Bruno Boghossian: Formação de frente contra Bolsonaro surge como experiência em Fortaleza

Associação de candidato com presidente empurrou líderes de PT, PSDB, DEM e PSOL para campanha.
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Foto: Fábio Lima / O POVO
Foto: Fábio Lima / O POVO

Associação de candidato com presidente empurrou líderes de PT, PSDB, DEM e PSOL para campanha

A dez dias do primeiro turno, Jair Bolsonaro abriu espaço em sua transmissão nas redes e pediu votos em Capitão Wagner (Pros) para a Prefeitura de Fortaleza. “Parece que é minha segunda cidade do Brasil”, disse o presidente. O candidato chegou ao segundo turno, mas agora enfrenta um consórcio político interessado em derrotar essa aliança.

A disputa na capital cearense exibe os traços de uma experiência para a formação de uma frente antibolsonarista. A associação entre Wagner e o presidente empurrou líderes de siglas como PT, PSDB, DEM e PSOL para a campanha de José Sarto (PDT), candidato de Ciro Gomes.

O deputado Marcelo Freixo (PSOL) deu o tom dessa coalizão ao declarar apoio a Sarto, na semana passada. “É muito importante derrotar o candidato do ódio, o candidato da mentira, o candidato do medo, o candidato do Bolsonaro”, afirmou o parlamentar, em vídeo que foi divulgado numa página de Ciro.

Na segunda-feira (23), o pedetista levou ao ar em seu programa de TV, manifestações de petistas e de Rodrigo Maia (DEM). “Ninguém governa sozinho”, disse o presidente da Câmara para justificar a participação da sigla na chapa do candidato.

Sarto também exibiu uma declaração do senador cearense Tasso Jereissati (PSDB), que já foi chamado por Ciro de “picareta-mor”. Depois de um longo afastamento, os dois ensaiaram uma reaproximação.

A formação desse tabuleiro carrega as marcas do cenário nacional. Líder de um motim da PM, Wagner rejeita o selo de afilhado de Bolsonaro, mas é um nome identificado com suas bandeiras. O alinhamento parece um mau negócio: 47% dos eleitores de Fortaleza consideram o presidente ruim ou péssimo; 26% dizem que seu governo é ótimo ou bom.

Alianças locais seguem as circunstâncias políticas de cada município, mas a disputa na capital cearense sugere que alguns personagens podem esquecer divergências políticas quando têm objetivos comuns –algo que o próprio Ciro se recusou a fazer no segundo turno de 2018.

Privacy Preference Center