Darcy Ribeiro

No momento em que a descrença domina o ambiente, vale homenagear o centenário desse grande brasileiro | Foto: Reprodução/tvescola

Revista online | Um Natal com Darcy Ribeiro

Henrique Brandão*, especial para a revista Política Democrática online (47ª edição: setembro/2022)

Enquanto o presidente protofascista usa uma data cívica, o Bicentenário da Independência, para mobilizar a extrema direita violenta e reacionária, outras efemérides comemoradas este ano merecem ser devidamente lembradas, pela importância que tiveram na história do Brasil em tempos menos sombrios.

No momento em que a descrença domina o ambiente, vale homenagear o centenário de nascimento de Darcy Ribeiro (1922-1997), um brasileiro que, ao longo da vida, construiu uma trajetória marcada pela generosidade, sensibilidade social, originalidade de pensamento e vontade para pôr em prática suas ideias. 

Mineiro de Montes Claros, nascido em 26 de outubro, Darcy talvez seja o melhor exemplo de homem público que soube unir ação e pensamento. Como político e realizador, seu legado é imenso. Formado em antropologia pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo, em 1946, criou o Museu do Índio e ajudou a formular o projeto do Parque Indígena do Xingu. Foi o idealizador e primeiro reitor da Universidade de Brasília (UnB). O golpe militar de 1964 o cassou quando era o chefe da Casa Civil do governo de João Goulart (1919-1976). 

Veja todos os artigos da edição 46 da revista Política Democrática online

De volta do exílio imposto pela ditadura, no Rio de Janeiro, onde foi vice-governador, ele deixou como herança o projeto dos Cieps, o sambódromo, a Biblioteca Pública, a Casa França-Brasil, a Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF). A intensa produção de livros foi reconhecida pela Academia Brasileira de Letras (ABL), que o tornou imortal em 1993. Concebeu o Memorial da América Latina e foi o autor da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira (LDB), elaborada quando exercia o mandato de senador, para o qual foi eleito em 1991.

Como pensador, escritor e romancista, sua obra é enorme. Darcy pensou o Brasil e a América Latina como poucos. Seus livros buscaram explicar as causas do atraso do continente latino-americano de maneira extremamente generosa: segundo sua tese, a região, fruto de um encontro único de povos em todo o mundo, tem lugar no futuro. O que não presta é nossa elite dirigente. “O Brasil, último país a acabar com a escravidão, tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigualdade, de descaso”, formulou.

O livro O Povo Brasileiro, de 1995, uma reflexão sobre a formação e o sentido do Brasil, é considerado sua obra-prima na área das ciências sociais. O sociólogo e crítico literário Antônio Cândido (1918-2017) indicou a obra como a melhor introdução sobre o que é o Brasil. “Livro trepidante, cheio de ideias originais”, disse o professor emérito da USP, em artigo escrito no ano de 2000, quando listou quais seriam as 10 melhores leituras para conhecer o país.

Além de todas as qualidades de homem público e intelectual militante, Darcy era uma figura vibrante, que defendia ideias de maneira eloquente e apaixonada. Amigo de meus pais, frequentador da minha casa, Darcy foi quem, em abril de 1978, proferiu o discurso de despedida à beira do túmulo de meu pai, Darwin Brandão.

Depois disso, no período da luta pela redemocratização, assisti a inúmeras palestras e debates em que Darcy era a estrela, lotando auditórios – sempre defendendo os índios, suas terras e cultura, e preconizando a importância do papel da educação como elemento libertador para o povo brasileiro. A frase “a crise da educação não é uma crise, é um projeto” sintetiza a sua luta política.

Confira, abaixo, galeria de imagens:

A frase “a crise da educação não é uma crise, é um projeto” sintetiza a luta política de Darcy Ribeiro | Foto: Reprodução/Diário do Rio
Foto: Reprodução/O Globo
Foto: Divulgação/Fundação Darcy Ribeiro
Foto: Reprodução/Wikipédia
Foto: Reprodução/Duplo Expresso
Foto: Arquivo/EM
Foto: Berta Ribeiro/Leofoletto
A frase “a crise da educação não é uma crise, é um projeto” sintetiza a luta política de Darcy Ribeiro | Foto: Reprodução/Diário do Rio
Foto: Reprodução/O Globo
Foto: Divulgação/Fundação Darcy Ribeiro
Foto: Reprodução/Wikipédia
Foto: Reprodução/Duplo Expresso
Foto: Arquivo/EM
Foto: Berta Ribeiro/Leofoletto
Darcy Ribeiro combateu como poucos a perversa realidade educacional brasileira, pensada por e para as elites | Foto: Reprodução/Folhapress
previous arrow
next arrow
 
