mulheres

O #ProgramaDiferente entrevista duas representantes do Partido da Mulher Brasileira: a candidata à Prefeitura de SP e a sua presidente nacional

O #ProgramaDiferente dá sequência à série com os pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo. A entrevistada desta semana é a advogada Denise Abreu, pré-candidata do Partido da Mulher Brasileira (PMB).

Ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Denise deixou o cargo após o acidente com o avião da TAM em Congonhas, em 2007, e ao ser fotografada fumando um charuto em meio a uma grave crise no setor aéreo. Ela responde às polêmicas e ataca frontalmente o PT e a presidente Dilma Rousseff.

Na sequência do programa, mais PMB. O que significa, afinal, este que é mais um dos 35 partidos legalizados no Brasil? E será que é mesmo necessário um Partido da Mulher? Quem explica é a presidente nacional do PMB, Suêd Haidar.

#ProgramaDiferente é exibido pela TVFAP.net e pela TVAberta / Canal Comunitário da cidade de São Paulo todos os domingos, às 21h30, e terças-feiras, à 1h30 da madrugada (Net canal 9, Vivo canal 186 e Vivo Fibra canal 8)Assista.


ONU Mulheres promove pesquisa com homens brasileiros sobre igualdade de gênero

Parceria com portal ‘PapodeHomem’ e Grupo Boticário busca entender como homens podem participar do diálogo pelo empoderamento das mulheres; saiba aqui como participar da pesquisa.

Uma em cada três mulheres sofre violência de algum homem ao longo da vida. Entre as 500 maiores empresas do mundo, menos de 5% possuem CEOs mulheres. Dados como estes levaram a ONU Mulheres e o portal PapodeHomem, com viabilização do Grupo Boticário, a realizar uma pesquisa nacional para entender como os homens podem participar do diálogo pela igualdade de gênero.

Com lançamento no dia 1º de março, o levantamento quer identificar também como as mulheres percebem o papel dos homens na sua vida e na sociedade hoje, apontando as principais tensões culturais que geram sofrimento e desigualdade entre os gêneros.

Realizada em dois módulos, a pesquisa começou com uma etapa qualitativa, que já passou por Recife, Rio de Janeiro e São Paulo, em busca de histórias inspiradoras – e também aprofundando o tema com especialistas e pessoas comuns. A segunda etapa, lançada agora, é quantitativa, de âmbito nacional.

https://www.youtube.com/watch?v=ZJ64IPTAMSU

O resultado da pesquisa quantitativa e as entrevistas farão parte de um documentário sobre o tema, que será divulgado mundialmente ainda este ano. O trabalho faz parte do movimento global ElesPorElas (HeForShe), lançada pela ONU Mulheres em 2014 por meio de um vídeo de grande popularidade com a atriz Emma Watson. Uma das propostas centrais é investigar como se formam, se sustentam e de que modo é possível enfrentar os estereótipos masculinos nocivos, que perpetuam a desigualdade de gênero.

A representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, faz o convite para um ampla participação: “Convidamos os homens brasileiros a participar dessa pesquisa inédita sobre masculinidade. Precisamos saber o que eles pensam sobre si mesmos, a relação que têm com as mulheres, a maneira como vivem o dia a dia e como enxergam a vida e a sociedade”.

“Chegou a hora de os homens pensarem sobre o papel que eles têm na construção da igualdade de gênero, como propõe o movimento ElesPorElas, em que eles devem defender os direitos das mulheres para a fazer a mudança inclusiva que o mundo precisa”, acrescentou.

Participe da pesquisa: https://pt.surveymonkey.com/r/pesquisaelesporelas

Fonte: nacoesunidas.org


Em artigo, Tereza Vitale aborda os 20 anos da convenção que eliminou a discriminação contra a mulher

01 de fevereiro: 20 anos da ratificação pelo Brasil da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (Cedaw, ONU)

A Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, de 1979, também chamada CEDAW (da sigla em inglês) ou Convenção da Mulher1, é o primeiro tratado internacional que dispõe amplamente sobre os direitos humanos das mulheres. São duas as frentes propostas: promover os direitos da mulher na busca da igualdade de gênero e reprimir quaisquer discriminações contra as mulheres nos Estados-parte.

