Bolsonaro tem os governadores que disputam a reeleição e palanques fortes no Sul e Sudeste

Presidente sobe nas pesquisas, melhora a rejeição, reduz a diferença para Lula e confirma que nem está morto nem será fácil tirá-lo do segundo turno
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Foto: Marcos Corrêa/PR
Foto: Marcos Corrêa/PR

Eliane Cantanhêde / O Estado de S. Paulo

Da Bahia para cima, só dá Lula. Da Bahia para baixo, o presidente Jair Bolsonaro continua recuperando fôlego e armou muito bem seus palanques e a campanha à reeleição. Isso vale para Centro-Oeste, Sul e o populoso Sudeste, inclusive para São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Se o clima lulista era de “já ganhou” e a dúvida era se a vitória seria em primeiro ou segundo turno, as certezas balançam. Lula mantém uma dianteira folgada, mas Bolsonaro sobe nas pesquisas, melhora a rejeição, reduz a diferença para Lula e confirma que nem está morto nem será fácil tirá-lo do segundo turno.

Lula tem PT, PSB, MDB e boa parcela da direita, inclusive de partidos bolsonaristas, no Nordeste – o bolsão vermelho, onde o PT sempre vence e Fernando Haddad ganhou em 2018. Fora daí, a coisa muda de figura e não só no agrícola Centro-Oeste, como muitos creem.

Bolsonaro ainda patina no Espírito Santo, mas tem candidatos consistentes em toda parte: o ministro Tarcísio Gomes de Freitas (que irá para o Republicanos) em São Paulo e os governadores Cláudio Castro (PL) no Rio, Romeu Zema (Novo) em Minas, Ratinho Jr. (PSD) no Paraná e Carlos Moisés (Republicanos) em Santa Catarina. De quebra, o ministro Onyx Lorenzoni (PL) no Rio Grande do Sul.

A escolha de Tarcísio para disputar o Palácio dos Bandeirantes foi uma jogada de mestre de Bolsonaro, no âmbito estadual, equivalente à construção da chapa Lula-Geraldo Alckmin, no nacional. Bagunça o coreto na joia da coroa.

Carioca, Tarcísio possivelmente não sabe distinguir Americana de Pindamonhangaba, nem o bairro do Limão de Higienópolis, na capital, mas tem um fator que, em 2018, ao menos, foi decisivo nos Estados: o bolsonarismo. Vai para o Republicanos para abafar a ciumeira com a disparada da base governista para o PL, e os próprios adversários imaginam que já na largada tenha um quarto de intenção de votos no Estado.

Em São Paulo, o PSDB versus PT pode estar virando coisa do passado, mas o azul versus vermelho continua firme. Tarcísio vai disputar o centro, a centro-direita e a direita com Rodrigo Garcia, o neotucano lançado pelo governador e presidenciável João Doria. Um dos dois será o adversário do hoje favorito Haddad, que disputa o centro e a esquerda com Márcio França, do PSB.

Bolsonaro hoje alavanca Tarcísio em São Paulo. Depois, o crescimento de Tarcísio vai reverter a favor de Bolsonaro na eleição presidencial no Estado. Como diz uma conhecida raposa política, Bolsonaro não governa e não entende nada de nada, mas é populista e esperto em política, talvez tanto quanto Lula. E sabe muito bem o que está fazendo.

Fonte: O Estado de S. Paulo
https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,bolsonaro-tem-os-governadores-que-disputam-a-reeleicao-e-palanques-fortes-no-sul-e-sudeste,70004018985

Privacy Preference Center