FAB compra novos mísseis e quer mais 30 caças Gripen

Armas são as mais avançadas da América do Sul e podem custar até R$ 12 milhões cada
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB

Igor Gielow / Folha de S. Paulo

A FAB (Força Aérea Brasileira) quer comprar mais 30 caças Gripen, quase dobrando assim a frota de 36 que aos poucos chegam ao país. Enquanto isso, começou a montar o mais moderno e caro arsenal de mísseis que o Brasil já teve para equipar o avião.

“O planejamento baseado em capacidade nos leva hoje, pelas nossas hipóteses de emprego, a 66 aviões”, disse à Folha o comandante da Força, Carlos de Almeida Baptista Junior.

O redesenho reduz as especulações de uma frota ideal de mais de 120 aeronaves, feitas desde que o Brasil começou a discutir a aquisição de um novo caça, em 2001.

“Como chegar nisso [os 66], temos discutidos, estamos em fase inicial. Tem uma intenção”, diz o brigadeiro, ciente das dificuldades orçamentárias inerentes à área militar —o contrato para a compra de cargueiros KC-390 da Embraer, por exemplo, está sendo renegociado e deverá contemplar talvez metade da encomenda original de 28 aviões.

O Gripen, fabricado pela sueca Saab em um programa que visa capacitar a produção nacional na Embraer, foi comprado pelo equivalente hoje a R$ 22,6 bilhões em 2014.

Não é uma aquisição de produto pronto, e sim um programa de transferência tecnológica, tanto que o modelo de dois lugares está sendo desenhado em conjunto por brasileiros e suecos.

Um avião está no Brasil desde 2020 para a campanha de testes, e quatro chegarão neste semestre para iniciar a chamada certificação militar. Ela será feita na Suécia e ratificada no Brasil, e a FAB quer contar ao todo com seis aviões até o fim do ano.

Baptista Junior crê que o processo vá durar cerca de seis meses. Ele descartou os boatos no mercado de que a FAB teria interesse em outro vetor para sua aviação de combate, o americano com tecnologia furtiva F-35. “Isso é delírio”, disse.

Tal ideia veio da recente derrota do Gripen em uma concorrência na Finlândia, para o F-35, que por ter começado a ultrapassar os problemas de alto custo que o atormentavam, passou a ser visto como uma alternativa no mercado.

O caça sueco enfrenta diversas disputas, como na Áustria, no Canadá e, de forma mais importante para um avião que poderá ser montado no Brasil, na Colômbia. Baptista Junior relativiza a preocupação com o fato de que este modelo do Gripen, a geração E/F, só foi comprado pela FAB (36 aviões) e pela Suécia (60).

Gripen, novo caça da Força Aérea Brasileira

O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
51126232061_a98915fd49_o
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
F-39 Gripen
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
previous arrow
next arrow
 
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
51126232061_a98915fd49_o
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
F-39 Gripen
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
O novo caça F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB). Foto: FAB
previous arrow
next arrow

“É um avião muito off the shelf [inglês para ‘direto da prateleira’, no jargão que indica que seus componentes podem ser adquiridos em vários lugares]. Nós sofremos com o [avião de ataque ítalo-brasileiro] AMX, pois muitas coisas feitas para ele só existiam aqui e na Itália”, afirma.

“Eu acredito que vai ser um avião vitorioso, é até injusto chamá-lo de quarta geração, a arquitetura de software dele é algo incrível”, disse o militar, que concorda que “vamos ter de pagar para mantê-lo, fazer controle de obsolescência”.

Este é um risco inerente à opção “fazer” quando a FAB se viu entre “comprar ou fazer” ao escolher seu caça multimissão, que visa substituir os atuais F-5 e AMX. A vantagem é a capacitação industrial.

“A ideia era que a Embraer pudesse fazer um avião de quinta geração. Hoje, não sei se fazendo isoladamente, difícil com esse custo, mas com parcerias”, diz.

Caminho diverso foi tomado para armar o Gripen. Ao longo de anos, a FAB fomentou projetos de construção de mísseis junto à fabricantes locais, mas agora a opção foi pelo “comprar”.

A nova geração de armamentos da FAB foi negociada dentro da ação orçamentária do Gripen, com alguns itens a serem custeados pelo Tesouro.