A frase “a crise da educação não é uma crise, é um projeto” sintetiza a luta política de Darcy Ribeiro | Foto: Reprodução/Diário do Rio
Foto: Reprodução/O Globo
Foto: Divulgação/Fundação Darcy Ribeiro
Foto: Reprodução/Wikipédia
Foto: Reprodução/Duplo Expresso
Foto: Arquivo/EM
Foto: Berta Ribeiro/Leofoletto
Darcy Ribeiro combateu como poucos a perversa realidade educacional brasileira, pensada por e para as elites | Foto: Reprodução/Folhapress
previous arrow
next arrow

Tive um encontro que me marcou para sempre com Darcy. Foi em um Natal. Ateu, não faço questão de comemorar a data. Mas essa ficou na memória. Creio que era o ano de 1978, o primeiro sem meu pai. Estávamos eu, meus irmãos e minha mãe. Se não me falha a memória, também estavam presentes Marcos Palmeira e Betsy de Paula, filhos de Zelito Vianna e da Vera, em cuja casa acontecia a reunião. Havia ainda um índio recém-chegado do Mato Grosso, onde Zelito havia rodado seu filme Terra do Índios, Darcy e sua mulher, Claudia Zarvos, e Frei Betto, que organizou a cerimônia natalina. 

Sentamos todos em uma roda e sorteamos uns papeizinhos que continham o nome de cada um de nós. Coube a mim pegar o nome do Darcy. E assim fomos nós, eu e ele, para um canto da casa conversar. Na volta, deveríamos relatar a conversa para o resto da turma, assim como todos os outros também o fariam. Devo confessar que a surpresa de poder compartilhar certa “intimidade” com um homem por quem tinha profunda admiração travou minha língua. Falei quase nada. 

Sorte a minha que o Darcy falava pelos cotovelos e me salvou de gaguejar na hora de contar aos demais sobre o que havíamos conversado: falou por nós dois. E foi assim que passei o Natal mais inusitado de minha vida, na companhia da família, de amigos, um frei revolucionário, um índio e... Darcy Ribeiro. Inesquecível.

Sobre o autor

*Henrique Brandão é jornalista.

** O artigo foi produzido para publicação na revista Política Democrática online de maio de 2022 (47ª edição), produzida e editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), sediada em Brasília e vinculada ao Cidadania.

*** As ideias e opiniões expressas nos artigos publicados na revista Política Democrática online são de exclusiva responsabilidade dos autores. Por isso, não reflete, necessariamente, as opiniões da publicação.

Leia mais

Revista online | Os desafios fiscais para 2023

Revista online | Eleições atrás das grades

Revista online | Não! Não Olhe! Sim! Enxergue!

Revista online | 1789 e 1822: duas datas emblemáticas

Acesse a 46ª edição da Revista Política Democrática online

Acesse todas as edições (Flip) da Revista Política Democrática online

Acesse todas as edições (PDF) da Revista Política Democrática online


Cristovam Buarque: Jovens nonagenários

A melhor palavra para definir cada um desses três nonagenários exigiria reunir os conceitos de incansável-estimulante-antecipador-professor — homem de ação — estadista de ideias

Entre 27/5 e 1º/8 de 1928, nasceram três brasileiros que marcariam a história do Brasil na área do ensino superior e do pensamento nacional: José Goldemberg, filho de imigrantes judeus vindos da Rússia; Cândido Mendes, filho da aristocracia católica do Rio de Janeiro; e Heitor Gurgulino, filho de um comerciante cearense e uma jovem alemã recém-chegada. Apesar de uma idade ligeiramente menor que a deles, tenho o privilégio de pertencer à mesma geração e ter convivido com os três.

Fui reitor da UnB em período coincidente com Goldemberg, na USP. Fizemos parte do primeiro grupo de reitores posteriores ao regime militar, quando a comunidade acadêmica se deslumbrava com a democracia e caía na tentação de pôr em oposição Liberdade e Mérito. Fizemos parte dos que não abriam mão da busca de mérito na instituição acadêmica. Defendemos a importância da estrutura multidisciplinar no ensino superior, iniciamos a revolução da internet, promovemos o desenvolvimento da pesquisa tecnológica, em cooperação com o setor produtivo. Esta convivência me passou admiração pelo homem público, estadista da ciência e do ensino universitário, cientista e professor.

