novas lideranças com um discurso “compatível, unindo o social com o econômico e o político”. Citou nominalmente Marina Silva como exemplo de liderança íntegra que deve ser chamada a este pacto para “renovar a esperança com confiança”.

Privacy Preference Center