Urna eletrônica: ‘Fraude é denunciar fraude inexistente’, afirma analista

Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Para o argentino Daniel Zovatto, pressão por voto impresso é descabida e é ‘inoportuno e perigoso’ mudar regras a um ano das eleições

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

O argentino Daniel Zovatto nunca foi candidato a nada, mas de eleições ele entende, e muito. Diretor para a América Latina do Instituto Internacional para a Democracia e a Assistência Eleitoral (Idea Internacional), ele conhece a fundo as instituições e autoridades que organizam votações em toda a região. Também monitora, com muita preocupação, o estado de saúde da democracia em todo o mundo.

Para Zovatto, a pressão pela implantação do voto impresso no Brasil é descabida. Ele considera que é “inconveniente, inoportuno e perigoso” mudar as regras das eleições quando falta pouco mais de um ano para os brasileiros irem às urnas.

Daniel Zovatto
Daniel Zovatto, diretor para a América Latina do Idea Internacional, vê ‘danos à democracia’. Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados – 21/3/2017

Na entrevista abaixo, na qual manifesta opiniões pessoais, e não da instituição que representa, o doutor em Direito Internacional analisa, entre outros pontos, a estratégia dos políticos que buscam deslegitimar eleições em caso de risco de derrota.

Como analisa o conflito em relação ao sistema de votação no Brasil? 

Tribunal Superior Eleitoral (TSE) traçou uma linha vermelha oportuna e necessária ao abrir uma investigação sobre o presidente Jair Bolsonaro e ao emitir uma nota assinada por todos os ex-presidentes do TSE em defesa da urna eletrônica, que tem sido atacada quase diariamente pelo chefe do Executivo. Bolsonaro, por sua vez, reagiu dizendo que não aceitará intimidação e que continuará a exercer seu direito à liberdade de expressão, a criticar, a escutar e a atender, acima de tudo, à vontade do povo. E, fiel à sua palavra, ele continuou com seus ataques e denúncias. Como resposta, o ministro Luiz Fux, presidente do STF, cancelou uma reunião de chefes de Poderes. Diante do atual clima de tensão, seria desejável abrir um espaço para o diálogo respeitoso entre o Executivo, o STF e o TSE, visando desescalar o conflito, mas sem abandonar a abordagem básica em defesa da independência do TSE, da credibilidade da urna eletrônica e da defesa do sistema democrático. 

O que está por trás da pressão pela adoção do voto impresso?

Na minha opinião, houve uma ameaça muito forte à democracia brasileira quando a realização das próximas eleições foi condicionada à adoção do voto impresso. Diante desta grave ameaça, o TSE agiu corretamente, mostrando que tem poder suficiente para defender o processo eleitoral. Isto representa uma mudança muito importante. Se até a semana passada Bolsonaro agia como se não tivesse nada a perder, após a ofensiva do TSE o presidente é alvo de um risco triplo: pode perder a cadeira presidencial se o TSE encontrar irregularidades na campanha de 2018; pode sofrer impeachment; e pode ser impedido de ser candidato nas eleições de 2022.  

Considera que o TSE deu uma resposta institucional, em nome de todo o Judiciário?

O TSE tem uma composição única na América Latina, pois seu presidente e parte de seus ministros também são do Supremo Tribunal Federal, e por concentrar tanto funções administrativas quanto judiciais. Estas características fazem do TSE uma instituição muito poderosa. Existem outros órgãos eleitorais sendo atacados na América Latina pelo Executivo – o INE no México –, por deputados do partido no poder – o TSE na Bolívia – ou pela oposição que perdeu as eleições – a JNE no Peru –, mas nenhum dos três tem a capacidade de reagir como o TSE brasileiro. Conheço o TSE desde 1990. Desde então, tenho colaborado com vários programas de cooperação técnica e com a maioria de seus presidentes. Tenho grande respeito e admiração por esta instituição, suas autoridades e equipes por seu profissionalismo, independência e transparência; respeito e admiração que é compartilhado por todos os órgãos eleitorais da América Latina. Também tenho grande confiança e admiração pela urna eletrônica brasileira. Tive a honra de acompanhar sua implementação e melhoria graduais desde 1996 até hoje. É um instrumento seguro, transparente e auditável. Nesses 25 anos de existência, nenhuma fraude foi provada. Por todas estas razões, não vejo razão para justificar sua reforma, e muito menos neste momento em que as eleições de outubro de 2022 estão a apenas 14 meses de distância. Fazer a reforma proposta é inconveniente, inoportuno e perigoso.

