Evandro Milet: A Decodificadora da vida e a revolucionária edição genética

Estamos no limiar de uma nova era, promissora por um lado e extremamente perigosa por outro
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Estamos no limiar de uma nova era, promissora por um lado e extremamente perigosa por outro

Evandro Milet / A Gazeta

Há pouco mais de um século foram descobertos três núcleos fundamentais da nossa existência: o átomo, o bit e o gene. A era do átomo, a partir de Einstein, na primeira metade do século XX, nos levou à bomba atômica e à energia nuclear, aos transistores e às naves espaciais, aos lasers e ao radar

Na segunda metade do século XX começou a era da tecnologia da informação, baseada na ideia de que toda a informação poderia ser transformada em números binários. Com isso desenvolveu-se o microchip, o computador e a internet que fizeram nascer as revoluções digitais.

Chegou a vez do gene com a revolução das ciências da vida. “A Decodificadora”, biografia de Jeniffer Doudna, vencedora do Prêmio Nobel de química de 2020 (com Emmanuelle Charpentier), escrita por Walter Isaacson, traça não só a vida da pesquisadora, mas todo o ambiente da biotecnologia e da revolucionária edição genética, que começa a resolver problemas de doenças e teve papel fundamental na revolução das vacinas para covid-19. E vai além, nos dando uma esclarecedora visão de como funciona o avanço da ciência, nas universidades e empresas e entre grupos de pesquisa com suas descobertas, mas também conflitos, disputas de patentes, competição e ciúmes.

Durante grande parte do século XX, a maioria dos medicamentos se baseava em avanços da química. O surgimento da empresa Genentech, em 1976, mudou o foco da comercialização para o ramo da biotecnologia. Os novos tratamentos passaram a envolver a manipulação de células vivas, muitas vezes por meio do uso da engenharia genética.

Ao longo de bilhões de anos, as bactérias desenvolveram um jeito totalmente esquisito e impressionante de se proteger contra os vírus. E esse sistema é adaptável: cada vez que um novo vírus surge, ela aprende a reconhecê-lo e a derrotá-lo.

Doudna e equipe conseguiram desenvolver a ferramenta básica CRISPR, para replicar esse processo e permitir a edição genética que sinaliza com a possibilidade de eliminar e prevenir doenças antes incuráveis. Com essa técnica desenvolveram um meio de reescrever o código da vida. Uma alteração genética com repercussão para as gerações futuras.

A tecnologia de utilização de CRISPR levanta alguns problemas: a possibilidade de programar características de seres humanos com todas as implicações éticas e o risco de utilização de mudanças genéticas para criar organismos para guerra. Tratar doenças com edição genética é aceitável pela comunidade científica, porém há questões complicadas como a pergunta: “Por que não posso dar a meu filho benefícios genéticos que outra criança tem naturalmente?”

O Departamento de Defesa nos EUA já patrocina pesquisas para estudar como criar soldados geneticamente melhorados. Em princípio, a tecnologia poderia fazer “supermelhoramentos”, isto é, dar aos humanos habilidades como enxergar luz infravermelha ou ouvir em altas frequências. Poderia ser criada uma nova raça de atletas, com ossos maiores e músculos mais fortes.

Mas, mesmo que concordemos em livrar a humanidade da esquizofrenia e de doenças parecidas, deveríamos considerar se haveria algum custo para a sociedade ou até mesmo para a civilização. Van Gogh tinha esquizofrenia ou transtorno bipolar, assim como o matemático John Nash, Ernest Hemingway, Francis Ford Copolla, Gustav Mahler, Franz Schubert e Edgar Allan Poe. “Queremos viver em um mundo em que não há Van Goghs?”, pergunta o autor do livro.

Enfim, estamos no limiar de uma nova era, promissora por um lado e extremamente perigosa por outro.

Nos avanços passo-a-passo da biotecnologia, no trabalho dedicado e de muita cooperação científica, expostos em detalhes no livro, fica claro o ridículo das teorias que imaginam uma grande conspiração na indústria farmacêutica para esconder a suposta eficácia de remédios baratos em inexistentes tratamentos precoces. Teorias suportadas por profissionais que não conseguem distinguir o trabalho de cientistas do trabalho de médicos. Muita coisa rasteira que será superada pela ciência, cujo exemplo neste livro é definitivo.

Fonte: A Gazeta
https://www.agazeta.com.br/colunas/evandro-milet/a-decodificadora-da-vida-e-a-revolucionaria-edicao-genetica-1121

Privacy Preference Center