Pandemia de Covid completa 2 anos em meio a tsunami de infecções

Com ômicron, planeta vê as maiores médias móveis de casos da crise sanitária
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Foto: REUTERS/Jeenah Moon
Foto: REUTERS/Jeenah Moon

Phillippe Watanabe e Diana Yukari

Era uma quarta-feira, dia 11 de março, quando a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou que a Covid-19 era uma pandemia —em meio a algumas críticas de que a entidade havia demorado para chegar a essa conclusão. Dois anos depois, mesmo com vacinas disponíveis, pelo menos para parte do mundo, o planeta vê as maiores médias móveis de casos de toda a pandemia e ainda níveis grandes de mortes associados à superinfecciosa variante ômicron.

Em janeiro deste ano, a ômicron levou à média móvel mundial de casos a inimagináveis 3,4 milhões de pessoas infectadas por dia. Em dezembro de 2021, a variante já tinha elevado o patamar de infecções para mais de 1,3 milhão de casos. Os maiores valores anteriores ficavam na casa das 700 mil ou 800 mil infecções diárias, como em abril e maio de 2021.

A boa notícia em meio ao tsunami de infecções é a quantidade um pouco menor de pessoas mortas pela doença. No pior momento da ômicron (até aqui), a média móvel de mortes pela Covid no mundo ficou pouco acima de 10 mil óbitos por dia. Em janeiro, abril e maio do ano passado, os valores ficavam próximos às 15 mil mortes por dia.

O Brasil, por exemplo, no primeiro semestre de 2021, era acossado pela variante gama, com mais de 70 mil casos por dia e médias de mortes acima de 2.000 e até 3.000, além dos colapsos de sistemas de saúde.

Já em 2022, mesmo com recorde absoluto de média móvel de casos, que chegou a 188.451 por dia em 31 de janeiro, a média de óbitos não chegou a cruzar a linha das 900 vidas perdidas por dia —um número de perdas, porém, ainda elevado.

A lição que fica é a das vacinas, afirma Renato Kfouri, infectologista e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações. “Elas mostram, mais uma vez, como são capazes de reduzir a carga da doença”, diz o especialista. “Como estaríamos se não tivéssemos as vacinas fazendo esse papel?”

Kfouri afirma que é possível dividir a pandemia em dois períodos.

Um antes da vacina, no qual se aprendeu, basicamente, como lidar com os pacientes, quais drogas funcionam ou não e a necessidade de medidas não farmacológicas para tentar frear a disseminação da Covid.

Esse período, no Brasil, foi recheado de desinformação e politização dos assuntos médicos relacionados à pandemia, relembra Ethel Maciel, epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo.

cloroquina foi, talvez, a principal droga abraçada e propagandeada por Jair Bolsonaro (PL), apesar das consecutivas evidências de que ela não funciona contra a Covid. Até mesmo as máscaras foram motivo de fake news por parte do presidente e de seus apoiadores.

“Medidas simples de controle viraram um objeto de disputa política”, afirma Maciel.

A epidemiologista diz que o país sempre teve uma política de saúde verticalizada, com a esfera federal atuando inicialmente para só depois as instruções chegarem aos municípios. Na pandemia, segundo ela, houve uma desestruturação disso, o que pode ter sido problemático principalmente para cidades que não tinham corpos técnicos adequados para tomadas de decisão.

“Quando o governo passa a não tomar decisões ou tomar decisões que batem de frente com a ciência, aí começa algo que a gente ainda não tinha visto no Brasil”, diz Maciel.

Até mesmo as vacinas viraram motivo de politização, com Bolsonaro desincentivando a imunização.

E foi graças às vacinas que começou o segundo período da pandemia, afirma Kfouri. Mas nem mesmo elas foram capazes de frear definitivamente a pandemia, em parte pela concentração de doses em países desenvolvidos e pela falta de imunizantes e baixa cobertura vacinal em outros locais, como no continente africano e em alguns países do leste europeu.

A ômicron, por exemplo, surgiu na África do Sul, em novembro do ano passado, em um momento em que o país lutava para uma melhor distribuição das vacinas contra a Covid.

variante surpreendeu a todos. “Nunca se viu um vírus se espalhar no planeta como a ômicron se espalhou”, afirma o infectologista.

Até mesmo vacinados —inclusive com doses recentes— não foram poupados pela ômicron, que atualmente domina o mundo. O escape vacinal era um perigo constantemente alertado pelos pesquisadores, que reforçavam a necessidade de uma maior equidade na distribuição de vacinas para evitar novas variantes (quanto maior a transmissão descontrolada, maiores as chances de novas cepas).

Apesar de ser tornarem mais fracas para evitar casos leves, as vacinas continuaram cumprindo muito bem o papel de proteção contra a gravidade da Covid e óbitos.

previous arrow
next arrow
 
previous arrow
next arrow

Agora, mesmo em meio à elevada quantidade de casos dos últimos meses, começam conversas e até mesmo ações para tirar o caráter pandêmico da Covid, algo precipitado para o momento, segundo pesquisadores.

Afinal, ao sair da pandemia, iniciaríamos um momento em que se tem uma certa previsibilidade da quantidade de casos e mortes da Covid, saberíamos o que esperar. O que ainda parece uma realidade não factível para as infecções por Sars-CoV-2. E isso fica muito claro ao olharmos para os últimos poucos meses.

No Reino Unido, as restrições caíram quase totalmente. O país, porém, já começa a ver sinais de uma nova alta de casos.

No Brasil, a obrigatoriedade das máscaras já está caindo em diversos estados, o que especialistas afirmam fazer sentido para os ambientes abertos. Não haver obrigação de proteção facial em áreas fechadas, porém, preocupa os pesquisadores.

De toda forma, Kfouri afirma que os próximos meses devem ser de calmaria e lua de mel para o Brasil e para os demais países, devido a uma grande imunidade global adquirida, seja por vacinação ou por infecções recentes.

Porém, sabe-se que isso deve ter um prazo de validade: até a próxima onda.

Os pesquisadores apontam que um fim ainda não está no horizonte, ou seja, não se pode declarar ainda que a Covid é uma endemia (como é o desejo de Marcelo Queiroga, ministro da Saúde). Em primeiro lugar, porque a pandemia é um evento mundial, sobre o qual só a OMS poderia decretar o fim.

Além disso, lembra Kfouri, a carga de mortes e infecções da Covid é muito elevado, no Brasil por exemplo, com mais de 500 óbitos por dia, para se considerar a doença como endêmica.

Segundo Maciel, resta saber com quais níveis de mortalidade e contaminação estaremos confortáveis para declarar que a Covid, finalmente, está em um nível aceitável.

Enquanto isso, a OMS continua alertando continuamente que a pandemia ainda não acabou.

Fonte: Folha de S. Paulo
https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2022/03/pandemia-de-covid-completa-2-anos-com-maiores-medias-moveis-de-casos.shtml

Privacy Preference Center