Quando reformar os processos eleitorais a fim de aperfeiçoá-los?

O sistema presidencial é baseado na divisão de Poderes, que exige respeito pela independência de cada Poder, um sistema de freios e contrapesos, diálogo para resolver de forma respeitosa e responsável as tensões que surgem. Na concepção, implementação e melhoria do sistema eleitoral, em sentido amplo, é aconselhável que cada poder faça a contribuição estabelecida na Constituição e que exista um diálogo frutífero entre eles, baseado no reconhecimento da independência dos Poderes, no respeito recíproco e na responsabilidade que vem com o exercício do cargo.

Como autoridades responsáveis pela organização de eleições devem responder a ataques à urna eletrônica?

Primeiro: expor todos os falsos argumentos que denunciam supostas fraudes. Demonstrar, com provas claras, que a verdadeira fraude é a denúncia de uma fraude inexistente. Realizar investigações e auditorias que demonstrem a robustez do sistema eleitoral, a solidez da urna eletrônica e a independência e profissionalismo das autoridades eleitorais. E, como o TSE vem fazendo, exercer ao máximo as competências e poderes que lhe são conferidos pela Constituição e pelas leis. A recente nota do TSE assinada por todos os antigos e pelo atual presidente do TSE desde a Constituição de 1988 e os discursos dos ministros Luís Roberto Barroso e Luiz Fux são uma contribuição muito valiosa neste sentido. Segundo: buscar, no país, o apoio do maior número possível de partidos políticos, acadêmicos, especialistas eleitorais, ex-membros do TSE, associações profissionais, ONGs e jornalistas e, internacionalmente, convidar instituições e órgãos eleitorais de renome internacional para que visitem o Brasil, realizem investigações e, se as conclusões forem positivas, contribuam para proteger o TSE, a urna eletrônica e a condução do processo eleitoral. Terceiro: convidar missões de observação eleitoral de prestígio (ONU, OEA, UE, entre outras) a ir ao Brasil para acompanhar o processo ao longo de suas diferentes etapas e fazer observações e recomendações. 

De um ponto de vista técnico, é possível melhorar a segurança do voto eletrônico. Como esta discussão deve ser conduzida? 

Cada país é soberano ao decidir os mecanismos de votação que deseja utilizar. Globalmente, existem vários mecanismos. Os mais comuns são a cédula única em papel, em várias formas, e o voto eletrônico, em suas várias formas, incluindo o voto pela internet. Há também várias formas de votar: votar somente no dia da eleição; votar pessoalmente; votar antecipadamente pelo correio; levar a urna de votação para a casa do eleitor etc. Alguns países até combinam vários mecanismos e várias formas de votação.

Mas o mais importante é que os mecanismos de votação que cada país escolher devem gerar certeza, segurança, transparência, serem auditáveis e, sobretudo, gozar de muita credibilidade e legitimidade entre os cidadãos. Se o mecanismo de votação em vigor em um país goza de altos níveis de confiança, legitimidade e credibilidade, é aconselhável mantê-lo, sem prejuízo de fazer ajustes periódicos para melhorar seu desempenho e eficácia. Por outro lado, quando o mecanismo sofre de debilidades que poderiam comprometer a confiança e credibilidade do público, é aconselhável realizar um processo de reflexão e revisão, baseado em evidências concretas e demonstráveis, com o objetivo de identificar as possíveis causas do problema e as opções mais adequadas para solucioná-lo.

