Henrique Brandão: Quem é da folia já fez sua parte 

Tudo levava a crer que o Carnaval deste ano seria o da retomada. Mas, não. A Ômicron tomou o mundo de forma avassaladora
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Se estivéssemos em um ano normal, o Brasil e o Rio de Janeiro, em particular, estariam “esquentando os tamborins” para o Carnaval: os barracões da Cidade do Samba a mil, os blocos de rua a pleno vapor, os sambas tocando nas rádios, a Passarela do Samba ganhando os retoques finais. Eu mesmo, fundador e organizador do “Simpatia É Quase Amor”, nesta época estaria percorrendo a região da Saara em busca de novidades para compor minha fantasia.  

Mas não é o que está acontecendo. O Carnaval, de novo, teve de ceder diante do recrudescimento da pandemia da Covid. Assim como em 2021, neste ano também não haverá folia nas ruas cariocas e tampouco no Sambódromo. Pelo menos não na data tradicional a que estamos habituados, prevista para ocorrer sempre em torno de 40 dias antes da Páscoa, conforme a tradição católica, consolidada no calendário gregoriano (1573), que rege a vida no Ocidente até hoje.

Foi tudo adiado. O Carnaval dos blocos de rua ficou para o ano que vem. Os desfiles das escolas de samba serão realizados quase dois meses depois da data oficial, no feriado de Tiradentes, em dia 21 de abril.  

A data, pelo menos, tem alguma coisa a ver com os desfiles das escolas. Joaquim José da Silva Xavier – o nome de batismo de Tiradentes – talvez seja a personalidade histórica nacional mais abordada em enredos. Vale lembrar que um dos melhores sambas-enredos de todos os tempos, “Exaltação a Tiradentes”, de autoria de Mano Décio da Viola, Estanisláu Silva Penteado, rendeu o bicampeonato ao Império Serrano, em 1949. 

No ano passado, estava todo mundo recolhido em casa, aguardando que a fabricação dos antídotos contra o coronavírus pudesse nos restituir à vida normal. O cancelamento do Carnaval foi recebido como algo necessário, e todo mundo ligado à folia – blocos, bandas, escolas – acatou sem mais delongas a urgência do momento e recuou diante do agravamento da situação.  

De lá para cá, num esforço admirável da ciência, que mobilizou mundos e muitos fundos, as vacinas chegaram, e o quadro começou a mudar. Aqui, no Brasil, não mudou tão rapidamente como seria possível, devido ao negacionismo e à política do governo federal na condução do combate à pandemia, responsável por milhares de mortes evitáveis, conforme consta do relatório final da CPI da Covid

Tudo levava a crer que o Carnaval deste ano seria o da retomada. Iríamos fazer uma festa que valesse por duas, como ocorreu em 1919, o primeiro carnaval depois da Gripe Espanhola – e que também foi o primeiro desfile do “Cordão da Bola Preta”, a mais antiga agremiação do carnaval carioca. 

Desfile do Homem da meia-noite no Carnaval do Olinda (PE). Ômicron, como foi chamada a nova cepa do vírus, tomou o mundo de forma avassaladora. Nesse contexto,o Carnaval teve de ser adiado. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Mas, não. A Ômicron, como foi chamada a nova cepa do vírus, tomou o mundo de forma avassaladora. Em poucos meses, as taxas de contaminação subiram, o otimismo deu lugar à perplexidade, o medo voltou a imperar. A boa notícia é que as taxas de mortalidades não dispararam, graças às vacinas. No entanto, alertaram os cientistas e as entidades científicas, ainda é preciso manter a guarda alta. 

Foi nesse contexto que o Carnaval teve de ser adiado. Na folia dos blocos, por suas características – não tem corda, não cobra ingresso, e é aberto a adesões voluntárias de quem quiser participar do cortejo – não há como fazer o controle sanitário (exigir máscara e passaporte vacinal ao folião).  Por isso, diante das recomendações de médicos e sanitaristas, os blocos acataram, não sem uma certa dose de frustração, a decisão da Prefeitura de adiar o Carnaval para o ano que vem.  

Todos entendemos que a vida está acima de tudo. E o Carnaval, em sua essência, é a celebração da vida. Em sua origem remota, nas festas pagãs do Hemisfério Norte, o Carnaval está ligado ao início da primavera, quando a terra é fertilizada para o plantio de alimentos. A Igreja Católica, após brigar por muito tempo com a “permissividade” das festas pagãs, acabou incorporando-as ao seu calendário.  

O adiamento deste ano não veio sem polêmica. Antes mesmo da decisão, as redes sociais já se mobilizavam fortemente pedindo o cancelamento do Carnaval. Os argumentos, e a virulência com que foram proferidos, quase condenavam o “tríduo momesco” como o grande vilão das aglomerações.  

Na verdade, o Carnaval tem, e terá sempre, seus inimigos. Eneida, em seu livro História do Carnaval Carioca (1958), definia a polícia, a chuva e os chatos como os adversários da folia. Pelo visto, nada mudou. A diferença é que hoje os chatos usam as redes sociais e aproveitam a pandemia para atacar o Carnaval.  

O vírus, que até prova em contrário não é folião, não esperou o Carnaval chegar para fazer a festa, levando os gráficos a apontarem para o céu. Isso só aumenta a responsabilidade de todos no combate ao coronavírus. 

Quem é da folia já fez sua parte. 

*Henrique Brandão é jornalista e escritor.

** Artigo produzido para publicação na Revista Política Democrática Online de fevereiro/2022 (40ª edição), produzida e editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP).

*** As ideias e opiniões expressas nos artigos publicados na Revista Política Democrática Online são de exclusiva responsabilidade dos autores, não refletindo, necessariamente, as opiniões da Revista.

Tadeu Chiarelli: Notas sobre o futurismo italiano e o modernismo de São Paulo 

Apesar de um novo ano, vidas negras continuam sendo interrompidas pelo racismo

Lilia Lustosa: Alice no país de Fidel 

Ataque dos cães (2021) é western sob nova medida, avalia Luiz Gonzaga Marchezan 

Brasil inicia 2022 com estagnação econômica, avalia Benito Salomão

Acesse todas as edições (Flip) da Revista Política Democrática online

Acesse todas as edições (PDF) da Revista Política Democrática online

Privacy Preference Center