A invasão da Ucrânia e o temor de uma Terceira Guerra Mundial

Um ataque a um país da aliança é um ataque contra todos – esse é o consenso entre os parceiros da Otan
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Foto: Daniel Ceng Shou-Yi/Zuma
Foto: Daniel Ceng Shou-Yi/Zuma

Rosalia Romaniec / DW Brasil

Guerra de agressão da Rússia desperta medo generalizado de um conflito global, talvez nuclear. Não faltam os paralelos com Hitler. Quão concreto é o perigo? Deve-se combater Putin de frente ou ceder a suas ameaças?

Quando, em 13 de março, mísseis russos atingiram um centro de treinamento militar próximo à cidade ucraniana de Lviv, deixando 35 mortos, o abalo se fez sentir até na Polônia. Mais 20 quilômetros para o oeste, e a carga teria atingido território polonês e, portanto, um Estado-membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Um ataque a um país da aliança é um ataque contra todos – esse é o consenso entre os parceiros. Jake Sullivan, assessor nacional de segurança do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, advertiu que o país “defenderá cada centímetro do território da Otan”.

Grande parte dos especialistas se recusa no momento a considerar uma Terceira Guerra Mundial, mas há muito está presente o temor de uma escalada nesse sentido.

“A ideia de que vamos enviar equipamento ofensivo e ter aviões e tanques e trens entrando com pilotos e tripulações americanos… isso é o que se chama Terceira Guerra Mundial, OK? Vamos deixar bem claro”, declarou Biden recentemente.

Proporcionalmente pequena é a disposição da Otan de intervir diretamente na guerra na Ucrânia, por exemplo declarando uma zona de exclusão aérea: o risco de uma confrontação com a Rússia seria grande demais, alega.

Nuclear ou não, eis a questão

Mas e se de fato se chegar a esse ponto? Uma consequente guerra mundial poderia ser travada de modo “convencional”, ou seja, sem armas atômicas, porém seria grande o perigo de ogivas nucleares também serem empregadas.

A aliança ocidental reagiria a armas atômicas táticas – lançadas em palcos de guerra delimitados, com baixo ou médio poder explosivo, fora do território da Otan – de modo diferente que a mísseis nucleares estratégicos, que têm o potencial de reduzir o mundo a cinzas, de um dia para o outro.

Enquanto para alguns analistas as ameaças nucleares do presidente russo não passam de um blefe, outros consideram o ex-agente da KGB capaz de precipitar um apocalipse nuclear.

“Putin não deve esquecer que a Otan também é uma aliança nuclear”, argumenta à DW o ex-ministro polonês do Exterior e da Defesa Radek Sikorski. “Ele sabe que não se sobrevive a uma guerra nuclear. O dia em que Putin lançar mão de uma arma atômica será o último da sua vida.”

Imagens de destruição em Hiroshima por bomba atômica dos EUA, em 1945, permanecem uma advertência à humanidade. Foto: Reinhard Schultz/imago images

O historiador teuto-americano Conrad Jarausch compara a estratégia do chefe do Kremlin à de Adolf Hitler em 1939: Putin desencadeou um conflito regional e adverte o Ocidente de que “se ele reagir de modo proporcionalmente pesado, vai eclodir a Terceira Guerra Mundial”.

No entanto esse automatismo não existe, rebate Stefan Garsztecki, da Universidade Técnica de Chemnitz: “Não é preciso ocorrerem outros estágios de escalada, como em 1939 – contanto que haja oposição maciça.” Os conflitos “congelados” na Geórgia e na Moldávia provariam isso.

O cientista político e historiador acredita que a Otan deveria definir “linhas vermelhas” mais claras: “Se houver o perigo de Kiev e Odessa se transformarem num Aleppo [um dos palcos sangrentos da guerra na Síria] europeu, então será preciso considerar mais seriamente uma zona de exclusão aérea.”

“É preciso deter essa guerra de modo radical”

Um confronto originalmente regional que desencadeia um conflito global é algo que já ocorreu por diversas vezes na história mundial, lembra Sven Lange, comandante do Centro de História Militar das Forças Armadas Alemãs, em Potsdam. O melhor exemplo foi a Primeira Guerra Mundial.

Para uma guerra mundial, contudo, “a contribuição da Rússia não é decisiva”, mas sim como “as duas potências globais, isto é, os EUA e a China”, se posicionarão. Lange avalia que no momento Pequim não pode ter qualquer interesse nisso: “Creio que haverá um apoio da China à Rússia, mas não tão maciço que vá redundar num conflito imediato com os EUA.”

No Leste Europeu cresce o nervosismo, pois a guerra se aproxima cada vez mais, com ofensivas aéreas russas também no oeste ucraniano. Acumulam-se os apelos para que a Otan envie aviões de combate e feche o espaço aéreo da Ucrânia; assim como para que a Alemanha suspenda o fornecimento de energia pela Rússia, cortando essa fonte de financiamento da guerra de Putin.

Quanto mais ao leste, mais uma escalada parece iminente: “Já estamos todos nessa guerra”, declarou recentemente a escritora ucraniana Katja Petrowskaja na TV alemã. “Quem aprendeu alguma coisa com a história sabe que não existe mais possibilidade de deter essa guerra, se não agirmos de modo radical.”

“Amizade” entre Xi Jinping e Putin: prenúncio de uma nova ordem mundial? Foto: DW
Putin é o novo Hitler?

Na Alemanha, tais sugestões são recebidas antes com frieza analítica. Para o cientista político Herfried Münkler, da Universidade Humboldt, de Berlim, o mais importante é “delimitar no espaço e no tempo o conflito, para evitar que se alastre num incêndio descontrolado”.

A retórica de Petrowskaja vai no sentido contrário: “Isso pode ser compreensível diante dos horrores na Ucrânia, mas acaba resultando em se invocar uma grande guerra com palavras.” Münkler, no entanto, não vê no momento uma alternativa responsável para a forma como a Otan está agindo.

Embora o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, assegure que “um por todos, todos por um”, os impactos de mísseis hipersônicos não muito longe das fronteiras da Otan despertam medo na região. A visita do presidente americano à Polônia, na sexta-feira (25/03), visa também acalmar o flanco ocidental da aliança transatlântica.

Alguns historiadores já traçam analogias com a Segunda Guerra Mundial, sobretudo no que tange o procedimento de Vladimir Putin: assembleias populares com o fim de legitimar uma anexação, ou a invasão da Polônia pelo Exército Vermelho, em 17 de setembro de 1939, seriam “o mesmo padrão que Putin repetiu na Crimeia e no leste da Ucrânia”, segundo o cientista político Garsztecki.

“A partir de 1938, Adolf Hitler promoveu uma revisão da ordem de paz acordada na Conferência de Paris [de 1919], e Putin tenta, de modo semelhante, revisar as consequências da queda da União Soviética”, reforça Herfried Münkler.

O político polonês Sikorski chega a fazer uma comparação direta entre os dois autocratas: “Putin é como Hitler antes do Holocausto, mas depois da invasão da Polônia, em 1939.” Entretanto Münkler desaconselha tal comparação, “porque ela cria uma indubitabilidade onde ainda não há nenhuma”. Além disso, Hitler teria sido impelido por uma ideologia racial que no momento não se percebe em Putin, frisa o historiador.

Fonte: DW Brasil
https://www.dw.com/pt-br/a-invas%C3%A3o-da-ucr%C3%A2nia-e-o-temor-de-uma-3%C2%AA-guerra-mundial/a-61236298

Privacy Preference Center