Como consequência, qualquer proposta de reforma eleitoral, especialmente no caso do mecanismo de votação, deve ser bem fundamentada, e as opções propostas para substituir o mecanismo atual devem demonstrar solidez técnica e viabilidade política. Outros fatores que devem ser cuidadosamente analisados são: demonstrar que o saldo líquido da reforma – benefícios menos efeitos negativos – é positivo; determinar seu custo econômico; basear-se num consenso político o mais amplo possível; e determinar, com o parecer técnico do corpo eleitoral, se há tempo suficiente para sua implementação sem assumir riscos sérios para a conclusão bem sucedida do processo eleitoral. A experiência comparativa sugere que, a fim de reduzir os riscos, mudanças no mecanismo de votação devem ser implementadas gradualmente, ou seja, em etapas sucessivas, como foi o caso com a implementação da urna eletrônica no Brasil.


BOLSONARO EM SANTA CATARINA

Bençãos após motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
07/08/2021 Motociata na cidade de Florianópolis
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Joinville-SC, 06/08/2021) Cerimônia de Entrega da Ordem da Machadinha.
(Joinville-SC, 06/08/2021) Cerimônia de Entrega da Ordem da Machadinha.
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
previous arrow
next arrow
 
 Bençãos após motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
07/08/2021 Motociata na cidade de Florianópolis
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Joinville-SC, 06/08/2021) Cerimônia de Entrega da Ordem da Machadinha.
(Joinville-SC, 06/08/2021) Cerimônia de Entrega da Ordem da Machadinha.
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
(Florianópolis - SC, 07/08/2021) Motociata na cidade de Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
previous arrow
next arrow

Donald Trump, como presidente, atacou a legitimidade das eleições nos Estados Unidos. Que influência isso tem sobre os países com tradições menos democráticas, especialmente na América Latina?

Muito forte, infelizmente. Acabamos de ver exemplo disso no Peru, na fase pós-eleitoral do segundo turno das eleições, com as múltiplas alegações de fraude, nunca provadas, feitas por Keiko Fujimori e seu partido Fuerza Popular, e os graves ataques realizados contra as autoridades. Também vimos isso nas recentes eleições no México, de junho e o referendo do último domingo, quando o presidente Lopez Obrador e seu partido Morena acusaram repetidamente o INE de ser o órgão eleitoral mais caro do mundo e de ser um obstáculo à democracia. E nesta semana, na Bolívia, um deputado do partido governista MAS apresentou uma queixa criminal contra quatro magistrados do Tribunal Supremo Eleitoral.

Uma tendência semelhante parece estar ocorrendo no Brasil com os ataques e denúncias de Bolsonaro contra a urna eletrônica e o presidente do TSE, a quem ele chamou de “idiota” e “imbecil” em julho. Deve-se lembrar que Bolsonaro, nas eleições de 2018, já havia ameaçado não reconhecer os resultados se ele não ganhasse.

Qual é o objetivo de quem busca o descrédito dos processos eleitorais?

A estratégia é semelhante na maioria dos países onde este fenômeno ocorre. Com bastante antecedência, com mentiras e falsas alegações, procuram gerar confusão, semear dúvidas sobre a credibilidade do processo eleitoral, a independência das autoridades eleitorais e a segurança do sistema de votação, criando uma realidade paralela que procura deslegitimar completamente o processo eleitoral no caso de uma derrota. Se eu perco, dizem eles, é porque houve fraude. Os danos que causam ao processo eleitoral, às autoridades eleitorais, às instituições e à democracia são enormes, e seus efeitos se estendem além do processo eleitoral. 

Quando alguém analisa se um país está no caminho de se tornar menos democrático, em que se deve prestar mais atenção?

