Cem anos depois, pintura modernista volta às ruas de São Paulo, Brasília e Rio

Projeto da FAP lança painéis artísticos em cidades brasileiras em pré-celebração dos 100 anos da Semana de Arte Moderna
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Painel de releitura da pintura de Anita Malfatti, no Viaduto da Lapa, em São Paulo
Painel de releitura da pintura de Anita Malfatti, no Viaduto da Lapa, em São Paulo

Cleomar Almeida, da equipe da FAP

Cores e traços estampam paredes antes acinzentadas pela fumaça de veículos e que agora passam a assumir o protagonismo na cena urbana no Viaduto Comendador Elias Nagib Breim, mais conhecido como Viaduto da Lapa, uma das áreas mais movimentadas na região oeste de São Paulo. O mural foi produzido neste mês e marca o lançamento do projeto da Fundação Astrojildo Pereira (FAP), sediada em Brasília, para celebrar o centenário da Semana de Arte Moderna em cidades brasileiras.

IMG_7927 (Copy)
IMG_7981 (Copy)
IMG_7985 (Copy)
IMG_7987 (Copy)
IMG_7991 (Copy)
IMG_7997 (Copy)
IMG_8012 (Copy)
IMG_8013 (Copy)
IMG_8019 (Copy)
IMG_8052 (Copy)
IMG_8062 (Copy)
IMG_8137 (Copy)
IMG_8159 (Copy)
IMG_8167 (Copy)
IMG_8198 (Copy)
IMG_8206 (Copy)
IMG_8209 (Copy)
IMG_8229 (Copy)
IMG_8267 (Copy)
IMG_8270 (Copy)
IMG_8274 (Copy)
IMG_8276 (Copy)
IMG_8278 (Copy)
IMG_8328 (Copy)
IMG_8346 (Copy)
IMG_8429 (Copy)
IMG_8349 (Copy)
IMG_8364 (Copy)
IMG_8396 (Copy)
IMG_8400 (Copy)
IMG_8406 (Copy)
IMG_8413 (Copy)
IMG_8421 (Copy)
IMG_8423 (Copy)
IMG_8432 (Copy)
IMG_8436 (Copy)
IMG_8450 (Copy)
IMG_8470 (Copy)
IMG_8477 (Copy)
IMG_8505 (Copy)
IMG_8506 (Copy)
IMG_8514 (Copy)
IMG_8519 (Copy)
IMG_8522 (Copy)
IMG_8536 (Copy)
IMG_8539 (Copy)
IMG_8546 (Copy)
IMG_8548 (Copy)
IMG_8550 (Copy)
IMG_8583 (Copy)
IMG_8609 (Copy)
IMG_8620 (Copy)
IMG_8667 (Copy)
IMG_8671 (Copy)
previous arrow
next arrow

Em São Paulo, o mural artístico chama atenção de quem passa pelo Viaduto da Lapa diariamente, a pé, de bicicleta, de carro ou dentro dos ônibus de transporte coletivo, em meio à mobilização da FAP para popularizar a arte da pintura, tornando-a mais acessível ao público em geral. Os próximos painéis serão em Brasília e no Rio de Janeiro.

No Viaduto da Lapa, salta aos olhos cada detalhe do mural, que tem20 metros quadrados. É uma releitura da obra Farol, uma das mais conhecidas da pintora Anita Malfatti, produzida, originalmente, em discreta dimensão (46,5 x 61 cm), na ilha de Monhegan, entre 1915 e 1917, na costa leste dos Estados Unidos, ao ar livre, como expressão da liberdade. Ela morreu, em 1964, aos 74 anos, em São Paulo, cidade onde nasceu.

“Arte mais próxima das pessoas”

Artista visual, oficineira de arte e grafiteira, Vanessa de Sousa Lopez, conhecida como Madô, de 39, pintou o mural no Viaduto da Lapa. Ela conta que começou a pintar telas em 2006, após concluir a faculdade, mas, desde criança, fez aula de desenho porque sempre gostou de arte como instrumento de transformação para compartilhar experiências e conhecimento.

“A arte, no Brasil, precisa ser realmente levada mais a sério. Com um painel desse na rua, a arte fica mais próxima das pessoas que não têm acesso a ela, porque estão na correria do trabalho e não têm tempo para irem à galeria ou nem sabem que podem ir”, afirma Madô.

Milhares de pessoas veem a releitura da pintura Farol todos os dias, ao passarem pelo viaduto, que liga as chamadas Lapa de Cima e Lapa de Baixo. Além disso, bem perto do local, há grande movimentação de público por causa do mercado municipal, além de trabalhadores que usam o terminal de ônibus coletivo e duas estações de trem.

“Eu achei maravilhoso o projeto da fundação porque dá oportunidade de colocar uma grande obra de arte em um local não esperado, e a Lapa não tem galeria de arte. Normalmente, a arte está em galerias, distante das pessoas, mas agora está na rua, acessível a muita gente”, diz a artista visual.

Ao longo de oito dias de produção do mural, Madô se preocupou com cada detalhe da obra, que também conta com uma descrição, para informar o público sobre a autoria da pintura original. Segundo ela, o painel artístico é também uma forma de tornar mais conhecidos grandes artistas brasileiros, como é o caso de Anita Malfatti.

“A Anita era contemporânea de Tarsila do Amaral, de quem sempre se falou mais. Anita tem uma história muito interessante, sofreu preconceito por ser filha de imigrantes. Aos 13 anos, tentou suicídio e não deu certo. Foi quando ela decidiu pintar. A pintura Farol é referente a uma praia na Alemanha, onde ela morou”, lembra Madô.

“Não parou nunca”

A artista visual conta que a arte a acolheu assim que ela concluiu a graduação, assim como fez com Anita. “Ela foi uma mulher que se esforçou pra caramba, tinha limitações e um pequeno problema no braço. Teve todos os motivos para parar de pintar, e não parou nunca”, pondera a autora do mural no Viaduto da Lapa, ressaltando que a arte transformou sua vida.

 “Fui morar sozinha, comecei a pintar, estava meio deprimida. Não tinha trabalho, na época, e comecei a levar pintura a sério. Minha família não me apoiava, não entendia o que eu estava fazendo. Achava que era passatempo ou hobby porque eu estava pintando na rua. Hoje, meus familiares me apoiam, me respeitam e me entendem, dando todo apoio”, conta Madô.

Sem pretensão de ser perfeito, como diz a artista visual, o mural mescla usa, principalmente, cores primárias – azul, amarelo e vermelho – e ganha ainda mais vida com traços que chamam atenção pela sua simplicidade, fora de padrões considerados eruditos.

“São traços naïf. Não buscam perfeição, são soltos, mais livres. Gosto muito do trabalho sem pretensão de ser perfeito. Não busco perfeição em nada, busco passar a ideia. Não quero fazer a melhor execução possível, pois não sou uma máquina de xérox para imprimir a realidade absolutamente perfeita”, explica.

Essas características fazem o mural ganhar ainda mais destaque, por receber identificação da maior parte do público, formado por pessoas que correm de um lado para o outro, muitas vezes de casa para o trabalho, buscando o que pode ser mais valioso na vida: a simplicidade.

Em Brasília, o artista Paulo Sergio, de 31, conhecido como Corujito, planeja a produção do mural com releitura da obra Operários, de Tarsila do Amaral, na lateral de um prédio na Avenida W3 Sul. No Rio de Janeiro, Thiago Tarm planeja a criação de painel com pintura autoral inspirada no movimento modernista.

Veja vídeos de eventos

Privacy Preference Center