Tomei conhecimento de Cândido Mendes nos anos 60, quando eu ainda jovem e ele já era um acadêmico ativo na formulação do pensamento brasileiro que serviu de base à formação intelectual de minha geração. Nos últimos anos, convivi pessoalmente com ele em visitas à Universidade Cândido Mendes e durante os seminários que organiza sob o título de Islam et Latinité, buscando construir diálogo entre os mundos Islâmico e Cristão. Estes seminários fazem parte do patrimônio mundial na busca do diálogo inter-religioso e do entendimento dos problemas contemporâneos. Filho da aristocracia católica, Cândido fez uma opção pelos pobres e optou pela racionalidade sem preconceito contra qualquer credo; humanista cosmopolita é um vigoroso nacionalista. Dele reconheço, sobretudo, a generosidade com que se entrega aos amigos que faz e às causas que defende.

Heitor Gurgulino é um jovem nonagenário que tem uma bicicleta em cada um dos seus endereços. Quando lhe perguntei sobre as dificuldades no tratamento de um câncer, reclamou do trânsito que lhe tomava muito tempo nos trajetos entre a casa e o hospital. Heitor foi professor assistente de física na criação do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA); fundador e primeiro reitor da Universidade Federal de São Carlos. Por 10 anos, ficou à frente da reitoria da Universidade das Nações Unidas e construiu o Câmpus da UNU, em um majestoso prédio, em uma das mais refinadas áreas da capital japonesa. Ocupou também o cargo de Subsecretário Geral das Nações Unidas e participou das mais importantes conferências da ONU. Aos1990 anos, é presidente da Academia Mundial de Arte e Ciência. Por tudo isso e por sua intensa atividade em dezenas de órgãos internacionais relacionados com educação, ciência, tecnologia, cultura, ele é o mais bem-sucedido brasileiro no cenário mundial da gestão acadêmica e da promoção de ciência.

A melhor palavra para definir cada um desses três nonagenários exigiria reunir os conceitos de incansável-estimulante-antecipador-professor — homem de ação — estadista de ideias. Os três fazem parte do seleto grupo de seres humanos que, ao longo do século 20 e início do 21, estiveram à frente de seu tempo, refletindo sobre a crise e propondo alternativas para a civilização, na encruzilhada que atravessamos: véspera de catástrofes ou de utopias. Deles tenho a imagem da juventude permanente: todos continuam em plena atividade intelectual, instigando, criando, contestando.Em um país que insiste em se manter como um dos piores do mundo na qualidade e na distribuição da educação para sua população, é surpreendente e animador que tenhamos três personalidades, nascidas ao mesmo tempo, que deram contribuições intelectuais e políticas tão elevadas ao mundo. E que não se cansam, não perdem a crença no futuro da humanidade e não param de lutar por ela.

Um dia, anos atrás, eu disse: “Quando crescer quero ser Darcy Ribeiro”; daqui a alguns poucos anos, gostaria de ser um nonagenário como algum desses três. Há duas semanas, tivemos o primeiro dia de Brasília sem Ari Cunha. Aos 91 anos, nos deixou o jornalista que nos informava e inspirava desde a inauguração de nossa cidade. Ele também foi um jovem nonagenário.

 


Cristovam Buarque: Improvisos seculares

Urgência de cuidar do fuzil nos faz desprezar a importância do lápis

Ainda no século XIX, um dos maiores brasileiros de nossa história, Joaquim Nabuco, disse que a Abolição ficaria incompleta se os escravos não recebessem terra para trabalhar, e seus filhos não recebessem escolas para estudar. Não lhe deram atenção. Cem anos depois, outro dos maiores brasileiros da história, Darcy Ribeiro, disse que se o Brasil não construísse escolas naquele momento, teria de construir cadeias no futuro.

Junto com o então governador Leonel Brizola, Darcy iniciou a construção de um sistema estadual de escolas públicas com máxima qualidade: os Cieps. Os governadores seguintes não deram continuidade a esse sistema em horário integral. Em 1990, o ex-presidente Collor tentou levar a ideia para o resto do Brasil com os Ciacs, mas, com o impeachment, a tentativa de federalização foi abortada.

A sociedade brasileira continuou sua marcha de pobreza, violência, desigualdade, ineficiência, improvisando soluções parciais para cada problema. Eleitos e eleitores não percebem que o berço de nossos problemas está na falta de um sistema nacional de educação com máxima qualidade; que o futuro de um povo tem a cara de sua escola no presente (83% dos jovens infratores abandonaram a escola ainda na educação de base). A população vê a ameaça de uma pessoa portando fuzil, mas não vê a esperança em um professor segurando um lápis, um livro, um computador dentro de uma boa escola. No momento, quase todo carioca apoia, e os demais brasileiros invejam, a decisão de federalizar a segurança do Rio de Janeiro, mas nem imaginam que a maior parte se opõe a uma federalização da educação de base.

Preferimos continuar nas improvisações seculares: “Abolição”, “República”, “desenvolvimento”, “democracia” e “segurança” sem educação. A urgência de cuidar do fuzil nos faz desprezar a importância do lápis, mas guiar-se apenas pelo desespero com a violência não leva à construção da paz.