A experiência comparativa, global e regionalmente, identifica quatro luzes amarelas que indicam que estamos enfrentando um perigoso processo de deterioração democrática.  Quando não se aceita as regras democráticas ou se joga permanentemente em seus limites. Quando não se reconhece a oposição como um ator legítimo  –  a oposição é desconsiderada, desqualificada e difamada. Quando se ataca constantemente a imprensa e se impõem restrições ao exercício da liberdade de expressão. E quando se promove o ódio e a violência, física ou verbal, de maneira expressa ou sutil, polarizando a sociedade o máximo possível. Há outros indicadores que normalmente acompanham estes quatro: 1) ataques frontais à divisão de poderes, especialmente às instituições que restringem  propostas autoritárias, seja o Congresso, quando não se tem controle sobre ele, o Judiciário, os órgãos de controle, os tribunais eleitorais etc; 2) redução do espaço de ação da sociedade civil; e 3) aumento dos níveis de polarização ao extremo, com a divisão da sociedade em amigos e inimigos, e uso abusivo das redes sociais para atingir este objetivo.

De acordo com analistas e cientistas políticos, atualmente os autocratas atacam a democracia de forma lenta e gradual, e não tanto de maneira abrupta. Concorda com esse ponto de vista? 

Concordo plenamente. Embora os golpes não tenham desaparecido completamente, como mostram Honduras em 2009 e Mianmar em 2021, a experiência comparativa indica que os principais e mais perigosos ataques à democracia hoje são realizados por atores que chegaram ao poder através de eleições e que, uma vez eleitos, enfraquecem gradual e permanentemente a democracia de dentro do poder. A maioria dos ataques à democracia em nosso tempo não ocorre por golpes de Estado, mas por quem está no poder e em câmera lenta, como é demonstrado em nossa região pelos regimes autoritários da Venezuela e da Nicarágua

Como a democracia deve ser defendida quando seu processo de corrosão é gradual e muitas vezes não perceptível pela maioria da população? 

Uma estratégia ampla tem de ser implementada, tanto a nível interno como a nível regional e global. A democracia está sitiada em muitos países. As tendências autoritárias estão ganhando terreno, como evidenciado por muitos relatórios de prestígio, incluindo a Economist Intelligence Unit, o projeto V-DEM, os relatórios da Freedom House e o relatório da International IDEA sobre o estado global da democracia. Precisamos estudar com mais profundidade este novo tipo de autoritarismo que está atualmente em construção, a fim de confrontá-lo de forma mais rápida e eficaz. Precisamos estar conscientes da fragilidade da democracia e dos riscos crescentes que ela enfrenta, bem como dos processos de retrocesso que estão ocorrendo em muitos países ao redor do mundo. Nenhum país é vacinado contra o vírus autoritário. Também é necessário rever e atualizar os mecanismos para a defesa regional da democracia, incluindo os estabelecidos pela Carta Democrática Interamericana, que completa 20 anos em 11 de setembro e se tornou ultrapassada diante do novo tipo de ameaças que a democracia enfrenta hoje. A Idea Internacional tem feito um duplo apelo: por um lado, para defender a democracia durante este período tão turbulento em nossa região, agravado pelo impacto da pandemia, e, por outro lado, para repensá-la a fim de avançar para uma nova geração de democracia, mais resistente e de melhor qualidade, com a capacidade de responder de forma oportuna e eficaz aos novos desafios do século 21.

Urna eletrônica
Urna eletrônica brasileira. Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE

Qual é o papel da desinformação, e sua ampliação nas redes sociais, na atual crise da democracia? 

Novas tecnologias de informação e comunicação estão aqui para ficar e apresentar novos e difíceis desafios para a política, a integridade das eleições e a qualidade da democracia. As redes sociais e sua relação com as eleições, a política e a democracia têm, como o deus Jano, duas faces, Por um lado, essas ferramentas, quando utilizadas adequadamente, têm um efeito positivo no desenvolvimento de processos eleitorais legítimos, melhoram a qualidade da democracia, garantem o pleno exercício da liberdade de expressão, contribuem para um debate público informado e promovem a participação cidadã.

