Revista online | Sete meses de guerra e um sistema internacional em transição

A ameaça nuclear russa pode significar sinal de relativa fragilidade do governo de Vladimir Putin
Após derrotas, a Rússia anunciou a mobilização de 300 mil reservistas do exército para apoiar as operações militares na Ucrânia | Foto: Evan Huang/Shutterstock
Após derrotas, a Rússia anunciou a mobilização de 300 mil reservistas do exército para apoiar as operações militares na Ucrânia | Foto: Evan Huang/Shutterstock

Eduardo Heleno Santos*, especial para a revista Política Democrática online (47ª edição: setembro/2022)

Há exatos 210 dias teve início a segunda intervenção militar russa em território ucraniano. Marcada por um rápido avanço das tropas russas na Ucrânia, o conflito passou por uma fase de incerteza devido à incapacidade militar russa em se apoderar da capital, Kiev. Após sete meses de combates, a imprensa ocidental anuncia a contraofensiva ucraniana em Kharkiv, com a retomada de território e uma nova linha de fronteira que abarca as cidades de Izyum e Kupiansk, às margens do rio Oskil, no leste do país. 

Nestes últimos dias de setembro, os sinais são desencontrados: o presidente turco, Recep Erdogan, declara para os meios de comunicação que Putin estaria disposto a acabar com a guerra; no dia seguinte,  o líder russo faz o discurso à nação e anuncia a convocação de 300 mil reservistas e ameaça usar armas nucleares. Kiev comemora a contraofensiva enquanto as regiões ucranianas de Donbass, Donetsk e Lugansk, Kherson e Zaporizhzia, de maioria étnica russa, preparam referendos para aprovar a adesão ao território russo.

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia evidencia a limitação da arquitetura do sistema internacional. A guerra da Síria e o conflito anterior de 2013 entre a Rússia e a Ucrânia já evidenciavam essa falha estrutural. Na Síria, os russos apoiaram o governo de Bashar Al-Assad ajudando não somente a reconstruir o exército do país como atacando posições dos variados grupos opositores, a partir das bases russas de Tartus e Khmeimim, em solo sírio.

Veja todos os artigos da edição 46 da revista Política Democrática online

Naquela guerra, os russos puderam testar novas armas de seu renovado complexo industrial militar e uma tática voltada a bombardeios de alvos civis, como hospitais e centros de saúde, fato que se repete na Ucrânia. Houve mais de 400 ataques perpetrados pela aviação russa e síria contra hospitais no país asiático. Na Ucrânia, apenas no primeiro mês de conflito, a Organização Mundial da Saúde aponta que 64 hospitais e instalações médicas foram alvo de bombardeio.  

O conflito que Putin proíbe chamar de guerra pode alcançar uma escala que nos traria a terceira guerra mundial. Os Estados Unidos estão dando apoio militar e financeiro para a Ucrânia. Kiev já recebeu até o momento US$ 9 bilhões em ajuda financeira e militar estadunidense. Neste contexto, nota-se uma nova corrida armamentista na Europa.

Desde a reunificação, a Alemanha optou por uma política externa não intervencionista. A diplomacia direcionada às nações do leste europeu, a Ostpolitik, priorizou a reorganização dos países da antiga cortina de ferro em um ambiente de paz. Porém, as tensões entre Moscou e Kiev, acentuadas em 2012, trouxeram um velho dilema para a cultura de defesa na Alemanha: é necessário rearmamento? Essa pergunta não pode ser respondida isoladamente sem levarmos em conta que, paralelamente a Ostpolitik pacífica alemã, tivemos a expansão da OTAN ao longo do mesmo período e a tentativa russa de intervenção na Ucrânia em 2004 e 2013. 

Nas guerras de desintegração da Iugoslávia, a aliança militar havia se tornado a ponta de lança da política externa americana no conflito dos balcãs. A partir de 1999, passam a fazer parte da OTAN a Hungria, a República Tcheca e a Polônia. Em 2004, outros países da antiga cortina de ferro, em especial os países bálticos, entram no grupo. Pouco tempo depois, abre-se a possibilidade de adesão da Geórgia e da Ucrânia, o que sinalizou o caminho para ruptura com a Rússia.

O orçamento de Defesa alemão de 2022 é de cerca de 150 bilhões de euros, o triplo do registrado em anos anteriores. Além de atualizar sua base de defesa, até o momento, o governo alemão enviou aos ucranianos 30 veículos antiaéreos Gepard e 6 mil munições para equipar seus canhões, 13,5 mil munições de 155mm, um sistema de radar, 54 veículos M113, 3 mil armas antitanque Panzerfaust, 14,9 mil minas antitanque, 500 lançadores Stinger 3 e 2700 lançadores Strela, 280 veículos de transporte, entre outros itens.

