Palmares na França

Tradução do livro Memorial dos Palmares, de Ivan Alves Filho, editado pela Fundação Astrojildo Pereira
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Imagem: reprodução.
Imagem: reprodução.

Ivan Alves Filho, historiador

Movimento rebelde que eclodiu no extremo-sul de Pernambuco, Alagoas atual, no último quartel do século XVI e se desenrolou até às primeiras décadas do século XVIII, o Quilombo dos Palmares representou a nossa primeira luta de classes, apontando para o desmoronamento do mundo das tribos. Foi um Brasil às avessas, sem latifúndio e com trabalho livre. E uma sociedade multiétnica também. Foi, a meu juízo, o maior libelo contra a escravidão no mundo.

Eu me tornei historiador por causa de Palmares. Sob essa ótica, foi fundamental para mim a leitura do livro de Edison Carneiro, O Quilombo dos Palmares, quando tinha apenas 16 ou 17 anos. Quando tive de sair do Brasil, ainda muito jovem, há exatas cinco décadas eu me agarrei à experiência de Palmares para entender a formação da nacionalidade brasileira.
Em 1978, apresentei uma dissertação sobre a epopeia palmarina junto à Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, de Paris. Dez anos depois, no Centenário da Abolição, publiquei Memorial dos Palmares no Brasil. E não parei mais de pesquisar sua extraordinária trajetória libertária. Memorial dos Palmares está hoje em sua quarta edição, tendo a última delas saído pela Fundação Astrojildo Pereira.

Agora, o tradutor francês Jérémy Millaud começou a traduzir a obra na França. Fico muito orgulhoso com isso. E estou me esforçando para viabilizar sua edição em francês, língua oficial de cerca de 50 países no mundo, muitos deles situados na África.

Imagem: reprodução/conhecimentocientifico.com

Privacy Preference Center