Mas, por outro lado, quando mal utilizadas, elas representam novas e sérias ameaças. As bolhas de filtragem ideológicas e as câmaras de eco geradas pelas redes sociais podem fomentar o ódio, aumentar perigosamente a polarização e facilitar a ação dos movimentos pós-verdade. Também podem contribuir para a viralização de notícias falsas e de campanhas de desinformação, afetando a condução normal das campanhas eleitorais, minando a confiança no processo e nas instituições eleitorais e manipulando o comportamento eleitoral dos cidadãos.

Como as plataformas e redes sociais devem responder aos ataques à democracia, sem restringir a liberdade de expressão? 

Após o escândalo da Cambridge Analytica, as plataformas adotaram e continuam a adotar uma série de medidas destinadas a combater notícias falsas e desinformação durante os períodos eleitorais, incluindo códigos de conduta para reforçar a transparência e garantir informações confiáveis. Em um número significativo de países, dentro e fora de nossa região, os Legislativos também adotaram novas e melhores regulamentações sobre esta questão para preencher as lacunas legais existentes em muitos países da região.

Por sua vez, numerosos órgãos eleitorais, incluindo o TSE do Brasil, o INE do México e o TE do Panamá, tomaram uma postura proativa diante deste importante fenômeno e implementaram várias medidas e mecanismos, entre eles: desenvolver suas próprias capacidades institucionais e habilidades em assuntos digitais; promover debates on-line; assinar pactos éticos digitais com uma ampla coalizão de atores, como partidos políticos, organizações da sociedade civil e meios de comunicação tradicionais; chegar a acordos de colaboração – formais ou informais – com plataformas digitais; incentivar o uso responsável de redes; implementar mecanismos de verificação de fatos em colaboração com meios de comunicação tradicionais, universidades, grupos de reflexão e organizações da sociedade civil; implementar campanhas de educação digital para os cidadãos e sobre conteúdos educacionais sobre o processo eleitoral; e fomentar a cooperação horizontal entre os órgãos eleitorais e compartilhar boas práticas e lições aprendidas em relação a este fenômeno, tudo com o objetivo de mitigar os excessos e efeitos negativos das redes sociais durante as campanhas eleitorais e, ao mesmo tempo, maximizar seus efeitos positivos, sempre tomando cuidado para que estas medidas não afetem o pleno gozo da liberdade de expressão. Mas a liberdade de expressão não deve e não pode ser mal utilizada ou manipulada para propagar com impunidade notícias falsas ou campanhas de desinformação destinadas a deslegitimar um processo eleitoral ou atacar as instituições ou a própria democracia.

Qual deveria ser a posição de um presidente democrata em relação à oposição? Em que ponto se passa da crítica aceitável para os ataques que procuram deslegitimar a oposição? 

Democracia é sinônimo de pluralismo, diálogo, respeito, tolerância. A oposição deve ser racional e jogar limpo. O Executivo também deve. Ambos devem reconhecer e respeitar um ao outro como jogadores legítimos no jogo democrático. Um presidente democrático deve defender seu programa e suas propostas com firmeza, mas sempre com respeito, reconhecendo a oposição como um jogador-chave no jogo democrático. Deve ser evitado um nível excessivo de polarização que leva a um jogo de soma zero, e a uma desqualificação e difamação da oposição que implica não reconhecê-la como um ator legítimo no jogo democrático. Em alguns casos, tais como Nicarágua e Venezuela, vemos como o Executivo desqualifica ou prende partidos e líderes da oposição. Em outros, como no caso de Bukele em El Salvador, adjetivos difamatórios são usados quando se refere à oposição. Sem uma oposição autêntica, não há democracia

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Democracia em erosão: Sob Bolsonaro, a corrosão do Estado e das liberdades individuais


Fonte: O Estado de S. Paulo

https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,fraude-e-denunciar-fraude-inexistente-afirma-analista-sobre-ataque-a-urna-eletronica,70003803952

Privacy Preference Center