Olavo de Carvalho recorre a conceito de Gramsci para atacar esquerda, explica Marcos Sorrilha

Em artigo publicado na revista Política Democrática Online, professor da Unesp analisa pensamento de escritor brasileiro.
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Reprodução/Internet
Reprodução/Internet

Em artigo publicado na revista Política Democrática Online, professor da Unesp analisa pensamento de escritor brasileiro

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

O escritor Olavo de Carvalho recorre ao conceito de hegemonia de Antonio Gramsci para interpretar o mundo e a construção da Nova Era, apropriando-se do paradigma gramsciano da política-hegemonia. Essa é a análise do historiador Marcos Sorrilha Pinheiro, em artigo de sua autoria publicado na 20ª edição da revista Política Democrática Online, produzida e editada pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), sediada em Brasília.

Acesse aqui a 20ª edição da revista Política Democrática Online!

Todos os conteúdos da publicação podem ser acessados, gratuitamente, no site da entidade. Professor assistente da Unesp (Universidade Estadual Paulista), Pinheiro diz que a palavra hegemônica é fundamental para entendermos como se daria a construção da Nova Era na versão de Olavo de Carvalho.

“Na verdade, não se trata apenas de uma palavra, mas de um conceito elaborado por Antonio Gramsci no início do século 20. Segundo Gramsci, o conceito de hegemonia retirava o socialismo do plano revolucionário e o trazia para o paradigma político/democrático”, explica o historiador.

Em Gramsci, de acordo com o professor, a construção de uma sociedade igualitária, principalmente no Ocidente, não se daria mais pela revolução, mas pela articulação do campo político, por meio da difusão de valores, tradições e ideias junto ao sistema nervoso das sociedades: a cultura.

Segundo Pinheiro, os partidos e seus intelectuais deveriam atuar como sujeitos articuladores dessa cultura, lançando mão dos aparatos próprios para sua mobilização: a mídia, a escola, as artes etc. “À medida que tais ideias fossem ganhando maior abrangência e concordância entre os cidadãos, seria aberta a possibilidade de que líderes comunistas fossem eleitos pelo voto e, uma vez no comando do Estado, lançariam mão das ferramentas do poder para organizar a sociedade em torno de seus ideais, convertendo-os em uma hegemonia”, diz.

Olavo de Carvalho, de acordo com o professor, recorre ao conceito de hegemonia gramsciano, pois, conforme explica, entende que, com o ocaso da União Soviética, Gramsci se converteu no grande paradigma de atuação da esquerda global. “Por meio de seus métodos (a contaminação da cultura com valores marxistas), foi possível aos intelectuais gramscistas o predomínio junto às principais instituições internacionais responsáveis pela elaboração de estratégias de desenvolvimento global, como a ONU, a OMS, ONGs etc., transformando pautas da esquerda em pautas da própria humanidade”, escreve.

Leia mais:

‘E seu eu acordasse negra?’, pergunta Lilia Lustosa para refletir sobre racismo

Black Lives Matter: Racismo aprofunda desigualdade, mostra reportagem

Eleições 2020: Qual desafio de prefeitos e vereadores eleitos? Veja resposta agora

‘Não creio que Bolsonaro produzirá conflito que leve à ruptura’, diz Nelson Jobim

‘Witzel poderá ser primeiro governador do Rio a sofrer impeachment’, analisa Paulo Baía

‘Não há solução econômica sem solução sanitária’, diz economista Benito Salomão

‘Decisão de organização internacional tem, em geral, caráter recomendatório’

‘Bolsonaro transformou saúde em território de guerra’, diz Alberto Aggio

Bolsonaro é responsável pelo avanço da pandemia no país, diz Política Democrática

Polêmica da intervenção das Forças Armadas é destaque da Política Democrática Online

Veja todas as edições anteriores da revista Política Democrática Online

Privacy Preference Center