Em sete meses, teremos eleições gerais, mas nenhum candidato a presidente parece consciente da dimensão de nossos problemas, nem interessado em oferecer uma resposta que não da improvisação pontual. Ainda menos, enfrentar os problemas imediatos considerando que a solução de longo prazo está na construção de um sistema nacional de educação com máxima qualidade.

Querendo apenas agradar ao eleitor assustado com o presente, ficam presos às improvisadas trapalhadas seculares dos discursos demagógicos. Os partidos boicotam seus candidatos que defendem a educação como solução, porque isso não atrai votos. Por mais consistência lógica que eles tenham, a urgência destrói os mais sólidos argumentos. Quem está com sede não aceita o aviso de que a água do poço em frente está contaminada e devemos cavar um novo poço em outro lugar. Poucos votam em quem propõe enfrentar fuzil também com lápis.

Por isso, não há ouvidos para a fala de Nabuco, nem de Darcy, nem para a ex-senadora Heloísa Helena quando, mais recentemente, disse: “Se adotássemos uma geração de brasileiros, ela depois adotaria o Brasil”.

 


Darcy Ribeiro

Darcy Ribeiro 20 anos. Que falta ele nos faz

Darcy Ribeiro 20 anos - programação

Seminário com mesas temáticas para debater o Legado de Darcy Ribeiro

Local: Arquivo Nacional - Praça da República, 173, Centro - Rio de Janeiro-RJ

Programação:

15/02/2017 - Quarta Feira

Mesa 1 - 9h30 às 12h30
DARCY SEMEIA ESCOLAS
Lia Faria
Helena Bomeny
Lucia Velloso Maurício
Mediação: Naná Gama e Silva

Mesa 2 - 14h30 às 17h30
OS FAZIMENTOS DE DARCY
Adelia Maria Miglievich Ribeiro
Haroldo Costa
João Luiz de Souza
Mediação: Maria Elizabeth Brêa

16/02/2017 - Quinta-Feira

Mesa 3 - 9h30 à 12h30
DARCY EM PROSA E VERSO
Eric Nepomuceno
Luzia de Maria
Haydée Ribeiro
Mediação: Yolanda Lobo

Mesa 4 - 14h30 às 17h30
DARCY DOS ÍNDIOS
Álvaro Tukano
Mércio Gomes
Eliane Potiguara
Mediação: Giselle Moreira


Cerimônia de Homenagem a Darcy Ribeiro

Local: Academia Brasileira de Letras
Av. Presidente Wilson, 203 - Castelo - RJ

17/02/2017 - Sexta-Feira

de 15h às 18h

  • Palestra do Reitor da UFRJ, Roberto Leher, com a presença de Paulo Ribeiro, Presidente da Fundação Darcy Ribeiro e convidados
  • Celebração dos 40 anos de lançamentos do livro "Maíra", de Darcy Ribeiro

Cynara Menezes, do Blog Socialista Morena, e Lino Bocchini, da CartaCapital, falam ao #ProgramaDiferente sobre política e jornalismo

O #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, acompanhou na noite desta terça-feira, 10 de novembro, em São Paulo, o lançamento do livro "Zen Socialismo - Os Melhores Posts do Blog Socialista Morena", da jornalista Cynara Menezes.

Natural de Ipiaú, região cacaueira da Bahia, ela se define como "socialista, comunista e bolivariana". Em 28 anos de carreira, já trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estadão, e nas revistas IstoÉ, Veja, Vip e Carta Capital. Hoje mantém uma coluna na Caros Amigos e o blog pessoal com o nome inspirado no antropólogo, político e escritor Darcy Ribeiro (1922-1997), que concebeu o "socialismo moreno", um socialismo à brasileira.

O "zen socialismo", ou uma visão holística do socialismo moreno, é o que ela prega neste livro da Geração Editorial, com prefácio de Jean Wyllys, e na sua atuação militante nas redes sociais, onde é uma espécie de musa da esquerda guerrilheira virtual que combate diariamente um exército imaginário de coxinhas golpistas.

Outro entrevistado no evento foi o jornalista Lino Bocchini, editor-geral de mídia on-line e redes sociais daCartaCapital, ele também um militante declarado de esquerda, com passagem pela Editora Abril, Grupo Folha,Revista Trip e Prefeitura de São Paulo (gestão Marta Suplicy), além de ser o criador da polêmica paródia ‘Falha de S Paulo’, site proibido pela Justiça.

Assista aqui, com exclusividade, o bate-papo com os jornalistas Cynara Menezes e Lino Bocchini sobre a crise do governo Dilma e o dia-a-dia da política, da mídia e do jornalismo.