Confira, abaixo, galeria de imagens:

Estação de metrô na Ucrânia serve de abrigo para milhares de pessoas durante os ataques russos | Foto: Drop of Light/Shutterstock
Mãe segura seu bebê em abrigo antiaéreo na Ucrânia | Foto: Marko Subotin/Shutterstock
Em Varsóvia, na Polônia, uma grande tenda foi instalada para abrigar refugiados ucranianos | Foto: Damian Lugowski /Shutterstock
Mãe refugiada ucraniana atravessa a fronteira para fugir da guerra | Foto: Halfpoint/Shutterstock
Crianças se abrigam em seu porão na cidade de Mariupol, Ucrânia, durante bombardeio pela aviação russa | Foto: Vladys Creator/Shutterstock
Lenço nas cores da bandeira da Ucrânia em fronteira com a Eslováquia | Foto: Vladys Creator/Shutterstock
Famílias ucranianas fogem da guerra por meio de fronteira com a Hungria | Foto: Vladys Creator/Shutterstock
Foto: Dba87/Shutterstock
Alemanha e UE anunciam 'novo Plano Marshalll' para Ucrânia | Foto: reprodução/Flickr
Demonstrators display a banner in the colours of the Ukrainian flag reading "Stop [Russian President] Putin, Stop war" during a protest at Berlin's Brandenburg Gate on January 30, 2022. - Demonstrators criticised Putin's massing of troops near the Ukrainian border and called on Germany to play a more active role in defending Ukraine's interests. (Photo by John MACDOUGALL / AFP) (Photo by JOHN MACDOUGALL/AFP via Getty Images)
Kyiv,,Ukraine,-,Feb.,25,,2022:,War,Of,Russia,Against
Caring,Mother,Holding,Her,Crying,Baby,In,The,Air,Raid
Warsaw,,Poland,-,March,22,,2022:,Large,Tent,Built,As
Ukrainian,Refugee,Mother,With,Child,Crossing,Border,And,Looking,At
Mariupol,,Ukraine,-,5,March,2022:,Ukrainian,Kid,,Childrens,Takes
A,Handkerchief,In,The,Colors,Of,The,National,Flag,Of
Hungary-beregsurany,,02.26.2022.,Ukrainian,Families,Flee,The,War,Across,The,Hungarian
Flag,Of,Ukraine.,Illegal,Entry,Of,Citizens,To,Country.,Refugees
Alemanha e UE anunciam 'novo Plano Marshalll' para Ucrânia
GERMANY-UKRAINE-RUSSIA-POLITICS-PROTEST
previous arrow
next arrow
 
Kyiv,,Ukraine,-,Feb.,25,,2022:,War,Of,Russia,Against
Caring,Mother,Holding,Her,Crying,Baby,In,The,Air,Raid
Warsaw,,Poland,-,March,22,,2022:,Large,Tent,Built,As
Ukrainian,Refugee,Mother,With,Child,Crossing,Border,And,Looking,At
Mariupol,,Ukraine,-,5,March,2022:,Ukrainian,Kid,,Childrens,Takes
A,Handkerchief,In,The,Colors,Of,The,National,Flag,Of
Hungary-beregsurany,,02.26.2022.,Ukrainian,Families,Flee,The,War,Across,The,Hungarian
Flag,Of,Ukraine.,Illegal,Entry,Of,Citizens,To,Country.,Refugees
Alemanha e UE anunciam 'novo Plano Marshalll' para Ucrânia
GERMANY-UKRAINE-RUSSIA-POLITICS-PROTEST
previous arrow
next arrow

Os 30 países que fazem parte da OTAN se comprometeram a aumentar o investimento em defesa. Com a guerra atual, a União Europeia ampliou em 1250% os recursos financeiros voltados à pesquisa e desenvolvimento no setor de defesa. O Fundo Europeu de Defesa conta com orçamento de € 8 bilhões para o período de 2021 a 2027.  Essa escalada silenciosa afeta principalmente a doutrina militar e já apresenta efeitos na contraofensiva ucraniana. 

A OTAN e a Rússia, que já chegaram a conviver em um ambiente de parceria estratégica contra o terrorismo, voltam-se como inimigos latentes. Desde junho, a aliança militar aumentou para 300 mil os soldados em prontidão. Esse efetivo é o mesmo da última convocação nacional feita agora em setembro por Putin. Longe de criar um anel de nações irmãs para a proteção de seu território, o líder russo se vê cada vez mais cercado em sua frente ocidental. Com perdas em material, não obstante a irresolução do conflito, a ameaça nuclear de seu discurso acaba sendo sinal dessa relativa fragilidade.

Sobre o autor

*Eduardo Heleno Santos é doutor em Ciência Política (UFF, 2015) com tese sobre a extrema direita no meio militar. É professor adjunto do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense.

** O artigo foi produzido para publicação na revista Política Democrática online de maio de 2022 (47ª edição), produzida e editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), sediada em Brasília e vinculada ao Cidadania.

*** As ideias e opiniões expressas nos artigos publicados na revista Política Democrática online são de exclusiva responsabilidade dos autores. Por isso, não reflete, necessariamente, as opiniões da publicação.

Leia mais

Revista online | Militares e o governo Bolsonaro: política ou partidarização?

Revista online | Por que eu voto em Simone?

Revista online | O Chile do pós-plebiscito

Revista online | Um Natal com Darcy Ribeiro

Revista online | Os desafios fiscais para 2023

Revista online | Eleições atrás das grades

Revista online | Não! Não Olhe! Sim! Enxergue!

Revista online | 1789 e 1822: duas datas emblemáticas

Acesse a 46ª edição da Revista Política Democrática online

Acesse todas as edições (Flip) da Revista Política Democrática online

Acesse todas as edições (PDF) da Revista Política Democrática online

Privacy Preference Center