Em 24 de novembro, a Força recebeu seu primeiro lote para uso operacional do míssil Meteor, do consórcio europeu MBDA, após ter um para testes com o Gripen que está no Brasil.

Trata-se de um míssil BVR (além do alcance visual, na sigla inglesa). Ou seja, o piloto o dispara a uma distância que pode variar de 100 km a 200 km de seu alvo, podendo ou não atualizar sua rota via conexão digital no caminho deixando pouquíssimo tempo de reação para o adversário.

O Meteor é considerado o mais avançado modelo do tipo no mercado. Ele combina uma fase de propulsão com combustível sólido que é substituída por um motor do tipo ramjet, que se alimenta do ar à frente para gerar velocidades até quatro vezes acima das do som (4.900 km/h).

Mas, segundo a tabela anual de transferências de armas do referencial Sipri (Instituto Internacional de Pequisas da Paz de Estocolmo), o negócio foi de € 200 milhões (cerca de R$ 1,2 bilhão hoje) para um total de cem unidades. Isso está em linha com o preço citado no mercado para o Meteor, € 2 milhões a peça (R$ 12 milhões).

Fazendo par ao Meteor, foi anunciado também um segundo lote, também para uso operacional, do míssil ar-ar de curto alcance Iris-T, um projeto teuto-italiano. Neste caso, não há referência no Sipri e a FAB também não comenta, mas o produto segundo sites especializados custa € 380 mil (R$ 2,2 milhões hoje) a unidade.

O Iris-T irá substituir um míssil nacional, o MAA-1 Piranha, desenvolvido nos anos 1970 pela FAB e que só foi fabricado 25 anos depois. Ele é da antiga geração de mísseis para combate visual com guiagem infravermelho —em distâncias de no máximo 25 km, ele é disparado e persegue a assinatura de calor do motor do adversário.

A dupla supre uma lacuna brasileira, e é a mais moderna da América do Sul. Chile e Venezuela têm capacidade BVR, mas com modelos mais antigos de mesma geração (o americano AIM-120 e o russo R-77, respectivamente).

Tanto o Iris-T quanto o Meteor tinham versões nacionais em desenvolvimento há anos em parceria com a Denel, empresa da África do Sul. Aqui, a realidade de mercado se interpôs.

A fabricante brasileira, Mectron, havia surgido no “cluster” aeronáutico de São José dos Campos (SP) em 1991. Em 2007, foi turbinada com verbas do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e, quatro anos depois, comprada pela Odebrecht Defesa, o braço militar da empreiteira.

As dificuldades da empresa após ter seu papel nas falcatruas do petrolão dissecadas pela Operação Lava Jato desmontou a divisão bélica, que colocou ativos à venda. Parte do que era a Mectron sobrevive numa empresa chamada SIAAT.

Os projetos abertos, o A-Darter (equivalente ao Iris-T) e o R-Darter (um BVR menos capaz do que o Meteor), não. Além das questões domésticas, a dona dos desenhos, a estatal sul-africana Denel, basicamente quebrou nos últimos anos. Quase declarou falência e se viu envolvida em um grave escândalo de corrupção, deixando na prática de desenvolver produtos.

“Não tem escala [para os projetos]. Não haverá compra de oportunidade sob este comando, sofremos muito com isso no passado. Eu preciso de um míssil. O Meteor já está no paiol, o Iris-T está chegando”, afirma o brigadeiro.

Confira o vídeo em: https://tv.uol/19Jfe

“Durante 30 anos fizemos investimentos na missilística nacional. Fizemos todas as tentativas. Por que a Avibrás [famosa por seus lançador Astros] é uma vencedora? Porque ela tem um mercado de exportação que compensa a baixa compra governamental. Ou você tem uma tecnologia dual, civil ou militar, ou tem exportação”, afirmou.

Haverá protestos na indústria nacional? “A vida como ela é”, responde, ressaltando que isso não significa abdicar de pesquisa. “Veja o caso do míssil hipersônico. Nós dividimos o projeto em subsistemas e testamos com sucesso a ignição em voo, que é crítica“, afirmou, sobre o programa 14-X.

Fonte: Folha de S. Paulo
https://www1.folha.uol.com.br/poder/2022/02/forca-aerea-brasileira-compra-novos-misseis-e-quer-mais-30-cacas-gripen.shtml

Privacy Preference Center