A adoção da Convenção da Mulher, em vigor desde 1981, foi o fruto de décadas de esforços internacionais visando à proteção e à promoção dos direitos das mulheres em todo o mundo. Resultou de iniciativas tomadas dentro da Comissão sobre a Situação da Mulher (CSW, sigla em inglês) da Organização das Nações Unidas (ONU), órgão criado dentro do sistema das Nações Unidas, em 1946, com o objetivo de analisar e elaborar recomendações para a formulação de políticas aos vários países signatários da Convenção, visando ao aprimoramento do status da mulher.

A conhecida Carta Magna dos direitos das mulheres avançou internacionalmente em princípios, normas e políticas demonstrando um grande esforço global de respeito à dignidade de todo e qualquer ser humano. Mas, não devemos nos iludir, por experiência sabemos que apenas um documento de direitos das mulheres não efetiva ou garante os esforços de alguns mesmo que seja um documento internacional criado e referendado pela ONU. Na tentativa de viabilizá-lo, precisou ser um compromisso firmado pelos Estados-parte com o dever de eliminar a discriminação contra a mulher por meio da adoção de medidas legais, políticas e programáticas. Esse dever se aplica a todas as áreas e a todas as pessoas, entidades governamentais ou não e ao próprio Estado. Deste dependem ações do Legislativo, na adequação da legislação nacional aos parâmetros igualitários internacionais; do Executivo, na elaboração de políticas públicas voltadas para os direitos das mulheres; e do Judiciário, na proteção dos direitos das mulheres e no uso de convenções internacionais de proteção aos direitos humanos para fundamentar suas decisões. (Instrumentos Internacionais de Direitos das Mulheres, Heloisa Frossard (org.), SPM-PR, 2006).

Para a fiscalização e colaboração permanente foram criados Comitês de Mulheres que atuam na mudança de postura dos Estados-parte com o auxílio de organizações não governamentais (ONGs) que denunciam violações de direitos das mulheres no mundo. Após investigação, o grupo atua junto ao país envolvido para exigir providências. Ações bem-sucedidas no sentido de reverter este tipo de situação contra mulheres já ocorreram no México e na Jordânia. Além desta fiscalização permanente, também formulam sugestões e recomendações a partir de relatório de prestação de contas recebido do Estado-parte.

Brasil cumpriu parcialmente recomendações da ONU sobre direitos das mulheres

Especialistas das Nações Unidas avaliam que o Governo brasileiro não tomou providências suficientes para melhorar o atendimento integral à saúde das mulheres, rediscutir a questão do aborto e deter o tráfico de mulheres e meninas.

Estas avaliações integram o documento Observações Conclusivas ao Follow-Up, em versão inédita em português que o Consórcio Nacional de Redes e Organizações da Sociedade Civil disponibiliza para consulta e download. Os dados se referem à avaliação do Brasil pelo Comitê da Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (CEDAW).

As Recomendações estão disponíveis no Caderno 3 do Projeto de Monitoramento da CEDAW – Ação Permanente do Movimento de Mulheres, que está sendo lançado em fevereiro de 2015. A publicação traz ainda o texto As Recomendações como instrumento de trabalho na CEDAW, da jornalista e mestre em Ciência Política Telia Negrão, coordenadora de articulação do Projeto de Monitoramento da CEDAW. A segunda parte da publicação reproduz Recomendações Gerais da CEDAW de 1989 a 2004.

Acesse o Caderno 3 – parte 1 (contém o Follow-Up. Texto de Telia Negrão e Recomendações Gerais).

Acesse o Caderno 3 – parte 2 (contém Recomendações Gerais).

Nos explica Telia Negrão: As Recomendações Gerais inserem-se no campo das atribuições do Comitê quanto ao aprimoramento da aplicação da Convenção. A partir de 1986, o Comitê aprovou as primeiras recomendações que orientam sobre a apresentação dos Relatórios por cada país, dedicando-se posteriormente a temas que necessitavam esclarecimentos e melhor definição conceitual. Ao longo de 29 anos foram elaboradas 32 Recomendações Gerais, sendo duas conjuntas com outros Comitês.

Espécie de “complementos” aos artigos da Convenção CEDAW, resultam de discussões acerca dos Relatórios apresentados pelos Estados-partes e formam uma “jurisprudência substantiva” sobre os diferentes artigos. Visam à melhoria da qualidade dos informes nacionais, bem como auxiliam a sociedade civil a pautar seus informes alternativos, na medida em que aprofundam a compreensão sobre diversos temas”.

1. Adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 18/12/1979, entrou em vigor em 03/09/1981. Assinada pelo Brasil, com reservas, em 31/03/1981 e ratificada, com reservas, em 01/02/1984, entrou em vigor em nosso país em 02/03/1984. Em 22/06/1994 foi ratificada, sem reservas. Texto publicado no Diário do Congresso Nacional em 23/06/1994.

Tereza Vitale é integrante da Coordenação Nacional de Mulheres do PPS

Fonte: PPS


IV Congresso de Mulheres do PPS elege Comissão Executiva Nacional e conselho consultivo

O IV Congresso Nacional de Mulheres do PPS elegeu, neste último sábado (3), a Comissão Executiva Nacional, composta por cinco membros: Ana Cláudia Ledezma, de Mato Grosso do Sul, Guiomar Medeiros, do Amazonas, Elaine Otto, de Santa Catarina, Maria Angélica, de São Paulo e Raquel Dias, do Ceará.

A representação nacional das mulheres do partido estará expressa também em um conselho consultivo do qual participarão membros de todos os estados. Durante o congresso, esse colegiado já foi eleito. Os nomes foram indicados pelos estados.

Tereza Vitale, que, junto com a comissão organizou o encontro, foi homenageada ao final do evento. Sem querer se incluir no comando das instâncias diretivas, apesar da insistência das companheiras, ela recebeu o carinho de todas as participantes, sendo aplaudida de pé.

Segundo Tereza, o desenho da nova representação das mulheres do partido visa ampliar ao máximo a participação de todo o país e incentivar o surgimento de novas lideranças.

Nos estados, explicou ela, as coordenações executivas promoverão a eleição das instâncias municipais, “também com esse sentido de ampliação da participação”. Conselhos consultivos estaduais também poderão ser formados com o número de componentes que as mulheres dos entes federativos definirem.

“Precisávamos muito desse congresso”, comemorou Tereza. Representantes dos estados passaram dois dias em Brasília debatendo a problemática da mulher e as propostas que o PPS tem para resolver cada uma das questões.

“Tudo o que é discutido fica melhor”, disse Tereza ao salientar que os documentos aprovados – Tese Congressual, Estatuto da Coordenação Nacional e Plataforma Política das Mulheres do PPS – foram debatidos em grupo antes de serem submetidos à plenária para nova discussão e votação.

Fonte: Assessoria do PPS


Entrevista com a jornalista Nana Queiroz, autora do protesto #EuNãoMereçoSerEstuprada, que lança livro sobre mulheres presidiárias

"Presos que Menstruam: A Brutal Vida das Mulheres Tratadas como Homens nas Prisões Brasileiras" é o primeiro livro da jornalista Nana Queiroz, 29 anos, de Brasília, que ficou mundialmente conhecida no ano passado ao lançar nas redes sociais a campanha #EuNãoMereçoSerEstuprada.
Sempre colocando a mulher em evidência, o tema dessa vez é a situação das presidiárias no sistema carcerário. Através de informações colhidas em cinco anos de entrevistas e pesquisas, ela transforma a frieza das estatísticas (por exemplo, aproximadamente 85% das mulheres encarceradas tem filhos) em histórias humanas, realistas e sensíveis.
O #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, entrevista com exclusividade a jornalista Nana Queiroz, que fala sobre como foi o trabalho para escrever o livro, a "invisibilidade" das mulheres presas, o contato com as famílias, violência, maternidade, sexo, ódio e preconceito. Assista.
Formada em jornalismo pela USP em julho de 2010, ela é especialista em relações internacionais, com ênfase em direitos humanos, pela UnB. Estudou relações internacionais também em Nova York e na Finlândia. Trabalhou nas revistas Época e Galileu e como repórter da editoria de internacional no site da revista Veja. No Correio Braziliense, foi repórter de variedades.
Na apresentação do seu perfil nas redes sociais, Nana Queiroz diz que tem "uma paixão incontida por assuntos que envolvam direitos humanos e outra ainda maior por histórias de gente". Essa paixão, reforçada pelo dom da escrita, o feminismo cristalino e o talento de repórter, transborda nos relatos do livro que expõe sem rodeios os dramas femininos atrás das grades.